Evgen Bavcar

380 visualizações

Publicada em

Introdução a obra desse fotografo com deficiência visual.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
380
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evgen Bavcar

  1. 1. Evgen Bavcar – entre a luz a as sombras.
  2. 2. "Enxergo muito bem com os olhos da imaginação, do desejo, da liberdade.“ Evgen Bavcar
  3. 3. Ele não nasceu cego. Evgen Bavcar contemplou o mundo visível até os 12 anos. O fotógrafo esloveno nasceu em 1946 e ainda criança sofreu dois acidentes que o fizeram perder a visão: primeiramente perdeu a visão do olho esquerdo ao sofrer uma queda e ter seu olhos perfurado por um galho; enquanto a perda da visão do olho direito foi resultado de um acidente enquanto brincava com um detonador de minas. Com 1% de visão, ele começou a fotografia ainda muito cedo, com 16 anos pegou emprestada a câmera de sua irmã, uma Zork 6. Tirou algumas fotos de seus colegas de escola e ao revelar disse a si mesmo: "não vejo as imagens e, contudo, sou capaz de fazê-las". A ausência de visão física não é um obstáculo para Bavcar, o fotógrafo encontrou seu caminho na escuridão para encontrar a sua luz. Para ter o melhor controle de luz, ele prefere fotografar durante a noite, com o auxílio de uma fonte de luz artificial. Quanto ao foco, Bavcar consegue através das mãos medir a distância entre o objeto e a câmera. Para os retratos é guiado pela voz de quem esta retratando. http://fotografeumaideia.com.br/site/fotografos/inspiracoes/352-evgen-bavcar-o- fotografo-do-in-visivel
  4. 4. “ No documentário ‘Janelas da Alma’ , ele fala sobre fotografar aquilo que não vê, mas sente e escuta. Num momento do documentário ele conta como foi fotografar sua sobrinha correndo e brincando pelo campo. Com um sininho na mão, a menina começou a correr e dançar para ele, e pelo som do sino ele podia saber onde ela estava.” "Enxergo muito bem com os olhos da imaginação, do desejo, da liberdade."

×