A síndrome do Ninho Vazio

1.536 visualizações

Publicada em

O tratamento espiritual para a Síndrome do ninho Vazio.
Esse momento deveria ser encarado como uma oportunidade de mudança.
Mas, é necessário interesse mútuo para superar.
E esforço pessoal.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.536
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A síndrome do Ninho Vazio

  1. 1. A Síndrome do Ninho Vazio
  2. 2. • Você já reparou na grande quantidade de filmes que Hollywood tem produzido onde pais são capazes de fazer verdadeiras loucuras para salvar a vida dos filhos?
  3. 3. • Você já reparou na ausência de filmes onde maridos e esposas após anos de casados decidem fazer loucuras para simplesmente agradar o outro? • Você já reparou que a nossa cultura sutilmente tem semeado a ideia de que relacionamentos conjugais são descartáveis e relacionamentos com filhos, duradouros?
  4. 4. Evidências • A inviabilização da agenda dos pais em função • • • • da agenda imaculada e intocável dos filhos. A desautorização do pai pela mãe (ou vice versa) mediante a apresentação de “recursos em 2ª instância”. A substituição do canal de carinho e intimidade conjugal pelo canal de carinho e intimidade com os filhos. A dificuldade de alguns casais em deixarem os filhos com outros para fazerem programas sozinhos. A quebra da privacidade do casal em seu quarto com a presença contínua dos filhos dormindo ali.
  5. 5. Consequências • A indisposição conjugal dos filhos. • A inabilidade conjugal dos filhos. • A fragilização dos vínculos conjugais. • A síndrome do ninho vazio
  6. 6. Formação de um casal para a construção de uma nova família Nascimento dos filhos Adolescência dos filhos Saída dos filhos da casa paterna (ninho vazio) Morte dos avós Envelhecimento, doença e morte dos pais
  7. 7. Efésios 5.22-24 “Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que é o seu corpo, do qual ele é o salvador. Assim como a igreja está sujeita a Cristo também as mulheres estejam em tudo sujeitas a seus maridos. Maridos, ame cada um a sua mulher, assim como Cristo amou a igreja e se entregou por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra e para apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável. Da mesma forma, os maridos devem amar cada um a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher, ama a si mesmo.
  8. 8. Efésios 5.22-24 Além do mais ninguém jamais odiou o seu próprio corpo, antes o alimenta e dele cuida, como também Cristo faz com a igreja, pois somos membros do seu corpo. “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá a sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne. Este é um mistério profundo; refiro-me, porém, a Cristo e a igreja. Portanto, cada um de vocês também ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher trate o marido com todo o respeito.”
  9. 9. Efésios 6 “Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo. “Honra teu pai e tua mãe” –este é o primeiro mandamento com promessa – “para que tudo te corra bem e tenhas vida longa sobre a terra”. Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor.
  10. 10. Efésios 6 Escravos, obedeça a seus senhores terrenos com todo respeito e temor, com sinceridade de coração, como a Cristo. Obedeçam-lhes, não apenas para agradá-los quando eles os observam, mas como escravos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus. Sirvam os seus senhores de boa vontade, como servindo ao senhor, e não aos homens, porque vocês sabem recompensará cada um pelo bem que praticar, seja escravo, seja livre. Vocês, senhores, tratem seus escravos da mesma forma. Não os ameacem, uma vez que vocês sabem que o Senhor deles e de vocês está nos céus, e ele não diferença entra as pessoas.”
  11. 11. Refletindo Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor... Maridos, ame cada um a sua mulher, assim como Cristo amou a igreja...
  12. 12. Refletindo “Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo... Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor...
  13. 13. Refletindo Escravos, obedeça a seus senhores terrenos com todo respeito e temor, com sinceridade de coração... Vocês, senhores, tratem seus escravos da mesma forma...
  14. 14. Refletindo O relacionamento conjugal foi estabelecido como prioritário sobre os demais a) A observação desse princípio preserva a paz e o equilíbrio dentro de nossos lares. Por outro lado, a rejeição deste princípio instala o caos gradativamente. b) Precisamos nos lembrar que os filhos, com o tempo vão embora, e devem ir. Vê-los formando seus próprios lares e deles zelando será nossa coroa. c) O sábio Salomão certa vez disse em Eclesiastes 9.9: “Desfrute a vida com a mulher que você ama, todos os dias desta tua vida...”.
  15. 15. Refletindo Esposas manifestam a prioridade de seus maridos submetendo-se e honrando-lhes a) A sujeição pode parecer um princípio estranho para muito gente, no entanto, não o é para aqueles que compreenderam seu valor na espiritualidade cristã. b) O honrar aos maridos passa por pelo menos dois caminhos: pela reverência com que se fala sobre ele, e pela forma com que se fala com ele. c) Mas porque um mulher inteligente, do século XXI se sujeitaria ao seu marido dessa forma, tendo que honrá-lo de maneira tão intensa?
  16. 16. Refletindo Maridos manifestam a prioridade de suas esposas amando-as como Cristo amou à Igreja a) É curioso perceber que neste texto o apóstolo Paulo somente requer amor dos homem. Isto revela o quanto somos autocentrados e egoístas. b) Devemos manifestar esse amor às nossas esposas zelando por sua saúde física, emocional, intelectual, e espiritual. Isto será cobrado de nós. c) Segundo Gary Chapman existem cinco linguagens do amor: palavras de afirmação, toque, tempo de qualidade, serviço, presentes. Qual você deve usar?
  17. 17. Entendendo o “ninho vazio” • Todos nós vivemos crises em nossas vidas. • São situações de mudança, que podem ser esperadas ou não. • As situações de mudança não esperadas são chamadas de crises • • • • incidentais. As crises esperadas são chamadas de crises de passagem. É normal o sofrimento psíquico nessas etapas. Quanto maior a nossa capacidade de lidar com o sofrimento, maiores os recursos adquiridos na vivência da crise. Se não conseguirmos lidar com o sofrimento inerente à crise, poderemos viver um transtorno disparado por ela. A saída dos filhos de casa pode ser o estopim para um transtorno psíquico.
  18. 18. Acontece em mães e pais • Normalmente, em nossa cultura, o papel da mãe na criação dos filhos é mais ressaltado. • Acaba por ser incorporada ao papel de gênero: uma mulher melhor seria melhor mãe. • O deslocamento da função que a pessoa exerce no papel de mãe e pai com a saída dos filhos de casa pode ser insuportável para alguns.
  19. 19. Como superar • Esse momento deveria ser encarado como uma oportunidade de • • • • • mudança. O romance dos pais pode ter uma bela chance com a saída de casa dos filhos. Reaprenda a desfrutar de uma vida voltada para sua própria conjugalidade e buscar prazeres esquecidos, como viagens, cursos, enfim, como recuperar partes de sua vida. Oportunidade para se reaver com a sexualidade do casal. Partir para uma vida mais dinâmica e com diferentes interesses. Esquecer dos papéis de pai e mãe e reaver os lugares de 'homem e mulher'
  20. 20. Como superar • Resgate alguma atividade que planejava realizar quando tivesse mais tempo para si. • Reflita sobre a sua trajetória até então. • Procure fazer uma atividade física e cultivar hábitos saudáveis, para que o corpo não ceda à tristeza que o ninho vazio pode gerar. • Troque experiências com pessoas que estão vivendo a mesma situação. • Valorize-se! Somos muito mais do que mãe ou pai. Devemos ser pessoas completas que vivemos uma vida independente e alegre para podermos ser úteis a nós mesmos e àqueles que buscam nosso apoio.
  21. 21. Como superar • Resgate alguma atividade que planejava realizar quando tivesse mais tempo para si. • Reflita sobre a sua trajetória até então. • Procure fazer uma atividade física e cultivar hábitos saudáveis, para que o corpo não ceda à tristeza que o ninho vazio pode gerar. • Troque experiências com pessoas que estão vivendo a mesma situação. • Valorize-se! Somos muito mais do que mãe ou pai. Devemos ser pessoas completas que vivemos uma vida independente e alegre para podermos ser úteis a nós mesmos e àqueles que buscam nosso apoio.
  22. 22. Como superar • Para não sofrer com a ausência dos filhos, o casal em qualquer fase da vida precisa se bastar. • “Uma boa relação conjugal torna esse momento tranquilo e os filhos quando vêm são um acréscimo na vida, na rotina do dois.” • O neto, bisneto e outros parentes próximos, mas principalmente os filhos, não devem servir de muleta no cotidiano de um casal mais idoso ou até no caso de uma viuvez. • Todos devem ter seu papel na organização da residência, das refeições. • A motivação e qualidade de vida dos pais certamente passarão pelas mãos dos filhos
  23. 23. Como superar • Na condição de filho, ao visitar os pais não se pode levar um excesso de dependência e lamentações • Alegrias e tristezas precisam ser compartilhadas, para que o casal sinta-se parte integrante e consultada • Os netos, esses sim, precisam ser fonte de grande prazer para os avós, sem serem apenas um encargo • A partida deve ser tão festejada quanto a chegada de novas visitas

×