Doença febril aguda,que pode ser de curso  benigno ou grave,dependendo da forma               como se apresente: dengue   ...
Dengue ClássicoA primeira manifestação é a febre    alta (39º a 40ºC, seguido de   cefaléia, mialgia, prostração,  artral...
Febre hemorrágica da dengueOs sintomas iniciais são semelhantes aos do DC, porém há um agravamento do quadro, geralmente ...
Febre hemorrágica da dengueA prova do laço não pode ser realizada com garrote, consiste em se obter, por meio de esfignom...
Prova do laçoVerificar a PA (deitada ou sentada); calcular o valor médio: (PA sistólica+ PA diastólica)/2;Insuflar novam...
PROVA DO LAÇO       2,5   5,0   cmPositiva: 10 ou mais petéquias (crianças)         20 ou mais petéquias (adultos)
Funções da VigilânciaEpidemiológicaProcessamento dos dados coletados;Coleta de dados;Análise e interpretação dos dados ...
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICANota Técnica SUS nº05/2011As Unidades que realizam teste rápido NS1 devem no período NÃO EPIDÊMI...
Atribuições das UnidadesColetar amostras dos pacientes que atendem a definição do caso;Enviar diariamente as amostras ac...
Diagnóstico diferencialDengue clássico(DC)- As principais doenças a serem consideradas no diagnóstico diferencial são: gr...
Segundo a OMS, a definição de FHD é baseada em critérios clínicos e laboratoriais. Após o preenchimento desses critérios,...
Grau    II- presença de manifestações hemorrágicas espontâneas (sangramento de pele, petéquias, epistaxe, gengivorragia e...
Ficha de Investigação de Dengue
1   2
Febre, mialgia, prostração, exantema, prurido.
Leptospirose
LeptospiroseZoonose de grande importância social e econômica por apresentar elevada incidência em determinadas áreas. Sua...
Modo de transmissãoA penetração do microorganismo dá-se através da pele lesada ou das mucosas da boca,narinas e olhos. Po...
Definição de casoSuspeito:Indivíduo com febre de          inicio súbito,mialgias, cefaléia, mal-estar associado a umou mai...
Manifestação clínicaNos últimos anos, tem sido descritos casos da forma pulmonar grave da leptospirose, com quadros respi...
Antecedentes epidemiológicosExposição a enchentes, lama ou coleções hídricas potencialmente contaminadas;Exposição a esg...
NotificaçãoTanto    a ocorrência de casossuspeitos isolados como a desurtos devem ser notificadas, omais rapidamente poss...
Primeiras medidas a serem         adotadas:Hospitalização imediata dos casos graves,      visando        evitar complicaç...
Roteiro da investigação      epidemiológicaIdentificação do paciente – preencher todos        os campos da ficha de inves...
Roteiro de investigaçãoRegistrar a data do atendimento e os sinais e sintomas apresentados pelo paciente desde o início d...
Fichas de Investigação de Leptospirose
Técnicos responsáveisCalixto BrazMaria de FátimaTania ReginaColaboração: Thaís Lourenço
Contatos:Telefone: 2668-4516E-mail: vigepidemio.ni@gmail.comRua D. Walmor, 234 – sala 406/407. Nova Iguaçu
Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dengue lepto capacita 2012

464 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
70
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dengue lepto capacita 2012

  1. 1. Doença febril aguda,que pode ser de curso benigno ou grave,dependendo da forma como se apresente: dengue clássico(DC),febre hemorrágica da dengue(FHD) ou síndrome do choque da dengue(SCD).
  2. 2. Dengue ClássicoA primeira manifestação é a febre alta (39º a 40ºC, seguido de cefaléia, mialgia, prostração, artralgia, anorexia, astenia, dor retroorbital, náuseas, vômitos, exantema, prurido.
  3. 3. Febre hemorrágica da dengueOs sintomas iniciais são semelhantes aos do DC, porém há um agravamento do quadro, geralmente entre o 3º ou 4º dia da evolução, com aparecimento de manifestações hemorrágicas. A fragilidade capilar é evidenciada pela positividade da prova do laço. Outras manifestações hemorrágicas incluem petéquias, equimoses, epistaxe, gengivorragia, em diversos órgãos (gastrintestinal, intracraniana, etc.).
  4. 4. Febre hemorrágica da dengueA prova do laço não pode ser realizada com garrote, consiste em se obter, por meio de esfignomanômetro, o ponto médio entre a pressão máxima e mínima do paciente, mantendo–se essa pressão por 5 minutos (no adulto) e 3 minutos (na criança); quando positiva, aparecem petéquias sob o aparelho ou abaixo do mesmo.
  5. 5. Prova do laçoVerificar a PA (deitada ou sentada); calcular o valor médio: (PA sistólica+ PA diastólica)/2;Insuflar novamente o manguito até o valor médio e manter por 5 minutos em adulto ou até o aparecimento de petéquias;A prova será positiva se houver 20 ou mais petéquias em adultos ou 10 em crianças.
  6. 6. PROVA DO LAÇO 2,5 5,0 cmPositiva: 10 ou mais petéquias (crianças) 20 ou mais petéquias (adultos)
  7. 7. Funções da VigilânciaEpidemiológicaProcessamento dos dados coletados;Coleta de dados;Análise e interpretação dos dados processados;Recomendação das medidas de controle apropriadas;Promoção das ações de controle indicadas;Avaliação da eficácia das medidas adotadas;
  8. 8. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICANota Técnica SUS nº05/2011As Unidades que realizam teste rápido NS1 devem no período NÃO EPIDÊMICO encaminhar todas as amostras (positivas e negativas) ao LACEN;No período EPIDÊMICO encaminhar 10% das amostras de casos suspeitos de dengue, com objetivo de realizarem identificação do sorotipo circulante.
  9. 9. Atribuições das UnidadesColetar amostras dos pacientes que atendem a definição do caso;Enviar diariamente as amostras acompanhadas de ficha de investigação e planilha de consolidação dos dados para o LACEN;Coletar 2º amostra (após o 5º) dia do inicio dos sintomas, dos pacientes que tiveram amostras negativas no teste NS1.
  10. 10. Diagnóstico diferencialDengue clássico(DC)- As principais doenças a serem consideradas no diagnóstico diferencial são: gripe, rubéola, sarampo e outras infecções virais, bacterianas e exantemáticas.Febre hemorrágica da dengue (FHD) - Outras doenças com as quais deve-se fazer o diagnóstico diferencial são: leptospirose, hepatite infecciosa, influenza, bem como outras febres hemorrágicas transmitidas por mosquitos ou carrapatos.
  11. 11. Segundo a OMS, a definição de FHD é baseada em critérios clínicos e laboratoriais. Após o preenchimento desses critérios, os casos devem ser classificados quanto à gravidade de acordo com a categoria abaixo:Grau I- preenche todos os critérios de FHD, sendo que a única manifestação é a prova do laço positiva;
  12. 12. Grau II- presença de manifestações hemorrágicas espontâneas (sangramento de pele, petéquias, epistaxe, gengivorragia e outros);Grau III- apresenta colapso circulatório com pulso fraco e rápido, diminuição da pressão arterial, pele pegajosa e fria e inquietação.Grau IV- apresenta choque profundo com pressão arterial e pulso imperceptíveis.
  13. 13. Ficha de Investigação de Dengue
  14. 14. 1 2
  15. 15. Febre, mialgia, prostração, exantema, prurido.
  16. 16. Leptospirose
  17. 17. LeptospiroseZoonose de grande importância social e econômica por apresentar elevada incidência em determinadas áreas. Sua ocorrência está relacionada às precárias condições de infra- estrutura sanitária e alta infestação de roedores infectados. As inundações propiciam a disseminação e a persistência do agente causal no ambiente, facilitando a eclosão de surtos.
  18. 18. Modo de transmissãoA penetração do microorganismo dá-se através da pele lesada ou das mucosas da boca,narinas e olhos. Pode ocorrer através da pele íntegra quando imersa em água por longo tempo.Período de incubação: varia de 1 a 30 dias (média entre 7 e 14 dias).
  19. 19. Definição de casoSuspeito:Indivíduo com febre de inicio súbito,mialgias, cefaléia, mal-estar associado a umou mais dos seguintes sinais e/ou sintomas:náuseas calafrios, alteração do volumeurinário, icterícia.
  20. 20. Manifestação clínicaNos últimos anos, tem sido descritos casos da forma pulmonar grave da leptospirose, com quadros respiratórios evoluindo para insuficiência respiratória aguda, com hemorragia pulmonar maciça ou síndrome de aguda, de angústia respiratória do adulto. Muitas vezes precede o quadro de icterícia e insuficiência renal. O óbito pode ocorrer nas primeiras 24 horas de internação.
  21. 21. Antecedentes epidemiológicosExposição a enchentes, lama ou coleções hídricas potencialmente contaminadas;Exposição a esgoto e fossas;Atividades que envolvam risco ocupacional, como coleta de lixo, limpeza de córrego, trabalho em água ou esgoto, manejo de animais e agricultura em áreas alagadas, etc.Presença de animais infectados (roedores, cães, bovinos, etc.).
  22. 22. NotificaçãoTanto a ocorrência de casossuspeitos isolados como a desurtos devem ser notificadas, omais rapidamente possível, para odesencadeamento das ações devigilância epidemiológica econtrole.
  23. 23. Primeiras medidas a serem adotadas:Hospitalização imediata dos casos graves, visando evitar complicações e diminuir a letalidade. Nos casos leves, o atendimento é ambulatorial.
  24. 24. Roteiro da investigação epidemiológicaIdentificação do paciente – preencher todos os campos da ficha de investigação epidemiológica ao Sinan relativos aos dados gerais , dados do caso e de residência do paciente.Coletar dados referentes epidemiológicos , com especial atenção para a ocupação de risco ocorrida nos 30 dias que antecederam os primeiros sintomas do paciente, registrando data e endereço do local provável da infecção e a ocorrência de casos anteriores de leptospirose humana e animal.
  25. 25. Roteiro de investigaçãoRegistrar a data do atendimento e os sinais e sintomas apresentados pelo paciente desde o início do quadro clínico, a ocorrência de hospitalização, datas de internação e alta e o endereço do hospital.
  26. 26. Fichas de Investigação de Leptospirose
  27. 27. Técnicos responsáveisCalixto BrazMaria de FátimaTania ReginaColaboração: Thaís Lourenço
  28. 28. Contatos:Telefone: 2668-4516E-mail: vigepidemio.ni@gmail.comRua D. Walmor, 234 – sala 406/407. Nova Iguaçu

×