LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR ASPECTOS POR IMAGEM
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Curtiu isso? Compartilhe com sua rede

Compartilhar

LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR ASPECTOS POR IMAGEM

  • 2,269 visualizações
Uploaded on

LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR - COMO EU TRATO? ...

LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR - COMO EU TRATO?
CLUBE DO JOELHO 04/03/2013

Mais em: Educação
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Visualizações

Visualizações totais
2,269
No Slideshare
2,269
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0

Ações

Compartilhamentos
Downloads
11
Comentários
0
Curtidas
0

Incorporar 0

No embeds

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide
  • AgradecimentoSempre buscando o melhor para o nosso produto final que o paciente
  • Que me foi proposto foi falar um pouco sobre os métodos de imagem Rxutil nos casos de fratura / avulsao e tb nos casos de posoperatorioRM que é o padrão ouro, vou tentar passar pra vcs um pouco da minha rotina pra avaliação do joelho com enfase nos lCPComo se apresentam as lesoes agudas e cronicasLesoes associadasFugindo um pouco do tema propostos, falar um pouco do aspecto de pos-op
  • Estabilizador estático do joelho, impedindo a translocação posterior da tíbia em relação ao femur.Os cirurgioes ortopédicos adquiriram maior experiencia tanto na parte funcional, mas principalmente na parte prática sobre o LCP, aumentando a responsabilidade dos radiologistasAs dificuldades aumentam quando a avaliação física é feita na fase aguda, devido as lesoes secundarias, hemoartrose e as lesoes associadas Estabilizador estático do joelho, impedindo a translocação posterior da tíbia em relação ao femur.
  • É uma estrutura ligamentar intra-articular, porém extra-sinovial, composto por duas bandas uma AL e outra PMquese origina da face lateral do condilo femoral medial e se insere no aspecto posterior do planalto tibial
  • Bom jacomecando a falar da rm, eu vou tentar resumir a rotina, desde a realizaçao do exame até o laudoO Meu protocolo é esse, esitem algumas variaçoes
  • Sainda da parte chata dos protocolos, vamos comecar a falar do ligamento propriamente dito
  • Bom aqui sao imagens de mri nos planos sagiaisdp e t2 com supressão de gordura.
  • COROnat t1 ve a porcao proximal do lcp e no axial o aspecto da dupla bandaLembrando sempre q nao vamos ver o ligamento em uma imagem apenas
  • Cuidados na interpretaçãoLigamentos meniscofemorais,sao ligamentos q vao do corno posterior do menisco lateral ate a face interna do condilo femoral medialprincipalmente o anterior humprey . Angulo mágico que é um artefato da rm nas seq t1 aparecendo com alto sinal em t1, por isso é interessante quando analisar o exame comparar com a outra sequencia.Degeneração em paciente mais velhos, o ligamento fica espessado e com delaminações intersticiais. DAI A importancia dos dados clínicos.
  • 23 na populacao em geral, sendo maior em acidentes auto e esportes especficifosJa sabemos que as lesoes isoladas do lcpsao menos frequentesPor isso da importancia da detectacao da lesoes combinadas
  • Intrassubantciais principalmente qdo agudasAspectos das lesoes, agudas a mri apresenta maior sensibilidade de especidade.Cronicasmtas vezes o ligameto esta integro apenas espessado ou com a sua orientação alterada, devendeo ser necessaria a correlação com a clinica
  • Apenas uma alteracao de sinal focal, geralmente no 1/3 medio , sem rotura trasnfixante, sem interposicao liquida entre fragmentos, derrame articular assoicado, mantendo sua orientação
  • Esse caso lembro que foi um dos primeiros casos que eu apresentei na nossa reuniao na residencia , lesao isolada do lcp
  • Nos vamos identificar uma trasnfixacao na regiao da rotura, com interposiçào de liquida entra as extremidades
  • Avulsao na porcaoprocximal
  • Alteração de sinal e espessamento do LCP, assumindo um aspecto frouxe e espessado
  • Quando se fala em espessura, alguns trabalham consideram o diâmetro ap normal de 6 mm de espessura, sendo maior q isso maior a propabilidade de rotura cronicaMostra ainda uma tabela, que diz q qto maior a espessura maior .
  • Ja mostrei alguns casos Osseascontusoes ou ate fratura. Mtas vezes podemos identificar o mecanismo de trauma.Meniscofemorais q ajudam na estabilizçao posteriorMeniscaissao menos frequentes, mas podem existiirE do cantoposterolateral q vamos falar um pouco mais adiante
  • Apresenta uma anatomia complexa devido q quantidade grande de estruturas em um espaco pequeno, por isso precisamos de todos os planos para melhor caracterizacao.Mtas vezes naoserapossivel identificar todos os ligamentos, porem deve-se tentar indentifcar os mais importante, pois a maioria dos casos ciúrgicossao de lesoes associadas
  • LCL melhor visto no plano cor, geralmente em 2 planos, devido sua orientação obliqua
  • Mtas vezes de dificilidentificacao, pois mantem uma relacao intima com a capsula articular posterior
  • E pra terminar, falar um pouco do pos-op. Todos os radio tem medo do pos-op Devido a sua baixa frequencia .Aspecto dos tuneisósseo, usando o msmraciocinio do lca, sendo q no lado direito
  • Fibrose do neoligamento e um alargamento do tunel tibial, podendo estar o mesmo insificiente.

Transcript

  • 1. LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR-COMO EU TRATO?CLUBE DO JOELHO 04/02/2013 DIEGO MOURA MÉDICO RADIOLOGISTA mouradiego@hotmail.com
  • 2.  Métodos por imagem- RX e RM Aspectos das lesões- Aguda x crônica Lesões associadas- Canto posterolateral Pós-operatório
  • 3.  Estabilizador estático do joelho Maior conhecimento sobre o LCP Avaliação clínica Efeitos a longo prazo do lesão crônica
  • 4.  Bobinas específicas Joelho em extensão ou leve flexão Rápido (+/- 15 min) Protocolo (3 e 4 mm)- Sagital DP e T2- Coronal T1 e T2- Axial T2
  • 5.  LCP NORMAL:- Baixo sinal em todas as sequências- Forma arqueada com joelho em extensão ou levemente fletido- Planos sagital e coronal: identificar o ligamento em no máximo duas imagens sequenciais
  • 6. DICA IMPORTANTE!!!!SEMPRE QUE AVALIAR UM PLANO EM UMA DETERMINADA PONDERAÇÃOCOMPARAR COM O MESMO PLANO EM OUTRA PONDERAÇÃO SAGITAL DP SAGITAL T2 COM FS
  • 7. CORONAL T1 AXIAL T2 COM FS
  • 8.  Ligamentos meniscofemorais (Humprey e Wrisberg) Efeito do “ângulo mágico” nas sequências T1 – áreas de alto sinal Degeneração em pacientes mais velhos (degeneração mucóide)
  • 9. LIGAMENTOS MENISCOFEMORAIS
  • 10. ÂNGULO MÁGICO
  • 11.  Cerca de 23 % das lesões traumáticas agudas do joelho Lesões isoladas são menos frequentes- ATENÇÃO COM O CANTO POSTEROLATERAL Lesões combinadas – incidência e probabilidade de tto cirúrgico maior
  • 12.  Localização- Intrassubstacial- Avulsão femoral- Avulsão tibial Fase aguda x crônica- Aguda – sensibilidade e especificidade- Crônica – clínica
  • 13.  Lesão parcial / intersticial SAGITAL T2 FAT SAT
  • 14. SAGITAL T1 SAGITAL T2 FAT SAT
  • 15.  Lesão completa SAGITAL T2 FAT SAT
  • 16. SAGITAL T2 FAT SAT SAGITAL T1
  • 17. AJR:191, October 2008
  • 18.  Ósseas (contusões) Ligamentares (LCA, colaterais e meniscofemorais) Meniscais Condrais Canto posterolateral
  • 19. ANATOMIA COMPLEXA – ESTUDO MULTIPLANARIMPORTANTE IDENTIFICAÇÃO
  • 20. LIGAMENTO COLATERAL LATERAL
  • 21. TENDÃO BÍCEPS FEMORAL
  • 22. MÚSCULO E TENDÃOPOPLÍTEO
  • 23. MÚSCULO POPLÍTEO
  • 24. LIG. ARQUEADO
  • 25. DIREITOESQUERDO
  • 26. SAGITAL T1
  • 27.  RM apresenta um papel fundamental Necessidade de uma avaliação multidisciplanar “Checklist” Rotura (aguda x crônica) Lesões associadas
  • 28. OBRIGADO!!!