_PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO FÍSICA DA SANTA CASA DE JUIZ DE FORA

160 ANOS
3° INSTITUIÇÃO MAIS ANTIGA DE JUIZ DE FORA

HOSP...
_D    O desafio de transformar uma grande instituição hospitalar filantrópica. 

5

  
 
 
  

 

5/ 5 x I 33 * ~ i

. x M...
MATRIZ DE SUSTENTABILIDADE

"(. ..) buscamos construir
algo que irá fazer parte de
um lugar,  parte de um cir- ' 5
cundant...
_cONcEITO ENERGÉTICO 4 il     a o 
INTEGRAÇÃO AMBIENTAL

QUARTO TIPO

MAIOR SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR
DA AMERICA DO SUL...
CRIAItIDO ATMOSFERAS:  como a luz pode influenciar nO tratamento do paciente. 

A luz é um tema que sempre nos interessou,...
_DESLUCANDU U FUCU DO PACIEILITE DA DOENÇA:  O lúdico,  a força da corewayfinding design. 

Acreditamos que o “detalhe” po...
CASAIJE MÁLIINA

SALA OE EXAMES

   

ii JI ,  _ j, 
:___;  L___;  p":  *

_D1 ELEvAçÃO HEMOOINÃMIcA “-l_i-i_i-
I FILTRAGE...
_ O HOSPITAL DO FUTURO:  < MEMORIAL DESCRITIVO

I - ~ ~ O ro'eto de ar uitetura res eita a aisa em urbana e
 'I'  'I'  naf...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Prêmio Saint Gobain de Arquitetura 2015

382 visualizações

Publicada em

O projeto de arquitetura respeita a paisagem urbana e natural do Complexo da Santa Casa de Juiz de Fora, potencializando as visadas e a relação com espaço externo. Tiramos partido da estrutura em planta livre que permite grande flexibilidade espacial e da implantação do edifício em que os quartos de internação estão voltados para o sol da manhã.
A ideia é despertar a curiosidade das pessoas que experimentam a arquitetura, deslocar o foco do paciente da doença e, paralelamente, criar espaços eficientes que reduzam os erros médicos e infecções hospitalares.
Trabalhamos com uma matriz de sustentabilidade que envolve o reaproveitamento do entulho da obra e reciclagem, aproveitamento máximo da energia solar, ventilação natural e redução do consumo de água.
Todos acréscimos de paredes e elementos nas fachadas são feitos através da construção a seco e projetados a partir de modulações e elementos pré-fabricados, integrados com soluções de acessibilidade. Os materiais utilizados em grande quantidade são padronizados, de fácil manutenção e limpeza.
Estamos à procura de potencializar ambientes em escala humana; na escala das relações sociais; na escala que permite que os pacientes sejam bem orientados; na escala de percepções sensoriais. Acreditamos que um espaço em escala humana é o caminho para encapsular a beleza e a simplicidade.

Publicada em: Saúde
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
382
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prêmio Saint Gobain de Arquitetura 2015

  1. 1. _PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO FÍSICA DA SANTA CASA DE JUIZ DE FORA 160 ANOS 3° INSTITUIÇÃO MAIS ANTIGA DE JUIZ DE FORA HOSPITAL FILANTROPIOO 50s LEITOS - 31s LEITOS OO SUS 70% DE ATENOIMENTOS AO SUS 19.000 cIRuROIAS ANO 10.733 ATENOIMENTOS POR MÊS 3.000 PESSOAS cIRcULANDO POR IJIA 15 ANDARES + ANEXOS + CAPELA + cASARAO SEcULO XIX 1" HOSPITAL VERTICAL DA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA EM PILAR E VIGA E PLANTA LIVRE IMPLANTAÇÃO cOM OS OUARTOS DE INTERNAçAO VOLTAOOS PARA O LESTE ' . . . OPROJETO -E “ . l _i4 ' - , I I SETORES REFORMADOS OE 2011 ATE 2014 mm cmumm ÚLTIMO PROJETO CONCLUÍDO Ã OENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO * f . - UNIOAOE POS ANOIOPLASTIA - HEMODIÀLISE em que os quartos de internação estão voltados para o sol da manhã e para áreas verdes do entorno “WR” “RÚÂÉIC respeitando a originalidade da fachada e otimizando os vãos de ventilação. A estrutura em planta livre 55 OUARTOS REFORMADOS _ NEDNATOLOGILbSALA cIRúsIcA I - - _ AMBULATÚRIO . , ¡ I TRANSPLANTE RENAL - . _ , JMMDE¡ II __ _USOFOINARIANAI , ENOOScOPIA-cOLONOScaPIA V I T _ O ENTORNO E A EDIFICAÇÃO l O projeto de arquitetura parte do reconhecimento da imponência simbólica do edificio principal da I , CENTRO DE CDNVIVEA" A l Santa Casa e dos edifícios tombados. Em todo projeto tiramos partido da implantação do edificio ARQUIIETURAEÉNGL' I I | i l i - . do edificio nos permite grande flexibilidade espacial para transformar os espaços internos de acordo i ' QÊSEÊÉÊYÊDÚRES com as exigências da Vigilância Sanitária e das novas tecnologias. Utilizamos divisões em drywall, i "' garantindo a flexibilidade espacial, rápida montagem além de não adicionar carga à estrutura preí É ' existente ›- HOSPITAL SANTA cAsA DE JUIZ DE FORA - MG 01 | C3 _
  2. 2. _D O desafio de transformar uma grande instituição hospitalar filantrópica. 5 5/ 5 x I 33 * ~ i . x MJ( m; /7 I l A . Anta f / L:L. _.: Piso em manta vinmca de alta tecnologia com resistência aos fungos e bactérias. Placas acústicas de gesso removível facilitam a manutenção das tubulações de gás e elétrica. Por que corredores monótonos? Como potencializar os espaços de circulação? Como utilizar o design de ambientação para melhor orientar os usuários? "' ^ Como diminuir o ruído dos corredores? Como criar módulos para melhor organizar os espaços? Como criar dispositivos móveis para facilitar a manuten- Aumento do tempo de pianejamento e projeto_ Çãü? Redução do tempo de obra com padronizações, modulações e 7 7 7 elementos pré-fabricados. I I I Pesquisa de materiais duráveis que diminuem o retrabalho e gerem pouca manutenção. 7 Uso de cores fortes apenas nos detalhes. Piso e parede com , cores e superñcies lisas, cores neutras de fácil manutenção, reposição e limpeza. HOSPITAL SANTA CASA DE JUIZ DE FORA - MG
  3. 3. MATRIZ DE SUSTENTABILIDADE "(. ..) buscamos construir algo que irá fazer parte de um lugar, parte de um cir- ' 5 cundante, que irá ser usado t " e amado, descoberto e I abandonado, e porém até detestado - em suma, que A _ irá ser vivido, no sentido I II mais amplo. " (ZUMTHOR, 1998). . ff, Ambulatório do SUS. r l n" " '” Estamos à procura de potencializar ambientes . _ 7-_ em escala humana: na __ [a, a escala das relações so- ' “ _ . i ciais; na escala que per- l' A, ÍI, “ V¡ , _ mite que os pacientes 'q , i Í IÀ - sejam bem orientados; na . 'i ' , ç _ V _ É _ RÊ-'g I 1 A: ' escala das percepções _t a' _ . E ' 3M . < l _ sensoriais (. ..) . si», a a. - _4 a. . . ta. A ideia e criar uma identidade em cada ambiente, usando pontos de referencia para fornecer pistas de orientação e locais memoráveis. N à na 1 I IRTEGRAÇAO SOCIAL z/ e _1/ j Lx ' »À _ i7* i _What_ 'l › _- Vita. , ›I «Iãàk Tvs' um, est* . › “ii V « = l , *à 1-1 . . ' I a i* E; ' Ni' ATA' 1 I, A. ar R' " 11"! À l I éra , itÉI/ ¡IÉÍII , f IJ “I '- Í "I t' 7r v » 3 l * y I ' . ” _ ven: A a l ê : NEI J, - Tí, P* ' r l “Lu F t HOSPITAL SANTA CASA DE JUIZ DE FORA - MG
  4. 4. _cONcEITO ENERGÉTICO 4 il a o INTEGRAÇÃO AMBIENTAL QUARTO TIPO MAIOR SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DA AMERICA DO SUL já instalado em uma unica unidade consumidora PROGRAMA ENERGIA INTELIGENTE 127!) MZ DE PLACAS COLETORAS 66 MIL LITROS OE AGUA QUENTE ECONOMIA DE RS 330 MIL/ ANO Armário modular e padronizado em Todos os quartos são Cortinas em PVC de facil limpeza todos os quartos para maximizar Os equipados com ar- Proietadas dentro de caixas que A , . . . . . , . espaços_ condicionado. No entanto, evitam a passagem de luz, per- I uãua"? Iem a ÚISPIIÊIÇSD dwersos "IVSIS de o armário reune diversas runcionaiie as esquadrias possuem mitem o blackcut total do quarto II a I | r 'I""""aça° A°mma°a° e. “Ve "que "gada dades: higienização das mãos, Irigor vãos adequados para Se a intençao for o aproveitamento ' : :Zaãâasanca em Ied' dlmmwndo o consumo bar, mesas de refeições para o acom~ privilegiar a ventilação e a da luz natural, as cortinas podem m ' panhante e espaço para organizar iluminação natural. ser totalmente suspensas ll objetos de uso pessoal do paciente. e -. _E i r » _ l I . _ i - V. vENTILAçÃO NATURAL _t f"? -e m g iL/ i . a e ti, I ' | Sofás e poltronas são forrados com v q t( o t JA à# tecidos náuticos, o que garante a -i_ l 'xi facilidade na higienização. A cor viniio . o g A | r da Vida ao ambiente contrastando pLANTA BMXA : i: Ó ' ' com os tons neutros. I _HOSPITAL SANTA cAsA DE JUIZ_ DE FORA - MG 04 | C3_
  5. 5. CRIAItIDO ATMOSFERAS: como a luz pode influenciar nO tratamento do paciente. A luz é um tema que sempre nos interessou, fazendo-a penetrar nos espaços de forma indireta, criando atmosferas, ambiências. A luz natural é essencial para a qualidade e funcionalidade de um hospital, além de otimizar recursos, possui grande conotação tera- pêutica. V Arquitetura é especialmente uma experiência espacial; a relação com o exterior para nos é crucial. Estamos sempre interessados na luz, na luz do dia, e na incidência da luz sobre as coisas; da a sensação de que há algo por trás de todo o nosso entendimento. / Sã_ reg* s _ I tlA B¡ l t , ' _ i l I _e T I Iv »e _ »I 1 C e O í r a ' . r . l _ t] I L i i E I + ILUMINAçÃO NATURAL + OONTATO cOM EXTERIOR C l I ° SANCA DE ILUMINACAO '_ / INDIRETA EM LED ATENUAÇAO OA LUZ NOTURNA t: " ' I ILUMINACAO DE BAIXO CONSUMO A regua possui luz *IA BI a i direta em led focada PLANTA BAIXA OUARTO _i_ no paciente, utilizada T principalmente para leitura ou para algum procedimento Iiosplr talar mais especifico _ ELEvAçÃo AA D-i; _ ELEvAçÃO BB -IQ _ ELEvAçÃo cc a-i; HOSPITAL SANTA cAsA OE JUIZ DE FORA - MG 05 | C3
  6. 6. _DESLUCANDU U FUCU DO PACIEILITE DA DOENÇA: O lúdico, a força da corewayfinding design. Acreditamos que o “detalhe” pode ser a chave de um projeto de arquitetura. Através dele é possível despertar o lúdico em ambientes de grande rigor e complexidade. A ideia é despertar a curiosidade das pessoas que experimen- tam a arquitetura. Buscamos criar espaços que facilitam a orientação do paciente e dos funcioná- rios. O sistema conhecido como Wayfinding design, ou design de sistemas in- formacionais, é uma interseção de áreas como o design gráfico, design de produto, arquitetura, urbanismo e comunicação. O objetivo é informar, orientar, . _ identiñcar e ambientar espaços. Ao mesmo tempo, liberar a imaginação criativa , ›, « 1 e estimular a recuperação do paciente. É -e . à _a . .'- . s. í à _- . .a __ . .i -_ LE í _ . i . in T 7 à ' 7T I, , 'r . l_ lI T 4 ' __ y 12"* I 'Le . E' A 1 o 'A . I' ' r I à V . _ t. . 'L' e. â 7 N É_ _z x , ' 7 ; t ll, r _ I 'A I ' Voltamos o nosso olhar para a sensibilidade do uso de cores, intensidade de LI I E¡ p* - . ,_ I L_ luz, variação de temperatura, orientação visual, sistema de detecção de forma L- T 1 - _ i. A e interação constante de nossos corpos e movimentos dentro do universo hos- r pitalar. Em um ambiente de recuperação o espaço pode ajudar a melhorar o sono, reduzir a agitação e ansiedade, bem como, o aumentar as relações sociais, u¡ trazendo benefícios para os pacientes, acompanhantes, funcionarios e médicos. HOSPITAL SANTA CASA DE JUIZ DE FORA - MG | C3
  7. 7. CASAIJE MÁLIINA SALA OE EXAMES ii JI , _ j, :___; L___; p": * _D1 ELEvAçÃO HEMOOINÃMIcA “-l_i-i_i- I FILTRAGEM DE AR: controle de infecção hospitalar. _ENDOSCOPIA _HEMODINAMICA l Drywall com fechamento interno LUZ E VENTILAÇÃO NATURAL em gesso e extemo em placa 'E cimenticla resistente à umidade. ao fogo e ao ruido. Montagem rápida e adição de vãos cAsA DE MAIIUIN de iluminação natural. Criação do volume em balanço em estrutura me- tálica e drywall com fecha- mento em placa clmenticia. Inserção de vegetação para proteção solar SALAÍOAOMINISITTAT O IT' nação na fachada, para que os funcionarios que estiverem imersos na Hemodinâmica consigam ter a noção de dia e noite. I Foram criados vãos de ilumi- SÊLA j J TEcNIcA SALA OE EXAMES E r L ; No _O2 ELEvAçÃO HEMOOINÃMIcA , i i” . . JMPI-"IÊÃII ¡LEVAÇÃIJ “Z , , 5 HEMOOINÃMIcA 11111111 ILUMINAçAO NATURAL , , ~ ~ J L › i 7 l vENTILAçAO cRUzAOA AOIçAO FAcHAOA L: 7 _ J : í HOSPITAL SANTA cAsA DE JUIZ DE FORA - MG 07 | 08
  8. 8. _ O HOSPITAL DO FUTURO: < MEMORIAL DESCRITIVO I - ~ ~ O ro'eto de ar uitetura res eita a aisa em urbana e 'I' 'I' nafuràl do COFIIIJISXD da SaIITIta cas: de . SJIUiz de Fora, potencializando as visadas e a relação com espaço externo. 'tiramos partido da estrutura em planta livre que permite grande flexibilidade espacial e da implan- tação do edificio em que os quartos de internação estão voltados para o sol da manhã. A ideia é despertar a curiosidade das pessoas que experimentam a arquitetura. deslocar O foco do pa- ciente da doen a e, aralelamente, criar es a os eñ› < O (a u) cientes que redçuzampos erros médicos e infzcêões hospitalares. Trabalhamos com uma matriz de sustentabilidade que envolve o reaproveitamento do entulho da obra e reci- clagem, aproveitamento maximo da energia solar, ven tilação natural e redução do consumo de água. , Todos acréscimos de paredes e elementos nas facha- , / _ das são feitos atraves da construção a seco e projeta- ' _ . -i - Ç dos a partir de modulações e elementos pre'- ' ~ fabricados, integrados com soluções de acessibili- dade. Os materiais utilizados em grande quantidade são padronizados, de fácil manutenção e limpeza. Estamos à procura de ambientes em escala humana; na escala das relações sociais; na escala que permite que os pacientes sejam bem orientados: na escala de percepções sensoriais. Acreditamos que um espaço em escala humana é o caminho para encapsular a beleza e a simplicidade. No instante vida e morte, no instante de grande fragili- dade, a arquitetura pode fazer renascer a esperança e O desejo de vida. O principal conceito deste quarto foi a criação de um painel hospitalar onde ñcam as tomadas (quase imperceptiveis nas Iateriais), os gases e o sistema integrado de ilu- minação em led. O painel e pré-fabricado, de fácil e rápida montagem, não incomo- dando os pacientes internados em leitos próximos e a rotina do hospital. HOSPITAL SANTA cAsA OE JUIZ OE FORA - MG 08 | C3

×