Hilara CrestanaII Encontro de Neurociência da Músicano Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo – SP -Brasil São Paul...
A música é um fenômeno natural, de caráter intuitivo,  próprio do ser humano. É uma linguagem universal,  com capacidades ...
“MUSICOTERAPIA é um processo sistemático de  intervenção em que o terapeuta ajuda o paciente a  promover a saúde, utilizan...
Objetivos:    Buscar     alternativas     para   um  desenvolvimento pleno do ser humano através da  articulação dos conte...
Sensibilização   ConscientizaçãoSentimentos profundosque projetam na música   Transformações      Soluções
Por tanto, a MT é preventiva(no sentido de percepção da pessoae do outro) e experimental, onde oMusicoterapeuta abre espaç...
* Uso de biomúsica para relaxar (depende do  ambiente)* Música de “barzinho”* Audição de uma música no carro* Execução de ...
Nordof f-Robbins = MUSICOTERAPIA CRIATIVA(Improvisação – recriação das canções –   composições)*Estatística: No ano de 196...
Nordof f-Robbins = MUSICOTERAPIA CRIATIVAObjetivo: “Onde se quer chegar, o que se quer  alcançar, o que se pretende com a ...
Benenzon = MUSICOTERAPIA NÃO VERBAL (ISO, criado por Autshuler, em 1954).* No ano de 1965, os médicos Rolando Benenzon e  ...
*Método: Classifica o ritmo da criança em 3 níveis:- REGRESSIVO (sons do coração, de água, sons da   respiração e cantigas...
     O diagnóstico do autismo já passou por várias    mudanças. Na década de 60, o autismo esteve    fortemente relaciona...
   Atualmente, no CID-10 e no DSM-IV, consideram que    o autismo está dentro de um amplo espectro de    patologias denom...
* Um grande número de crianças consideradas autistas,  não possuem somente este transtorno e sim, outras  síndromes como a...
   É caracterizado por uma “tríade” a ser tratada, tais    como:   - DESVIOS DE COMUNICAÇÃO   - DESVIOS DE SOCIABILIZAÇ...
O termo “funções musicais”, utilizado pela neurociência, é um conjunto de atividades cognitivas e motoras envolvidas no pr...
De um modo geral, o lado direito do cérebro é que controla a melodia, as   notas, o padrão acústico, as sensações e a unid...
* Primeiramente, é necessário dizer que a utilização da  música como uma ferramenta de trabalho, não preza pelo  belo artí...
  FÍSICAS (através do relaxamento muscular, alivia a ansiedade e a   depressão) MENTAIS E PSICOLÓGICAS (reforçando a ide...
* Anamnese (entrevista com os pais)* Testificação Sonora (dependendo do caso, no setting  não há instrumentos, somente tra...
* Trabalho de histórias infantis correlacionadas à música, perguntas de como o    paciente está se sentindo hoje, mesmo qu...
  ”Logo que o Enrico iniciou a MT, percebi que ao sair das sessões estava mais    sereno e falando com entonação de fala (...
Hilara Crestana@hilaracrestanawww.hilararestana.com.brcontato@hilaracrestana.com.broperaidja@ig.com.br
A influência da musicoterapia em crianças com TEA
A influência da musicoterapia em crianças com TEA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A influência da musicoterapia em crianças com TEA

2.332 visualizações

Publicada em

A música é um canal de comunicação que reestabelece o vínculo. Tendo ela como ferramenta de trabalho na musicoterapia, o objetivo é de que aconteçam melhoras nas partes cognitiva, afetiva, psicomotora e social.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.332
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
80
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A influência da musicoterapia em crianças com TEA

  1. 1. Hilara CrestanaII Encontro de Neurociência da Músicano Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo – SP -Brasil São Paulo – SP nov/12
  2. 2. A música é um fenômeno natural, de caráter intuitivo, próprio do ser humano. É uma linguagem universal, com capacidades para transcender as emoções, transcendendo qualquer barreira cultural e linguística.Reconhecimento do profissional de MT (CBO) – Código 2239-15: Terapeutas ocupacionais e afins.
  3. 3. “MUSICOTERAPIA é um processo sistemático de intervenção em que o terapeuta ajuda o paciente a promover a saúde, utilizando experiências musicais e as relações que se desenvolvem através delas como forças dinâmicas de mudança”. (Kenneth Bruscia, 1998 in “Definindo Musicoterapia”).
  4. 4. Objetivos: Buscar alternativas para um desenvolvimento pleno do ser humano através da articulação dos conteúdos educativos (uso das pedagogias focadas no autista e da psicomotricidade), culminando num processo terapêutico, melhorando e restaurando o funcionamento físico, cognitivo, emocional e social do indivíduo.
  5. 5. Sensibilização ConscientizaçãoSentimentos profundosque projetam na música Transformações Soluções
  6. 6. Por tanto, a MT é preventiva(no sentido de percepção da pessoae do outro) e experimental, onde oMusicoterapeuta abre espaço para opaciente no “fazer” musical e naescuta sonora.
  7. 7. * Uso de biomúsica para relaxar (depende do ambiente)* Música de “barzinho”* Audição de uma música no carro* Execução de uma peça no piano (a não ser que faça parte do tratamento, sendo indicada pelo Musicoterapeuta)* Aula de música para crianças excepcionais*Educação Musical em escolas
  8. 8. Nordof f-Robbins = MUSICOTERAPIA CRIATIVA(Improvisação – recriação das canções – composições)*Estatística: No ano de 1968, na Pensilvânia, começaram o trabalho com 25 crianças, sendo que 15 eram autistas e as outras 10 tinham outras perturbações (síndromes) severas. Destas, todas as crianças responderam positivamente aos estímulos musicais, tendo a improvisação como trabalho principal.
  9. 9. Nordof f-Robbins = MUSICOTERAPIA CRIATIVAObjetivo: “Onde se quer chegar, o que se quer alcançar, o que se pretende com a MT na vida destas crianças”?* Método: Classifica o ritmo da criança em 5 tipos, de modo a se chegar numa:
  10. 10. Benenzon = MUSICOTERAPIA NÃO VERBAL (ISO, criado por Autshuler, em 1954).* No ano de 1965, os médicos Rolando Benenzon e Bernaldo de Quirós, criaram a comissão de estudos da MT na República Argentina e como consequência da mesma criou-se a carreira de MT na faculdade de Medicina, na Universidade de Salvador, em Buenos Aires.
  11. 11. *Método: Classifica o ritmo da criança em 3 níveis:- REGRESSIVO (sons do coração, de água, sons da respiração e cantigas de ninar).- COMUNICATIVO (uso dos instrumentos musicais no setting, mas ainda uso da linguagem não verbal)- INTEGRATIVO (imitação dos sons e movimentos do paciente, uso da linguagem).
  12. 12.  O diagnóstico do autismo já passou por várias mudanças. Na década de 60, o autismo esteve fortemente relacionado a uma desordem ambiental, fornecida pela mãe da criança (“mãe geladeira”). Na década de 80 o autismo esteve associado a causas cromossômicas, sendo considerado uma síndrome. Estudos posteriores revelaram que o autismo é uma desordem comportamental complexa, com etiologias múltiplas e diferentes níves de gravidade, sendo considerada hoje como um transtorno mental, social e de comportamento.
  13. 13.  Atualmente, no CID-10 e no DSM-IV, consideram que o autismo está dentro de um amplo espectro de patologias denominado transtornos do espectro autista (TEA), que inclui 3 categorias diagnósticas: transtorno autista ou atismo infantil, transtorno Asperger e transtorno global do desenvolvimento sem outra especificação (TGD-NOS). Nenhuma criança com TEA deve ser diagnosticada somente com base na sua avaliação psicológica ou educacional. Deve haver a avaliação médica de um especialista da área.
  14. 14. * Um grande número de crianças consideradas autistas, não possuem somente este transtorno e sim, outras síndromes como atraso mental, esquizofrenia, psicose, etc. Algumas pessoas parecem acreditar que a Síndrome de Down é uma garantia de que não haverá autismo. E, na verdade, todos os novos estudos mostram que 1 em 10 crianças com Down têm autismo muito grave e é muito importante que este seja diagnosticado.* O autismo não está associado à classe social. Costumava- se dizer que o autismo era a síndrome das classes superiores, formada somente por pais intelectuais (provavelmente se referindo aos “aspergers”).
  15. 15.  É caracterizado por uma “tríade” a ser tratada, tais como: - DESVIOS DE COMUNICAÇÃO - DESVIOS DE SOCIABILIZAÇÃO - DESVIOS DA IMAGINAÇÃO
  16. 16. O termo “funções musicais”, utilizado pela neurociência, é um conjunto de atividades cognitivas e motoras envolvidas no processamento da música. São mecanismos pelos quais o cérebro se organiza para coordenar todas as operações mentais envolvidas com a música. Atualmente já se pesquisa se a pessoa tem as habilidades musicais preservadas.
  17. 17. De um modo geral, o lado direito do cérebro é que controla a melodia, as notas, o padrão acústico, as sensações e a unidade da música. O lado esquerdo é quem controla o ritmo.* Nas pessoas:Córtex Orbito-frontal = sons consonantesCerebelo = ritmo e altura do somNeurônio-espelho = imitação e memória musicalÓrbito-frontal = relacionado a funções sócio-emocionais e de comunicação* Nos autistas, estas áreas do cérebro ficam alteradas, principalmente quando ouvem música.
  18. 18. * Primeiramente, é necessário dizer que a utilização da música como uma ferramenta de trabalho, não preza pelo belo artístico e sim, por qualquer produção sonora vinda do paciente nas sessões. É uma forma de tratamento que utiliza toda e qualquer manifestação sonora para produzir efeitos terapêuticos.* A música é um canal de comunicação que reestabelece o vínculo. Tendo ela como ferramenta de trabalho na MT, o objetivo é de que aconteçam melhoras nas partes cognitiva, afetiva, psicomotora e social.
  19. 19.  FÍSICAS (através do relaxamento muscular, alivia a ansiedade e a depressão) MENTAIS E PSICOLÓGICAS (reforçando a identidade) SOCIAIS E EMOCIONAIS (trabalhos em grupo ou familiares focando nos aspectos do humor, etc)* A MT favorece a diminuição das ecolalias e das estereotipias, favorece o contato visual e tátil, diminui a hiperatividade, ajuda na aceitação das mudanças de rotina, facilitando a entrada de outros profissionais na vida do paciente, o tornando mais receptivo e feliz.* No caso dos autistas, a MT pode servir de estímulo à realização e controle dos movimentos (equilíbrio), sendo toda música uma conquista do paciente, uma comemoração a cada toque, a cada letra criada por ele.
  20. 20. * Anamnese (entrevista com os pais)* Testificação Sonora (dependendo do caso, no setting não há instrumentos, somente trabalha-se sons primitivos como a respiração, o som do coração, de água, etc).* Tratamento propriamente dito, onde a música vem de forma a ampliar os potenciais já existentes do paciente.* Trabalho familiar
  21. 21. * Trabalho de histórias infantis correlacionadas à música, perguntas de como o paciente está se sentindo hoje, mesmo que seja em forma de canção.* Quando o paciente já estiver “acostumado” com a MT, deixar ele guiar a sessão.* Trabalho com material dourado e outros brinquedos pedagógicos.* Criação de sons para os animais que não têm sons, como o bicho preguiça, a tartaruga, a formiga e depois criar músicas.* Músicas cantadas olhando para o espelho e que nas letras, ajudem a trazer aquilo que é abstrato para a realidade.* Trabalho com músicas que dêem noção do tempo, junto das técnicas do TEACCH (calendário) e da psicologia (linha do tempo, genograma)* Som, silêncio e eco (é uma das formas de diminuir a ecolalia)* Músicas que falem dos sentimentos como medo, tristeza, alegria, surpresa, etc.* Gravação e audição da própria voz cantada e falada* Construção de instrumentos que possam ser utilizados na sessão (junto do paciente)* Músicas que auxiliam na coordenação motora e na alfabetização (mais ligada à educação musical, que caminha junto com a MT, uma vez sendo complementares).
  22. 22.   ”Logo que o Enrico iniciou a MT, percebi que ao sair das sessões estava mais sereno e falando com entonação de fala (e não cantando como é do seu costume) e mais baixo, mesmo que mais tarde voltasse a falar alto e cantado.        Ele saía das terapias mais introspectivo, no sentido de se auto-perceber, parecia que “caía as fichas”.         Quando mudamos de uma para duas sessões semanais, a meu pedido, com a minha presença em uma das sessões, pude perceber e compreender como a MT trabalha com a criança de maneira lúdica e sutil.        O Enrico conhecia apenas dois tipos de emoções: a alegria e o medo. Claro que as outras emoções fazem parte de sua vida, porém, ele não tinha percepção e a compreensão das mesmas em si mesmo e nos outros. Para ele, raiva, tristeza, ansiedade, alegria, medo, etc. era uma coisa só: alegria e medo. Apesar de ainda não conseguir denominar suas próprias emoções, bem como a emoção do outro, já tem a percepção de que existem diferentes tipos de emoções. Isso fica claro quando perguntamos o que o outro está sentindo em uma determinada situação.         A MT trabalha ritmo, melodia, etc, mas o mais importante é que ajuda a criança a compreender o mundo e a si mesmo”. Eliana (Mâe do paciente E.P.S. com 12 anos diagnosticado como autista)
  23. 23. Hilara Crestana@hilaracrestanawww.hilararestana.com.brcontato@hilaracrestana.com.broperaidja@ig.com.br

×