Fotografia av, tv, a, p

365 visualizações

Publicada em

Conhecimento dos recursos e elementos básicos para o ato fotográfico.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
365
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fotografia av, tv, a, p

  1. 1. Dicas de modos de regulagem da câmera
  2. 2. Aprenda a usar os modos M, P, AV/A, TV/S e Automático de sua máquina fotográfica e como eles podem facilitar a sua vida. Por Diego Calvo Nas câmeras digitais profissionais, semi-profissionais e Power Shots, é possível usar diferentes modos de regulagem para extrair a fotografia, isso facilita muito a vida do fotógrafo, mas também pode trazer resultados indesejáveis. O negócio é usar cada modo para a situação certa. É importante, também, verificar o manual de seu equipamento. As nomenclaturas que usaremos aqui são das marcas Canon e Nikon. Alie isso à algumas técnicas básicas, como a regra dos terços, e terá um resultado bem melhor.
  3. 3. P – Programa da câmera – Nele você pode definir o ISO e o balanço de branco e o programa da máquina irá determinar, automaticamente, a velocidade e a abertura do diafragma “apropriados” para a cena que está fotografando, ou seja, é semi-automático. Uso: Quando está com preguiça de ficar regulando a câmera de um ambiente a outro, ou quando é preciso mudar, rapidamente, do sol para à sombra. Automático – Representado, geralmente, por um quadrado verde – O programa da câmera toma todo o controle da fotografia, você só precisa mirar, focar e apertar o botão. Uso: Quando você quiser sair em uma foto e entrega a câmera para a sua mãe fotografar, aí, é só pedir para ela apertar o botão. M – Manual – Neste modo, todos os controles da câmera, velocidade, ISO, abertura, balanço de branco, etc., devem ser regulados manualmente. Uso: É amplamente usado por profissionais. Nele você consegue todos os efeitos regulando as variáveis para atender suas necessidades.
  4. 4. Mais dicas
  5. 5. Modo AUTO: Este é o modo onde a câmera toma as decisões no lugar do fotógrafo; os ajustes de ISO, obturador (velocidade da abertura) e abertura, e uso do flash são feitos pela câmera, de acordo com as informações recebidas pela lente. Nesse modo, o fotógrafo pode apenas definir o modo de disparo (disparo simples ou contínuo), modo de foco, área de foco, e ajustar o flash para automático ou forçado desligado, com pequenas variações entre os modelos de câmeras. Embora seja o modo recomendado (e bastante utilizado) para iniciantes, ele nem sempre tomará as melhores decisões na hora de fotografar. Muitas vezes as intenções do fotógrafo são diferentes das detectadas pela câmera, e o resultado não é bom. Mesmo com as tecnologias presentes nas câmeras de hoje, nada como buscar pessoalmente a foto na forma que queremos. Em quase todos as marcas e modelos esse modo é identificado com a palavra AUTO ou a letra A, em uma cor diferente no seletor de modos.
  6. 6. Modo P: O modo P (programa) ajusta os controles de obturador e abertura da câmera, de acordo com as condições recebidas. A diferença importante nesse modo é que o fotógrafo pode selecionar várias combinações desses ajustes, para que a foto se aproxime mais do resultado esperado (maior ou menor velocidade de disparo, abertura grande ou pequena). Os demais ajustes, como ISO, modos de foco, área de foco ficam por conta do fotógrafo. Um bom teste que se pode fazer é fixar a câmera em uma cena qualquer no modo P, e ir selecionando as diferentes combinações oferecidas pelo modo. Você poderá notar que, se ir selecionando velocidades de obturador menores, a abertura irá aumentando para manter aproximadamente a mesma exposição, e vice-versa. Alterações no ISO também alterarão as combinações desse modo. Esse modo é mais interessante que o automático, pois dá mais controle ao fotógrafo e também pode-se dizer que é mais ‘didático’, pois facilita o entendimento dos ajustes de obturador, abertura e ISO, sendo assim bom para iniciantes ou em situações onde há pouco tempo para ajustes.
  7. 7. Modo S/Tv: O modo S (em câmeras Nikon) ou Tv (em câmeras Canon) é o de prioridade de obturador (velocidade da abertura). Utilizando esse modo o fotógrafo seleciona a velocidade desejada do obturador, seja para congelar uma cena ou mostrar movimento, e a câmera ajustará a abertura adequada para uma boa exposição. Todos os demais ajustes são manuais. Nesse modo também é fácil visualizar os ajustes automáticos da câmera: à medida que selecionamos velocidades de obturador mais lentas, a abertura fica menor, e vice-versa. O modo S/Tv é bem apropriado para situações em que a velocidade do obturador é o principal fator que se quer ajustar nas fotos, e geralmente usado com objetos em movimento. Modo A/Av: O modo A (em câmeras Nikon) ou Av (em câmeras Canon) prioriza o ajuste de abertura do obturador. Já é deduzível que ele faz o oposto do modo anterior; no modo A/Av o fotógrafo seleciona a abertura desejada para cada momento, e a câmera automatiza a velocidade de obturador para aquela exposição, deixando os demais ajustes para o fotógrafo. Dessa vez, o que o fotógrafo quer é definir a abertura do obturador, deixando a imagem com maior ou menor profundidade de campo (leia sobre profundidade de campo aqui). Tanto no modo A/Av quanto S/Tv o fotógrafo iniciante pode fazer um teste fotografando cenas com a menor e maior velocidades em S/TV e menor e maior abertura em A/Av; no primeiro caso, as fotos dos extremos mostrarão a cena congelada ou borrada, e no segundo caso, a profundidade de campo irá mudar bastante entre as fotos. Em todos os casos, a exposição será semelhante.
  8. 8. Modo M: Esse é o modo manual, que dá total controle ao fotógrafo no seu trabalho. Todos os ajustes são manuais e independentes, exigindo do fotógrafo um maior conhecimento dos efeitos de cada ajuste sobre os outros. Entretanto, não é tão difícil assim. Um tempo razoável de prática já acostuma o fotógrafo fazer os seus ajustes mais rapidamente, e a reconhecer o que é necessário em cada situação. O modo manual possui ainda um indicador de nível de exposição, que é como uma régua graduada, onde a marca central indica uma exposição equilibrada entre claros e escuros, e os lados esquerdo e direito indicam, respectivamente, as sub e superexposições. Se o indicador está mais para a esquerda, indica que os ajustes estão deixando pouca luz entrar pela objetiva, e se está mais à direita, há muita luz entrando. A imagem abaixo mostra o nível de exposição da Nikon, indicando uma leve subexposição:
  9. 9. Com certeza, o modo manual é o que dá mais liberdade de criação ao fotógrafo, permitindo que sejam criadas imagens com exposições perfeitas exatamente nas regiões desejadas, o que nem sempre acontece nos modos com alguma automação. Certos estilos fotográficos onde qualquer intervenção automática para equilibrar a exposição, como as fotografias nos estilos Low Key e High Key, por exemplo, obtém melhores resultados nesse modo. Ainda existem vários outros modos de operação, variando bastante conforme as marcas e modelos de câmeras, como os modos de fotografia de retrato, fotografia noturna, paisagem, macro, de esportes, bebês, etc, onde cada uma delas prioriza determinada característica para o tipo de foto escolhido. Onde há automação, nem sempre o resultado pode ser o esperado, como já disse; por isso, eu pessoalmente procuro usar apenas o modo manual, e em raros momentos, os modos S/Tv e A/Av. Ernani Kern.

×