Cópia de kolb e roger neighbour

721 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
721
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
47
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cópia de kolb e roger neighbour

  1. 1. ARQs Awareness Raising Questions Questões de Sensibilização
  2. 2. Estou lidando com um problema ainda indefinido e preciso fazer o diagnóstico.
  3. 3. O que são PUNs e DENs Patient Unmet Needs ● Questões levantadas durante a consulta e que estão por resolver. ● Lista de problemas com os quais estamos trabalhando e programando ações. ● Plano e lista de problemas. Doctor Educational Needs ● Dificuldades clínicas percebidas na consulta ● Dificuldades relacionais ● Dificuldades de comunicação ● Dúvidas sobre condutas ● O que eu devo fazer para resolver as PUNs do meu paciente. Necessidades do meu paciente que ainda não resolvi Minhas questões de aprendizado para resolver melhor os problemas dos meus pacientes
  4. 4. Pirâmide de Miller
  5. 5. Modelo de Kolb para os diferentes tipos de aprendizado
  6. 6. FEEDBACK Como foi a experiência de feedback quando vocês avaliaram os residentes? Por que é importante o feedback? Nesse momento é que as competências se concretizam
  7. 7. FEEDBACK SITUAÇÃO COMPORTAMENTO Esse é o tripé que deve embasar o feedback. Se um desses estiver faltando, nada dará certo. IMPACTO
  8. 8. Número Necessário à Tratar (NNT) É a ferramenta mais importante dentre todas as medidas de associação para o Clínico na APS, afinal, ela nos diz em números inteiros o tamanho do efeito da nossa terapêutica. Calcula-se de maneira muito fácil, apenas calculando o inverso da RRA. NNT = 1/RRA
  9. 9. Kolb e o ciclo de aprendizado Aprendizado é um processo através do qual o conhecimento é criado através da transformação da experiência. Os estágios de aprendizado propostos por Kolb aproximam-se muito de algo que já conhecemos de outra teoria...
  10. 10. Modelo de enfrentamento de Prochaska e Diclementi
  11. 11. Kolb, seu ciclo de aprendizado e os diferentes estilos de aprendizado Propor um plano e um protocolo de condutas Questionando condutas que parecem consolidadas Definindo um conceito, mostrando a fonte bibliográfica, distinguindo entre um conceito e outro. Propor uma situação inesperada, simulada ou real
  12. 12. E o momento da tutoria, quando o residente te chama para discutir um caso ou um problema Agora já passado mais de 6 meses do início dessa turma de residência, que tipo de situação de tutoria com residente você tem mais dificuldade? Relembre alguma situação e comente com o vizinho
  13. 13. O que são as ARQs? Awareness Raising Questions Podemos traduzir simplesmente por “questões de sensibilização”. Nada mais são do que perguntas abertas que fazem com que o interlocutor fale abertamente e com as suas próprias palavras.
  14. 14. Basicamente as ARQs são o desdobramento de perguntas muito simples, como “o que”, “onde”, “como”, “quando” e “por que”.
  15. 15. Perguntas com “O QUE” O que você está pensando? O que você percebeu? O que está se passando na sua cabeça? Me explique o que você quer dizer com…? Me explique com as suas palavras o que… Que evidência concreta você tem sobre …?
  16. 16. Perguntas com “onde” Onde você acha que pode estar o problema? Onde você acha que pode encontrar essa informação?
  17. 17. Perguntas com “quando” Quando você começou a pensar nessa hipótese diagnóstica? Quando você começou a pensar nesse exame? Qual foi a sequência exata de eventos, do começo ao fim?
  18. 18. Perguntas com “como” Como você chegou a essa conclusão? Como você acha que isso poderia levar a aquilo? Numa escala de 0 a 100, qual a probabilidade de...? Como você está planejando tratar esse problema?
  19. 19. às vezes, sem o ponto de interrogação no final Bem, resumindo então… Talvez isso esteja te lembrando o caso do seu Valdir Já identificamos diversos problemas aqui, vamos priorizar.
  20. 20. Por que “por que” é delicado? Por que sempre demanda uma resposta começando com porque. Isso pode colocar o indivíduo em uma posição de justificar-se pelo que fez, ao invés de trazer à luz aspectos ainda não conhecidos sobre o pensamento do residente (sensibilizando).
  21. 21. existe algum momento em que posso usar “por que”? depois de desvendado o pensamento do aluno, podemos usar o “por que” para elucidar alguns pontos ainda não respondidos, como fazemos com perguntas focadas e fechadas durante a entrevista clínica. Agora, quando inseridas prematuramente, podem fazer o residente começar a se justificar e se blindar.
  22. 22. Como formador/Tutor, devo estar preocupado em: Oferecer experiências que sigam um passo a passo Propiciar momentos de reflexão sobre a prática Ajudar a chegar numa conceituação abstrata Expor o aluno a situações indefinidas e ajudá-lo a enfrentá-las
  23. 23. Homeostase Cognitiva X Dissonância Cognitiva Conhecimento armazenado suficiente Homeostase cognitiva Déficit de conhecimento Auto-imagem ameaçada Aprendizado que incorpora uma informação que me modifica Dissonância cognitiva Reestruturação da minha auto-imagem Situação nova e inesperada Frágil Segurança

×