Guia - começar a investir - exame

669 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
669
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guia - começar a investir - exame

  1. 1. Um guia para quem planeja começar a investir na bolsaCaso as taxas de juros continuem a cair nos próximos anos, aplicar em renda variável vai se tornar praticamente obrigatório noBrasilCréditos: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/acoes/noticias/guia-quem-planeja-comecar-investir-bolsa-575786?page=1&slug_name=guia-quem-planeja-comecar-investir-bolsa-575786 São Paulo - Se antigamente existia a cultura de que quem investe em bolsa de valores é especulador ou milionário e que os fundos de renda fixa são uma forma segura e viável de multiplicar o patrimônio, hoje em dia esse panorama já começa a mudar. A imensa maioria dos agentes do mercado financeiro acredita que, se o Brasil continuar a dar certo, os juros pagos por investimentos em fundos de renda fixa ou DI tendem a ser cada vez menores. Aplicar ao menos uma parte do patrimônio em bolsa passará a ser, portanto, praticamente obrigatório - seja para garantir umaaposentadoria confortável, seja para obter o retorno necessário para comprar um bem no futuro. "A tendência éque a taxa de juros caia cada vez mais, e será mais difícil ganhar dinheiro com a renda fixa", explica Paulo Mazon,diretor de varejo da Win Trade.Se o Brasil deixar de ser o paraíso dos juros altos, há uma série de razões para acreditar que a bolsa será ocaminho a ser seguido por quem tem dinheiro para investir. O primeiro deles é a experiência internacional. NosEstados Unidos, mais de 90 milhões de pessoas físicas aplicam em ações. No Japão, são 27 milhões. A meta daBM&FBovespa é elevar o número de pequenos investidores de 500.000 para 5 milhões em cinco anos.Outro motivo para as pessoas irem à bolsa é que, no longo prazo, os investimentos em renda variável costumamser os mais rentáveis. "Neste tipo de mercado, o investidor, além de receber bons dividendos, irá se beneficiar docrescimento da economia do país e de suas grandes empresas", diz Mazon.Por último, investimentos em bolsa oferecem uma liquidez maior que outras opções de aplicações com algumrisco. Quem opta por investir nas maiores empresas da bolsa pode comprar e vender papéis quando quiser semter de se sujeitar a pagar comissões e impostos altos nem ter de pagar um prêmio se tiver pressa em se desfazerde algum ativo.O principal inconveniente da bolsa é o risco. Ninguém sabe quando o mercado vai subir ou cair - nem mesmo osmelhores gestores e investidores do mundo. Portanto, a compra de ações só é recomendada para quem nãoplaneja mexer no dinheiro por alguns anos - já que haverá tempo suficiente para que eventuais perdas sejamrecuperadas.Como começarÉ possível investir na bolsa de três maneiras diferentes. Uma delas é individualmente. A pessoa deve procuraruma corretora para intermediar as operações, transmitindo as ordens de compra e venda de papéis. Nesse caso, adecisão de investimento cabe a pessoa física, que optará por comprar ou vender determinada ação.Outra maneira é formando um clube de investimentos com amigos ou membros da família. O grupo procura acorretora que irá administrar os negócios e elege um membro para ficar em contato direto com o corretor. Essemembro poderá ou não tomar decisão em nome dos outros membros do clube – é o estatuto que vai definir aquem cabe, em última instância, o direito de decidir que papéis comprar.E, por fim, pode-se ainda investir através de um fundo de investimentos. Compram-se cotas de fundos de açõesque são administrados por gestores profissionais independentes ou ligados a alguma instituição financeira. E é ogestor que procura as melhores oportunidades na bolsa - no caso, ações a preços baixos ou com bom potencial deretorno.O investidor será informado periodicamente pelo gestor sobre os resultados do investimento, mas pouco poderáinfluir na tomada de decisão. É necessário, portanto, procurar algum gestor com boa reputação no mercado antesde entregar-lhe o dinheiro. Especialistas recomendam verificar no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM)
  2. 2. se os responsáveis por determinado fundo são profissionais reconhecidos pelo órgão.E, se você tenha tempo e interesse em estudar o mercado de ações e decidir gerir os próprios investimentos, oprimeiro passo é escolher uma corretora. Erra quem decide contratar a corretora que oferece apenas o menorpreço para o envio de ordens para a compra e a venda de ações. Estrutura de aconselhamento, distribuição de relatórios de analistas, realização de cursos, ajuda na montagem deoperações para a proteção da carteira e estabilidade do sistema são alguns diferenciais importantes que tornamdeterminadas corretoras mais interessantes do que outras. "É bom avaliar o número de empresas que a corretoratem analistas para cobrir, pois só nesses casos o investidor poderá contar com orientação", alerta Hélio Pio,gerente comercial da ÁgoraInvest.Depois que tiver escolhido a corretora, o investidor passa para a parte burocrática. Será necessário abrir umaconta na corretora na qual ele irá depositar o montante a ser investido. A corretora será remunerada sempre queo investidor comprar ou vender algum ativo por meio de uma comissão fixa ou um percentual da transação.Algumas instituições também cobram uma taxa pela custódia dos papéis comprados, que será repassada àCompanhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC). Por último, a cada transação será necessário pagaremolumentos à BM&FBovespa.O beabá do mercadoQuando o critério é o tamanho da empresa, existem três tipos de ações. As chamadas "blue chips", ou ações deprimeira linha, são as mais aconselhadas para investidores iniciantes. Com bons índices de liquidez e volume denegócios na bolsa, essas ações são provenientes de grandes companhias, de boa credibilidade no mercado.Já ações ditas de segunda linha são papéis menos negociados que as primeiras. Por fim, existem as ações deterceira linha, com liquidez ainda menor e pertencentes a médias ou pequenas empresas.Depois, escolhe-se qual a modalidade da ação. Boa parte das companhias tem papéis preferenciais e ordinários.Se a ação for preferencial, o investidor terá prioridade sobre os demais na distribuição de dividendos, mas, emcompensação, não poderá participar da tomada de decisão em assembleias de acionistas.Isso quer dizer que, se a diretoria da empresa decidir vendê-la por um preço abaixo do valor de mercado, porexemplo, o investidor não poderá votar contra a operação. As ações preferenciais podem ser identificadas quandohá a sigla PN após o nome da empresa ou pelo número 4 no código de negociação. As preferenciais da Petrobras,por exemplo, podem ser chamadas de Petrobras PN ou pelo código PETR4.Já as ações conhecidas como ordinárias dão direito a voto. O investidor poderá participar de todas as assembleiasconvocadas para que uma empresa decida sobre seu próprio futuro. Em geral, essa é a ação que costuma serdetida pelo acionista controlador da companhia. De certa forma, os minoritários ficam mais protegidos ao comprareste tipo de ação, porque dificilmente o dono de uma empresa irá tomar uma decisão que prejudique a elemesmo.Entender os termos usados no mercado financeiro, no entanto, é apenas o começo do trabalho do investidor. ABM&FBOVESPA aconselha analisar três pontos antes de escolher as ações que irão formar sua carteira deinvestimentos: a rapidez com que um papel pode ser comprado ou vendido elo preço de mercado (liquidez), opotencial de retorno (também conhecido no jargão de mercado como "upside") e o risco ("downside").O grande problema é fazer uma análise de todos esses fatores com uma quantidade bastante limitada deinformações. Todas as companhias listadas só podem divulgar informações relevantes ao mercado como um todo.As informações publicadas geralmente não são de fácil entendimento para quem não tem um conhecimentoaprofundado de contabilidade. E nenhuma empresa tem a estrutura necessária para tirar individualmente dúvidasde todos os potenciais investidores.Decididas quais e quantas ações serão compradas, chega a hora de passar a ordem para a corretora. O investidorpode fazer isso pela internet (via home broker) ou por telefone - essa última opção pode ser mais cara. Três tiposde operações podem ser contratadas: ordem a mercado, ordem limitada e ordem casada.A ordem a mercado apenas especifica a quantidade e o tipo de ações que serão compradas. Se houver umapessoa interessada em vender a ação pelo preço oferecido, a transação é fechada. A ordem limitada, por sua vez,executa a compra da ação por um preço igual ou melhor que o especificado pelo investidor.Já a ordem casada, como o próprio nome diz, "casa" uma ordem de compra e uma de venda e são executadas
  3. 3. simultaneamente. Assim que a ordem, enviada pela corretora à bolsa, for executada, o investidor passa a ser,finalmente, dono daquela ação e, de certa maneira, sócio da empresa emissora do papel.Antes de começarMuita gente começa a investir na bolsa em um momento de alta, ganha dinheiro durante algum tempo e, quandoo mercado vira, perde tudo o que havia ganho e muito mais. Por isso, são incontáveis os casos de investidoresque deixaram a bolsa após menos de um ano. Abaixo o Portal EXAME publica as principais dicas de especialistaspara não perder dinheiro por falta de experiência com a bolsa:Conheça a si mesmoAntes de qualquer movimento, você precisa saber qual é o seu perfil de investidor (clique aqui e faça o teste).Saber qual o grau de tolerância você tem a riscos e quanto tempo pretende manter o investimento antes deresgatá-lo vão lhe ajudar a escolher as melhores ações para sua recém-criada carteira.Só invista com horizonte de longo prazoSepare o que faz parte do seu pé de meia do montante que pode investir. E nunca utilize uma quantia de dinheiroque você sabe que irá precisar em pouco tempo. Renda variável, dizem especialistas, é sinônimo de longo prazo.Escolha uma boa corretoraPara saber se a corretora é boa, consulte o site da CVM e cheque se ela tem os registros pertinentes para operar.Observe qual o nível de abrangência dos serviços que presta (Quantas empresas cobre? Que empresas sãoessas?) e, por fim, escolha aquela cuja equipe considere a mais bem preparada para lhe atender.Não invista todo seu dinheiro na bolsaAgora que você já tem o capital do investimento separado e uma boa corretora, pode pensar na porcentagem queirá aplicar em renda variável e quanto irá manter na renda fixa.Compre ações aos poucosNão entre pesado na bolsa logo de cara. Comece aplicando na renda variável no máximo 20% de seu capital emantenha os outros 80% em renda fixa ou em poupança. Nada de ir com sede ao pote e arriscar tudo. Você podeganhar muito dinheiro, mas pode perder tudo também.Aposte também em dividendosEleve a frequência e os valores do investimento somente à medida que seus conhecimentos da bolsaamadureçam. Mantenha aplicações constantes e programadas, como uma poupança. E não se esqueça de comprartambém ações de empresas que podem não possuir um enorme potencial de crescimento, mas que pagam bonsdividendos. "É o que deixa alguém rico", explica Mazon, da WinTrade.Mantenha-se informadoSaiba tudo o que puder a respeito das empresas cujas ações compõem sua carteira de investimento. Escolha asações de companhias com boa governança e que estejam inseridas em setores da economia nos quais vocêacredita.Tenha paciênciaAplicar na bolsa não é sinônimo de dinheiro rápido no curto prazo. Às vezes é necessário esperar um bom tempopara obter bons lucros. Lembre-se do que diz Warren Buffett, talvez o homem que mais ganhou dinheiro embolsa. Segundo ele, o mercado acionário é uma forma eficiente de transferir dinheiro do apressado para opaciente.

×