• Salvar
Pré-Natal Baixo Risco
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Pré-Natal Baixo Risco

em

  • 10,183 visualizações

Atualização Básica de pré-natal de Baixo Risco

Atualização Básica de pré-natal de Baixo Risco

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
10,183
Visualizações no SlideShare
10,183
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
4
Downloads
0
Comentários
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Pré-Natal Baixo Risco Presentation Transcript

  • 1. Atuação da Enfermagem Junto o Pré-Natal Básica Profº. Hiury W. Gomes Enfermeiro Especialista em Neonatologia e Pediatria
  • 2. Quais os Aspectos Legais Amparam o Enfermeiro?
    • Hoje em dia o enfermeiro tem um grande respaldo legal, na realizações de suas atribuições na consulta de enfermagem o Ministério da Saúde e Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro.
  • 3. Por Tanto...
    • O enfermeiro tem
    • que saber:
        • ... solicitar exames complementares e prescrever medicações , conforme protocolos ou outras normativas técnicas estabelecidas pelo gestor municipal ou do Distrito Federal, observadas as disposições legais da profissão (Anexo 1, item 2 – Do Enfermeiro do Programa Agentes Comunitários de Saúde, Inciso V ).
        • Prevê ainda (Anexo 1 – Do Enfermeiro, Inciso II ):
    8 – PORTARIA Nº 1.625, DE 10 DE JULHO DE 2007 7 – Resolução COFEN 195/1997. 6 – Resolução COFEN 272/2002 5 – Resolução COFEN 271/2002. 4 – Resolução COFEN 159/1993 3 – Portaria MS/GM 648, de 28 de março de 2006 2 – Decreto Federal 94.406/87 1 – Lei Federal 7.498/86.
  • 4. • Vinculação de unidades que prestam atenção pré-natal às maternidades/ hospitais, conforme definição do gestor local; • Garantia dos recursos humanos, físicos, materiais e técnicos necessários à atenção pré-natal, assistência ao parto e ao recém-nascido e atenção puerperal, com estabelecimento de critérios mínimos para o funcionamento das maternidades e unidades de saúde; • Captação precoce de gestantes na comunidade; • Garantia de atendimento a todas as gestantes que procurem os serviços de saúde; • Garantia da realização dos exames complementares necessários; • Garantia de atendimento a todas as parturientes e recém-nascidos que procurem os serviços de saúde e garantia de internamento, sempre que necessário; Papel da Equipe Multidisciplinar
  • 5. • Garantia de acompanhante durante o trabalho de parto, no parto e no pós-parto; • Incentivo ao parto normal e à redução da cesárea desnecessária; • Vinculação à Central de Regulação Obstétrica e Neonatal, de modo a garantir a internação da parturiente e do recém-nascido nos casos de demanda excedente; • Transferência da gestante e/ou do neonato em transporte adequado, mediante vaga assegurada em outra unidade, quando necessário (SAMU); • Garantia de atendimento das intercorrências obstétricas e neonatais; • Atenção à mulher no puerpério e ao recém-nascido. Papel da Equipe Multidisciplinar
  • 6. MONITORAMENTO DA ATENÇÃO PRÉ-NATAL E PUERPERAL Para que seja possível o monitoramento da atenção pré-natal e puerperal, de forma organizada e estruturada, foi disponibilizado pelo DATASUS um sistema informatizado, SISPRENATAL – Sistema de Informação sobre o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento – de uso obrigatório nas unidades de saúde e que possibilita a avaliação da atenção a partir do acompanhamento de cada gestante.
  • 7. Acolhimento O acolhimento, aspecto essencial da política de humanização, implica recepção da mulher, desde sua chegada na unidade de saúde, responsabilizando-se por ela,ouvindo suas queixas, permitindo que ela expresse suas preocupações, angústias,garantindo atenção resolutiva e articulação com os outros serviços de saúde para a continuidade da assistência, quando necessário.
  • 8. Primeira Consulta È mais importante, pois o profissional transpassa confiança e segurança Para a gestante. Realiza uma exame físico e social . Pois das informações serão colhidas durante toda a gestação, com a confiança da gestante, com seu vinculo acolhedor. As solicitações de exames são pedidas na primeira consulta como de rotina : Hemograma Completo HIV VDRL Toxoplasmose Glicose MIF Colesterol EAS Hepatite B e C A realização da prescrição de acido fólico e sulfato ferroso conforme programa do MS. Importante para proteção materna e fetal, durante toda gestação.
  • 9. CÁLCULO DPP
    • O objetivo desse cálculo é estimar o período provável do nascimento. Calcula-se a  data provável do parto  (dpp) levando-se em consideração a duração média da gestação normal (280 dias ou 40 semanas depois da última menstruação).
    • Pode ser calculado das seguintes maneiras:
    • - Com o disco (gestograma), colocar a seta sobre o dia e o mês correspondente ao primeiro dia da última menstruação e observar a seta na data (dia e mês) indicada como data provável do parto;
    • - Uma outra forma de calcular a dpp é somar sete dias ao primeiro dia da última menstruação e subtrair três meses ao mês em que ocorreu a última menstruação (ou adicionar nove meses, se corresponder aos meses de janeiro a março) – Regra de Naegrele. Nos casos em que os números de dias encontrado for maior do que o número de dias do mês, passar os dias excedentes para o mês seguinte, adicionando 1 ao final do cálculo de mês. Exemplos.
    • * Data da última menstruação – 13/09/2008 Data provável do parto – 20/06/2009 (DIA 13 + 7 = 20 / MÊS 9-3 = 6)
    • * Data da última menstruação – 10/02/2004 Dpp – 17/11/2004 (10 + 7 = 17 DIA/2 + 9 = 11 MES)
    • * Data da última menstruação – 27/01/2004 Dpp – 03/11/2004
    • QUANDO FOR O MÊS 9 OU MAIS (-3) QUANDO FOR MÊS ABAIXO DE 9 (+9)
  • 10. USG OBSTETRICA USG Tranvaginal USG Translucencia Nucal USG dopller colorido Obstetrico USG Obstetrica USG Morfologica Obstetrica
  • 11. USG OBSTETRICA Pontos importante na observação da USG Posição Fetal Movimentação Fetal Bat. Card. Fetais- BCF Grau da maturação da placenta 0-III Liquido amniótico Crescimento Fetal Má formações Circular de cordão
  • 12. Resultado USG Obstétrica
    • Feto único, ativo com batimentos cardíacos normais e ritmados no momento do exame. Situação: Longitudinal. Apresentação: Cefálica. Dorso: Posterior à direita. Diâmetro biparietal: 4,6cm. Perímetro Cefálico: 16,2 Úmero mede: 2,8cm. Fêmur mede: 2,8cm. Circunferência abdominal: 14,8cm. Peso fetal estimado: 315g. Comprimento do feto:25,0cm. Placenta de localização: Corporal anterior. Ecotextura homogênea. Grau .0. de Grannum. Normo-hidramnia. CONCLUSÃO: GESTAÇÃO EM CURSO COM 19 SEMANAS DE EVOLUÇÃO
  • 13. Posição Fetal Cefálica Pélvica Transversa Longitudinal Vertical
  • 14. Consulta Ginecológica É um complemento a consulta de pré natal, onde o enfermeiro avaliar os aspectos do colo do útero, genitália externa, possíveis DST´s, Corrimentos vaginais. Aproveita para realizar o preventivo de câncer do colo de útero. Sendo coletado material do endocervix uterina e fundo de saco, visualizando o útero com coloração azulada, pela sua vascularização. Não colher da cervix pois pode ocorrer rupturas da parede planetária. Somente o especialistas pode realizar. *Nunca realizar exame vaginal em qualquer gestante que tenha sangramento, até que placenta prévia tenha sido excluída. Isso pode perfurar a placenta. http://gravidezematernidade.com.br
  • 15. Complicações Comuns Nas gravidez podem existir muitas complicações físicas e emocionais onde o enfermeiro deve acolher e orientar tanto na parte psicológica como na parte clinica. Como sabemos o enfermeiro só pode realiza pré-natal de baixo risco. As complicações são encaminhadas para um especialista pelo SISREG sistema de regulação da prefeitura. Não quer disse que o enfermeiro deixa de assistir a paciente. Ele realizando algumas consultas de pré-natal e visita domiciliares para ver o andamento do tratamento e gestação. HIPERTENSÃO ARTERIAL SOLIDÃO DEPRESSÃO DIABETE GESTACIONAL GESTAÇÃO MOLAR PARCIAL HIDRAMINIA OU POLIDRMINIA ANEMIA ITU Placenta prévia Má formações congênitas
  • 16. Alguma Medicações De acordo com o manual de Pré-Natal e Puerperio, aspectos legais Supracitado. O Enfermeiro pode prescrever alguns medicamentos com: Vitamina Sulfato Ferroso Gases intestinais Luftal gst Analgésico Paracetamol 500mg Corrimento vaginal Nistatina Creme Corrimento vaginal Metronidazol Creme Queimação Gástrica Hidrox de Alumínio Analgésico Dipirona sódica 500mg Cólica Buscopan Vitamina Acido fólico Indicação Medicação
  • 17. Apalpação Obstétrica Manobra de Leopold 1º Passo 2º Passo 3º Passo 4º Passo
  • 18.  
  • 19.  
  • 20. Acolhimento Mamãe & Bebê Todos nos trabalhamos para que isso aconteça Parabéns todos enfermeiros....
  • 21. Obrigado!!! Minha esposa Com 9 meses Esperando o Miguel Blog: http://saudedafamilia.blogspot.com/ [email_address] 7884-3228