Automao residencial..

349 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado a disciplina de projetos do curso Técnico em Mecatrônica - Senai Betim

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
349
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Automao residencial..

  1. 1. CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA E MANUFATURA MARIA MADALENA NOGUEIRA – SENAI CETEM BETIM Técnico em Mecatrônica Eder Marciano Erick Souza Henrikesen Silva Luiz A. Oliveira Marcelo Félix Tharine Camargos AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL DOMÓTICA BETIM 2015
  2. 2. Eder Marciano Erick Souza Henrikesen Silva Luiz A. Oliveira Marcelo Félix Tharine Camargos AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL DOMÓTICA Trabalho apresentado à disciplina de Projetos, do Centro de Excelência em Tecnologia e Manufatura Maria Madalena Nogueira – SENAI CETEM Betim. Orientador: Renan Eustáquio. BETIM 2015
  3. 3. Eder Marciano Erick Souza Henrikesen Silva Luiz A. Oliveira Marcelo Félix Tharine Camargos AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL DOMÓTICA Trabalho apresentado à disciplina de Projetos, do Centro de Excelência em Tecnologia e Manufatura Maria Madalena Nogueira – SENAI CETEM Betim. ________________________________________________ Renan Eustáquio (Orientador) – SENAI CETEM Betim Betim, 15 de maio de 2015.
  4. 4. Este trabalho é dedicado aos nossos familiares e amigos que sempre estiveram ao nosso lado e nos deram apoio para chegarmos até aqui. Dedicamos a Deus por sempre ter nos guiado para o caminho certo.
  5. 5. AGRADECIMENTOS Gostaríamos de agradecer a todos os professores que por esta turma passaram e compartilharam momentos e conhecimentos. Agradecer aos membros da pedagogia e gerência de ensino pelo suporte dado. Agradecer também aos nossos colegas turma que desde o inicio tiveram conosco facilidades e dificuldades, mas que venceram e chegaram até aqui. Agradecemos também o empenho de cada componente deste grupo para a execução deste trabalho, que mesmo com as dificuldades do dia-a-dia, conseguimos finalizá-lo.
  6. 6. "De nada valem as idéias sem homens que possam pô- las em prática." [Karl Marx]
  7. 7. RESUMO A utilização de sistemas automatizados é cada vez mais notória na vida moderna. Hoje, casas e prédios já contam com sistemas integrados de controle que possibilitam a realização de inúmeras atividades e, em alguns casos, sem haver a necessidade da presença física. Os sistemas automatizados têm o custo elevado e poucas pessoas têm acesso a tais tecnologias. Sendo assim, o presente trabalho tem como objetivos, demonstrar que é possível utilizar um sistema residencial automatizado com baixo custo com uma programação voltada à internet. Nosso projeto visa demonstrar a utilização da automação residencial no acionamento da iluminação interna e externa, controle do portão de entrada e do sistema de ventilação, utilizando a plataforma Arduino Mega 2560. Palavras-Chave: Domótica, Automação Residencial, Arduino Mega 2560.
  8. 8. ABSTRACT The use of automated systems is increasingly evident in modern life. Today, houses and buildings already have integrated control systems that allow the realization of numerous activities and , in some cases , without the need of physical presence. Automated systems have high costs and few people have access to such technologies. Thus, this paper aims to demonstrate that it is possible to use an automated home system with low cost provide programs to the Internet. Our project aims to demonstrate the use of home automation in the drive for indoor and outdoor lighting , entrance gate control and the ventilation system using the Arduino Mega 2560 platform. Keyword:Home Automation, Arduíno Mega 2560.
  9. 9. SUMÁRIO Introdução 10 1. Automação Residencial - Domótica 11 1.1. Qual a sua utilidade 14 2. Referencias Técnicas: Plataforma Arduino 16 2.1. Hardware 16 2.2. Software 18 3. O Projeto 20 3.1. Como Funciona 21 3.2. Ligações de Comando e Controle 21 3.3. Acionamento Remoto e Manual 22 3.4. Elementos Comandados 22 3.5. Montagem 23 3.4. Viabilidade Prática 23 4. Viabilidade Econômica 23 5. Impactos Sociais e Ambientais 24 6. Relatório de Gastos 25 Considerações Finais 27 Referências Bibliográficas 28
  10. 10. 10 INTRODUÇÃO Com a automação residencial o que se objetiva é a total integração da rede de dados com os sistemas de entretenimento multimídia, internet e segurança de uma residência. Isso é obtido através de um projeto único que envolve infra- estrutura, dispositivos físicos (fixos e/ou móveis) e softwares de controle cuja meta é garantir ao usuário a possibilidade de controle e de acesso à sua residência à distância, dentro ou fora da mesma. O papel da automação residencial vai além do aumento da eficiência e qualidade de vida, ele está intimamente ligado ao uso eficaz da energia e dos demais recursos naturais, sendo importante para a economia e para o meio ambiente, tendo assim um impacto social positivo. O uso da Domótica está em expansão e cada vez mais acessível. Apesar de ainda não ser tão popular no país - o que gera alto custo para utilização dos benefícios -, hoje é possível fazer a incorporação de recursos simples da automação residencial e com baixo custo.
  11. 11. 11 1. AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL OU DOMÓTICA O termo Domótica é um neologismo resultante da junção da palavra latina “Domus” (casa) com “Robótica” (controle automatizado de algo). Estes termos se referem à automatização e o controle aplicado á residência, utilizando-se de equipamentos que dispõem de capacidade de comunicar-se interativamente entre si e com capacidade de seguir as instruções de um programa previamente estabelecido pelo usuário da residência e com possibilidades de alterações conforme seus interesses. A automação residencial migrou-se dos conceitos utilizados em automação industrial. Porém, em virtude da diferente realidade entre o uso dos dois tipos de arquiteturas, têm sido criadas tecnologias embarcadas (dedicadas) para ambientes onde não se dispõe de espaço para grandes centrais controladoras (CLPs) e pesados sistemas de cabeamento. No entanto, nas residências não são necessárias lógicas complexas e dispositivos que controlam os processos iguais a de uma linha de produção industrial, porém requer diversos tipos de interfaces, configurações diferentes, equipamentos com aspectos e acabamento melhorados de acordo com a característica de cada cliente. Na década de 70 é lançado nos EUA o protocolo X-10, utilizando uma tecnologia PLC (Power Line Carrier) sendo os primeiros módulos inteligentes que utilizava a rede elétrica como canal de comunicação entre diversos dispositivos (lâmpadas, ar condicionado, sistemas de alarmes, etc.), possibilitando o controle remoto destes dispositivos sem haver a necessidade de alterar a infra-estrutura elétrica da residência. No mercado, existe uma gama enorme de produtos X-10, de diversos fabricantes. Pela sua característica básica, o sistema X-10 é recomendado para aplicações autônomas, não integradas. Uma de suas limitações é de operar apenas funções simples tipo liga/desliga e dimerização de luzes. É um sistema de fácil implantação, pois não precisa de intervenção na estrutura da residência. Em contrapartida, torna-se um sistema instável, visto que a rede elétrica pode ocasionar comportamentos falhos dos componentes seja por duplicidade de fase, falta de energia ou descargas eletromagnéticas. Outro empecilho para sua utilização em larga escala é sua baixa integração com os demais sistemas automatizados que utilizam cabeamentos dedicados (áudio, vídeo, alarmes).
  12. 12. 12 Com a popularização dos computadores pessoais (PCs) na década de 80, os computadores passaram a ser utilizados como central de automação, mas logo foram percebidas suas desvantagens de utilização, como o elevado consumo de energia devido à necessidade de manter o computador ligado constantemente e a centralização do controle que pode vir a ser falho e comprometer o funcionamento de todo o sistema automatizado. A partir desses problemas parte-se para o desenvolvimento de dispositivos dedicados através da utilização de microprocessadores e microcontroladores e da exclusão dos PCs. Porém, o final da década de 90 é o grande responsável pela vasta gama de novidades para o mercado de automação residencial. Algumas conquistas tecnológicas incorporadas ao nosso dia-a-dia, como o telefone celular e a internet, despertaram no consumidor o gosto pelas facilidades que o uso destas tecnologias trouxeram. No Brasil, apesar de ainda ser pouco conhecida e divulgada, pelo conforto e comodidade que pode proporcionar, a Domótica promete vir a ter muitos adeptos, face ao crescente número de novos projetos que visam utilizar estas soluções de automatização na construção civil. Mais que o simples uso da tecnologia, a automação residencial, procura atender os aspectos tecnológicos que possam trazer mais acessibilidade, conforto, economia e segurança ao usuário. Embora este seja um panorama otimista para o Brasil, é preciso atentar para algumas condições que podem dificultar o ritmo deste esperado crescimento. Entre as principais, estão:  Falta de conhecimento específico dos projetistas: percebe-se um crescente interesse de arquitetos e projetistas pelo tema, no entanto muitos ainda se mostram inaccessível às novidades e nem sempre contribuem positivamente no processo de melhoria dos projetos de infra-estrutura;  Ausência da cultura da automação residencial entre os usuários finais, o que prejudica a percepção dos seus reais benefícios. Para afastar estas incertezas e reforçar os aspectos positivos da automação residencial, empresas brasileiras e profissionais têm se empenhado num trabalho de
  13. 13. 13 esclarecimento, divulgação e inovação, trazendo benefícios para este emergente mercado. Existem hoje no mercado, sistemas que oferecem vários tipos de recursos e cabe ao usuário escolher a programação que atenda melhor às suas necessidades. Agregar e alterar funções aos equipamentos de segurança, de home theater e todos os eletrodomésticos da casa são algumas dessas programações. Todos os dispositivos podem ser acionados pela mesma interface, seja ele um controle remoto, telefone ou voz. Podem também, ativar a programação assim que identificarem o usuário ou receberem ordens pelo telefone simulando alguém em casa, acendendo uma luz ou abrindo as persianas. O equipamento de segurança pode emitir avisos sonoros e visuais ou discar os números dos serviços de emergência quando detectar algum intruso ou qualquer outro tipo de perigo no interior da residência. As características fundamentais que devemos encontrar num sistema inteligente são:  Capacidade para integrar todos os sistemas – os sistemas interligados por meio da rede doméstica devem possibilitar o monitoramento e o controle externos, bem como atualização remota de software e detecção de falhas;  Atuação em condições variadas – o sistema deve ser capaz de operar em condições adversas (clima, vibrações, falta de energia) e prover múltiplas interfaces para os diferentes usuários, segundo o entendimento tecnológico, idade, etc., bem como auxiliar portadores de deficiência;  Memória – o sistema deve ser capaz de memorizar suas funções principais mesmo em regime de falta de energia, deve possibilitar a criação de um histórico das últimas funções realizadas e prover meios de checagem e auditoria destas funções;  Noção temporal – o sistema deve ter a noção de tempo, bem como dia e noite e estações climáticas a fim de possibilitar a execução de processos e atividades baseadas nestes aspectos;
  14. 14. 14  Fácil relação com o usuário – o sistema deve prover interfaces de fácil acesso e usabilidade, pois os usuários detêm diferentes níveis de instrução e entendimento sobre novas tecnologias;  Facilidade de reprogramação – o sistema deve permitir a fácil reprogramação dos equipamentos e prover ajustes pré-gravados em casos de falha ou mau funcionamento;  Capacidade de autocorreção – o sistema deve ter a capacidade de identificar uma seleção de problemas e sugerir soluções. Um ambiente inteligente é aquele que aperfeiçoa certas funções inerentes à operação e administração de uma residência ou edifício. Estabelecendo uma analogia com um organismo vivo, a residência moderna parecerá ter vida própria, com cérebro e sentidos. Figura 1 - Possibilidades em automação residencial. Fonte: Nantech – Soluções em Tecnologia. 1.1.Qual a sua utilidade A necessidade de se facilitar as tarefas do dia-a-dia para realizá-las com mais rapidez e conforto leva diretamente à automatização dos sistemas elétricos e eletrônicos de uma moradia. Tais avanços podem ser utilizados tanto para gerar mais comodidade e segurança, como também para gerar acessibilidade aos indivíduos com necessidades especiais que tenham, por exemplo, dificuldade de locomoção ou visual.
  15. 15. 15 Imagine que ao chegar em casa, após um dia cansativo de trabalho, o portão da garagem abra automaticamente sem a necessidade de apertar qualquer botão, e depois do jantar, poder deitar confortavelmente em um sofá e assistir a um bom filme, tendo ao fundo um cenário perfeito: cortinas que se fecham automaticamente, o ar-condicionado ou aquecedor é ligado, as luzes mais fortes do ambiente são desligadas e as mais fracas são acesas, enquanto o telão desce de um compartimento no teto e para, exatamente no ponto ideal previamente determinado, onde o morador só terá que inserir o filme no equipamento e aproveitar a historia, tudo isso ao simples toque em um botão ou por um comando de voz. Agora imagine essas e outras possibilidades de se controlar todos os recursos de uma residência à distância com o simples toque na tela de um dispositivo móvel com acesso a internet (celular, smartfone, tablet, etc.). Figura 2 - Benefícios que a Domótica traz. Fonte: Casa Domótica Brasil. Para o planejamento de um bom sistema de automação residencial, vários fatores devem ser atendidos. Devemos considerar qual a infra-estrutura necessária, quais as aplicações e componentes que serão utilizados, os procedimentos de instalação, as normas técnicas e outras recomendações que irão assegurar a longevidade do sistema instalado. É preciso fazer um levantamento das necessidades individuais e coletivas com relação às aplicações da tecnologia doméstica que os usuários desejam inserir em sua residência e, para tanto, pode se aplicar um questionário. A partir das
  16. 16. 16 respostas obtidas e da análise detalhada do projeto arquitetônico, é possível efetuar um diagnóstico preciso sobre as características que irão compor o projeto integrado de infra-estrutura do novo imóvel. 2. REFERÊNCIAS TÉCNICAS: PLATAFORMA ARDUINO Arduino é uma plataforma de prototipagem eletrônica de código aberto (hardware e software) criada para auxiliar no ensino de eletrônica para estudantes de design e artes. O objetivo principal foi o de criar uma plataforma de baixo custo, para que os estudantes pudessem desenvolver seus protótipos com o menor custo possível. O Arduino é composto por uma placa de prototipagem na qual são construídos os projetos (hardware) e por uma IDE (software), que é executado em um computador onde é feita a programação, conhecida como sketch, na qual será feita upload para a placa de prototipagem, através de uma comunicação serial. O sketch feito pelo projetista dirá à placa o que deve ser executado durante o seu funcionamento. 2.1.Hardware Por ser open-source, existem diversas placas oficiais de Arduino e muitas outras não oficiais. Na arquitetura deste projeto iremos utilizar a placa Arduino Mega 2560. Figura 3 – Placa de prototipagem Arduino Mega 2560. Fonte: Embarcados.com.
  17. 17. 17 A placa Arduino MEGA 2560 possui 54 pinos de entradas e saídas digitais que podem ser utilizadas como entrada ou saída conforme a necessidade de seu projeto, através das funções pinMode(), digitalWrite(), edigitalRead(). Os pinos operam com tensão de 5V e podem fornecer ou drenar até 40 mA. Cada pino possui resistor de pull-up interno que pode ser habilitado por software. Alguns desse pinos possuem funções especiais como exibido a seguir:  Comunicação Serial - Serial 0 (RX) e 1 (TX); Serial 1: 19 (RX) e 18 (TX); Serial 2: 17 (RX) e 16 (TX); Serial 3: 15 (RX) e14 (TX). Os pinos 0 e 1 estão conctados aos pinos do ATmega16U2 responsável pela comunicação USB;  Interrupções externas - 2 (interrupt 0), 3 (interrupt 1), 18 (interrupt 5), 19 (interrupt 4), 20 (interrupt 3), and 21 (interrupt 2). estes pinos podem ser configurados para disparo da interupção tanto na borda de subida ou descida, ou em niveis lógicos alto ou baixo, conforme a necessidade do projeto. Veja a função attachInterrupt() para mais detalhes;  PWM: os pinos 2 a 13 e 44 a 46 podem ser utilizados como saídas PWM. O sinal PWM possui 8 bits de resolução e é implemetado com a função analogWrite();  Comunicação SPI: Pinos: 50 (MISO), 51 (MOSI), 52 (SCK), 53 (SS). A comunicação SPI pode se manipulada pela função SPI library. Estes pinos estão ligados ao conector ICSP;  Comunicação I2C: (TWI): pinos 20 (SDA) and 21 (SCL). A Arduino Mega2560 possui 16 entradas analógicas (pinos A0 a A15), onde pode ser feita a conversão com uma resolução de 10 bits, ou seja, o valor será convertido entre 0 e 1023. Por padrão a tensão de referência é conectada a 5V. Porém é possível mudar o valor de referência através do pino AREF e a função analogReference().
  18. 18. 18 2.2.Software O software para programação do Arduino é uma IDE que permite a criação de sketches para a placa Arduino. A linguagem de programação é modelada a partir da linguagem Wiring. Quando pressionado o botão upload da IDE, o código escrito é traduzido para a linguagem C e é transmitido para o compilador avr-gcc, que realiza a tradução dos comandos para uma linguagem que pode ser compreendida pelo microcontrolador. O Ciclo de programação do Arduino pode ser dividido da seguinte maneira: 1. Conexão da placa a uma porta USB do computador; 2. Desenvolvimento de um sketch com comandos para a placa; 3. Upload do sketch para a placa, utilizando a comunicação USB. 4. Aguardar a reinicialização, após ocorrerá à execução do sketch criado. A partir do momento que foi feito o upload, o Arduino não precisa mais do computador e executará o sketch criado, desde que este já ligado a uma fonte de energia. Por ser um código aberto, o download da IDE pode ser feito gratuitamente no próprio site da Arduino (http://www.arduino.cc/en/Main/Software). O IDE é dividido em três partes: Barra de Ferramentas, Código ou Sketch e a Janela de Mensagens conforme é exibido na figura a seguir.
  19. 19. 19 Figura 4 – Ambiente de programação IDE Arduino. Fonte: Ilustração produzida pelos autores. Na Barra de Ferramenta há uma guia, ou um conjunto de guias, com o nome do sketch. Ao lado direito há um botão que habilita o serial monitor. No topo há uma barra de menus, com os itens Arquivo, Editar, Sketch, Ferramenta e Ajuda. Os botões na barra de ferramenta oferecem acesso rápido às funções mais utilizadas dentro desses menus. Abaixo são identificados os ícones de atalho da IDE:  Verificar: Verifica se existe erro no código digitado;  Carregar: Compila o código e grava na placa Arduino se corretamente conectada;  Novo: Cria um novo sketch em branco;  Abrir: Abre um sketch, presente no sketchbook;  Salvar: Salva o sketch ativo;  Monitor serial: Abre o monitor serial. Após a conexão do Arduino ao computador, é atribuída a placa uma COM – uma porta de comunicação entre o hardware e o computador. A primeira vez que o programa Arduino for executado deve-se selecionar o modelo de placa ser utilizado (no nosso caso escolheremos Arduino Uno) e qual COM a placa irá se comunicar.
  20. 20. 20 Figura 5 – Configurando o ambiente da IDE Arduino. Fonte: Ilustração produzida pelos autores. 3. O PROJETO O projeto consiste em utilizar as aplicações da Domótica no acionamento da iluminação (interna e externa), do sistema de ventilação e do portão de entrada da garagem. Nosso objetivo é demonstrar que é possível implementar recurso da automação residencial com baixo custo, eficiência e segurança. Figura 6 – O protótipo. Fonte: Ilustração produzida pelos autores.
  21. 21. 21 3.1.Como Funciona O protótipo simula uma residência com recursos de iluminação, ventilação e acesso automatizados. Sendo possível o acionamento destes, através de interruptores e/ou de qualquer dispositivo via web (PC’s, Smartphone, Tablet, etc.). 3.2. Ligações de Comando e Controle O sistema elétrico instalado no protótipo funciona com interruptores paralelos ligados a um relé e o seu controle é feito manualmente ou através de um microcontrolador. Figura 7 – Ligação de acionamento das lâmpadas. Fonte: Ilustração produzida pelos autores. Figura 8 – Ligação Paralela (threeWay). Fonte: Ilustração produzida pelos autores.
  22. 22. 22 3.3. Acionamento Remoto e Manual São utilizados interruptores paralelos conectados há relês (NA/NF) em ligação threeway permitindo o acionamento através de interruptores e/ou qualquer dispositivo via web (PC’s, Smartphone, Tablet, etc.).  Para o acesso manual basta o usuário pressionar o interruptor correspondente ao recurso que deseja acionar;  Para o acesso via Ethernet basta acessar o endereço IP pré- estabelecido e programado no controlador, neste caso no Arduino. A conexão é feita utilizando-se um Shield Ethernet acoplado ao controlador e se comunica via cabo de pares transados (classe 5E) a um roteador que pode ou não estar conectado a internet;  Para o acesso via internet deve ser feito um cadastro alocado a um servidor de DDNS (Dynamic Domain Name System) e configurar o roteador onde ele irá redirecionar e verificar o acesso de usuários externos. Ao acessar via remoto, o usuário terá uma interface com todas as aplicações que foram utilizadas no protótipo/projeto. 3.4. Elementos Comandados Os elementos comandados que iremos acionar são:  07 lâmpadas de LED 09W 127V, sendo 05 em ambientes internos e 02 no ambiente externo;  01 cooler de computador simulando o sistema de ventilação, e;  01 drive de CD-Room simulando um portão de garagem.
  23. 23. 23 3.5. Montagem Na construção e montagem deste protótipo foram utilizados os seguintes materiais: Madeira MDF de 18mm, 15mm e 06mm nas cores Gesso e Decorado; Cantoneira de Alumínio 3,8x3,8mm; Policarbonato translúcido de 03mm, e; Acrílico de 06mm. Para a junção das peças, utilizamos parafusos 4x40mm, cola madeira, cola quente. Para o acabamento da parte interna e externa utilizamos: Adesivo simulando telhado; EVA diversas cores para o piso e, brinquedos simulando móveis e veículos. 3.6.Viabilidade Prática Em referência a parte física, percebemos a ausência de ferramentas que poderiam ter facilitado o processo de montagem do protótipo e até mesmo uma limitação em referência aos materiais disponíveis. Na parte lógica programável, por falta de tempo hábil, não iremos implementar o sistema de senha de acesso. Acreditamos que este projeto mostrou-se viável e de fácil execução, mesmo havendo dificuldades durante a sua elaboração e construção, não o torna complexo. Uma pessoa que tenha conhecimento básico em programação C/C++ e elétrica terá condições e realizar o mesmo trabalho sem muito esforço. 4. VIABILIDADE ECONÔMICA Por se tratar de algo novo e pouco divulgado no Brasil, o custo para a instalação e utilização da Domótica para usuários pertencentes à classe média não tem sido de fácil acesso, pois, hoje no mercado brasileiro há uma quantidade limitada de empresas especializadas que disponibiliza este tipo de serviço. A automação residencial é feita de acordo com as preferências de casa usuário, o que resulta no custo final do projeto, quanto mais itens e recursos a serem acionados de forma remota, maior será o valor a ser investido. Tendo em vista uma automação simples com o acionamento das lâmpadas, do sistema de ventilação e do portão de entrada, devemos calcular o valor necessário para comprar os itens da parte física (unidade controladora, acionadores,
  24. 24. 24 lâmpadas, cabos, etc.) e o valor estimado da parte não física (planejamento, programação, execução) do projeto, sendo relevante a situação da estrutura predial/elétrica existente na residência do usuário. Podendo ter um custo aproximado de R$5 mil a R$15 mil reais dependendo dos componentes utilizados e dos requisitos de programação que devem ser satisfeitos para o cliente. 5. IMPACTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS A inclusão social consiste em um processo de transformações que ocorrem em prazos diferentes, na mentalidade dos indivíduos. (Eloy, S. 2010). A habitação tem tido necessidade de se adaptar aos novos padrões de ocupação da sociedade, onde a tecnologia tem aparecido para facilitar esse processo com o uso da Domótica. A Domótica tem como objetivo essencial simplificar a vida dos usuários da residência onde suas aplicações estão inseridas, facilitando a comunicação e a aquisição de informações e aumentando os seus níveis de conforto, segurança e gestão do consumo energético e hídrico na realização das tarefas do dia-a-dia. As aplicações da Domótica possibilitam que pessoas com deficiência ou capacidade limitada de locomoção possam continuar morando em suas casas, com conforto e ajuda na realização de tarefas, proporcionando um sentimento de poder e auto-estima. Onde consigam acender as luzes, ligar ou desligar o ar condicionado, abrir ou fechar uma persiana ou simplesmente acionar o sistema de irrigação do jardim com o menor esforço possível em segurança e reduzindo a possibilidade de um acidente. Estas aplicações também podem ser feitas por comando de voz, sensores de presença ou temperatura, controles remotos e/ou dispositivos móveis, que terão todas as funções pré-definidas através de uma programação que atenderá as necessidades especificas de cada caso e usuário. A inclusão social também é proporcionada, traduzindo-se em maior participação na comunidade através das redes sociais. A carga psicológica envolvendo a família, nesses grupos, bem como os serviços de assistência pessoal, pode ser reduzida com o uso de equipamentos que auxiliam no monitoramento dos sinais biológicos através de dispositivos dedicados, seja em pulseiras ou roupas,
  25. 25. 25 significando um recurso prático para o caso de emergências, onde o usuário, ao ativar o aparelho, aciona um serviço de pronto atendimento. O conforto pode ser comprometido de forma imperceptível, através da gestão automatizada dos recursos naturais de um domicílio, o que pode ser visto em algumas aplicações, como a diminuição ou desligamento automático da iluminação em determinado ambiente ou regulação do uso de aparelhos de controle de temperatura. A utilização de sistemas solares e estratégias bioclimáticas associadas à Domótica também podem garantir um melhor aproveitamento da energia, como o acionamento de tetos solares de acordo com as condições ambientais – abrindo o mesmo para facilitar a entrada de luz solar ou o fechando em caso de chuva para evitar a entrada da água no ambiente. 6. RELATÓRIOS E MATERIAIS GASTOS Item Quantidade Unidade Valor aproximado Origem MDF Branco 15mm 2 m² R$ 80,00 Madeireira RM MDF Branco 6mm 0,5 m² R$ 7,00 Madeireira RM MDF Decorado 18mm 0,5 m² R$ 30,00 Madeireira RM Fita Acabamento branca 8 m² R$ 4,00 Madeireira RM Fita Acabamento Decorada 1 m² R$ 5,00 Madeireira RM Cola adesiva 50 ml R$ 2,00 Madeireira RM Cantoneira pass. Fio pvc 3 m² - SENAI Parafusos 4x40 58 unidade R$ 5,00 Rei dos Parafusos Policarbonato 3 mm 1 m² - SENAI
  26. 26. 26 Acrílico 6 mm 1 m² - Doação Cantoneira Alumício 6 m² - SENAI EVA 1,5 m² R$ 9,00 Porte Adesivos 2 m² R$ 24,30 Qualicopias Interruptor Triplo Simples 6 unidade - SENAI Espelho interruptor 2 unidade - SENAI Cabo 1mm 30 m - SENAI Modulo de Relé com 8 1 unidade R$ 47,00 DealExtreme.com Modulo de Relé com 2 1 unidade R$ 12,90 DealExtreme.com Arduino Mega 2560 1 unidade R$ 36,00 DealExtreme.com Ethernet W5100 R3 1 unidade R$ 58,48 DealExtreme.com Modem Wireless 1 unidade R$ 156,48 Ricardo Eletro Tomada Macho 1 unidade R$ 2,50 Eletro Betim Caixa de Distribuição 2 unidade - SENAI Cooler 1 unidade - Sucata Drive CD 1 unidade - Sucata
  27. 27. 27 CONSIDERAÇÕES FINAIS A tecnologia e suas perspectivas de evolução, cada vez mais presentes no dia-a-dia da sociedade, têm influenciado diretamente em nosso modo de viver, pensar e agir. Exemplo disso é que há alguns anos atrás, não se imaginava que o celular e/ou dispositivos móveis seriam elementos indispensáveis ao nosso cotidiano. Hoje é difícil imaginar um automóvel, por mais simples que ele seja, que não tenha itens e acessórios como: injeção eletrônica, trava e vidros elétricos, direção hidráulica, alarme e sensor de ré. Todos estes itens antigamente tratados como supérfluo por muitos, atualmente são considerados como básico por muitos, sem, falar do maior conforto e segurança. O fato é que a modernidade já atinge os lares brasileiros e a Domótica já é uma realidade que proporciona total conforto e segurança ao morador. Mas para que esta nova tecnologia possa ser usufruída por todos, é necessário uma infra-estrutura adequada para receber a infinidade de recursos disponíveis no mercado. Para o grupo, este projeto trouxe uma visão mais ampla e nova sobre como lidar com trabalho em equipe, assim como, com as adversidades que apareceram em seu desenvolvimento. Buscamos aprimorar nossos conhecimentos e aprendemos a utilizar novas ferramentas de trabalho. Chegamos até aqui porque todos nós estávamos envolvidos no processo de desenvolvimento deste projeto, onde a opinião de cada um era levada em consideração e as decisões eram tomadas de forma democrática.
  28. 28. 28 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Bolzani, Caio Augutus Morais, Residência Inteligentes, Domótica, Redes Domésticas, Automação Residencial, 1ª Edição, São Paulo, Editora Livraria da Física, 2004. [2] AURESIDE (Associação Brasileira de Automação Residencial e Predial) - http://www.aureside.org.br. [3] TEZA, Vanderlei Rabelo, Alguns Aspectos sobre Automação Residencial - Domótica, Dissertação de mestrado, Santa Catarina, 2002, Programa de Pós- Graduação em Ciência da Computação da Universidade de Santa Catarina. [4] Futura Profissão - Técnica em Automação Industrial e Técnico em Mecatrônica, Canal Futura. Disponível em: https://youtu.be/__Fbgg4F7Zs. [5] SRA Engenharia Blog – Histórica da Automação Residencial. Disponível em: www.sra.eng.br. [6] GDS Automação - www.gdsautomacao.com.br. [7] Arduino - http://playground.arduino.cc/Portugues/HomePage. [8] Eloy, S.; Plácido, I.; Nunes, R. Utilização de domótica na estratégia de sustentabilidade social e ambiental, Proceedingsofthe 1º Congresso Internacional de Habitação no Espaço Lusófono (CD), ISCTE - IUL, September 22-24 2010. [9] Embarcados - http://www.embarcados.com.br.

×