FábulaA árvore e o homem
Vinha um homem caminhando em umaregião desértica, com a cabeça exposta ao    calor escaldante do sol, coberto de   andrajo...
- Pobre homem, o quanto de ti sinto pena. E ele num misto de surpresa e revolta,              respondeu:  - Quem és tu, po...
E ele em sua revolta disse:- Cala-te inerte, não vês que com meu machado               posso destruir-te?       - Sim. Dis...
- A verdade? Olha esse riacho que ao meu              lado corre.- Esse é um desesperado como eu, disse ele,     pois que ...
- Engana-te novamente, no som de seu    marulho, ele canta um hino de louvor ao  nosso “grande criador”, pois que, desde s...
E ele levanta-se, sai e olhando para traz diz:- Como ousas inerte e insignificante criatura         falar-me dessa maneira?
E ela responde:  - Eu falei? Mais um engano teu pobre homem, eu sou árvore, eu não falo, tudo que ouviste está dentro de t...
Saudade é prolongamento de um espírito                       afastado,         vive longe no momento e está sempre ao     ...
FORMATAÇÃO  Autor do Slide: Prado SlidesE-mail: jpamador@superig.com.brTexto: André Silva – In Memorian           Imagens:...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A arvore homem

374 visualizações

Publicada em

Recebi da amiga Eunice, compartilho.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
374
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A arvore homem

  1. 1. FábulaA árvore e o homem
  2. 2. Vinha um homem caminhando em umaregião desértica, com a cabeça exposta ao calor escaldante do sol, coberto de andrajos, com suas sandálias rotas, sentindo também seus pés escaldarem na areia quente, era um pobre andarilho.Eis que, olhando em frente deslumbrou aorla de uma floresta verdejante e para lá em continente se dirigiu. Chegando ao abrigo de uma frondosa árvore ouviu:
  3. 3. - Pobre homem, o quanto de ti sinto pena. E ele num misto de surpresa e revolta, respondeu: - Quem és tu, pobre e insignificante criatura, para de mim sentires pena? Ela calmamente respondeu: - Senta-te a minha sombra, encosta tuascostas cansadas em meu tronco, aproveitao refrigério de minha sombra, acalma-te eobserva... Levanta a cabeça e olha minhacopa, estais vendo a claridade radiante de nosso “Astro Rei” a incidir em minhas folhas? Observa bem os clarões que ele derrama entre minhas folhas sem me violentar, aquilo que a ti castiga a mim não prejudica, porque a carícia do vento que balança minha copa, refrigera minha seiva reconduzindo-a a minha raiz, mais
  4. 4. E ele em sua revolta disse:- Cala-te inerte, não vês que com meu machado posso destruir-te? - Sim. Disse ela, porém somente a ti violentarás, derruba meu tronco, ele se deteriorará, fortificando minhas raízes, que continuam vivas e eu estarei mais forte. Disse que de ti tenho pena, porque de fato eu tenho, sendo tu, privilegiado pelo nosso “GrandeCriador’, que em sua grande sabedoria deu-te aoutorga da locomoção, o da palavra articuladapara a comunicação, deu-te ainda o raciocínio e o livre-arbitrio, tornando-te o dono de nosso plano terreno. Diga-me pobre homem o porquedessa caminhada em desespero, o que procuras? - Disse ele: A verdade.
  5. 5. - A verdade? Olha esse riacho que ao meu lado corre.- Esse é um desesperado como eu, disse ele, pois que está sempre correndo em desespero.- Engano teu, disse-lhe a árvore, a correria é aparente porque ele tem um destino pré determinado, vê bem, ouve o som de seu marulho. - É um grito de revolta, disse o homem.
  6. 6. - Engana-te novamente, no som de seu marulho, ele canta um hino de louvor ao nosso “grande criador”, pois que, desde suanascente, conduz em seu leito, folhas mortas, flores, sementes, criaturas do meu reino quesabiamente em suas margens vai depositando, fortificando-as com nascimento de novas faunas, e com sua umidade traz o abraçofraterno de todas as minhas irmãs. Acalma-tepobre homem, levanta tua cabeça novamente e reflete, olha novamente minha copa, vê o brilho do “astro rei”, a carícia do vento, a harmonia do balançar de minhas folhas, o cântico dos pássaros, o zumbido dos insetos, a minha postura, embora inerte, vê bem, reflete, pois que em meus ramos os pássarosmidificam, criam seus filhotes, de meus frutos se alimentam em seu bojo minhas sementes conduzem, semeando-as adiante, para que novas árvores nasçam e novos pássaros se
  7. 7. E ele levanta-se, sai e olhando para traz diz:- Como ousas inerte e insignificante criatura falar-me dessa maneira?
  8. 8. E ela responde: - Eu falei? Mais um engano teu pobre homem, eu sou árvore, eu não falo, tudo que ouviste está dentro de ti, vai, segue, procura uma companheira, cria raízes,funda teu lar, verás então que no primeiro vagido de uma criança sentirás todas asalegrias que nosso “grande criador” em sua misericórdia tem me concebido. Autoria de ANDRÉ SILVA
  9. 9. Saudade é prolongamento de um espírito afastado, vive longe no momento e está sempre ao nosso ladoEsta foi uma das formas que encontrei para homenagear alguém que embora já tenha partido deste mundo, ainda vive em meu coração, faz parte de minha vida e de muitos aos quais foi companheiro, amigo, irmão, pai, sogro, sobretudo um grande homem, exemplo de dignidade, meu querido e amado avô. Anália Viviane
  10. 10. FORMATAÇÃO Autor do Slide: Prado SlidesE-mail: jpamador@superig.com.brTexto: André Silva – In Memorian Imagens: Cadê Respeite o Autor. Não retire e nem modifique os créditos!

×