Parque Nacional Peneda-Gerês, Portugal

2.250 visualizações

Publicada em

Recebi do amigo Manny, compartilho.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.250
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parque Nacional Peneda-Gerês, Portugal

  1. 1. Parque Nacionalda Peneda-Gerês Único parque nacional de Portugal Situa-se no extremo nordeste do Minho, fazendo fronteira com a Galiza. Área total: 72.000 hectares
  2. 2. É uma das maiores atrações naturais de Portugal,pela rara e impressionante beleza paisagística e pelo valor ecológico. Variedade de fauna
  3. 3. Variedade de flora
  4. 4. Carvalho
  5. 5. Portas de Entrada no Parque Natural do Gerês Porta de Lamas do MouroPorta do Campo de Gerês Montalegre
  6. 6. De Montalegre já se vê o Gerês
  7. 7. Miguel Torga, um dos Poetas e Escritores Que mais escreveu e caminhou pela Serra do Gerês. “Subida à Calcedónia, uma das coroas de glória cá da terra. A tarde estava como um veludo, e as fragas, amolecidas pela luz, pareciam broas de pão a arrefecer. Do alto, a paisagem à volta era dum aconchego de berço. Muros sucessivos de cristas — círculos concêntricos de esterilidade — envolviam e preservavam a solidão. Nas vezeiras, resignadas, as rezes esmoíam os tojos como quem ajeita um cilício ao corpo.E mais uma vez me inundou a emoção de ter nascido nesta pequena pátria pedregosa que é Portugal. Há nessa condenação como que uma graça dos deuses. Também é preciso ser de eleição para merecer certas pobrezas...” Gerês, 6 de Agosto de 1952. Miguel Torga - Diário VI
  8. 8. Pitões das Júnias (Santa Maria das Júnias) É a capital do turismo Barrosão. É também a capital do Parque Natural do Gerês.Pitões das Júnias é uma aldeia situada a cerca de 1200 metros de altitude, no norte de Portugal, dentro doParque Nacional Peneda-Gerês, na região de Barroso,Trás-os-Montes. Faz parte do Concelho de Montalegre, Distrito de Vila Real.O clima inóspito no inverno e a conseqüente imigração contribuíram para que a aldeia mantivesse sua pequena população e o aspecto medieval. As casas de pedra são um dos grandes atrativos desta pequena aldeia.
  9. 9. Mas sem dúvida que a sua maior atração é: O Mosteiro de Santa Maria das Júnias. O Mosteiro de Santa Maria das Júnias fica entalado num vale, por onde corre o rio Campesinho. De todas as construções, apenas a igreja conserva o seu telhado; o resto são paredes em ruína.Localiza-se num território completamente isolado e foi consagrado à Senhora das Unhas que, por simplificação fonética, se tornou Senhora das Júnias. A antiguidade do edifício da igreja é atestada pela inscrição gravada na face exterior do muro da igreja que delimita o cemitério, junto à porta lateral: ERA: MCLXXXV. Assim, o ano de 1147 será a data provável da fundação do mosteiro das Júnias.
  10. 10. Vaca cachena e boi barrosão Para saber mais sobre Pitões: Pitões, Aldeia do Barroso - filme de Ricardo Costa sobre Pitões das Júnias
  11. 11. Depois de Pitões das Júnias a trilha leva-nos a um dos locais mais enigmáticos do Gerês, com quebrantos, diabos e lendas: A Ponte da MisarelaAqui o diabo anda mesmo à solta, o rio Rabagão corre livre, sulcando rochas e falésias, deixando atrás de si um rastro de lagoas e belas cascatas. O Norte do país é extremamente rico em lendas e estórias de encantar, diabos à solta, feiticeiras e almas penadas. Conta-se ainda que debaixo da ponte eram comuns práticas ancestrais ligadas à fertilidade.
  12. 12. O “falar” barrosãoEncravada entre Trás-os-Montes, o Minho e a Galiza, a região deBarroso é uma ilha cultural e geográfica, com "pobos" (aldeias) degranito espalhados por "barrosas" (encostas das serras), lameirosregados por fios de água cristalina, tradições comunitárias queescaparam à erosão do tempo, mistérios do corpo e da mente e cultossagrados da natureza das águas e das fontes. Uma terra assim mereciauma língua própria.Rui Guimarães, professor na UTAD, conduziu à descoberta de um falarpróprio do Barroso, um subdialeto transmontano e alto-minhoto,arquétipo da forma originária do português.Exemplos de Barrosismos:Andubinho! - Chamamento pelo moço que transporta o vinho durante ostrabalhos agrícolas. Também se usa "afoutar os homes!"Barbanzum - Malandro, sacanaChismiz - Bocadinho de comida, migalho.Dequitar - Provocar o abortoGrossabagalhoça - Murmúrio, "zum-zum"Parva - Refeição ligeira entre o pequeno almoço e o almoçoRepolhaça - Rapariga atraenteSamalagantas - Bicho do monteZargolina - Embriaguês
  13. 13. Terras do BouroEm Terras de Bouro, os vestígios arqueológicos são impressionantes.
  14. 14. A Geira É o nome popular da VIA NOVA, também conhecida por Via XVIII do Itinerário de Antonino,um caminho romano que ligava duas importantes cidades do Noroeste da Península Ibérica: Bracara Augusta, atual cidade de Braga, em Portugal e a cidade de Asturica Augusta, hoje Astorga, na Espanha.Em Terras de Bouro a Geira percorre as freguesias de Souto,Balança, Chorense, Vilar, Chamoim, Covide, Campo do Gerês e chega, por fim, à Portela do Homem, seguindo depois em território espanhol Existem mais de 150 miliários, que assinalavam as milhas na Via e davam a conhecer, ao viajante, a distância até à cidade mais próxima.
  15. 15. Em Terras de Bouro É possível vislumbrar vestígios das Pontes Romanas(sobre o Ribeiro da Maceira, Ribeira do Forno, Ribeiro de Monção e a Ponte de S. Miguel, sobre o Rio Homem), calçadas com marcas de rodados, pedreiras de onde foram extraídos miliários e blocos de pedra para construir as pontes.vestígios arqueológicos de pequenos povoados indígenas ou de apoio à construção da Via, que atestam a importância desta Via.
  16. 16. O Castelo de Lindoso Localiza-se no lugar do Castelo, na Freguesia de Lindoso, Concelho de Ponte da Barca, Distrito de Viana do Castelo. O topônimo Lindoso deriva de Limitosum (Limesitis) e não de lindo, como fantasiosamente se afirma.O lugar estratégico que é Lindoso, esteve sempre relacionado com a defesa, respondendo no princípio da formação de Portugal, à concepção de uma cintura defensiva ao longo da fronteira com o reino vizinho. A sua fundação como castelo deve situar-se no início do Séc. XIII, com D. Afonso III, devendo a data situar-se entre 1220 e 1258.Mandado restaurar e ampliar por D. Dinis, a quem alguns atribuem a torre de menagem, que nele residia durante as caçadas que fazia no Gerês. O Castelo foi reforçado por obras do séc. XVII, mas conserva quase perfeita a sua arquitetura medieval.
  17. 17. Espigueiros Junto ao Castelo levantam-se mais de cinqüenta espigueiros dos séc. XVIII e XIX, num aglomerado impressionante e único no país.Inteiramente de pedra, cada exemplar apóia-se em vários pilares curtos. A função dos espigueiros é para a secagem de cereais, mais concretamente o milho. Este tipo de espigueiros também existe em Parada e Cidadelhe, onde existem outros notáveis conjuntos embora em número consideravelmente menor.
  18. 18. Cidadelhe Onde existiu uma povoação Castreja.Cidadelhe situa-se perto da Vila de Lindoso (a 5Km), esta povoação de Cidadelheé tradição ser antigamente cidade chamada Bretalvão (ou Flavia Lambria). É certo que existem vestígios de antigas fortificações.
  19. 19. O castelo de Castro LaboreiroCuja fundação remonta ao século XI.
  20. 20. A região de Castro Laboreiro é famosa pela raça de cães homônima.
  21. 21. Águia RealBy Eliane/2008

×