Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

406 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada dia 29/04/2015, no Encontro iTec, por Christimara Garcia, CEO da Inventta+bgi

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

  1. 1. Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015
  2. 2. | CONTEXTO BRASILEIRO Recursos financeiros para financiar as atividades de P,D&I APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos em Inovação 2009 2010 2011 2012 2013 Jun/2014 563 1.374 2.659 1.000 1.635 1.060 2.236 3.288 1.943 3.272 700 1.946 5.220 2.646 Repasses à Finep R$ Milhão 2009 - 2010 2011-2012 2013-2014 3,1 4,7 1.060 2.236 1.943 13,5 R$ Bilhão
  3. 3. | FORMAS DE APOIO
  4. 4. | FORMAS DE APOIO
  5. 5. Projeto de P,D&I se adapta ao processo da Instituição de Fomento (chamadas públicas) Linha de P,D&I que se encaixe em algum programa já existente Proposta de projeto ou programa de P,D&I originada a partir da necessidade da empresa Projeto Programa Edital Induzido Estratégias de Abordagem às Fontes de Fomento à Inovação | ESTRATÉGIA NO USO
  6. 6. A empresa já temo programa de P&Ddefinido e necessita do recursos.  Visão de médio-longo prazo  Concorrência comprogramas de P,D&I de outras empresas completamente diferentes  FINEP 30 Dias  BNDES Inovação  Programa Inova Empresa A empresa já temo projeto e necessita do recurso financeiro.  Visão de curto prazo  Concorrência comprojetos de outras empresas na mesma linha de pesquisa  Subvenção Econômica (FINEP)  PITE (FAPESP)  Funtec (BNDES)  Embrapii  Sesi Senai Inovação A empresa temo recurso, mas nãotema tecnologia.  A chamada se ajusta à demanda da empresa  Comprometimento financeiro maior  Processo mais personalizado  Vale  Whirpool  FPT Projeto Programa Edital Induzido | ESTRATÉGIAS NO USO
  7. 7. estratégico estrutural operacional Com a experiência, identificaram-se algumas práticas comuns quantoa forma de captar e gerir ofomento à inovaçãotecnológica nas empresas. Escala de maturidade das empresas na Captação de Recursos
  8. 8.  A empresa não possui capital próprio para P,D&I  Não possui processo para captação de recursos  Atua de forma reativa esperando o lançamento dos editais  Não possuem colaboradores capacitados para a captação de recursos Características Escala de maturidade das empresas estratégico estrutural operacional | OPERACIONAL
  9. 9. Na fase operacional, a empresa não está estruturada para guiar a captação de recursos. operacional Características Como fazem? Análise dos editais e chamadas públicas disponíveis. Análise do portfólio de projetos de P,D&I existente. Estruturação do projeto selecionado. | OPERACIONAL
  10. 10. Características  Planeja, estrutura e implementa seu processo de captação de recursos  Capacita seus colaboradores  Maior proximidade com os órgãos de fomento Escala de maturidade das empresas estratégico estrutural operacional | ESTRUTURAL
  11. 11. Como fazem? Na fase estrutural, a empresa implementa seu processo de captação, capacita sua equipe e se aproxima dos órgãos de fomento. Características Estruturação de processos internos e de um portfólio de fomento. Estruturação de ferramentas de análise de projetos e controle. Realização de treinamentos internos e promoção de encontros com órgãos de fomento. estrutural | ESTRUTURAL
  12. 12. Características  Investe capital próprio em P,D&I  Equipe capacitada em captação de recursos e em projetos de inovação  Projetos em parceria com ICTs e empresas de base tecnológica  Parcerias consolidadas com órgãos de fomento Escala de maturidade das empresas estratégico estrutural operacional | ESTRATÉGICO
  13. 13. Como fazem? Na fase estratégica, a empresa está madura para estabelecer estratégias e parcerias. Características Consolidação de parcerias a fim de realizar encomendas tecnológicas. Alinhamento entre as estratégias da empresa, instituições de pesquisa e governo. Utilização de um mix de fomento, inclusive fomento internacional. estratégico | ESTRATÉGICO
  14. 14.  A empresa pode otimizar seus investimentos em inovação diversificando as fontes e tipos de recursos utilizados  Um mesmo projeto pode receber recursos de diferentes fontes, entre recursos reembolsáveis, não reembolsáveis e recursos próprios Dica! 20% 60% 10% 10% Recursos Reembolsáveis:  Infraestrutura  Máquinas  Equipamentos  Softwares Fábrica Recursos Próprios  Equipe interna e externa que irá gerenciar os projetos  Despesas gerais para desenvolvimento dos projetos Recursos Não Reembolsáveis:  Equipe interna e externa para desenvolvimento dos projetos  Equipamentos, materiais de consumo, instalações, treinamentos, etc. Projetos Recursos Não Reembolsáveis:  Bolsas de Pesquisa para Doutores, Mestres e Graduandos;  Diárias e passagens para treinamento no exterior Laboratórios | ESTRATÉGIAS NO USO
  15. 15. RECURSOS REEMBOLSÁVEIS
  16. 16. | FINEP 30 DIAS INOVA BRASIL + FINEP 30 DIAS A INOVA BRASIL é uma linha reembolsável + FINEP 30 DIAS que é uma metodologia com padrão internacional que visa simplificar os processos com resposta em 30 dias! E contratação nos 60 dias subsequentes. Projetos de Inovação Pioneira, Contínua, Tecnologias Críticas ou Pré-Investimento Dispêndios: remuneração de equipe; consultoria externa; serviços de terceiros; absorção/compra de tecnologia; materiais de uso laboratorial; máquinas e equipamentos nacionais e importados; obras civis; viagens, etc. Público: grandes empresas sediadas no Brasil Valor Mínimo: R$ 10 milhões Participação da FINEP: até 90%. Prazo¹: 7 a 12 anos Taxa de Juros²: 6,5% a 10,5% * variação de acordo com a linha de ação
  17. 17. BNDES INOVAÇÃO Plano de Investimento em Inovação, que deverá ser apresentado segundo a ótica da estratégia de negócios da empresa, abrangendo tanto a sua capacitação para inovar quanto as inovações potencialmente disruptivas ou incrementais de produto, processo e marketing. Plano de Investimento em Inovação Modalidade: reembolsável Público: grandes empresas sediadas no Brasil Valor Mínimo: R$ 1 milhão Custo: TJLP +Taxa de Risco de Crédito (até 4,18% a.a.) Em função do PSI, até 31/dez/15, será realizada uma taxa fixa de 7% a.a. Participação: até 70%  Carência: 3 anos  Amortização: 10 anos | BNDES INOVAÇÃO
  18. 18. INOVACRED O Inovacred é uma das iniciativas da Finep em busca da descentralização de financiamentos para micro, pequenas e médias empresas. Visa o desenvolvimento de novos produtos, processos e serviços, ou no aprimoramento dos já existentes, ou ainda em inovação em marketing ou organizacional visando a ampliar a competitividade das empresas no âmbito regional ou nacional. Modalidade: reembolsável Público: micro, pequenas e médias empresas Valor¹: R$ 150 mil a R$ 10 milhões Contrapartida:¹ 10% ou 20% Prazo: até 96 meses Taxa: 6% a.a. (TJLP) + 1% a.a. (para empresas de médio porte²) ¹variação de acordo com a ROB Média de 5 dias 30 a 45 dias Empresa envia formulário Órgão informa resultado Documentação e liberação de verba *Esquema ilustrativo Reunião de análise técnica | INOVACRED
  19. 19. DESENVOLVE SP - LINHA INCENTIVO A TECNOLOGIA Financia projetos para o desenvolvimento e a transferência de tecnologia, criação de novos produtos, processos ou serviços, investimentos em infraestrutura, pesquisa e desenvolvimento, que incorporem ganhos tecnológicos ou processos inovadores à empresa.  Modalidade: reembolsável  Público: empresas de todos os portes sediadas no Brasil  Valor Máximo: R$ 30 milhões  Participação: até 100%  Prazo: até 120 meses  Carência: até 24 meses | DESENVOLVE SP
  20. 20. RECURSOS NÃO REEMBOLSÁVEIS
  21. 21. SETORES APOIADOS  Agropecuária  Energia DIRETO  Petróleo e Gás  Saúde  Aeroespacial e Defesa  TICs  Sustentabilidade  Ações Transversais R$ 3,0 bi R$ 5,7 bi R$ 4,1 bi R$ 3,6 bi R$ 2,9 bi R$ 2,1 bi R$ 2,1 bi R$ 5,0 bi “ investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira “ R$ 0,6 bi R$ 2,5 bi - R$ 1,3 bi PARCEIRAS - - - - R$ 28,5 bi Investimento Direto   2013/2014 - R$ 32,9 BILHÕES ! R$ 4,4 bi Instituições Parceiras | INOVA EMPRESA
  22. 22. Carta de Manifestação de Interesse Plano de Negócios Workshop Plano de Suporte Conjunto Seleçã o • CRÉDITO • NÃO REEMBOLSÁVEL (FUNTEC) • RENDA VARIÁVEL • FINEP 30 Dias (Inova Brasil) • SUBVENÇÃO • NÃO REEMBOLSÁVEL (ICT EMPRESA) • RENDA VARIÁVEL Fluxo do Programa Seleçã o CRÉDITO Crédito concedido a instituições que demonstrem capacidade de pagamento e condições para desenvolver projetos de P,D&I. Os prazos de carência e amortização são calculados em função da combinação entre os prazos de execução dos projetos, sua geração de caixa e a capacidade de pagamento da empresa. SUBVENÇÃO Apoio financeiro consiste na aplicação de recursos públicos não reembolsáveis (que não precisam ser devolvidos) diretamente em empresas, para compartilhar com elas os custos e riscos inerentes as atividades inovativas. RENDA VARIÁVEL Participar, como subscritor de valores mobiliários, em empresas de capital aberto, em emissão pública ou privada ou em empresas que, no curto ou médio prazo, possam ingressar no mercado de capitais, em emissão privada. NÃO REEMBOLSÁVEL Apoio financeiro concedido a instituições públicas ou organizações privadas sem fins lucrativos para:  realização de projeto de pesquisa científica ou tecnológica ou de inovação;  realização de estudos ou de eventos e seminários voltados ao intercâmbio de conhecimento entre pesquisadores. | INOVA EMPRESA
  23. 23. EMBRAPII Objetiva fomentar projetos de cooperação entre empresas nacionais e instituições de pesquisa e desenvolvimento para a geração de produtos e processos inovadores. São apoiáveis projetos com desenvolvimento tecnológico e a inovação de interesse estratégico para o País. Parcerias Tecnológicas: IPT: biomanufatura e materiais (contínuo) INT: energia e saúde (aberto até 08/06/2014) Cimatec: automação da manufatura (fechado) Modalidade: não reembolsável Público: empresas de todos os portes sediadas no Brasil Valor Mínimo: R$ 1 milhão Participação: 2/3 (1/3 Embrapii – financeiro; 1/3 ICT – não financeiro) Contrapartida da empresa: 1/3 - financeiro Prazo: 24 meses | EMBRAPII
  24. 24. PITE Financiar projetos de pesquisa em ICTs e Universidades, desenvolvidos em cooperação com pesquisadores de centros de pesquisa de empresas localizadas no Brasil ou no exterior e co-financiados por estas, visando intensificar as parcerias por meio da realização de projetos de pesquisa cooperativos e co- financiados. Plano de Investimento em Inovação Modalidade: não reembolsável Público: empresas em parceria com instituição de ensino superior e pesquisa do Estado de São Paulo Valor Mínimo: não informado Participação: até 70%  Fluxo: contínuo | PITE FAPESP
  25. 25. Horizon 2020 é um programa de financiamento à inovação tecnológica da União Europeia que ao longo dos próximos 7 anos (2014-2020) possui €80 bilhões para investimento. O objetivo principal é avançar nas fronteiras do conhecimento, através de projetos internacionais colaborativos, trazendo grandes ideias nascidas em centros de pesquisa para o mercado. Edital: EU-Brazil Research and Development Cooperation in Advanced Cyber Infrastructure Áreas Temáticas e Budget:  Computação em nuvem, incluindo segurança corporativa (budget € 3,5 M)  Computação de alto desempenho – HPC (budget € 2 M)  Plataformas experimentais (budget € 1,5 M) Público: empresas e instituições sediadas no Brasil em parceria com empresas e instituições europeias Requisito: parceria mínima entre 3 instituições/empresas de estados membros, com obrigatoriedade de 1 instituição/empresa brasileira participante Prazo de Execução: 3 anos Publicação do Edital: 15 de outubro de 2014 Prazo de Submissão1: 21 de Abril/2015 1 data sujeita a alteração | HORIZON 2020
  26. 26. GRUPO DASS GESTÃO DO USO DOS MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
  27. 27. COSMÉTICOS GESTÃO DO USO DOS MECANISMOS DE FINANCIAMENTO A empresa estruturou seu processo de gestão de recursos para inovação. No total, para captação de recursos, foram dois grandes projetos. Sendo o primeiro uma avaliação de todo o portfólio de projetos de P&D da empresa e qualificação destes de acordo com potencial de captação de recursos e a própria habilitação de projetos a editais existentes. O segundo grande projeto foi o de estruturação de controles e rotinas para a Prestação de Contas de projetos habilitados e aprovados. Ao final, a empresa obteve uma evolução nos controles dos projetos e dos gastos, e alcançou um melhor alinhamento entre a alta gestão e a estratégia de P,D&I. Logo, o projeto trouxe uma visão de futuro para a empresa quanto aos recursos diretos, viabilizando o desenvolvimento de novos produtos e processos.
  28. 28. Ranking de projetos: 1. Projeto 1 2. Projeto 2 3. Projeto 3 >4Potencial de Inovação >3Potencial de Fomento 25 25 4 4 13 17 Não Reembolsável Financiamento Financiamento; RH RH Sem Potencial Não Avaliado Ideias/Programas/Projetos X Oportunidades de Fomento Outros Sem Potencial Projetos com maior potencial p/ Captação de Recursos - Não Reembolsáveis ILUSTRATIVO MONTADORA GESTÃO DO USO DOS MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
  29. 29. www.inventta.net @inventta_live OBRIGADA SÃO PAULO - SP + 55 11 5185-2806 CAMPINAS - SP +55 (19) 3289-0353 BELO HORIZONTE - MG + 55 31 3337-7418 christimara.garcia@inventta.net +55 (31) 9119-4254 CHRISTIMARA GARCIA CEO

×