O que é ser escritor (diálogo)

525 visualizações

Publicada em

Diálogo (entre pai e filho). O que é ser escritor sob o signo de Cronos: deus grego gerador destas crônicas, em termo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
525
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
80
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é ser escritor (diálogo)

  1. 4. Meu filho completou dez anos.
  2. 5. Meu filho completou dez anos. Ele passou todo este tempo me vendo escrever.
  3. 6. Ultimamente já se mostra inquieto, finalmente implicado com este negócio de ser escritor... Meu filho completou dez anos. Ele passou todo este tempo me vendo escrever.
  4. 7. Um “negócio” que toma quase todo o meu tempo sem mostrar a troco de quê..., Ultimamente já se mostra inquieto, finalmente implicado com este negócio de ser escritor... Meu filho completou dez anos. Ele passou todo este tempo me vendo escrever.
  5. 8. diz ele, pensando nos brinquedos que não ganha, na viagem de férias que não terá, no playstation 3 que continuará só na casa do vizinho ... Um “negócio” que toma quase todo o meu tempo sem mostrar a troco de quê..., Ultimamente já se mostra inquieto, finalmente implicado com este negócio de ser escritor... Meu filho completou dez anos. Ele passou todo este tempo me vendo escrever.
  6. 9. O menino anda preocupado, com razão. Mas ainda mostra respeito e quer entender...: afinal, meu pai, o que é ser escritor?... Um “negócio” que toma quase todo o meu tempo sem mostrar a troco de quê..., Ultimamente já se mostra inquieto, finalmente implicado com este negócio de ser escritor... Meu filho completou dez anos. Ele passou todo este tempo me vendo escrever.
  7. 10. Ser escritor, meu filho, é uma mágica..., um tanto ilusória, eu sei, mas fantástica, fabulosa mesmo...
  8. 11. Ser escritor, meu filho, é uma mágica..., um tanto ilusória, eu sei, mas fantástica, fabulosa mesmo... Ok, pai..., mas mesmo um mágico ganha com suas mágicas... E você, o que ganha por escrever?...
  9. 12. ... Meu pobre filho, o que ganho por escrever está muito além do que o dinheiro pode comprar...: Ser escritor, meu filho, é uma mágica..., um tanto ilusória, eu sei, mas fantástica, fabulosa mesmo... Ok, pai..., mas mesmo um mágico ganha com suas mágicas... E você, o que ganha por escrever?...
  10. 13. ... Meu pobre filho, o que ganho por escrever é muito mais do que o dinheiro pode comprar...: a imortalidade. Ser escritor, meu filho, é uma mágica..., um tanto ilusória, eu sei, mas fantástica, fabulosa mesmo... Ok, pai..., mas mesmo um mágico ganha com suas mágicas... E você, o que ganha por escrever?...
  11. 14. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  12. 15. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  13. 16. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  14. 17. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava. Crônicas como esta, por exemplo, dizem respeito ao tempo, vindo do deus grego “Cronos”, gerador de outros termos como cronológico, cronômetro... É claro, falo de uma imortalidade diferente... daquela tradicional que os religiosos ainda nos oferecem.
  15. 18. (!) Você sabe, cronômetro é aquele relógio que marca a duração de um fenômeno ou então de um evento qualquer... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  16. 19. E para mim o cronômetro é mesmo um aparelho fantástico, realmente inspirado em deuses, no caso usado pelo escritor não só para marcar o tempo de duração de um evento, mas para ainda mantê-lo ― em suspensão ― indefinidamente ... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  17. 20. Em um dos meus livros você irá encontrar textos escritos mais ou menos assim, sobre esta arte de escrever: (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  18. 21. Como é fabulosa esta potencialidade da mente humana, capaz de se estender pelo corpo, passar pelo coração e se manifestar no lápis entre os nossos dedos em habilidades sutilíssimas... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  19. 22. Milhares de anos de transformação e evolução até atingir um estágio de aprimoramento perfeito... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava. Posso descrever para os outros homens emoções que eles jamais experimentaram, e posso fazer renascer para o mundo memórias de homens que jamais são lembrados.
  20. 23. Como é fantástica a linguagem escrita. Através dela posso interromper a própria mutabilidade do tempo...; posso sustentar as emoções de um momento ― indefinidamente ― , sem que elas jamais se esgotem ou percam a intensidade. Emoções como estas que estamos a viver aqui e agora, meu filho, entre eu e você... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  21. 24. Veja só. Quando você estiver com a minha idade e ler o que estou escrevendo aqui perceberá que as mesmas emoções vibram em modo contínuo... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  22. 25. Estas emoções não cessam, elas não se esgotam, não acabam, não morrem...; estão aqui e estarão lá..., no futuro, e assim, através delas, eu estarei lá também, com você ... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  23. 26. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  24. 27. Tenha calma. Você entenderá por fim, isto que não tem fim, isto que é ser escritor... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava. Sob o signo de Cronos nos tornamos “imortais”...
  25. 28. Acredite. É por isto que nas academias de letras fala-se de “imortais”. ... “Imortais”, apesar de alguns já estarem mortos. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava. Não são deuses, naturalmente, mas também, inegavelmente, são pertecentes a esta raça de criaturas inspiradas em deuses..., seres imortais.
  26. 29. Imortais mortos, meu filho, são como aquelas estrelas extintas..., cujas luzes ainda podemos ver brilhando no céu da noite..., porque as luzes das estrelas são como as luzes de nossas vidas, estas que não ficam retidas ou presas em nós... (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  27. 30. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava. Vê?!, o que é ser escritor?!... De todo modo é fabuloso, pois, além de nós dois, quem estiver lendo estas palavras achará que estou vivo ...
  28. 31. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito. ... Aguardava.
  29. 32. (!) Ele ficou me olhando em silêncio, do modo como já se tornara hábito.
  30. 33. Lanier Wcr

×