PROCESSOS CONSTRUTIVOS   PARA REDES DE GÁS      CANALIZADO
NECESSIDADE DE ENERGIAA ENERGIA É NECESSÁRIA PARA O FUNCIONAMENTODE DIVERSOS PROCESSOS EM NOSSA SOCIEDADE.SEJA PARA “MOVIM...
Além de servir como elemento de economia direta de energia elétrica, através       de seu uso em aquecedores, é um combust...
INDÚSTRIA PETROLÍFERA
UM PROBLEMA: COMO UTILIZAR  A ENERGIA DESCOBERTA?                AQUI TEM GÁS!   AQUI NÃO!        “DDP”
CONSTRUINDO REDES DEGÁS OU GASODUTOS DE    GÁS NATURAL!
MATERIAIS PARA TUBULAÇÃO•   FERRO FUNDIDO CINZENTO;•   FERRO FUNDIDO DÚCTIL;•   FERRO FUNDIDO MALEÁVEL;•   AÇO CARBONO;•  ...
MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • FERRO FUNDIDO CINZENTO: LIGA FERRO   CARBONO, COM TEORES DE 2,5 A 3,5%   DE C, SENDO Q...
MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • FERRO FUNDIDO DÚCTIL: LIGA FERRO   CARBONO, COM TEORES DE 3,5 A 3,6%   DE C. ESTE F.F....
MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • FERRO FUNDIDO MALEÁVEL: FERRO   FUNDIDO CINZENTO TRATADO   TÉRMICAMENTE POR PROCESSO D...
MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • AÇO CARBONO: LIGA FERRO CARBONO   DE BAIXO A MÉDIO TEOR DE C. TAMBÉM   MATERIAIS DE BA...
MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • AÇO INOX: LIGA FERRO CARBONO PARA   APLICAÇÕES ESPECIAIS (RESISTÊNCIA   SUPERIOR A CON...
COBRE• MATERIAL METÁLICO DE COR  AVERMELHADA E BOA DUCTILIDADE.
POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE• MATERIAL TERMOPLÁSTICO. RESINAS  CLASSIFICADAS EM PE100 E PE80.
QUAL MATERIAL UTILIZAR?
PRIMEIRO VAMOS CLASSIFICAR         AS REDES!• GASODUTO DE TRANSMISSÃO DE ALTA  PRESSÃO (35 bar E ACIMA);• GASODUTO DE TRAN...
CONCEITO DE PRESSÃO
•PARA GASODUTOS DE TRANSMISSÃO DE ALTA EMÉDIA PRESSÃO, OS MATERIAIS UTILIZADOSDEVEM SER OS AÇOS.•PARA GASODUTOS DE DISTRIB...
JUNTAS PARA REDES DE    FERRO FUNDIDO• FERRO FUNDIDO CINZENTO:  PONTA-BOLSA COM CÂNHAMO,  FLANGES.• FERRO FUNDIDO DÚCTIL: ...
JUNTAS PONTA BOLSA            02 PADRÕES            JUNTA TIPO JE            (ANTIGA)            JUNTA TIPO JE2GS         ...
JUNTAS FLANGEADAS
JUNTAS PARA REDES DE        AÇO•   SOLDAGEM.•   FLANGES;•   ROSCAS;•   OUTRAS.
UNIÕES DE TUBOS - SOLDAGEM DE  AÇO - ELETRODO REVESTIDO
SOLDAGEM MIG
UNIÕES DE TUBOS - SOLDAGEM DE     AÇO - ARAME TUBULAR
SOLDAGEM TIG
JUNTAS FLANGEADAS
UNIÃO POR ROSCAS
JUNTAS PARA REDES DE       COBRE• BRAZAGEM (SOLDA BRANDA  OU SOLDA FORTE).
SOLDAGEM OXI-GÁS
SOLDAGEM COM ESTANHO
JUNTAS PARA REDES DE    POLIETILENO• SOLDAGEM POR TERMOFUSÃO;• SOLDAGEM POR ELETROFUSÃO;• JUNTAS MECÂNICAS, FLANGES E  TRA...
SOLDAGEM POR TERMOFUSÃO
SOLDAGEM POR TERMOFUSÃO
SOLDAGEM TERMOFUSÃO -      SOQUETE           PROCESSO           PRÁTICO, PORÉM           NÃO INDICADO           PARA GÁS
SOLDAGEM POR ELETROFUSÃO
EQUIPAMENTO HÍBRIDO - TERMO E       ELETROFUSÃO
TRANSIÇÕES POLIETILENO X AÇO
TRANSIÇÕES POLIETILENO X AÇO
JUNTAS MECÂNICAS PARA     POLIETILENO
MÉTODOS CONSTRUTIVOS   CONSTRUÇÃO DE REDES
TUBULAÇÕES EXPOSTAS
REDES SUBMERSAS         REDE SUBMERSA
MÉTODO DESTRUTIVO
EQUIPAMENTOS PARA MÉTODO DESTRUTIVO     ESCAVAÇÃO E ASSENTAMENTO
EQUIPAMENTOS PARA MÉTODO DESTRUTIVO     ESCAVAÇÃO E ASSENTAMENTO
ABERTURA E ESCORAMENTO DE VALAS
EQUIPAMENTOS PARA MÉTODODESTRUTIVO - DESMONTE DE PISO
EQUIPAMENTOS PARA RECOMPOSIÇÃO           DE PISOS
EQUIPAMENTOS PARA RECOMPOSIÇÃO           DE PISOS
SERVIÇOS CIVIS
TUBULAÇÕES EM PAREDES
PROTEÇÃO ANTICORROSIVA       Revestimentos:       Epoxi, Fita de polietileno,       Manta termocontrátil de       polietil...
LIMPEZA E TESTES
MÉTODO NÃO DESTUTIVO - FURO        DIRECIONAL
FURO DIRECIONAL
FURO NÃO DIRECIONAL
MÉTODOS DE RENOVAÇÃO  OU MANUTENÇÃO DE       REDES
INSERÇÃO
INSERÇÃO DE POLIETILENO  RENOVAÇÃO DE LINHAS
PIPE BURSTING
PIPE BURSTING
SISTEMAS DE BLOQUEIOS
SISTEMAS DE BLOQUEIO DE REDE EM             CARGA    Hidra Stop           Müller
SISTEMAS DE BLOQUEIO DE REDE EM             CARGA                     Foam bag
SISTEMAS DE BLOQUEIO DE REDE EM             CARGA                  Squeezers  TD Willianson
SISTEMAS DE BLOQUEIO COM BEXIGAS              WASK
SISTEMAS DE BLOQUEIO COM        BEXIGAS
SISTEMAS DE BLOQUEIO                 RaquetesVálvula
SEGURANÇA
SINALIZAÇÃO
EQUIPAMENTOS PARA SEGURANÇA        DO TRABALHO
ESTAÇÕES DE GÁS NATURAL
ONDE ESTUDAR?• CT GÁS – RN;• CURSO DE GÁS – LICEU DE ARTES E OFÍCIOS• SENAI ROBERTO SIMONSEN (GASISTA  RESIDENCIAL E COMER...
• Referências bibliográficas:  –   Telles, P. C.S et al (Diversas Publicações);  –   Catálogos técnico – comerciais;  –   ...
Processos construtivos para gás   setec - 0
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Processos construtivos para gás setec - 0

1.327 visualizações

Publicada em

Processos para construção de gasodutos.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.327
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processos construtivos para gás setec - 0

  1. 1. PROCESSOS CONSTRUTIVOS PARA REDES DE GÁS CANALIZADO
  2. 2. NECESSIDADE DE ENERGIAA ENERGIA É NECESSÁRIA PARA O FUNCIONAMENTODE DIVERSOS PROCESSOS EM NOSSA SOCIEDADE.SEJA PARA “MOVIMENTAR” AS ATIVIDADESECONÔMICAS, BEM COMO PARA A VIDA E O BEMESTAR DAS COMUNIDADES EM GERAL.É IMPOSSÍVEL IMAGINARMOS O MUNDO SEMENERGIA...EXISTEM VÁRIOS TIPOS. AQUI VAMOS TRATAR DOGÁS COMBUSTÍVEL, ESPECIALMENTE O NATURAL.
  3. 3. Além de servir como elemento de economia direta de energia elétrica, através de seu uso em aquecedores, é um combustível que pode substituir os com- bustíveis convencionais (carvão e óleo) na geração de energia elétrica com grandes vantagens ambientais. Acima de 51% de economia em energia elétrica Uso em lareiras 78% de eficiência em aquecedores Uso em luzes externasUso emchurrasquei-ras Uso em caldeiras Secadoras 65% mais econômica que as elétricas O uso do gás natural em uma residência (Fonte: Consumers Gas) Por suas características, o gás natural é uma energia adequada na luta contra a poluição atmosférica, especialmente por não conter enxofre, elemento res- ponsável pela temida "chuva ácida".
  4. 4. INDÚSTRIA PETROLÍFERA
  5. 5. UM PROBLEMA: COMO UTILIZAR A ENERGIA DESCOBERTA? AQUI TEM GÁS! AQUI NÃO! “DDP”
  6. 6. CONSTRUINDO REDES DEGÁS OU GASODUTOS DE GÁS NATURAL!
  7. 7. MATERIAIS PARA TUBULAÇÃO• FERRO FUNDIDO CINZENTO;• FERRO FUNDIDO DÚCTIL;• FERRO FUNDIDO MALEÁVEL;• AÇO CARBONO;• AÇO INOXIDÁVEL;• COBRE;• POLIETILENO.
  8. 8. MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • FERRO FUNDIDO CINZENTO: LIGA FERRO CARBONO, COM TEORES DE 2,5 A 3,5% DE C, SENDO QUE ESTE ESTÁ LIVRE EM LAMELAS DE GRAFITE. NÃO É MAIS APLICADO. AINDA HÁ REDES DESSE MATERIAL EM SP E RJ.
  9. 9. MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • FERRO FUNDIDO DÚCTIL: LIGA FERRO CARBONO, COM TEORES DE 3,5 A 3,6% DE C. ESTE F.F. POSSUI TEOR DE NÍQUEL EM TORNO DE 1%. É UM FERRO FUNDIDO SUPERIOR EM QUALIDADES MECÂNICAS. FOI UTILIZADO EM REDES ATÉ MEADOS DOS ANOS 80.
  10. 10. MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • FERRO FUNDIDO MALEÁVEL: FERRO FUNDIDO CINZENTO TRATADO TÉRMICAMENTE POR PROCESSO DE MALEABILIZAÇÃO, QUE LHE CONFERE PROPRIEDADES SUPERIORES. UTILIZADO EM CONEXÕES GALVANIZADAS PARA ROSCA.
  11. 11. MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • AÇO CARBONO: LIGA FERRO CARBONO DE BAIXO A MÉDIO TEOR DE C. TAMBÉM MATERIAIS DE BAIXA, MÉDIA E ALTA LIGA. MUITO UTILIZADO PARA ALTAS PRESSÕES.
  12. 12. MATERIAIS FERROSOS PARA TUBULAÇÃO • AÇO INOX: LIGA FERRO CARBONO PARA APLICAÇÕES ESPECIAIS (RESISTÊNCIA SUPERIOR A CONDIÇÕES ADVERSAS). POUCO UTILIZADO PARA GASODUTOS.
  13. 13. COBRE• MATERIAL METÁLICO DE COR AVERMELHADA E BOA DUCTILIDADE.
  14. 14. POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE• MATERIAL TERMOPLÁSTICO. RESINAS CLASSIFICADAS EM PE100 E PE80.
  15. 15. QUAL MATERIAL UTILIZAR?
  16. 16. PRIMEIRO VAMOS CLASSIFICAR AS REDES!• GASODUTO DE TRANSMISSÃO DE ALTA PRESSÃO (35 bar E ACIMA);• GASODUTO DE TRANSMISSÃO DE MÉDIA PRESSÃO (17 bar);• GASODUTO DE DISTRIBUIÇÃO LOCAL (250mmCA a 4 bar);• RAMAL EXTERNO (250mmCA a 4 bar);• RAMAL INTERNO (250mmCA a 1000mmCA);• REDE INTERNA (250mmCA).
  17. 17. CONCEITO DE PRESSÃO
  18. 18. •PARA GASODUTOS DE TRANSMISSÃO DE ALTA EMÉDIA PRESSÃO, OS MATERIAIS UTILIZADOSDEVEM SER OS AÇOS.•PARA GASODUTOS DE DISTRIBUIÇÃO LOCAL,PODEREMOS UTILIZAR POLIETILENO (ATÉ 4 bar),AÇO OU FERRO FUNDIDO (ATÉ 0,3 bar – NÃO SEUSA MAIS!).•PARA RAMAIS EXTERNOS: AÇO E POLIETILENO(ATÉ 4 bar).•PARA RAMAIS INTERNOS ENTERRADOS:POLIETILENO (ATÉ 4 bar), AÇO E COBRE (BAIXAPRESSÃO).•PARA RAMAIS INTERNOS AÉREOS : AÇO E COBRE.•PARA REDES INTERNAS: AÇO E COBRE.
  19. 19. JUNTAS PARA REDES DE FERRO FUNDIDO• FERRO FUNDIDO CINZENTO: PONTA-BOLSA COM CÂNHAMO, FLANGES.• FERRO FUNDIDO DÚCTIL: PONTA- BOLSA COM BORRACHA NITRÍLICA, FLANGES.
  20. 20. JUNTAS PONTA BOLSA 02 PADRÕES JUNTA TIPO JE (ANTIGA) JUNTA TIPO JE2GS (NOVA)
  21. 21. JUNTAS FLANGEADAS
  22. 22. JUNTAS PARA REDES DE AÇO• SOLDAGEM.• FLANGES;• ROSCAS;• OUTRAS.
  23. 23. UNIÕES DE TUBOS - SOLDAGEM DE AÇO - ELETRODO REVESTIDO
  24. 24. SOLDAGEM MIG
  25. 25. UNIÕES DE TUBOS - SOLDAGEM DE AÇO - ARAME TUBULAR
  26. 26. SOLDAGEM TIG
  27. 27. JUNTAS FLANGEADAS
  28. 28. UNIÃO POR ROSCAS
  29. 29. JUNTAS PARA REDES DE COBRE• BRAZAGEM (SOLDA BRANDA OU SOLDA FORTE).
  30. 30. SOLDAGEM OXI-GÁS
  31. 31. SOLDAGEM COM ESTANHO
  32. 32. JUNTAS PARA REDES DE POLIETILENO• SOLDAGEM POR TERMOFUSÃO;• SOLDAGEM POR ELETROFUSÃO;• JUNTAS MECÂNICAS, FLANGES E TRANSIÇÕES.
  33. 33. SOLDAGEM POR TERMOFUSÃO
  34. 34. SOLDAGEM POR TERMOFUSÃO
  35. 35. SOLDAGEM TERMOFUSÃO - SOQUETE PROCESSO PRÁTICO, PORÉM NÃO INDICADO PARA GÁS
  36. 36. SOLDAGEM POR ELETROFUSÃO
  37. 37. EQUIPAMENTO HÍBRIDO - TERMO E ELETROFUSÃO
  38. 38. TRANSIÇÕES POLIETILENO X AÇO
  39. 39. TRANSIÇÕES POLIETILENO X AÇO
  40. 40. JUNTAS MECÂNICAS PARA POLIETILENO
  41. 41. MÉTODOS CONSTRUTIVOS CONSTRUÇÃO DE REDES
  42. 42. TUBULAÇÕES EXPOSTAS
  43. 43. REDES SUBMERSAS REDE SUBMERSA
  44. 44. MÉTODO DESTRUTIVO
  45. 45. EQUIPAMENTOS PARA MÉTODO DESTRUTIVO ESCAVAÇÃO E ASSENTAMENTO
  46. 46. EQUIPAMENTOS PARA MÉTODO DESTRUTIVO ESCAVAÇÃO E ASSENTAMENTO
  47. 47. ABERTURA E ESCORAMENTO DE VALAS
  48. 48. EQUIPAMENTOS PARA MÉTODODESTRUTIVO - DESMONTE DE PISO
  49. 49. EQUIPAMENTOS PARA RECOMPOSIÇÃO DE PISOS
  50. 50. EQUIPAMENTOS PARA RECOMPOSIÇÃO DE PISOS
  51. 51. SERVIÇOS CIVIS
  52. 52. TUBULAÇÕES EM PAREDES
  53. 53. PROTEÇÃO ANTICORROSIVA Revestimentos: Epoxi, Fita de polietileno, Manta termocontrátil de polietileno, Coal tar, Asfalto, Pinturas, etc. Proteção catódica
  54. 54. LIMPEZA E TESTES
  55. 55. MÉTODO NÃO DESTUTIVO - FURO DIRECIONAL
  56. 56. FURO DIRECIONAL
  57. 57. FURO NÃO DIRECIONAL
  58. 58. MÉTODOS DE RENOVAÇÃO OU MANUTENÇÃO DE REDES
  59. 59. INSERÇÃO
  60. 60. INSERÇÃO DE POLIETILENO RENOVAÇÃO DE LINHAS
  61. 61. PIPE BURSTING
  62. 62. PIPE BURSTING
  63. 63. SISTEMAS DE BLOQUEIOS
  64. 64. SISTEMAS DE BLOQUEIO DE REDE EM CARGA Hidra Stop Müller
  65. 65. SISTEMAS DE BLOQUEIO DE REDE EM CARGA Foam bag
  66. 66. SISTEMAS DE BLOQUEIO DE REDE EM CARGA Squeezers TD Willianson
  67. 67. SISTEMAS DE BLOQUEIO COM BEXIGAS WASK
  68. 68. SISTEMAS DE BLOQUEIO COM BEXIGAS
  69. 69. SISTEMAS DE BLOQUEIO RaquetesVálvula
  70. 70. SEGURANÇA
  71. 71. SINALIZAÇÃO
  72. 72. EQUIPAMENTOS PARA SEGURANÇA DO TRABALHO
  73. 73. ESTAÇÕES DE GÁS NATURAL
  74. 74. ONDE ESTUDAR?• CT GÁS – RN;• CURSO DE GÁS – LICEU DE ARTES E OFÍCIOS• SENAI ROBERTO SIMONSEN (GASISTA RESIDENCIAL E COMERCIAL);• SENAI TATUAPÉ (GASISTA DE DISTRIBUIÇÃO);• CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA PETROQUÍMICA, SANEAMENTO, ENGENHARIA DO PETRÓLEO;• DEMAIS ENGENHARIAS; GEOLOGIA;• PÓS GRADUAÇÕES EM ENGENHARIA DE GÁS;• EMPRESAS DE TECNOLOGIA (BRASIL E EXTERIOR);• ACERVO DAS COMPANHIAS DE GÁS;• SÍTIOS DAS EMPRESAS PETROBRÁS, TBG, ETC.
  75. 75. • Referências bibliográficas: – Telles, P. C.S et al (Diversas Publicações); – Catálogos técnico – comerciais; – Comgás; – Petrobrás; – Acervo pessoal; – Arecco Brasil.

×