Apresentação biomecanica 2012

1.729 visualizações

Publicada em

Apresentação acadêmica sobre gesto mecânico específico

Publicada em: Esportes
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.729
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação biomecanica 2012

  1. 1. Análise Biomecânica do Chute do Futsal Felipe Caus dos Santos Filipe Ritter Biesus Myllena Barbosa Natan José Garghetti Novembro, 2012
  2. 2. INTRODUÇÃO  O Futsal é um esporte que exige basicamente o trabalho da musculatura da região inferior do corpo. É fácil observar que o gesto desportivo base, e portanto, o mais importante do esporte é o chute.
  3. 3.  Garret (2003 p. 586) aborda o chute da seguinte maneira; “O chute é um movimento motor complexo e, portanto, normalmente segue estágios previsíveis”.
  4. 4.  A partir de uma perspectiva histórica, é de inerente conhecimento que a ação elaborada do chute iniciou-se em jogos antigos, como por exemplo, tsc chu na China por volta de 3000 a.C. Outros jogos, tais como o kemari (Japão), harpaston (Itália) e episkiyros (Grécia), que foram versões “ancestrais” do futebol como o conhecemos e envolviam o movimento característico do chute (GARRETT, 2003).
  5. 5.  Esse movimento usado em jogos tão antigos, não tem utilidade apenas como um gesto desportivo isolado, mas o esporte como um todo traz ganhos para a musculatura que com maior exigência no esporte, tornando os membros inferiores ao mesmo tempo fortes e resistentes.
  6. 6.  O treinamento de futebol faz com que aumente a função muscular dos membros inferiores sem que haja o treinamento com força (GARRETT, 2003).
  7. 7.  Dessa maneira foi analisado o movimento do chute separando por etapas que podem ser chamadas de aproximação...
  8. 8.  Dessa maneira foi analisado o movimento do chute separando por etapas que podem ser chamadas de aproximação, golpe...
  9. 9.  Dessa maneira foi analisado o movimento do chute separando por etapas que podem ser chamadas de aproximação, golpe e finalização do movimento.
  10. 10.  Em um jogo de futsal, em alguns momentos o objetivo do chute não é o de acertar a bola o mais forte possível; mas sim o deslocamento da bola de uma variável crucial, particularmente com a maturidade do jogador. O objetivo do chute será o que definirá a parte angular do movimento (GARRETT, 2003).
  11. 11.  As articulações envolvidas e que serão abordadas no presente estudo são; A articulação do Quadril, a articulação do Joelho e a articulação do Tornozelo.
  12. 12.  QUADRIL - Os movimentos do quadril são realizados por uma única articulação, a coxofemoral. A cabeça do fêmur articula-se com o acetábulo do osso ilíaco (ROSA FILHO; RODRIGUES; DA SILVA, 2003).  A amplitude da flexão varia de 90° a 120. A extensão leva o membro inferior para trás do plano frontal. A amplitude da extensão do quadril é notavelmente mais fraca que a da flexão. Ela é limitada pela entrada em tensão do ligamento iliofemoral, 20° a 30° (ROSA FILHO; RODRIGUES; DA SILVA, 2003).
  13. 13.  JOELHO - O joelho é uma articulação intermediária do membro inferior (ROSA FILHO; RODRIGUES; DA SILVA, 2003).  É principalmente uma articulação com um grau de liberdade, no caso de flexão/extensão, que lhe permite aproximar ou afastar a extremidade do membro da sua raiz, ou, o que significa o mesmo, de controlar a distância do corpo em relação ao solo. O joelho trabalha essencialmente em compressão, sob a ação do peso (ROSA FILHO; RODRIGUES; DA SILVA, 2003).
  14. 14.  TORNOZELO - O tornozelo é uma estrutura formada a partir da união de 3 ossos: tíbia, fíbula e tálus. O tornozelo é formado por três articulações: 1) articulação talocrural - formado pela extremidade inferior da tíbia e fíbula com o dorso do tálus; 2) articulação subtalar -entre o tálus e o calcâneo e 3) articulação tibiofíbular - formada pela extremidade inferior da tíbia e da fíbula. Ou seja todos os ossos tem alguma ligação entre si permitindo quatro movimentos bem definidos; Flexão plantar, flexão dorsal, inversão e eversão (ROSA FILHO; RODRIGUES; DA SILVA, 2003).
  15. 15.  “Flexão Plantar - movimento pelo qual a planta do pé é voltada para o chão, os músculos envolvidos neste movimento são: gastrocnêmio e sóleo, a amplitude de movimento é de 0-50°” (ROSA FILHO; RODRIGUES; DA SILVA, 2003 p. 1). “Flexão Dorsal - movimento no qual o dorso do pé é voltado para a cabeça, os músculos envolvidos neste movimento são: tibial anterior e extensor longo dos dedos, a amplitude de movimento é de 0-20°” (ROSA FILHO; RODRIGUES; DA SILVA, 2003 p. 1).
  16. 16. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS  Com a parte cinesiológica e anatómica do gesto desportiva explicada, devemos então analisar o passo-a- passo do movimento estudado.  Dividimos o movimento em três fases; Aproximação (locomoção horizontal em direção à bola), Golpe (movimento do pé de apoio e do pé que efetua o chute) e Finalização do movimento (que também pode ser considerada como o repouso).  Essas três fases foram dividas em seis fotos. Onde foram destacadas as articulações dos membros direito e esquerdo, e a angulação (aproximada) das mesmas.
  17. 17. MI DIREITO MI ESQUERDO
  18. 18. Foto 1 para foto 2 (Aproximação) -Articulação do Quadril Esquerdo: O quadril em 10° realiza uma flexão ficando em 30° Flexão do quadril- o psoas; o ilíaco; sartório; reto femoral, tensor da fáscia lata -Articulação do Quadril Direito: O quadril em 5° de flexão realiza uma extensão ficando em 15° Extensão do quadril- glúteo máximo; fibras posteriores de glúteo médio; fibras posteriores de glúteo mínimo; porção longa do bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; porção extensora do adutor magno.
  19. 19. -Articulação do Joelho Esquerdo: O joelho em 45° realiza uma extensão ficando em 25° Extensão do joelho – quadríceps femoral: - reto femoral, vasto lateral, vasto medial, vasto intermédio; tensor da fáscia lata (auxilia); glúteo máximo (auxilia através do tracto iliotibial). -Articulação do Joelho Direito: O joelho em 0° realiza uma flexão ficando em 15° Flexão do joelho – bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; sartório; grácil; gastrocnêmios (auxiliam); poplíteo (auxilia); plantar delgado (fraco)
  20. 20. -Articulação do Tornozelo Esquerdo: O pé em 80° realiza uma extensão ficando em 90° Plantiflexão do pé – gastrocnêmio e sóleo -Articulação do Tornozelo Direito: O pé em 70° realiza uma extensão ficando em 80° Plantiflexão do pé – gastrocnêmio e sóleo
  21. 21. Foto 2 para foto 3 (Aproximação) -Articulação do Quadril Esquerdo: O quadril em 30° realiza uma extensão ficando em 15° de flexão Extensão do quadril- glúteo máximo; fibras posteriores de glúteo médio; fibras posteriores de glúteo mínimo; porção longa do bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; porção extensora do adutor magno. -Articulação do Quadril Direito: O quadril em 15° de extensão realiza uma flexão ficando em 30° (movimento de 45º) Flexão do quadril- o psoas; o ilíaco; sartório; reto femoral, tensor da fáscia lata
  22. 22. -Articulação do Joelho Esquerdo: O joelho em 25° realiza uma extensão ficando em 15° Extensão do joelho – medial, vasto intermédio; tensor da fáscia lata (auxilia); glúteo máximo (auxilia através do tracto iliotibial). -Articulação do Joelho Direito: O joelho de 15° realiza uma flexão ficando em 50° Flexão do joelho – bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; sartório; grácil; gastrocnêmios (auxiliam); poplíteo (auxilia); plantar delgado (fraco) -Articulação do Tornozelo Esquerdo: O pé em 90° realiza uma flexão ficando em 80° Dorsiflexão do pé – tibial anterior e extensor longo dos dedos -Articulação do Tornozelo Direito: O pé em 80° realiza uma flexão ficando em 70° Dorsiflexão do pé – tibial anterior e extensor longo dos dedos
  23. 23. Foto 3 para foto 4 (Aproximação/golpe) -Articulação do Quadril Esquerdo: O quadril em 15° realiza uma extensão ficando em 10° (extensão de 25º) Extensão do quadril- glúteo máximo; fibras posteriores de glúteo médio; fibras posteriores de glúteo mínimo; porção longa do bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; porção extensora do adutor magno. -Articulação do Quadril Direito: O quadril em 30° realiza uma flexão acentuada, porém no momento que o pé volta a tocar o solo a mesma realiza uma extensão voltando aos 30° Flexão do quadril- o psoas; o ilíaco; sartório; reto femoral, tensor da fáscia lata
  24. 24. -Articulação do Joelho Esquerdo: O joelho em 15° realiza uma flexão ficando em 45° Flexão de joelho – bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; sartório; grácil; gastrocnêmios (auxiliam); poplíteo (auxilia); plantar delgado (fraco) -Articulação do Joelho Direito: O joelho de 50° realiza uma extensão ficando em 15° Extensão de joelho - medial, vasto intermédio; tensor da fáscia lata (auxilia); glúteo máximo (auxilia através do tracto iliotibial).
  25. 25. -Articulação do Tornozelo Esquerdo: O pé em 80° realiza uma extensão ficando em 90° Plantiflexão de pé – gastrocnêmio e sóleo -Articulação do Tornozelo Direito: O pé em 70° realiza uma extensão ficando em 90° Plantiflexão do pé– gastrocnêmio e sóleo
  26. 26. Foto 4 para foto 5 (Golpe) -Articulação Do Quadril Esquerdo: O quadril em 10º de extensão realiza um flexão de 70º ficando em 60º de flexão Flexão do quadril- o psoas; o ilíaco; sartório; reto femoral, tensor da fáscia lata -Articulação do Quadril Direito: O quadril em 30º faz um extensão de 15º, ficando em 15º de flexão Extensão do quadril- glúteo máximo; fibras posteriores de glúteo médio; fibras posteriores de glúteo mínimo; porção longa do bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; porção extensora do adutor magno.
  27. 27. -Articulação do Joelho Esquerdo: O joelho em 45° realiza uma extensão completa do movimento até ficar em 0° Extensão de joelho - medial, vasto intermédio; tensor da fáscia lata (auxilia); glúteo máximo (auxilia através do tracto iliotibial). -Articulação do Joelho Direito: O joelho em 15° permanece estático durante o movimento, não alterando seu angulo Sustentação do movimento.
  28. 28. -Articulação do Tornozelo Esquerdo: O pé em 90° realiza uma extensão ficando em 45° (corrigir na foto) Plantiflexão do pé – gastrocnêmio e sóleo -Articulação do Tornozelo Direito: O pé em 90° realiza uma flexão ficando em 80° Dorsiflexão do pé – tibial anterior e extensor longo dos dedos
  29. 29. Foto 5 para foto 6 (Golpe/finalização do movimento) -Articulação do Quadril Esquerdo: O quadril em 60º realiza uma extensão para ficar em posição neutra à aproximadamente 10º de flexão Extensão do quadril- glúteo máximo; fibras posteriores de glúteo médio; fibras posteriores de glúteo mínimo; porção longa do bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; porção extensora do adutor magno. -Articulação do Quadril Direito: O quadril do pé de apoio que estava em 15º de flexão, permaneceu nessa posição. Sustentação do movimento.
  30. 30. -Articulação do Joelho Esquerdo: O joelho em 0° realiza uma pequena flexão ficando em 20° Flexão do joelho – bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; sartório; grácil; gastrocnêmios (auxiliam); poplíteo (auxilia); plantar delgado (fraco) -Articulação do Joelho Direito: O joelho em 15° ainda permanece estático durante o movimento, não alterando seu ângulo. Sustentação do movimento.
  31. 31. -Articulação do Tornozelo Esquerdo: O pé em 45° realiza uma dorsiflexão ficando em 80°, paralelo ao outro tornozelo. Dorsiflexão do pé – tibial anterior e extensor longo dos dedos -Articulação do Tornozelo Direito: O pé manteve-se em 80° Sustentação do movimento
  32. 32. Análise de uma articulação específica (Joelho)  O joelho constitui a articulação intermediária, ou também denominada, medial do membro inferior. Do ponto de vista mecânico, a articulação do joelho é surpreendente, visto que deve conciliar dois imperativos contraditórios (BAGNARA et. al. 2011).
  33. 33.  Quando o joelho está em flexão, posição de instabilidade, o joelho está sujeito a lesões ligamentares e dos meniscos. Já na posição de extensão é mais vulnerável a fraturas articulares e rupturas ligamentares, ou seja, no momento em que está mais estável e firme (Bagnara et. al. 2011).
  34. 34.  Quanto à força em função de alavancas, Hall (2005 p. 235) explique que; “Como o joelho está posicionado entre as duas alavancas ósseas mais longas do corpo (o fêmur e a tíbia), é muito grande o potencial para o desenvolvimento de torque nessa articulação”.
  35. 35.  “A atividade dos flexores do quadril e dos extensores do joelho torna-se concêntrica, resultando em potencia durante o movimento do chute para frente” (GARRETT, 2003 p. 589).
  36. 36.  Diretamente ligado ao chute Garrett (2003 p. 590) reitera dizendo que; “Antes do contato com a bola, é produzido um grande torque de extensão no joelho (230 Nm), promovendo uma rápida extensão; entretanto o torque de flexão (280Nm) produzido no momento ou imediatamente após o contato com a bola é maior do que o momento extensor“.
  37. 37. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Contudo podemos observar que a o chute pode ser muito mais complexo e peculiaridades do que parece. Pois necessita de inúmeros detalhes para se obter o máximo de eficiência técnica com o gesto mecânico. Garrett (2003 p. 596) afirma isso dizendo que; “No futebol, quanto mais tempo o pé puder manter contato com a bola, maior será o momentum. Em segundo lugar, o momento que vem após a finalização do chute protege o corpo de possíveis lesões”. O mesmo ainda diz que; “[...] a firmeza do pé é um fator importante que contribui para a efetividade do chute” (GARRETT, 2003 p. 596).
  38. 38.  Pode-se concluir com isso que realmente o chute é repleto de detalhes primordiais para sua efetividade ser aumentada, e consequentemente, buscar o “chute perfeito”.  Nesse sentido podemos deduzir que os jogadores experientes possuem maior eficiência na utilização do sistema muscular, por estarem ambientados com essa correção de falhas e detalhes muitas vezes quase impossíveis de serem notados por pessoas leigas no assunto; portanto, reforça a importância do desenvolvimento das técnicas motoras e do estudo da biomecânica do gesto desportivo visando a evolução progressiva através de treinamentos específicos de chute (GARRETT, 2003).
  39. 39.  OBRIGADO!
  40. 40.  Referências:  BAGNARA, Ivan Carlos; LIZZI, Luciano; DA SILVA, Gilson Luis; EBERHARD, Kethlyn; SARTORI, Marcos Rodrigo – Exercícios de Contração Isométrica para Recuperação Pós-operatória do Ligamento Cruzado Anterior. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 16, Nº, Septiembre de 2011. http://www.efdeportes.com/. Disponível em http://www.efdeportes.com/efd160/recuperacao-do-ligamento-cruzado-anterior.htm  GARRETT JR., William E. - A Ciência do exercício e dos esportes / William E. Garrett Jr. e Donald T. Kirkendall; trad. Cláudia Ridel Juzwiak ... [et al.] - Porto Alegre : Artmed, 2003.  HALL, Suzan J. – BASIC BIOMECHANICS (Biomecânica Básica). Traduzido por Giuseppe Taranto. Direitos exclusivos para a língua portuguesa. Editora Guanabara Koogan S.A. 2005.  ROSA FILHO, Blair José; RODRIGUES, Danielle C. G.; DA SILVA, Renata Viana – Fisiologia articular do membro inferior. Fisioweb, WGate, 2003. Disponível em http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/alternativa/fisiologia_membro_

×