Educação pirata

192 visualizações

Publicada em

Existe possibilidade de pensarmos uma educação a partir de ideias provindas do anarquismo? Essa aula tem como base a ideia de zona autonoma temporária do inglês Hakin Bey.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
192
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação pirata

  1. 1. Zonas Piratas Ricardo Macêdo 2007
  2. 2. Invisibilidade:Sem muros,sem fronteiras, apenas,demarcações temporárias.
  3. 3. Segundo Edgar Morin : “O simples não passa de um momento, um aspecto entre várias complexidades (microfísica, macrofísica, biológica, psíquica e social)” (Morin, 2005) Logo, a relação sujeito/sujeito perpassa por estes aspectos quando pensamos nas inter-relações no dia-a-dia. A partir disso, o grau de complexidade do individuo, determinará os modelos de “baixa Complexidade, média complexidade, alta complexidade, isto em função dos desenvolvimentos da auto-organização(autonomia, individualidade, riquezas de relações com o meio ambiente, Atitudes para a aprendizagem, inventividade, criatividade, etc.)” (Morin, 2005) Então, levando em conta os cinco campos descritos no primeiro parágrafo, a possibilidade de Sugerir outras maneiras de perceber cada um deles, dentro do esquema de zonas piratas (slide 2), inserindo no cotidiano (sala de aula), novos modelos de pensar/sentir esses Cinco campos, possibilitará os primeiros passos do individuo no cenário complexo, resultado Da aplicação sistemática do modelo complexo aqui exposto. A observação que temos a fazer é referente a importância de se conhecer, ter acesso aos campos Que norteiam a compreensão do real para cada individuo especifico, para a partir daí mediar, Fazer a ponte para o conhecimento que se quer e achar necessário ao individuo, sempre de Forma discreta e motivadora, sem muros: invisível e com espaço para intercâmbio com o meio (slide 3).
  4. 4. Psíquico (perfil : materialista) Social (perfil: anti-social) Biológico(perfil:depredador ambiental) Microfísica (perfil: anti higiênico) Macrofísica (perfil: consumista) individuo ESQUEMA DE CARACTERÍSTICAS DE UM INDIVIDUO
  5. 5. Psíquico (perfil : materialista) Social (perfil: anti-social) Biológico(perfil:depredador ambiental) Macrofísica (perfil: consumista) individuo Microfísica (perfil: anti higiênico) Formação de zonas piratas Intercambiáveis e móveis. Novo campo: Holístico, exemplo. Novo campo: sociabilidade. Novo campo: sistemismo. Novo campo: criticidade Novo campo: sinestésico INFILTRAÇÃO SISTÊMICA DA ZONA PIRATA EM UM INDIVIDUO
  6. 6. O que chamamos aqui de “perfil”, nada mais é do que apenas um exemplo daquilo que por ventura gostaríamos de substituir, se caso, tal perfil (segundo nossa observação), esteja sendo improdutivo para o individuo. Os novos campos de conhecimento, deverão gerar novas formas de identificação do sujeito com seu meio e com os outros sujeitos.Deverão ser substituir, não por imposição a característica do perfil anterior, mas, por necessidade provinda do próprio individuo a partir de apresentações teóricas e práticas do “novo campo” instigando e motivando o individuo a conhecer melhor o novo campo em sala e fora dela. Os novos campos deverão ser apresentados de forma sistêmica, em rede.Onde cada campo abrirá porta para os outros campos, sempre em inter-relação, inter-conexão, por isso são móveis e abertos (ver slide 3) Observação: As zonas piratas deverão ser trocadas, caso haja rejeição do novo campo As metodologias de aplicação em sala deverão acompanhar os esquemas de ensino já existentes, relativos à faixa-etária dos indivíduos.

×