Olha o olho da menina - Marisa Prado - Ilust. Ziraldo

2.411 visualizações

Publicada em

Recebi da amiga Lenira, compartilho.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.411
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Olha o olho da menina - Marisa Prado - Ilust. Ziraldo

  1. 1. OLHA O OLHO DA MENINAO primeiro livro no mundo com versão integral disponível na Internet! texto de Marisa Prado ilustrado por ZIRALDO http://ipanema.com/livros/olha/cover.htm
  2. 2. Menina cresciaescutandoque não adiantavamentirporque mãe sempresabia
  3. 3. Mãe diziaque lia na testada Menina,e que só Mãesabia ler testa.
  4. 4. Menina tentavatapar a testa com a mãona hora de mentir.Mãe achava graça. Muitagraça.E continuava lendo assimmesmo.
  5. 5. Menina precisavaentendercomo essa coisamisteriosa acontecia.No espelho do banheiro,mentia muito em silêncio.E na testa, nada escrito!
  6. 6. Aí, Menina descobriuque Mãe também mentia.E que então não era testa- era o olho, com um brilhodiferente -que entregava a mentira.
  7. 7. Menina então tentavafechar o olho com força,para esconder a Mentira.Mas nem isso resolvia,pois Mãe sempreadivinhava.
  8. 8. Menina tinha era queaprendera fingir de olho abertoque mentira era verdade.Menina tentou, tentou...e aprendeu.Era essa a solução.
  9. 9. Mas de noiteMenina ficava apertadapor dentro.Assim meio sufocada,não podia nem piscar.Com o olho muito aberto,não conseguia dormir.
  10. 10. Faltava ar pra Menina.Igual quando a gente ficaquase sem respirarrindo de uma cosquinha.Só que não tinha graça.
  11. 11. Menina - sem querer -tinha descoberto aConsciência,uma coisa que tomaconta da gentemesmo quando Mãenão está lendo testa,nem adivinhando olho.
  12. 12. Menina tinha aprendidoque ter que fingir doía.E que desse jeitoia ficar muito sem graçaser gente grande.Menina desistiu decrescer.
  13. 13. Mas não adiantava.Menina via que agorajá estava quase da alturado móvel da sala da vovó.E ficava muito triste,o aperto apertando mais.
  14. 14. E de tanto que o apertoapertava,Menina achou que fingirsó podia doer tantoporque era dor sozinha.
  15. 15. Menina teve uma idéia,e ainda não sabiase era idéia brilhante.Mas sabia - isso sim -que precisava testar,pra conseguirdescobrir
  16. 16. A idéia da Meninafoi dizer para Mãeque era difícil fingir.Menina achava ruimaprender montes de coisassem dividir com ninguém.
  17. 17. Menina falou pra Mãeque era muitocomplicadoe que não era nada bomter que crescer sozinha.
  18. 18. Mãe abraçoumuito apertado a Menina.E no colo tão esperadoMenina estava sendo mãeda Mãe.
  19. 19. Menina sentiuque Mãe estavachorando.E que Mãeainda não tinhaaprendido tudo.
  20. 20. Mãe não falava nadaMas uma e outra sabiamnaquele abraço apertadoque em Mãe também doíaser gente grande sozinha.
  21. 21. Nessa hora E que aí,Menina entendeu tudinho. dá até vontadeDescobriu que só carinho de continuar a cresceré que espanta a solidão. pra descobrirE que dor, se dividida, o resto das coisas.fica dor menos doída.

×