Linfedema

1.732 visualizações

Publicada em

O que é
Graus
Proposta Tratamento

Publicada em: Saúde
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.732
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Linfedema

  1. 1. Terapia Complexa Descongestiva Tratamento do Linfedema
  2. 2. Apresentação • Fisioterapeuta • Especialista em Linfodrenagem Manual • Especialista em Estética em Cirurgia Plástica • Diretora da Ass. Brasileira de Crochetagem
  3. 3. Apresentação • Docente de Pós Graduação em Fisioterapia Dermato da Gama Filho da Unisuam em Estética Clínica da UNESA do Instituto Embelleze e cursos de aperfeiçoamento da Ass. Bras. Crochetagem
  4. 4. TCD – FCD- FD • Terapia da área da Fisioterapia Objetivo recuperar a funcionalidade
  5. 5. Funcionalidade Mem Sup.
  6. 6. Funcionalidade Mem.Inf.
  7. 7. Funcionalidade da Expressão
  8. 8. Então, a TCD trata o linfedema e suas peculiaridades Mas o que é o LINFEDEMA?
  9. 9. Linfedema • Aumento de volume visível e palpável causado por excesso de líquidos com proteínas de alto peso molecular no espaço intersticial (Földi,M.)
  10. 10. Linfedema bilateral membro inferior
  11. 11. Linfedema região escrotal
  12. 12. Linfedema homolateral direito membro superior pós CA mama
  13. 13. Classificação do Linfedema Primário a)Congênito
  14. 14. Causas 1) Falha de drenagem do sistema Linfático - na absorção pelos capilares - na deficiência valvular
  15. 15. Causas 2) Má formação congênita no sistema linfático - hipoplasia / hiperplasia dos vasos - redução do numero de linfonodos Imagem video programa Balanço Geral, Wagner Montes – 17/05
  16. 16. Classificação do Linfedema Primário b) Precoce -da puberdade ao 35 anos
  17. 17. Classificação do Linfedema Primário c)Tardio - após 35 anos
  18. 18. Classificação do Linfedema Secundário Má formação adquirida do sist linfático
  19. 19. Classificação do Linfedema Secundário -Traumatismos - Filariose - Pós infecção - erisipela - Neoplasias - Cirurgias
  20. 20. Causas do Linfedema Acidentes
  21. 21. Causas do Linfedema Cirurgias
  22. 22. Causas do Linfedema Pós Filariose Verme Wuchereria bancrofti Culex
  23. 23. Causas do Linfedema CA mama
  24. 24. EpidemiologiaEpidemiologia ano2010ano2010
  25. 25. Incidência CA mama 15% 11%6% 50% Quadrante superior medial Quadrante inferior medial Quadrante superior Lateral Quadrante inferior Lateral central17%
  26. 26. Controle do CA mama •Atenção: Assimetria da Mama
  27. 27. Controle do CA mama • Rachadura no mamilo
  28. 28. Controle do CA mama Aparecimento de nódulos em um ou ambos os seios
  29. 29. Controle do CA mama • Secreção no mamilo
  30. 30. Controle do CA mama • Alterações da pele do seio
  31. 31. Controle do CA mama • Mudanças no mamilo ou por alteração na posição ou por retração
  32. 32. Controle do CA mama • Diagnóstico médico precoce • Mamografia anual a partir dos 35/40
  33. 33. Controle do CA mama • Auto – exame
  34. 34. TOQUE-SE
  35. 35. linfedema quando não tratado.....
  36. 36. Proposta de Tratamento Do Linfedema
  37. 37. Fisioterapia Descongestiva • Dr.Michael Földi • Alemanha – 1970 • Terapia em 2 fases • Associada 4 pilares
  38. 38. Fisioterapia Descongestiva Fase I Fase II
  39. 39. Fase I para Fase II Tamanho mais próximo da normalidade • Enfaixamento • Atendimento mensal - acompanhamento
  40. 40. Fase II : Enfaixamento elástico lymphedivas
  41. 41. Fisioterapia Descongestiva Os 4 Pilares: • 1/4- Drenagem Linfática Manual
  42. 42. Wathersheds - divisor de águas Transversal anterior superior Transversal Anterior inferior Sagital anterior
  43. 43. Fisioterapia Descongestiva Anastomoses linfáticas
  44. 44. 2/4- Cuidados com a pele • Prevenção ressecamento , fissuras • Infecção bacterianas • Processos inflamatórios • Micoses
  45. 45. 3/4 : Enfaixamento inelástico • As somas das pressões de trabalho e de repouso das contrações musculares estimulam os linfangions, aumentando a reabsorção das proteínas (Godoy,2001) GoHGConsu
  46. 46. 4/4 -EXERCÍCIOS • Membro enfaixado • A favor da força da gravidade • Maneira lenta • de 5 a 10 repetições • 2 séries por dia • 30 minutos de duração (Godoy,2006)
  47. 47. Exercício Mem.Inf. passivo
  48. 48. Exercício de Mem.Inf ativo
  49. 49. Exercicio Mem.Sup passivo
  50. 50. Exercicio Mem.Sup. ativo
  51. 51. Exercicio Mem.Sup
  52. 52. Exercicio Mem.Sup
  53. 53. Exercicio Mem.Sup
  54. 54. Contenção com Gorgurão
  55. 55. Devem ser prescrito de acordo com • Estágio do linfedema • Idade do paciente • Atividade profissional • Estilo de vida • Saúde do paciente
  56. 56. Atividades da Vida Diária • Capaz de realizar as AVDS • Participar do convívio social familiar • Se sentir útil • Se sentir produtiva
  57. 57. Conclusão A FD evita as complicações decorrentes do linfedema: - limitações articulares e fibroses - alterações posturais e psicológicas - mudanças sociais • Quando mais cedo o início do tratamento menor a deformação, melhor o resultado e um rápido retorno às avds (Godoy,2010)
  58. 58. Funcionalidade acometida
  59. 59. Fisioterapia
  60. 60. Funcionalidade restabelecida
  61. 61. Agradecimentos Dr.José Maria Godoy Cirugião Vascular São José do Rio Preto www.drenagemlinfatica.com.br Prof.Henrique Baumgarth linfoterapeutamaia@yahoo.com.br

×