Cordel: das origens à contemporaneidade

133 visualizações

Publicada em

Palestra feita por Gustavo Dourado na Feira do Livro 2016 de Brasília-DF no dia 17 de julho de 2016. Local: centro de convenções.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cordel: das origens à contemporaneidade

  1. 1. 1 Cordel: das origens à contemporaneidade Por Gustavo Dourado Feira do Livro - 2016
  2. 2. 2 Sobre o autor • Gustavo Dourado é presidente da Academia Brasileira de Letras de Cordel; presidente da Academia Taguatinguense de Letras, autor de 15 livros e de centenas de cordeis na internet. Colunista de Cronópios. E-mail: gustavo.dourado@gmail.com Telefone: 61 – 993281839 • Coordena o site www.gustavodourado.com.br • Quem quiser conhecer um pouco sobre a poesia popular e apreciar a criação em cordel de Gustavo Dourado, visite: www.gustavodourado.com.br/cordel.htm www.gustavodourado.com.br/patriciaaraujo.htm www.gustavodourado.com.br/cordelnaInternet.htm www.gargantadaserpente.com/cordel/ www.triplov.com/poesia/gustavo_dourado/
  3. 3. 3 Origens do cordel • Cordel, cordelos. Vem de corda, cordão, cordium, cordial, toca a alma e o coração. • As origens da literatura de cordel estão na Europa Medieval. Tem suas bases na França (Provença), do século XI e posteriormente na Espanha, Portugal, Itália, Alemanha, Holanda e Inglaterra. • Chegou ao Brasil Colônia com os navegadores portugueses, depois incorporou a poética nativa do índio, a criatividade e o ritmo da poesia do negro, dos bandeirantes, garimpeiros, dos vaqueiros e tropeiros (o aboio). Tornou-se um ritmo sertanejo-tropical, integrando-se a outros ritmos como o baião, o xote, o xaxado, o maracatu e o forró.
  4. 4. 4 Polêmica e complexidade dos ciclos temáticos • Os principais temas e ciclos do cordel abordam assuntos diversos (síntese de classificações): abcs; pelejas, cantorias e desafios; religiosidade; costumes; romances; história(estórias); circunstância(s), heroísmo (façanhas, grandes feitos); cavalaria (vaqueiros, bois, cavaleiros, tropeiros, vaquejadas); • Os cinco temas mais frequentes na classificação popular da literatura de cordel são os seguintes: romance, desafio, valentia, encantamento e gracejo. Ariano Suassuna classifica sinteticamente a literatura de cordel nos seguintes ciclos temáticos: histórico, heróico, moral/religioso, satírico e maravilhoso, entre outras variações.
  5. 5. 5 Complexidade dos ciclos temáticos • Erudito: 1) Ciclo heróico, trágico e épico; 2) Ciclo do fantástico e do maravilhoso; 3) Ciclo religioso e de moralidades; 4) Ciclo cômico, satírico e picaresco; 5) Ciclo histórico e circunstancial; 6) Ciclo de amor e de fidelidade; 7) Ciclo erótico e obsceno; 8) Ciclo político e social; 9) Ciclo de pelejas e desafios. • Popular: 1) Romances de Amor; 2) Romances de Safadeza e Putaria; 3) Romances Cangaceiros e Cavalarianos; 4) Romances de Exemplo; 5) Romances de Espertezas, Estradeirices e Quengadas; 6) Romances Jornaleiros; 7) Romances da Profecia e Assombração. Classificação temática do cordel, por Ariano Suassuna:
  6. 6. 6 Mitologia e Trovadorismo • A Literatura de Cordel, mais que centenária no Brasil (ultrapassou cem mil títulos publicados, segundo Joseph Luyten), tem suas origens ocidentais e pré-medievais, no universo poético de Provença, França, com os trovadores albigens (com destaque para Arnaud Daniel, Bertran de Born, Guiraut de Bornelh e Rimbaud Daurenga). • As influências sobre o cordel e a poesia popular contemporânea são multidiversas: desde a poesia mesopotâmica árabe-fenício-semítica, mediterrânea, hindu e persa, à poética egípcio - caldaica – hebréia – greco - latina e afro - indígena... Não se pode esquecer a influência bíblica (Pentateuco, Salmos de Davi, Provérbios de Salomão, Cântico dos Cânticos, Apocalipse), do Lunário Perpétuo, enciclopédias, dicionários, almanaques, dos grandes livros religiosos e belos cânticos de todos os tempos, presentes nas diversas civilizações ao longo do processo histórico. • A Poesia de Cordel demonstra a sua força e pujança na expressão ibero-lusitana - afro - brasilíndia e galego - castelã... Sem esquecer da verve provençal e italiana (latina). Os romanos com suas epopeias fecundaram a semente da poesia ocidental, herdada dos gregos, etruscos, celtas, gauleses, bretões, normandos, nórdicos e dos povos bárbaros da antiga Europa, Ásia e África.
  7. 7. 7 • Os trovadores foram os principais precursores e alicerces para a futura Literatura de Cordel nos países de língua portuguesa, principalmente no Nordeste do Brasil, a partir de Salvador-Bahia, dos portos marítimos e do Rio São Francisco, até chegar em Barra, Petrolina, Caruaru, Campina Grande e Juazeiro do Norte, onde criou raízes e imortalizou-se na verve dos poetas cordelistas e cantadores repentistas. • A Literatura de Cordel foi enriquecida pela criatividade e maestria de Gil Vicente, Camões, Rabelais, Gregório de Matos, Bocaje, Castro Alves, Gonçalves Dias, Cervantes, José de Alencar, Tobias Barreto, Catulo da Paixão Cearense, Juvenal Galeno, Ascenso Ferreira, Leandro Gomes de Barros, Cego Aderaldo, Patativa do Assaré, além da contribuição incomensurável dos trovadores provençais e do romanceiro medieval.
  8. 8. 8 Presença no Brasil • “Por volta de 1873 o poeta cantador Silvino Pirauá publica o primeiro folheto do Nordeste, contando histórias tradicionais em versos rimados. Silvino nasceu em 1841 no Teixeira e faleceu em 1913. Durante sua vida fez muitas inovações na cantoria. Silvino Pirauá é considerado um gênio em seu mundo cultural, não só pelas inovações, mas também pelas obras que publicou em versos: História de Zezinho e Mariquinha e História do Capitão do Navio.” ( Ivonete Barros de Sousa) • A arte de rimar e imprimir histórias tradicionais foram aprimorada por Leandro Gomes de Barros (1865? - 1918) • Francisco Chagas Batista publicou um folheto, no ano de 1902, em Campina Grande, que está catalogado na Casa de Rui Barbosa - no Rio de Janeiro. É registrado como o primeiro folheto de cordel brasileiro publicado. Muitos outros anteriores, se perderam na poeira do tempo.
  9. 9. 9 Cordel na Pós-modernidade José Severino da Silva • Foi requisito para a obtenção de grau de Mestre em Letras e Ciências Humanas. • Para alguns poetas, como Gustavo Dourado, o computador é mais um meio que pode ajudar na divulgação do cordel, aumentando o acesso do público-leitor, culturalizando, ultrapassando fronteiras e propagando aquilo que é o mais importante ‘o conhecimento’. • Segundo Gustavo Dourado, “A informática, o computador e a Internet deram impulso fenomenal à Literatura de Cordel. Criou uma nova arte e facilitou a divulgação e distribuição das ideias. Agora, além dos folhetos tradicionais, surgem os folhetos virtuais e eletrônicos. É preciso integrar as duas formas. O computador é a tipografia do cordelista. O correio eletrônico e os sites/sítios são os jornais do poeta popular, que agora tem em suas mãos uma ferramenta maravilhosa para desenvolver e divulgar o seu trabalho, com velocidade impressionante”. • Para Dourado (2009) a mídia convencional, das editoras é muito seletiva e não investe em novos talentos da poesia, se tornando uma "mera reprodutora comercial e publicitária dessa forma arcaica e ultrapassada de divulgação cultural".
  10. 10. 10 Resumo de alguns folhetos • São livros do povo (alicerçados no pensamento do mestre Luís da Câmara Cascudo e deste poeta cordelista). Fontes da Poesia Popular do Nordeste do Brasil. Alguns são adaptações e recriações do romanceiro europeu. Quintessências da Literatura de Cordel. “Eram doze cavaleiros Homens muito valorosos Destemidos, animosos, Entre todos os guerreiros Como bem fosse Oliveiros Um dos pares de fiança Que sua perseverança Venceu todos os infiéis Os doze leões cruéis” — Os doze pares de França Leandro Gomes de Barros
  11. 11. 11 “Eu vou contar uma história De um pavão misterioso Que levantou vôo na Grécia Com um rapaz corajoso Raptando uma condessa Filha de um conde orgulhoso” - Romance do Pavão Misterioso José Camelo de Melo Rezende “Avistei uma cidade como nunca vi igual toda coberta de ouro e forrada de cristal ali não existia pobre é tudo rico geral.” - Viagem a São Saruê... Manoel Camilo dos Santos
  12. 12. 12 “ABC é gênero antigo: Psalmus Abecedarius Desde Santo Agostinho: Língua gen vocabularius Poiesis anti-donatista: Perfectissimus Dicionarius.” - ABC de Vladimir Carvalho Gustavo Dourado Citado por Dad Squarisi: http://blogs.correiobraziliense.com.br/dad/abc_e_isto_aqui/ , útlimo acesso 16/07/2016 “A cidade foi sonhada: Profetas a visionaram... Poetas a anteviram: Muitos a preconizaram... Juscelino a construiu: ‘Anjos’ a eternizaram...” -Brasília 5.0 Gustavo Dourado Eletrogravura Toninho de Souza
  13. 13. 13 “Renato Russo fez história: Deu ao rock poesia Cantou em verso e prosa Em ritmo de filosofia Foi Trovador Solitário Impulsionou a fantasia” - Cordel para Renato Russo Gustavo Dourado Xilogravura Padre Mourão do Cordel “Alfredo Moacyr Uchoa Grande Ufólogo General 100 anos no Espaço-Tempo: Pesquisador genial Lá no céu é uma Estrela Galáxia do universal...” - Grande Cordel da Ufologia Brasileira Gustavo Dourado Fotogravura Pepe Chaves
  14. 14. 14 “Ariano romancista: Poeta e professor. Dramaturgo e filósofo: Luminoso pensador Cultivador da estética: Universal criador.” - Cordel para Ariano Suassuna Gustavo Dourado
  15. 15. 15 Influências e confluências • O cordel ganhou o mundo por meio do estudo, pesquisa e divulgação de mestres, leitores, amantes e pesquisadores da cultura popular, nomes como: Luís da Câmara Cascudo, Leonardo Mota, Manuel Diégues Jr, Ariano Suassuna, Rodrigues de Carvalho, Gustavo Barroso, Átila de Almeida, José Alves Sobrinho, Manoel Florentino Duarte, Rogaciano Leite, Jorge Amado, Glauber Rocha (pai do Cinema Novo). • João Cabral de Melo Neto(Morte e Vida Severina), Rachel de Queiroz (O Quinze), José Américo de Almeida(A Bagaceira), José Lins do Rego (Fogo Morto), Graciliano Ramos (Vidas Secas), Mário de Andrade (Macunaíma), Guimarães Rosa(Grande Sertão: Veredas) e tantos outros destaques do mundo culturaliterário. • Na música, além de Villa-Lobos, a presença do cordel é marcante em Luiz Gonzaga, Elomar, Zé Ramalho, Raul Seixas, Antônio Nóbrega, Quinteto Violado, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Ednardo, Xangai, Fagner, Elba Ramalho, Belchior, Caçulinha, Mário Zan, Zeca Baleiro, Lenine, Chico Science, Chico César, Amelhinha, Juraíldes da Luz, Chico Buarque, Geraldo Vandré, João do Vale, Jackson do Pandeiro, Jorge Mautner, Tom Zé, Dominguinhos, A lista é quilométrica.
  16. 16. 16 Bibliografia • DOURADO, Gustavo. www.gustavodourado.com.br, último acesso em 16/07/2016 • FERREIRA, Jerusa Pires. Cavalaria em cordel: o passo das águas mortas. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1993. • FREIRE, João Lopes. A história de Carlos Magno e os Doze Pares de França. Rio de Janeiro: [s.n., 19 - -]. • SAMPAIO, Marcos. A morte dos 12 Pares de França. Juazeiro do Norte: Tipografia São Francisco, 1954. • SILVA, Antonio Eugenio da. O cavaleiro Roldão. Campina Grande: A Estrela da Poesia, 1960
  17. 17. 17 Foto: Getúlio Romão

×