Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África
HISTÓRIA GERAL
DA ÁFRICA •
VIII
África ...
HISTÓRIA GERAL DA ÁFRICA • Viii
África desde 1935
Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral...
Coleção História Geral da África da UNESCO
Volume I 	 Metodologia e pré-história da África
		 (Editor J. Ki-Zerbo)
Volume ...
Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África
HISTÓRIA GERAL
DA ÁFRICA • Viii
África ...
História geral da África, VIII: África desde 1935 / editado por Ali A. Mazrui e Christophe
Wondji. – Brasília : UNESCO, 20...
SUMÁRIO
Apresentação....................................................................................VII
Nota dos tradu...
VI África desde 1935
Sessão III  O Subdesenvolvimento e a Luta pela Independência
Econômica..................................
VIIAPRESENTAÇÃO
“Outra exigência imperativa é de que a história (e a cultura) da África devem pelo menos ser
vistas de den...
VIII África desde 1935
A publicação da Coleção da História Geral da áfrica em português é também resul-
tado do compromiss...
IXNOTA DOS TRADUTORES
NOTA DOS TRADUTORES
A Conferência de Durban ocorreu em 2001 em um contexto mundial dife-
rente daque...
X África desde 1935
os fatores assinalados para a explicação da pouca institucionalização da lei estava
a falta de materia...
XICronologia
Na apresentação das datas da pré-história convencionou-se adotar dois tipos
de notação, com base nos seguinte...
XIIILista de Figuras
Lista de Figuras
Figura 1.1  Mapa político da África em 1935............................................
XIV África desde 1935
Figura 6.4  Port­‑Saïd, na zona do canal: a destruição causada pela guerra de 1956..............175
...
XVLista de Figuras
Figura 11.4  Os lucros da SCOA, 1910­‑1960................................................................
XVI África desde 1935
Figura 17.2 Por ocasião de um encontro de teólogos do Terceiro Mundo, no Cairo,
membros da AOTA visi...
XVIILista de Figuras
Figura 22.3  Parte superior: laboratório de biologia em um instituto de pedagogia,
Universidade de La...
XVIII África desde 1935
Figura 28.1 Conferência da Liga Árabe e da Organização para a Unidade Africana,
no Cairo em 1977.....
Durante muito tempo, mitos e preconceitos de toda espécie esconderam do
mundo a real história da África. As sociedades afr...
XX África desde 1935
vias que lhes são próprias e que o historiador só pode apreender renunciando a
certos preconceitos e ...
XXIPrefácio
É nesse contexto que emerge a importância da História Geral da África, em
oito volumes, cuja publicação a Unes...
XXII África desde 1935
nove membros,composto por africanos e não-africanos,na respectiva proporção
de dois terços e um ter...
XXIIIPrefácio
aprofundamento de uma dupla problemática, da historiografia e da identidade
cultural, unidas por laços de re...
XXIV África desde 1935
Igualmente, essa obra faz aparecerem nitidamente as relações da África com
o sul da Ásia através do...
XXVApresentação do Projeto
A Conferência Geral da UNESCO, em sua décima sexta sessão, solicitou
ao Diretor-geral que empre...
XXVI África desde 1935
em tais circunstâncias, as divergências de opinião. Ela assim preparará o
caminho para posteriores ...
XXVIIApresentação do Projeto
pelo conteúdo dos volumes, pela redação final dos textos ou ilustrações e, de
uma maneira ger...
XXVIII África desde 1935
(dentre os quais, entre outros: alemão, chinês, italiano, japonês, português, russo,
etc.).
Trata...
C A P Í T U L O 1
1Introdução
As exigências da análise desenvolvida no presente volume conduziram a
aqui subdividir a hist...
2 África desde 1935
Por que escolhemos 1935 como ponto de partida para o período estudado
nesse volume? Porque a Segunda G...
3Introdução
libertação impregnou especialmente o teatro sul­‑africano, como veremos na
sequência desse volume. Peças como ...
4 África desde 1935
Em relação ao domínio econômico,este volume aborda,ao mesmo tempo,os
problemas relativos à pobreza e a...
5Introdução
MAR
VERMELHO
Canal de Suez
S A A R A
ARGÉLIA
MAURITANIE
SUDÃO FRANCÊS NÍGER
CHADE
TUNÍSIA
LÍBIA
TRIPOLITÂNIA
C...
6 África desde 1935
frente às antigas potências coloniais: em outros termos, o combate contra o
neocolonialismo.
Na fase p...
7Introdução
cana aqui considerado, os casos de substituição de um governo após um fracasso
eleitoral foram raríssimos.Os c...
8 África desde 1935
Os anos decorridos desde 1935 constituem, em particular, um período da
história durante o qual o mundo...
9Introdução
figura 1.2  Diante da Sociedade das Nações, o imperador Hailé Selassié eleva­‑se contra a agressão da
Etiópia ...
10 África desde 1935
mínia dos excessos dos europeus e o esplendor da descoberta da África por ela
mesma.
Mas qual foi o e...
11Introdução
Europa passaram, no curso do período abordado neste volume, a levar o nome
de “nação”. Todas, salvo a Repúbli...
12 África desde 1935
O racismo estava ligado ao imperialismo e à colonização. A respeito desses
últimos, nós também mostra...
13Introdução
de vista o contexto geral no qual se inscrevem os processos regionais estudados
nesse volume.
Duas catástrofe...
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
HGA I
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

HGA I

1.400 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.400
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
458
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HGA I

  1. 1. Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África HISTÓRIA GERAL DA ÁFRICA • VIII África desde1935 UNESCO Representação no BRASIL Ministério da Educação do BRASIL Universidade Federal de São Carlos EDITOR ALI A. MAZRUI EDITOR ASSISTENTE C. WONDJI
  2. 2. HISTÓRIA GERAL DA ÁFRICA • Viii África desde 1935 Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África
  3. 3. Coleção História Geral da África da UNESCO Volume I Metodologia e pré-história da África (Editor J. Ki-Zerbo) Volume II África antiga (Editor G. Mokhtar) Volume III África do século VII ao XI (Editor M. El Fasi) (Editor Assistente I. Hrbek) Volume IV África do século XII ao XVI (Editor D. T. Niane) Volume V África do século XVI ao XVIII (Editor B. A. Ogot) Volume VI África do século XIX à década de 1880 (Editor J. F. A. Ajayi) Volume VII África sob dominação colonial, 1880-1935 (Editor A. A. Boahen) Volume VIII África desde 1935 (Editor A. A. Mazrui) (Editor Assistente C. Wondji) Os autores são responsáveis pela escolha e apresentação dos fatos contidos neste livro, bemcomopelasopiniõesneleexpressas,quenãosãonecessariamenteasdaUNESCO, nem comprometem a Organização. As indicações de nomes e apresentação do material ao longo deste livro não implicam a manifestação de qualquer opinião por parte da UNESCO a respeito da condição jurídica de qualquer país, território, cidade, região ou de suas autoridades, tampouco da delimitação de suas fronteiras ou limites.
  4. 4. Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África HISTÓRIA GERAL DA ÁFRICA • Viii África desde 1935 EDITOR Ali A. Mazrui Editor Assistente Christophe Wondji Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
  5. 5. História geral da África, VIII: África desde 1935 / editado por Ali A. Mazrui e Christophe Wondji. – Brasília : UNESCO, 2010. 1272 p. ISBN: 978-85-7652-130-3 1. História 2. História contemporânea 3. História africana 4. Culturas africanas 5. África I. Mazrui, Ali A. II. Wondji, Christophe III. UNESCO IV. Brasil. Ministério da Educação V. Universidade Federal de São Carlos Esta versão em português é fruto de uma parceria entre a Representação da UNESCO no Brasil, a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação do Brasil (Secad/MEC) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Título original: General History of Africa, VIII: Africa since 1935. Paris: UNESCO; Berkley, CA: University of California Press; London: Heinemann Educational Publishers Ltd., 1993. (Primeira edição publicada em inglês). © UNESCO 2010 Coordenação geral da edição e atualização: Valter Roberto Silvério Tradutores: Luís Hernan de Almeida Prado Mendoza Revisão técnica: Kabengele Munanga Preparação de texto: Eduardo Roque dos Reis Falcão Projeto gráfico e diagramação: Marcia Marques / Casa de Ideias; Edson Fogaça e Paulo Selveira / UNESCO no Brasil Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) Representação no Brasil SAUS, Quadra 5, Bloco H, Lote 6, Ed. CNPq/IBICT/UNESCO, 9º andar 70070-912 – Brasília – DF – Brasil Tel.: (55 61) 2106-3500 Fax: (55 61) 3322-4261 Site: www.unesco.org/brasilia E-mail: grupoeditorial@unesco.org.br Ministério da Educação (MEC) Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad/MEC) Esplanada dos Ministérios, Bl. L, 2º andar 70047-900 – Brasília – DF – Brasil Tel.: (55 61) 2022-9217 Fax: (55 61) 2022-9020 Site: http://portal.mec.gov.br/index.html Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Rodovia Washington Luis, Km 233 – SP 310 Bairro Monjolinho 13565-905 – São Carlos – SP – Brasil Tel.: (55 16) 3351-8111 (PABX) Fax: (55 16) 3361-2081 Site: http://www2.ufscar.br/home/index.php Impresso no Brasil
  6. 6. SUMÁRIO Apresentação....................................................................................VII Nota dos tradutores............................................................................IX Cronologia........................................................................................XI Lista de Figuras..............................................................................XIII Prefácio...........................................................................................XIX Apresentação do Projeto..................................................................XXV Introdução........................................................................................... 1 Capítulo 1   Introdução.............................................................................. 1 Sessão I   A África na década de conflitos mundiais 1935­‑1945........ 31 Capítulo 2   O chifre da África e a África setentrional............................ 33 Capítulo 3   A África tropical e a África equatorial sob domínio francês, espanhol e português............................................... 67 Capítulo 4   A África sob domínio britânico e belga................................ 89 Sessão II   A luta pela soberania política, de 1945 às Independências................................................................ 123 Capítulo 5   “Procurai primeiramente o reino político...”........................ 125 Capítulo 6   A África setentrional e o chifre da África........................... 151 Capítulo 7   A África ocidental.............................................................. 191 Capítulo 8   A África Equatorial do oeste............................................. 229 Capítulo 9   A África Oriental............................................................... 261 Capítulo 10   A África Austral.............................................................. 295
  7. 7. VI África desde 1935 Sessão III  O Subdesenvolvimento e a Luta pela Independência Econômica...................................................................... 335 Capítulo 11   As mudanças econômicas na África em seu contexto mundial (1935­‑1980)....................................................... 337 Capítulo 12   A agropecuária e o desenvolvimento rural....................... 377 Capítulo 13   O desenvolvimento industrial e o crescimento urbano.... 429 Capítulo 14   Estratégias comparadas da descolonização econômica..... 471 SESSÃO IV   Evolução sociopolítica após as independências............... 517 Capítulo 15   Construção da nação e evolução das estruturas políticas............................................................................ 519 Capítulo 16   Construção da nação e evolução dos valores políticos..... 565 Sessão v   Mudanças socioculturais após 1935................................. 603 Capítulo 17   Religião e evolução social................................................. 605 Capítulo 18   Língua e evolução social.................................................. 631 Capítulo 19   O desenvolvimento da literatura moderna....................... 663 Capítulo 20   As artes e a sociedade após 1935..................................... 697 Capítulo 21   Tendências da filosofia e da ciência na África.................. 761 Capítulo 22   Educação e mudança social.............................................. 817 Sessão VI   O Pan­‑africanismo: libertação e integração a partir de 1935..................................................................................... 847 Capítulo 23   A África e a diáspora negra............................................. 849 Capítulo 24   O Pan­‑africanismo e a Integração Regional.................... 873 Capítulo 25   Pan­‑africanismo e libertação............................................ 897 Sessão VII   A África independente em meio aos assuntos mundiais... 925 Capítulo 26   A África e os países capitalistas....................................... 927 Capítulo 27   A África e os países socialistas......................................... 965 Capítulo 28   A África e as regiões em vias de desenvolvimento......... 1003 Capítulo 29   A África e a Organização das Nações Unidas............... 1053 Capítulo 30   O horizonte 2000.......................................................... 1095 Posfácio: cronologia da atualidade africana nos anos 1990.................. 1133 Cronologia dos fatos relevantes............................................................. 1143 Membros do Comitê Científico Internacional para a Redação de uma História Geral da África...................................................... 1157 Dado biográficos dos autores do volume VIII...................................... 1159 Abreviações e listas de periódicos.......................................................... 1167 Referências bibliográficas...................................................................... 1169 Índice remissivo..................................................................................... 1241
  8. 8. VIIAPRESENTAÇÃO “Outra exigência imperativa é de que a história (e a cultura) da África devem pelo menos ser vistas de dentro, não sendo medidas por réguas de valores estranhos... Mas essas conexões têm que ser analisadas nos termos de trocas mútuas, e influências multilaterais em que algo seja ouvido da contribuição africana para o desenvolvimento da espécie humana”.J.Ki-Zerbo, História Geral da África, vol. I, p. LII. A Representação da UNESCO no Brasil e o Ministério da Educação têm a satis- fação de disponibilizar em português a Coleção da História Geral da África. Em seus oito volumes, que cobrem desde a pré-história do continente africano até sua história recente, a Coleção apresenta um amplo panorama das civilizações africanas. Com sua publicação em língua portuguesa, cumpre-se o objetivo inicial da obra de colaborar para uma nova leitura e melhor compreensão das sociedades e culturas africanas, e demons- trar a importância das contribuições da África para a história do mundo. Cumpre-se, também, o intuito de contribuir para uma disseminação, de forma ampla, e para uma visão equilibrada e objetiva do importante e valioso papel da África para a humanidade, assim como para o estreitamento dos laços históricos existentes entre o Brasil e a África. O acesso aos registros sobre a história e cultura africanas contidos nesta Coleção se reveste de significativa importância. Apesar de passados mais de 26 anos após o lança- mento do seu primeiro volume, ainda hoje sua relevância e singularidade são mundial- mente reconhecidas, especialmente por ser uma história escrita ao longo de trinta anos por mais de 350 especialistas, sob a coordenação de um comitê científico internacional constituído por 39 intelectuais, dos quais dois terços africanos. A imensa riqueza cultural, simbólica e tecnológica subtraída da África para o conti- nente americano criou condições para o desenvolvimento de sociedades onde elementos europeus, africanos, das populações originárias e, posteriormente, de outras regiões do mundo se combinassem de formas distintas e complexas. Apenas recentemente, tem- se considerado o papel civilizatório que os negros vindos da África desempenharam na formação da sociedade brasileira. Essa compreensão, no entanto, ainda está restrita aos altos estudos acadêmicos e são poucas as fontes de acesso público para avaliar este complexo processo, considerando inclusive o ponto de vista do continente africano. APRESENTAÇÃO
  9. 9. VIII África desde 1935 A publicação da Coleção da História Geral da áfrica em português é também resul- tado do compromisso de ambas as instituições em combater todas as formas de desigual- dades, conforme estabelecido na declaração universal dos direitos humanos (1948), especialmente no sentido de contribuir para a prevenção e eliminação de todas as formas de manifestação de discriminação étnica e racial, conforme estabelecido na convenção internacional sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial de 1965. Para o Brasil, que vem fortalecendo as relações diplomáticas, a cooperação econô- mica e o intercâmbio cultural com aquele continente, essa iniciativa é mais um passo importante para a consolidação da nova agenda política. A crescente aproximação com os países da África se reflete internamente na crescente valorização do papel do negro na sociedade brasileira e na denúncia das diversas formas de racismo. O enfrentamento da desigualdade entre brancos e negros no país e a educação para as relações étnicas e raciais ganhou maior relevância com a Constituição de 1988. O reconhecimento da prática do racismo como crime é uma das expressões da decisão da sociedade brasileira de superar a herança persistente da escravidão. Recentemente, o sistema educacional recebeu a responsabilidade de promover a valorização da contribuição africana quando, por meio da alteração da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e com a aprovação da Lei 10.639 de 2003, tornou-se obrigatório o ensino da história e da cultura africana e afro-brasileira no currículo da educação básica. Essa Lei é um marco histórico para a educação e a sociedade brasileira por criar, via currículo escolar, um espaço de diálogo e de aprendizagem visando estimular o conheci- mento sobre a história e cultura da África e dos africanos, a história e cultura dos negros no Brasil e as contribuições na formação da sociedade brasileira nas suas diferentes áreas: social, econômica e política. Colabora, nessa direção, para dar acesso a negros e não negros a novas possibilidades educacionais pautadas nas diferenças socioculturais presentes na formação do país. Mais ainda, contribui para o processo de conhecimento, reconhecimento e valorização da diversidade étnica e racial brasileira. Nessa perspectiva,a UNESCO e o Ministério da Educação acreditam que esta publica- ção estimulará o necessário avanço e aprofundamento de estudos,debates e pesquisas sobre a temática, bem como a elaboração de materiais pedagógicos que subsidiem a formação inicial e continuada de professores e o seu trabalho junto aos alunos.Objetivam assim com esta edição em português da História Geral da África contribuir para uma efetiva educação das relações étnicas e raciais no país,conforme orienta as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro- brasileira e Africana aprovada em 2004 pelo Conselho Nacional de Educação. Boa leitura e sejam bem-vindos ao Continente Africano. Vincent Defourny Fernando Haddad Representante da UNESCO no Brasil Ministro de Estado da Educação do Brasil
  10. 10. IXNOTA DOS TRADUTORES NOTA DOS TRADUTORES A Conferência de Durban ocorreu em 2001 em um contexto mundial dife- rente daquele que motivou as duas primeiras conferências organizadas pela ONU sobre o tema da discriminação racial e do racismo: em 1978 e 1983 em Genebra, na Suíça, o alvo da condenação era o apartheid. A conferência de Durban em 2001 tratou de um amplo leque de temas,entre os quais vale destacar a avaliação dos avanços na luta contra o racismo, na luta contra a discriminação racial e as formas correlatas de discriminação; a avaliação dos obstáculos que impedem esse avanço em seus diversos contextos; bem como a sugestão de medidas de combate às expressões de racismo e intolerâncias. Após Durban, no caso brasileiro, um dos aspectos para o equacionamento da questão social na agenda do governo federal é a implementação de políticas públicas para a eliminação das desvantagens raciais, de que o grupo afrodescen- dente padece, e, ao mesmo tempo, a possibilidade de cumprir parte importante das recomendações da conferência para os Estados Nacionais e organismos internacionais. No que se refere à educação, o diagnóstico realizado em novembro de 2007, a partir de uma parceria entre a UNESCO do Brasil e a Secretaria de Educação Continuada,Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação (SECAD/ MEC),constatou que existia um amplo consenso entre os diferentes participan- tes, que concordavam, no tocante a Lei 10.639-2003, em relação ao seu baixo grau de institucionalização e sua desigual aplicação no território nacional.Entre
  11. 11. X África desde 1935 os fatores assinalados para a explicação da pouca institucionalização da lei estava a falta de materiais de referência e didáticos voltados à História de África. Por outra parte, no que diz respeito aos manuais e estudos disponíveis sobre a História da África, havia um certo consenso em afirmar que durante muito tempo, e ainda hoje, a maior parte deles apresenta uma imagem racializada e eurocêntrica do continente africano, desfigurando e desumanizando especial- mente sua história, uma história quase inexistente para muitos até a chegada dos europeus e do colonialismo no século XIX. Rompendo com essa visão,a História Geral da África publicada pela UNESCO é uma obra coletiva cujo objetivo é a melhor compreensão das sociedades e cul- turas africanas e demonstrar a importância das contribuições da África para a história do mundo.Ela nasceu da demanda feita à UNESCO pelas novas nações africanas recém-independentes,que viam a importância de contar com uma his- tória da África que oferecesse uma visão abrangente e completa do continente, para além das leituras e compreensões convencionais. Em 1964, a UNESCO assumiu o compromisso da preparação e publicação da História Geral da África. Uma das suas características mais relevantes é que ela permite compreender a evolução histórica dos povos africanos em sua relação com os outros povos. Contudo, até os dias de hoje, o uso da História Geral da África tem se limitado sobretudo a um grupo restrito de historiadores e especialistas e tem sido menos usada pelos professores/as e estudantes. No caso brasileiro, um dos motivos desta limitação era a ausência de uma tradução do conjunto dos volumes que compõem a obra em língua portuguesa. A Universidade Federal de São Carlos, por meio do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros (NEAB/UFSCar) e seus parceiros, ao concluir o trabalho de tradução e atualização ortográfica do conjunto dos volumes, agradece o apoio da Secretaria de Educação Continuada,Alfabetização e Diversidade (SECAD), do Ministério da Educação (MEC) e da UNESCO por terem propiciado as condições para que um conjunto cada vez maior de brasileiros possa conhecer e ter orgulho de compartilhar com outros povos do continente americano o legado do continente africano para nossa formação social e cultural.
  12. 12. XICronologia Na apresentação das datas da pré-história convencionou-se adotar dois tipos de notação, com base nos seguintes critérios: • Tomando como ponto de partida a época atual, isto é, datas B.P. (before present), tendo como referência o ano de + 1950; nesse caso, as datas são todas negativas em relação a + 1950. • Usando como referencial o início da Era Cristã; nesse caso, as datas são simplesmente precedidas dos sinais - ou +. No que diz respeito aos séculos,as menções “antes de Cristo”e “depois de Cristo”são substituídas por “antes da Era Cristã”, “da Era Cristã”. Exemplos: (i) 2300 B.P. = -350 (ii) 2900 a.C. = -2900 1800 d.C. = +1800 (iii) século V a.C. = século V antes da Era Cristã século III d.C. = século III da Era Cristã Cronologia
  13. 13. XIIILista de Figuras Lista de Figuras Figura 1.1  Mapa político da África em 1935...........................................................................5 Figura 1.2  Diante da Sociedade das Nações, o imperador Hailé Selassié eleva­‑se contra a agressão da Etiópia pela Itália.................................................................................9 Figura 1.3  Em 11 de dezembro de 1960, no bairro de Salembier, em Alger, jovens manifestantes levantam pela primeira vez a bandeira verde e branca da Frente de Libertação Nacional (FLN)...................................................................26 Figura 2.1  O avanço das tropas italianas na Abissínia...........................................................49 Figura 2.2  A França em combate no deserto da Tripolitânia.................................................51 Figura 2.3  Sayyïd ‘Abd al­‑Rahman al­‑Mahdi em sua partida rumo a Londres, no dia 15 de julho de 1937....................................................................................61 Figura 3.1  Conferência de Brazzaville, em fevereiro de 1944................................................85 Figura 4.1  Peça de artilharia antiaérea manobrada por soldados africanos durante a Segunda Guerra Mundial....................................................................................113 Figura 4.2  O dia da independência da Suazilândia: o chefe Sobhuza II, “o Leão da Suazilândia”, passa em revista as suas tropas.....................................118 Figura 5.1  Dedan Kimathi, herói do combate dos mau­‑mau pela independência, capturado em 21 de outubro de 1956 e em seguida executado............................135 Figura 5.2  Argelinos presos durante os levantes de 8 de maio de 1945 na Kabylie.............137 Figura 5.3  Kwame Nkrumah na aurora da independência de Gana, no Old Polo Ground em 5 de março de 1957..........................................................................141 Figura 6.1  Congresso do Néo­‑Destour em novembro de 1955. No centro, Habib Bouguiba.................................................................................157 Figura 6.2  Em 20 de setembro de 1959, Messali Hadj aprovou a declaração do general de Gaulle a propósito da Argélia............................................................162 Figura 6.3  Farhat ‘Abbas dirigindo­‑se à multidão na ocasião de uma manifestação em Casablanca, em 9 de julho de 1961, na presença do rei Hassan II......................164