ConteúdoO DESAFIO DE IMPLANTAR PARQUES TECNOLÓGICOS – PARTE 4 ..........................................3Delimitando o Fra...
O DESAFIO DE IMPLANTAR PARQUES TECNOLÓGICOS – PARTE 4Delimitando o Framework de implantação de um parque tecnológico      ...
complexidade e escala dos projetos, os empreendimentos de Parques                      Tecnológicos possuem longos período...
A incorporação imobiliária dos Parques Tecnológicos                          Essa dimensão de “incorporação imobiliária” é...
conciliar retornos atrativos tanto para os investimentos imobiliários como para                          os investimentos ...
Neste tópico,             O objetivo ao longo dos quatro artigos foi o de apresentar e caracterizar osencerramos a discuss...
em relação aos resultados do projeto. A relevância e as questões pertinentes                          para esse workshop f...
Nesta etapa do            deve ser mais específico, especialmente no que diz respeito às demandas dosframework, já é      ...
operação – também serão distintos e heterogêneos entre si.                         No entanto, acreditamos que o framework...
O desafio de implantar parques tecnológicos - parte 4
O desafio de implantar parques tecnológicos - parte 4
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O desafio de implantar parques tecnológicos - parte 4

675 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
675
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O desafio de implantar parques tecnológicos - parte 4

  1. 1. ConteúdoO DESAFIO DE IMPLANTAR PARQUES TECNOLÓGICOS – PARTE 4 ..........................................3Delimitando o Framework de implantação de um parque tecnológico ..................................3 1. INTRODUÇÃO ............................................................................................... 3 2. O ARRANJO INSTITUCIONAL E A INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA ....................................... 3 A governança dos Parques Tecnológicos .............................................................................. 3 A incorporação imobiliária dos Parques Tecnológicos.......................................................... 5 3. FRAMEWORK DE IMPLANTAÇÃO .......................................................................... 6 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................... 9AUTOR .............................................................................................................................. 10
  2. 2. O DESAFIO DE IMPLANTAR PARQUES TECNOLÓGICOS – PARTE 4Delimitando o Framework de implantação de um parque tecnológico 1. INTRODUÇÃOIndependentemente Esse artigo é o quarto da série intitulada “O Desafio de Implantar Parquesdas especificidades Tecnológicos”, que tem o objetivo de estruturar as principais questões delocais, é possível planejamento estratégico para a implantação desses habitats da inovação.definir etapas comuns, Essa discussão sobre o planejamento e as fases de implantação de um Parquepelas quais todas as Tecnológico é extensa e não foi objetivo dessa série “esgotar” esse tema. Aoiniciativas de Parques contrário, espera-se que esses artigos possam estimular a produção de maisTecnológicos devem conhecimento e, especialmente, a descrição e sistematização de experiênciaspercorrer para de implantação de Parques, principalmente nacionais. O objetivo principalaumentar suas chances dessa série é o de definir e estruturar os principais conceitos que sãode sucesso. Esse artigo fundamentais para o planejamento desses empreendimentos e apresentar umapresentará a framework de etapas que devem ser percorridas por qualquer projeto deimportância de duas implantação de Parques Tecnológicos. Independentemente dasdimensões: o arranjo especificidades locais, que sempre existirão em todos os projetos, é possívelinstitucional e a definir etapas comuns, pelas quais todas as iniciativas de “Parques induzidos”incorporação (ou Parques Tecnológicos de segunda geração) devem percorrer paraimobiliária – além de aumentar suas chances de sucesso. Assim, esse artigo apresentará aapresentar o importância de duas dimensões ainda não discutidas anteriormente – o arranjo“framework de institucional e a incorporação imobiliária – além de apresentar o “frameworkimplantação”. de implantação”, que é a síntese de todos os temas discutidos desde o primeiro artigo. 2. O ARRANJO INSTITUCIONAL E A INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA A governança dos Parques TecnológicosOs conceitos de Uma questão importante que permeou todos os artigos foi a analogia feitahardware e software, com os conceitos de hardware e software. Elas referem-se às duas principaisque permearam todos dimensões do planejamento de Parques Tecnológicos, que são uma dimensãoos artigos dessa série, física stricto sensu, ou seja, desde a escolha do terreno até os investimentosse referem às em edificações, e uma dimensão de serviços de “gestão do conhecimento e dadimensões físicas de inovação” que um Parque Tecnológico deve ofertar para as empresas e ICTs –um Parque Instituições de Ciência e Tecnologia. A existência desses serviços queTecnológico, e aos denominamos no artigo anterior de “gestão da integração” entre ciência eserviços de gestão da mercado é exatamente o que diferencia um Parque Tecnológico de umaintegração. Outro simples aglomeração de empresas inovadoras (Condomínio de empresas deelemento fundamental alta tecnologia).do software dosParques Tecnológicos é Além desses aspectos, um elemento fundamental do software dos Parqueso arranjo institucional. Tecnológicos é o que denominamos arranjo institucional. Em outras palavras, um dos fatores de sucesso é a estrutura de governança, ou “arquitetura institucional”, que se estabelece para os Parques. Mas, qual seria a definição mais precisa desse termo? E por que é um aspecto importante? Nos artigos anteriores foi destacado o fato de que os projetos de Parques Tecnológicos são “multi-institucionais”. Apesar de existir uma instituição líder – que em geral é uma Universidade – já nas fases preliminares é muito comum a participação do poder público, tanto municipal como estadual, assim como associações empresariais e fundações públicas ou privadas. Essa característica traz consigo aspectos positivos relacionados ao fato de que, pela própria
  3. 3. complexidade e escala dos projetos, os empreendimentos de Parques Tecnológicos possuem longos períodos de maturação, e quanto maior oOs Parques número de instituições envolvidas mais diversificadas serão as fontes deTecnológicos são financiamento. No entanto, essa característica traz um conjunto deprojetos “multi- interesses, e mais do que isso, uma diversidade de expectativas em relaçãoinstitucionais”. Isto à própria definição e resultados esperados de um Parque Tecnológico quetraz aspectos nem sempre são convergentes. Essa característica, em geral subestimada naspositivos. Mas também fases iniciais dos projetos de Parques Tecnológicos, pode se tornar um pontogera uma disparidade de conflito futuro e um possível “ponto de estrangulamento” para ode objetivos que pode desenvolvimento dos projetos. Esse tema, mais explorado no primeiro artigose tornar “ponto de da série, deve ser objeto constante de análise pelos gestores dos Parquesestrangulamento” para Tecnológicos que precisam promover a convergência de expectativas desde oo desenvolvimento do início, para que o planejamento estratégico não fique comprometido noprojeto. futuro em função de assimetria de informação e disparidade de objetivos entre as instituições fundadoras. No entanto, esse conjunto de interesses jamais deixará de existir, inclusive sendo natural diferenças constantes no estabelecimento de metas específicas e na orientação das instituições sobre qual a melhor estratégia seguir. Ademais, as instituições trazem experiências de gestão muito distintas entre si, o que é por um lado enriquecedor, pois a instituição nascente pode se aproveitar de todos os aprendizados de suas fundadoras, mas também pode gerar indefinições, especialmente sobre a execução das atividades do projeto, o que aumenta o risco de ineficiência na fase de implantação de um Parque Tecnológico. Como resolver, ou pelo menos, minimizar esse problema?A alternativa é A alternativa é “criar uma instituição nova”, no sentido de que o Parqueestruturar o Parque de Tecnológico deve se constituir em uma personalidade jurídica autônoma emodo a constituir uma independente das suas instituições fundadoras. A independência daspersonalidade jurídica estruturas administrativas das fundadoras é condição essencial para que oautônoma e Parque Tecnológico possa se tornar uma experiência de “convergência de boasindependente das suas práticas de gestão”. Em outras palavras, a independência jurídico-instituições administrativa cria a oportunidade de implementar o aprendizado advindo dasfundadoras. diversas experiências institucionais. Se o Parque Tecnológico emerge replicando uma estrutura pré-existente, perde-se o espaço de “inovação institucional”.É importante haver um É importante também que dentro da governança dessa nova instituição se crieespaço decisório em um espaço decisório no qual as instituições fundadoras possam se fazerque as instituições representar com direito a voz e voto. Em outras palavras, uma das formas defundadoras possam se acomodar os conflitos de interesse, que são inerentes ao processo, é permitirfazer representar com a existência de um “Conselho Deliberativo” no qual as instituições fundadorasdireito a voz e voto. possam discutir e definir os objetivos estratégicos do Parque Tecnológico. Além disso, é importante que existam “Diretorias” responsáveis pela execução desse planejamento com autonomia administrativa, e como enfatizado anteriormente, que possam trabalhar a partir das “melhores experiências de gestão das fundadoras”, sem estarem atreladas a estruturas já existentes. Independente do nome que se atribua às estruturas, o que se propõe é muito parecido com a governança de empresas S.A., nas quais existe um Conselho de Administração e um grupo de diretores responsáveis pela execução das metas. Como a instituição Parque Tecnológico não necessariamente possui fins lucrativos, a legislação brasileira apresenta outras personalidades jurídicas adequadas às características descritas acima, como as Associações de Direito Privado. Assim, mesmo com essas duas características essenciais ao sucesso da governança de um Parque Tecnológico, esse arranjo institucional está continuamente “submetido à inovação”, não existindo uma arquitetura única e definitiva para ele. O importante é conciliar a dimensão “multi- institucional” a que os projetos de Parque estão submetidos com agilidade nos processos de execução e implementação de ações, sem perder o caráter inovador que um Parque precisa ter inclusive na forma de organização interna do seu processo de trabalho.
  4. 4. A incorporação imobiliária dos Parques Tecnológicos Essa dimensão de “incorporação imobiliária” é um componente fundamental do hardware dos projetos de Parques Tecnológicos. Nessa fase o termo “empreendimento” é o que melhor se aplica para caracterizar os desafios e obstáculos para a implantação de Parques Tecnológicos. Essa natureza de investimento imobiliário torna-se muito latente especialmente se a fase de planejamento urbano e obras de infra-estrutura – temas discutidos no segundo artigo dessa série – foi executada com sucesso. Especificamente, se um projeto consegue urbanizar um terreno e criar uma instituição que se responsabilize por ele, a “angústia” que se cria nas instituições fundadoras e na sociedade local é a seguinte: como vamos ocupar fisicamente nosso Parque Tecnológico? Em outras palavras, como viabilizar a instalação das empresas e de instituições de Ciência e Tecnologia no Parque Tecnológico? Nos casos em que o terreno possui uma localização urbana privilegiada – quando, por exemplo, está inserido em uma malha urbana densa e consolidada – a “pressão social” pela rápida ocupação do terreno aumenta, pois uma característica das cidades grandes e médias é uma escassez de terrenos bem localizados. Ademais, as experiências de implantação dos Parques Tecnológicos liderados por instituições públicas mostram que essa também é uma fase difícil para as equipes gestoras, pois é o momento de incorporar novos profissionais e competências, relacionados às atividades de incorporação imobiliária, que estão disponíveis em instituições privadas. Assim, é uma fase que requer expertise da equipe gestora em um processo muito específico do setor privado e com uma dinâmica não trivial.O desafio central da Além dessas características, o desafio central da incorporação é conciliar aincorporação existência de duas forças de mercado complementares, mas com objetivosimobiliária é conciliar antagônicos em relação ao valor da terra. Existe o investimento imobiliárioduas forças que tem como objetivo edificar e maximizar o valor dos aluguéis cobrados,antagônicas em relação pois seu retorno advém dessa remuneração. Entretanto existe o investimentoao valor da terra: o produtivo stricto sensu, e mais especificamente o investimento das empresasinvestimento inovadoras, que tem como objetivo minimizar o valor dos aluguéis pagos,imobiliário – que quer pois esse é um componente dos seus custos de operação. Esse é um problemaedificar e maximizar o típico da chamada “Teoria da Localização”, que pode ser enunciado davalor dos aluguéis seguinte forma: qual será a localização dos investimentos produtivos diantecobrados; e o de diferentes faixas de terra que estabelecem aluguéis diferenciados? Umainvestimento produtivo resposta para esse problema é de que os investimentos com maior retorno– que deseja minimizar poderão ocupar as “terras mais privilegiadas”, uma vez que possuemos seus custos de capacidade de pagar aluguéis maiores. Então, uma análise “apressada”operação, entre eles os poderia concluir: “se essa é uma característica do sistema capitalista,aluguéis pagos. deixemos o mercado livre para resolver o problema da incorporação imobiliária”. Mas, é exatamente nesse ponto que os projetos de Parques Tecnológicos devem ter alinhamento no seguinte objetivo: qual é o perfil das empresas que desejamos atrair para nosso Parque Tecnológico? O Parque será destinado para empresas já consolidadas no mercado, que realizam inovações e que possuem volume de produção e vendas significativo, e que, portanto, possuem capacidade financeira de pagar aluguéis elevados? O Parque será destinado para empresas inovadoras, mas pequenas, com volume de vendas não tão expressivo, característica presente na maioria das empresas nascentes de base tecnológica? Ou haverá uma composição, umCaso o Parque deseje “mix” entre empresas grandes, médias e pequenas? A resposta para essasatrair pequenas e perguntas é fundamental para estruturar um plano de incorporação ou umamédias empresas, a “engenharia de incorporação imobiliária”.incorporaçãoimobiliária precisa Caso o perfil das empresas a serem atraídas pelo Parque seja o de grandesconciliar retornos empresas, e supondo que o terreno de fato seja bem localizado e comatrativos tanto para os atrativos urbanos, a racionalidade do mercado imobiliário é capaz deinvestimentos viabilizar as edificações e a ocupação do Parque a partir das regulações jáimobiliários, quanto existentes na legislação municipal (supondo também que existampara os investimentos características econômicas para a atração dos investimentos produtivos paraprodutivos. Nesse caso, aquela cidade). Nesse caso o processo não demanda “inovações no modelo deinovações no modelo de incorporação”. Mas, caso o perfil das empresas a serem atraídas seja o deincorporação são pequenas empresas de base tecnológica, ou uma composição entre grandes,necessárias. médias e pequenas, a engenharia de incorporação tem que ser capaz de
  5. 5. conciliar retornos atrativos tanto para os investimentos imobiliários como para os investimentos produtivos. Em outras palavras, é necessário compatibilizar o valor do aluguel com a capacidade de pagamento e as expectativas de lucro das empresas que se deseja atrair. Nessas situações, “inovações no modelo de incorporação” são necessárias, pois a racionalidade do mercado imobiliário, “deixada ao seu livre sabor”, funcionará como uma força de repulsão para asUma alternativa é pequenas e médias empresas inovadoras. Uma alternativa interessante paracompor a carteira de viabilizar esse “mix de aluguéis” é compor a carteira de investimentos cominvestimentos com recursos públicos e privados, destinando edificações públicas pararecursos públicos e “condomínios de empresas nascentes de base tecnológica” que possuemprivados, destinando menor capacidade de pagamento de aluguéis. Assim que elas aumentam suaedificações públicas escala de produção e vendas, ocorre uma migração desses empreendimentospara “condomínios de para a área privada, com aluguéis maiores, liberando espaço na área públicaempresas nascentes de para que novas empresas nascentes tenham a oportunidade de se instalarembase tecnológica”, que no Parque Tecnológico. A destinação dessa área construída com recursostêm perspectivas de públicos para firmas dessa natureza reforça a conexão e interação entre oslucros no futuro. Parques Tecnológicos e as Incubadoras / Aceleradoras de empresas de base tecnológica.Como uma parte do Outra questão importante a se considerar, é que uma parte do fluxo defluxo de rendas rendas advindo do aluguel ou cessão de uso da terra se constituirá emadvindo do aluguel se receitas para a sustentabilidade do Parque Tecnológico quando emconstituirá em receitas operação. Assim, existe uma “pressão” sobre as equipes gestoras nessa fase,para o Parque, é para encontrar uma opção de incorporação que também viabilizepreciso diversificar as financeiramente a “instituição Parque Tecnológico”. Os economistas utilizamfontes de receitas do uma expressão para caracterizar essas situações: trade-off. Se o objetivo éParque caso exista o aumentar a participação da pequena e micro empresa, existe uma tendência àinteresse de aumentar redução do fluxo de receitas dos aluguéis. Torna-se necessário tambéma participação da diversificar a fonte de receitas no “Plano de Negócios do Parquepequena e micro Tecnológico”. Novamente, é importante citar a discussão do primeiro artigo:empresa no o alinhamento de objetivos entre as instituições fundadoras de um Parqueempreendimento. Tecnológico é fundamental para que não ocorram demandas conflitantes sobre a execução das fases de implantação dos projetos. E as conseqüências de determinadas diretrizes estratégicas devem estar claras, desde o início, para que não ocorram “sucessivas frustrações de expectativas” ao longo do tempo. Definidos os principais desafios dessas fases – arranjo institucional e o plano de incorporação imobiliária – podemos expor e discutir o framework proposto de implantação dos Parques Tecnológicos. 3. FRAMEWORK DE IMPLANTAÇÃO Esse tópico pretende encerrar as discussões apresentadas na série de artigos “O Desafio de Implantar Parques Tecnológicos” apresentando o framework com as etapas, ou fases, pelas quais os projetos de Parques Tecnológicos devem percorrer ao longo do seu período de implantação.
  6. 6. Neste tópico, O objetivo ao longo dos quatro artigos foi o de apresentar e caracterizar osencerramos a discussão desafios inerentes a cada uma das etapas desse framework e justificar aapresentada na série importância e a sequência dessas etapas, tal como expressado na figurade artigos “O Desafio acima. Em nosso framework, a linha horizontal que divide a maioria dasde Implantar Parques figuras em duas partes não é meramente ilustrativa, mas todas as etapasTecnológicos” para acima dessa linha são fundamentais para a implantação do hardware dosapresentar o Parques – aspectos relacionados à estrutura física e urbana – enquanto asframework com as etapas abaixo dessa linha são importantes para a constituição do software dosetapas de implantação Parques – aspectos relacionados à gestão da inovação e interaçãode Parques. universidade-empresa. Como enfatizado, o Parque em operação é resultado da implantação eficiente desses dois “componentes”, ou duas dimensões.As primeiras etapas do Nosso framework começa com duas etapas importantes: “Workshop paraframework são o diretrizes estratégicas” e “O Estudo de Oferta e Demanda Tecnológica”. A“Workshop para definição dessas duas fases, seus principais desafios e os resultados esperadosdiretrizes foram discutidos com maiores detalhes nos artigos 1 e 3 da série,estratégicas” – quando respectivamente. Mas, a essência dessas duas fases é responder às seguintesas instituições alinham questões: “onde estamos?” e “para onde vamos?”. Em outras palavras, oexpectativas e fazem planejamento da implantação de um Parque Tecnológico deve iniciar com umum Planejamento diagnóstico dos dois agentes mais importantes em um processo de inovação –Estratégico - e “O ICTs e empresas – e das conexões, ou relações, que esses agentes estabelecemEstudo de Oferta e (ou deixam de estabelecer) entre si. O estudo de oferta e demandaDemanda Tecnológica” tecnológica deve ser capaz de responder à pergunta “onde estamos?”,– que aponta, além das caracterizando as dimensões do sistema local de inovação sobre o qual oofertas e demandas Parque Tecnológico pretende atuar como agente de integração entretecnológicas, os universidade e empresas. Como discutido no artigo 3, esse estudo precisagargalos ao longo da apontar não apenas as competências científicas e tecnológicas das ICTscadeia de inovação. (oferta tecnológica) e as demandas das empresas de setores inovadores (demanda tecnológica), mas principalmente os pontos de estrangulamento que esses agentes enfrentam ao longo da “cadeia de inovação”. O “Workshop para diretrizes estratégicas” é a fase na qual as instituições envolvidas no projeto do Parque Tecnológico irão alinhar suas expectativas
  7. 7. em relação aos resultados do projeto. A relevância e as questões pertinentes para esse workshop foram muito discutidas no artigo 1 dessa série, mas a essência é responder a pergunta “para onde vamos?”. Em outras palavras, o resultado esperado dessa fase é construir a visão do Parque Tecnológico pretendido pelas instituições e o planejamento estratégico para a implantação. Quais as principais características do Parque Tecnológico desejado? Existem expectativas divergentes? Se sim, como compatibilizá-las? Qual é o plano de ação e o cronograma de implantação? A importância dessa fase é subestimada em alguns momentos, por existir uma percepção errônea de que há um “consenso natural entre instituições que se relacionam com o processo de inovação”. No entanto, as experiências demonstram que expectativas divergentes são muito comuns e podem dificultar, e até mesmo sustar, o processo de implantação de Parques Tecnológicos.As próximas etapas são As próximas etapas são a “Definição do Arranjo Institucional”, discutida nessea “Definição do Arranjo artigo, e a “Definição do local de incorporação e planejamento urbano”, faseInstitucional” e a que foi objeto específico do artigo 2 dessa série, e que inclui também a“Definição do local de execução das obras de infra-estrutura urbana necessárias para viabilizar aincorporação e ocupação do terreno escolhido. Essas etapas são, na maioria das experiências,planejamento urbano”. as fases que mais demandam tempo para serem definidas e consolidadasCostumam ser as fases durante o processo de implantação dos Parques Tecnológicos. Não seriaque demandam mais exagerado afirmar que essas etapas são um marco para a sobrevivência dostempo. E podem ser projetos, e aqueles que completam essas fases com êxito acabam se tornandoconsideradas marco empreendimentos irreversíveis. Isso ocorre porque os recursos humanos epara a sobrevivência financeiros disponibilizados pelas instituições fundadoras para viabilizarem ado Parque, pela participação em uma “nova instituição”, e para executarem todas as obras dequantidade de recursos infra-estrutura urbana são de um valor significativo e, portanto, justificam uminvestidos. esforço contínuo para que o Parque Tecnológico entre em operação. É importante sintetizar algumas conclusões do segundo artigo dessa série sobre o planejamento urbano para a implantação de Parques Tecnológicos. A característica central que justifica a relevância dessa etapa é o fato de que os Parques são tidos como “empreendimentos urbanos de alto impacto”. Isso significa dizer que o Parque Tecnológico aumenta o adensamento urbano e sobrecarrega a infra-estrutura da cidade com novas demandas. Se ações mitigadoras desses impactos não forem planejadas e executadas ao longo da fase de implantação, o Parque pode se transformar em um problema para as cidades e causar “deseconomias de aglomeração” para as empresas que se instalem dentro ou próximas ao empreendimento. Esse conceito refere-se aos aumentos nos custos de operação das empresas em função das dificuldades de localização em um tecido urbano caótico e excessivamente ocupado. Outra questão importante é que o espaço físico dos Parques Tecnológicos deve ser diferenciado do ponto de vista arquitetônico e de “espaços de preservação ambiental” para estimular as relações de cooperação inter-firmas e entre universidades e empresas. O ambiente deve ser propício “ao trabalho e às relações criativas”, característica essa indicada como primordial para o sucesso dos Parques Tecnológicos. Essa expressão de amenidades urbanas que estimulem os “espaços criativos” começa com a formulação de um Plano Diretor, ou Plano de Uso e Ocupação do Solo, que contenha diretrizes e parâmetros construtivos para as futuras edificações, além de diretrizes para a distribuição dentro do Parque das empresas e serviços a partir da natureza de suas atividades e de possíveis afinidades setoriais. O sucesso dessa etapa também depende da formação e gestão de uma equipe multidisciplinar – com a presença de arquitetos, engenheiros, biólogos – a fim de transformar um empreendimento de alto impacto em uma intervenção urbana de excelência, que possa revitalizar o espaço urbano do seu entorno e da cidade. Concluídas essas etapas o projeto aumenta suas probabilidades de sucesso ao longo da fase de implantação e, mais do que isso, já adquire um estágio de maturidade que lhe permite delimitar com mais precisão os “setores econômicos alvo” do Parque Tecnológico. Assim, a próxima etapa, que fornecerá importantes subsídios para as próximas fases tanto do hardware como do software, é um “Estudo de Demanda” com empresas e ICTs que compõem ou se relacionam com esses setores alvo. Esse estudo de demanda, além de captar variáveis relacionadas à cadeia de inovação das empresas,
  8. 8. Nesta etapa do deve ser mais específico, especialmente no que diz respeito às demandas dosframework, já é empreendimentos por espaços físicos e por serviços que devem serpossível dizer com mais ofertados pelo Parque Tecnológico. Essa especificidade deve ser capaz deprecisão os setores responder a questões como: qual é a demanda, em termos de área físicaalvo do Parque. Um (m2), para os espaços destinados à produção e pesquisa das empresas?estudo de demanda é Existem diferenças significativas entre setores? Qual o volume da produção efeito com esses as necessidades logísticas relacionadas à comercialização? Que tipo desetores, mas somente serviços as empresas gostariam de encontrar dentro do Parque Tecnológico?depois de concluídas asfases de planejamento Essas informações são fundamentais para o planejamento tanto do “Plano deurbano e arranjo Incorporação Imobiliária”, como para o “Plano de Serviços” do Parqueinstitucional, que tem Tecnológico. Um dos resultados esperados do estudo é esboçar o perfil dotempo de execução “produto imobiliário” – características das edificações – que deverá serrelativamente longo. ofertado para satisfazer as necessidades das empresas, especialmente na fase de “Prospecção e Investimentos de Incorporação Imobiliária”. Para evitar a possibilidade de defasagem dessas informações, esse estudo de demanda deve ser realizado após as fases de planejamento urbano e arranjo institucional, que são etapas com um tempo de execução relativamente longo.Na sequência, seguem Na sequência do framework seguem as etapas de formatação do “Plano deas etapas de engenharia imobiliária” e o planejamento dos “Serviços ofertados peloformatação do “Plano Parque”. A etapa de planejamento dos serviços é uma das mais decisivas –de Engenharia juntamente com o planejamento urbano – na busca por uma “identidade paraImobiliária” e o projeto” que o diferencie das iniciativas já existentes. Isso porque osplanejamento dos serviços não são apenas aqueles tradicionais – tais como escritórios de“Serviços ofertados contabilidade, restaurantes, bancos – mas principalmente porque existempelo Parque”. São serviços direcionados para construir essa “ponte” entre universidade eetapas decisivas na empresas. Segundo os dados da IASP – Associação Internacional de Parquesdiferenciação do Tecnológicos – um dos principais serviços ofertados pela direção dos Parquesprojeto de outras no mundo é o networking, ou o estabelecimento das “redes” entre a ciência einiciativas existentes. o mercado. Assim como o “arranjo institucional”, a formatação dessas redes é um desafio “aberto à inovação”, e as instituições podem criar diversos formatos que melhor se adaptem a essa “gestão da integração universidade- empresa”. No artigo 3 dessa série existe uma discussão e proposições dos elementos que podem constituir uma rede de cooperação entre os mundos acadêmico e empresarial. Além disso, a oferta de serviços diferenciados pode se constituir também em importante fonte de receita para a sustentabilidade financeira dos Parques Tecnológicos.Nas etapas de Outro aspecto do framework é que as etapas “Prospecção de investimentos e“Prospecção de incorporação imobiliária” e “Implantação dos Serviços” são fases nas quais ainvestimentos e linha entre um Parque em implantação e operação é muito tênue. São etapasincorporação nas quais o resultado de sua execução é sinônimo de empreendimento emimobiliária” e operação, e como elas não precisam estar 100% concluídas para caracterizar“implantação dos esse fato – a capacidade construtiva do terreno não precisa estar plenamenteserviços” já é tênue a utilizada para que empresas comecem a operar dentro do Parque Tecnológicolinha que separa a – há um espaço de interseção muito grande nessas etapas entre o que seimplantação e a classifica como empreendimento em implantação ou operação. O fato é que aoperação do Parque incorporação imobiliária apenas acontecerá se a fase imediatamente anteriorTecnológico. – “Plano de Incorporação Imobiliária” – consiga responder de maneira precisa aos desafios pontuados nos itens anteriores desse artigo. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A principal consideração final é uma recomendação de leitura. Após conhecer o framework, será um exercício interessante reler os artigos anteriores dessa série para entender com mais detalhes as etapas de implantação e realizar uma análise mais acurada do próprio framework ora apresentado. Como explicitado em outros momentos, os projetos de Parques Tecnológicos são muito complexos, envolvem instituições com naturezas muito distintas e investimentos de escalas significativas. Além disso, o contexto local no qual os projetos estão inseridos também é determinante, pois existem dimensões políticas e sociais que são típicas de determinadas cidades e dificilmente podem ser replicadas para outros contextos. Essa diversidade pode ser utilizada pelos projetos para apresentar “soluções criativas” aos problemas enfrentados e, nesse sentido, os resultados finais – Parques Tecnológicos em
  9. 9. operação – também serão distintos e heterogêneos entre si. No entanto, acreditamos que o framework apresentado consegue extrair dessa diversidade de experiências as etapas essenciais para a implantação de qualquer projeto de Parque Tecnológico e, mais do que isso, acreditamos que os artigos caracterizam bem os desafios, os “obstáculos a serem vencidos”, que são comuns às iniciativas de Parques Tecnológicos. A hipótese que esteve presente ao longo de todos os artigos – corroborada pelas experiências nacionais e internacionais – é que os desafios para a implantação possuem um elevado grau de similaridade, especialmente pelo fato de que são empreendimentos tipicamente urbanos e cuja dimensão física – hardware – possui repercussões não apenas para as empresas, mas também no “tecido urbano social”, o que amplia o escopo de pessoas diretamente afetadas pela implantação de um Parque Tecnológico. Além disso, a dimensão do software dos Parques Tecnológicos também ultrapassa os limites físicos e geográficos do empreendimento. A criação de “redes de cooperação” para aproximar o mundo acadêmico do mundo empresarial é um desafio característico dos Parques Tecnológicos e, certamente, o êxito nessa etapa traz uma agregação de valor significativo para as empresas e benefícios para o desenvolvimento econômico das cidades, estados e países. Independente das “soluções inovadoras” criadas por cada projeto é fundamental que na fase inicial seja feito um planejamento estratégico que identifique com precisão os desafios, os “pontos de estrangulamento” do processo, e, por conseguinte as etapas que devem ser percorridas para se obter êxito ao final. Essa série “O Desafio de Implantar Parques Tecnológicos” teve o objetivo de apresentar uma estruturação do planejamento estratégico dos Parques Tecnológicos e, com isso, contribuir para aumentar as chances de sucesso dos diversos empreendimentos que estão em fase de implantação no Brasil. Os Parques Tecnológicos são instituições fundamentais para os sistemas nacionais de inovação dos países desenvolvidos e, certamente, também serão muito importantes para transformar nosso sistema de inovação e dinamizar nosso caminho em direção a uma realidade diferente, na qual possamos erradicar as diversas mazelas sociais que ainda possuímos e que não nos permitem classificar o Brasil como um país próspero e capaz de transbordar suas inúmeras potencialidades para o mundo.AUTORFrancisco Horácio Pereira de Oliveira é Mestre e Doutorando em Economia pelo CEDEPLAR/UFMG eprofessor do Departamento de Economia da UFMG e do Centro Universitário Newton Paiva. Possui artigospublicados nas áreas de inovação tecnológica e desenvolvimento econômico, com experiênciaprofissional na gestão de projetos de Parque Tecnológico. Atualmente é consultor do Instituto Inovação.

×