Conjuntura econômica

340 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
340
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Anotações :
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
    _____________________________________________________________________
  • Conjuntura econômica

    1. 1. Prof. Ivan Atherino
    2. 2. BIBLIOGRAFIA • Economia Micro e Macro – Marco Antonio Sandoval, ed. Atlas • Manual de Introdução à Economia – organizadores: Marco Antonio S. Vasconvellos, Diva B. Pinho, • Princípios de Macroeconomia --- N. Gregory Mankiw. Ed. Thompson, 3ª edição. • Introdução à Economia -= N. Gregory Mankiw. Ed. Thompson, 3ª edição. • Fundamentos de Economia – Marco Antonio Sandoval S. Vasconcellos . ManuelE. Garcia, ed. Saraiva • A Estratégia e o Cenário dos Negócios, Pankaj Ghemawat, ed. Bookman, • Macroeconomia – N. Gregory Mankiw, LTC, 5ª edição, 2004. • Princípios de economia para negócios – Joseph Nellis e David Parker • Economia Fundamentos e Aplicações – Judas Tadeu Grassi Mendes, • Macroeconomia – Sachs e Larrain, ed. Makron, • Microeconomia, Teoria e Aplicações – Walter Welssels. Ed Saraiva, 2002. • Vantagem Competitiva – Michael E. Porter, ed. Campus,
    3. 3. • PROVA • TRABALHOS, PRESENÇA E PARTICIPAÇÃO EM AULA
    4. 4. • Escolha um país ou uma região do mundo e elabore uma apresentação com todos os aspectos econômicos que você achar relevante para serem observados.
    5. 5. IVAN T. ATHERINO 12 BRICS PIIGS ZONA DO EURO EUA JAPÃO ?
    6. 6. Divida britânica como percentual do PIB vai subir de 90% para 98% no próximo ano REINO UNIDO perde rating máximo ‘Aaa’ da Moody’s. Cita o crescente peso do endividamento
    7. 7. Um rating é uma avaliação feita por agências de classificação sobre a capacidade e determinação de uma empresa ou governo em honrar os seus compromissos de dívida
    8. 8. As três agências de classificação de risco de maior visibilidade são a Standard & Poor's, a Moody's e a Fitch Ratings. •
    9. 9. INFORMAÇÃO DISPONÍVEL Empregado/Sócio Informações da empresa Relatórios contábeis Informações Econômicas: Taxa de juros, taxa de cambio, Inflação, Nível de atividade econômica, etc Informações de Mercado
    10. 10. 1. As Pessoas Reagem a Incentivos O nível das taxas de juros da economia está BAIXO. Estou sendo estimulado a arriscar aplicar meus recursos em um negócio próprio.
    11. 11. 2. Custo de oportunidade:  O custo de alguma coisa é algo que você deixou de fazer
    12. 12. 3. Em um mercado livre há sempre a tendência ao equilíbrio. Se houver uma maior procura por um bem ou serviço do que sua disponibilidade no mercado, o que você acha que pode acontecer? E se fosse o contrário, oferta maior que a procura pelo produto?
    13. 13. 4. As necessidades das pessoas são infinitas mas seus recursos são escassos. Você conhece alguém ou algum país satisfeito com o que tem?
    14. 14. ABISMO FISCAL A determinação formaliza o que ficou conhecido como “sequestro”, os cortes automáticos em despesas que derivam do fracasso de políticos em Washington chegarem a um acordo de redução do déficit público dos EUA. A ordem do presidente vai exigir que mais de 20 agências federais, a Casa Branca e o Congresso apertem seus orçamentos ao longo dos próximos sete meses, com o objetivo de subtrair US$ 85 bilhões do orçamento previsto originalmente.
    15. 15. "Não é um apocalipse", resumiu Obama. "É só uma burrice.” Obama culpou os congressistas republicanos por não impedirem os cortes automáticos de gastos federais. Mais cedo na sexta-feira, ele disse não possuir poderes de ficção científica para obrigar os republicanos a fechar um acordo.
    16. 16. 24 Trata da evolução da economia como um todo Analisando: Determinação Comportamento Agregados econômicos RENDA EMPREGO PRODUTO NACIONAL DESEMPREGO INVESTIMENTO ESTOQUE DE MOEDA POUPANÇA TAXA DE JUROS CONSUMO BALANÇO DE PAGTOS NÍVEL GERAL DE PREÇOS TAXA DE CAMBIO
    17. 17. 25 Teoria macroeconômica Teoria do desenvolvimento econômico - Questão do desemprego - Estabilização do nível geral de preços - Progresso tecnológico - Política Industrial Questões de longo prazo Questões de curto prazo
    18. 18. O que faz a riqueza de um país crescer é o investimento A poupança financia esse investimento – desloca a CPP-
    19. 19. x
    20. 20. RANKING DE INVESTIMENTOS - %PIB CLASSIFICAÇÃO PAÍS % PIB 1 SÃO TOMÉ E PRINCIPE 50% 2 CABO VERDE 46,5% 3 CHINA 45,9% 4 REPÚBLICA DO CONGO 45,2% 5 GUINÉ EQUATORIAL 44,6% 10 KOSOVO 35% 19 ÍNDIA 30% 56 CHILE 23,9% 60 RUSSIA 23,2% 79 MÉXICO 21,5% 85 BOLÍVIA 21% 109 VENEZUELA 19,3% 110 ARGENTINA 19,2% 112 BRASIL 18,9%
    21. 21. r I, SI, S S - Demanda de títulos / Oferta de recursos I – Oferta de títulos / Demanda de recursos I = SI = S rr rr rr I < SI < S I > SI > S
    22. 22. • Despesas de consumo: compras feita pelas famílias • Despesas de investimentos privados: compras feitas pelas empresas • Despesas do governo: compras feitas pelos governos federal, estadual e municipal • Demanda externa: compras líquidas feitas pelos estrangeiros •DA = Demanda Agregada: C + I + G + (X – M)
    23. 23. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO DOS CONCEITOS
    24. 24. Demanda Interna + Demanda Externa • DI = C + G + I • DE = X - M QUEM COMPRA O PIB?
    25. 25. QUEM COMPRA O PIB?
    26. 26. •DA = C + I + G + (X – M)
    27. 27. Identifique a DI e a DE • Que você tem percebido em relação aos estímulos dados pelo governo para a economia crescer?
    28. 28. A: trecho Keynesiano (desemprego) C: trecho Clássico (pleno emprego) Desemprego: quando a DA é insuficiente para absorver a produção agregada de pleno emprego. Curva de Oferta Agregada de Bens e Serviços (OA) Nível Geral de Preços A C Curva de OA Simplificada YPLENOEMPREGO Y O Mercado de Bens e Serviços: O Lado Real
    29. 29. PRINCÍPIO DA DEMANDA EFETIVA A DA determina a produção (Keynes). Inverte um dos principais postulados da Teoria Clássica, a chamada Lei de Say, pela qual a OA é que determina a procura. Nível Geral de Preços YPLENOEMPREGOY0 DA0 DA1 Y O Mercado de Bens e Serviços: Hipóteses do Modelo Keynesiano Básico
    30. 30. PIB potencial – PIB efetivo = Hiato do PIB • PIB potencial é a capacidade de oferta da economia ou a capacidade produtiva instalada da economia. • PIB real ou efetivo é o produto alcançado. PIB potencialPIB efetivo Nível Geral de Preços DA PIB potencial = PIB efetivo = pleno emprego PIB potencial > PIB efetivo = desemprego – Hiato do PIB OA Hiato do PIB
    31. 31. PIB potencial = PIB efetivo = pleno emprego PIB potencial > PIB efetivo = desemprego PIB potencialPIB efetivo PIB Nível Geral de Preços DA DA DA Equilíbrio: PIB = DA =C + I + G + ( X – M ) Crescimento sustentável quando DA < ou= PIB potencial e taxa de crescimento da DA = taxa de crescimento do PIB potencial Hiato OA
    32. 32.  Reescrevendo a DA: DA = C + (I – S) + (G – T) + (X – M)  Equilíbrio: vazamentos = injeções S + T + M = I + G + XS + T + M = I + G + X
    33. 33. • O governo quer utilizar a política cambial para aquecer a demanda agregada. O que você proporia? Qual o custo dessa política em termos de inflação? DA = C + (I – S) + (G – T) + (X – M)
    34. 34. • O governo quer utilizar a política monetária para aquecer a demanda agregada. O que você proporia? Qual o custo dessa política em termos de inflação? DA = C + (I – S) + (G – T) + (X – M)
    35. 35. • A maior novidade, sem dúvida, foi o estabelecimento de uma meta para a expansão da base monetária, que será dobrada nos próximos dois anos. "Para atingir esse objetivo, o banco entrará em uma nova fase de afrouxamento monetário, em termos quantitativos e qualitativos", diz o comunicado da decisão. Em dois anos, portanto, o BC japonês pretende não apenas atingir a meta de 2% para a inflação e dobrar a base monetária, mas também dobrar o volume de compra de títulos soberanos (JGBs) e ativos arriscados (ETFs) em seu balanço e "mais que dobrar" a maturidade mínima das compras remanescentes de JGBs. BC do Japão ousa para aquecer economia
    36. 36. BC do Japão ousa para aquecer economia • O objetivo é tirar o país do quadro deflacionário perene dos últimos 15 anos e, como efeito colateral, induzir a desvalorização do iene de modo a impulsionar a atividade econômica.
    37. 37. • O governo quer utilizar a política fiscal para aquecer a demanda agregada. O que você proporia? Qual o custo dessa política em termos de inflação? DA = C + (I – S) + (G – T) + (X – M)
    38. 38. Desaquecimento do mercado levou governo a manter IPI A desaceleração das vendas no início do ano foi o principal argumento usado pela indústria automobilística para convencer o governo a não subir neste mês as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos carros
    39. 39. • O governo quer utilizar a política fiscal para desaquecer a demanda agregada. O que você proporia? Qual o custo dessa política em termos de inflação? DA = C + (I – S) + (G – T) + (X – M)
    40. 40. • A UE e o FMI concordaram que Chipre terá de cumprir a meta de 4% de superávit primário em 2017 — contra uma meta negociada anteriormente em 2016 —, uma vez que o choque da crise bancária promete levar o país a uma acentuada recessão. Para este ano, o governo cipriota estima um déficit orçamentário primário — sem levar em consideração os pagamentos da dívida — equivalente a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB).
    41. 41. •PLENO EMPREGOPLENO EMPREGO •DISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZADISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZA •ESTABILIDADE DE PREÇOSESTABILIDADE DE PREÇOS •CRESCIMENTO ECONÔMICOCRESCIMENTO ECONÔMICO METAS DE POLÍTICA MACROECONÔMICA
    42. 42. Tipos de Desemprego DESEMPREGO CONJUNTURAL – aquele devido ás condições recessivas na economia. DESEMPREGO FRICCIONAL – aquele decorrente do tempo necessário para que o mercado de trabalho se ajuste. DESEMPREGO ESTRUTURAL – decorrente de mudanças estruturais em certos setores da economia que eliminam empregos, sem que haja ao mesmo tempo a criação de novos empregos em outros setores. Metas de Política Macroeconômica
    43. 43. Taxa de desemprego - Brasil Perío do Taxa média Região metropolitana Recife Salvador Belo Rio de São Paulo Porto Horizonte Janeiro Alegre 2008 Jan 8,0 10,1 11,3 6,7 6,4 8,6 6,2 Fev 8,7 11,0 12,2 7,7 7,0 9,3 6,4 Mar 8,6 9,7 12,8 7,2 6,7 9,4 6,9 Abr 8,5 9,3 11,9 6,9 7,1 9,4 6,7 Mai 7,9 8,7 11,3 6,8 6,4 8,6 6,1 Jun 7,8 8,5 12,1 7,4 6,6 8,2 6,1 Jul 8,1 10,1 12,1 6,8 7,3 8,3 6,0 Ago 7,6 8,3 11,6 6,1 6,9 8,0 5,3 Set 7,6 8,9 11,3 6,1 6,9 8,0 5,7 Out 7,5 8,9 10,7 5,9 7,0 7,7 5,6 Nov 7,6 9,7 10,3 5,2 6,9 8,2 5,3 Dez 6,8 7,8 10,0 5,5 6,2 7,1 4,7 2009 Jan 8,2 8,6 11,2 6,4 6,6 9,4 5,6 Fev 8,5 9,1 11,0 6,8 6,4 10,0 6,0 Mar 9,0 10,4 11,9 6,6 6,9 10,5 6,4
    44. 44. • Inflação de demanda: ocorre quando a demanda agregada é maior que a oferta agregada. • Inflação de custos ou de oferta: é decorrente da elevação dos custos na economia, por exemplo, aumento nos salários. inflação: Perda de poder aquisitivo da moeda Metas de Política Macroeconômica Estabilidade de Preços
    45. 45. Estabilidade de Preços Inflação – Aumento contínuo e generalizado no nível geral de preços.  Meta de inflação – 4,5%aa Metas de Política Macroeconômica + 2% - 2%
    46. 46. Principais Índices de Preços no Brasil Índice/ Entidade Período de Coleta de Preços Local de Pesquisa Orçamento Familiar em Salários Mínimos Utilização IPCA/IBGE Mês Completo 11 regiões 1 a 40 s.m. Genérico IPCA Especial/IBGE Dias 16 a 15 11 regiões 1 a 40 s.m. Correção da UFIR INPC/IBGE Mês Completo 11 regiões 1 a 8 s.m. Genérico IGP/FGV Mês Completo RJ/SP e 10 regiões 1 a 33 s.m. (inclui preços por atacado e construção civil) Contratos IGP-M/FGV Dias 21 a 20 RJ/SP e 10 regiões 1 a 33 s.m. (inclui preços por atacado e construção civil) Contratos IGP-10/FGV Dias 11 a 10 RJ/SP e 10 regiões 1 a 33 s.m. (inclui preços por atacado e construção civil) Tendência do IGP IPC- FIPE Mês Completo Município de São Paulo 1 a 20 s.m. Impostos Estaduais e Municipais (SP) ICV/DIEESE Mês Completo Região Metropolitana de São Paulo 1 a 30 s.m. Referência para Acordos Salariais
    47. 47. 1. Inflação de Inercial1. Inflação de Inercial: provoca a perpetuação das taxas de inflação anteriores, que são sempre repassados aos preços correntes. 2. Inflação de Expectativas:2. Inflação de Expectativas: estaria associada aos aumentos de preços provocados pelas expectativas dos agentes de que a inflação futura tende a crescer, e eles procuram resguardar suas margens de lucro. 3.3. Hiperinflação:Hiperinflação: os fatores que levam a uma hiperinflação são: 1. Crise orçamentária; 2. Governo não consegue se financiar via emissão de títulos; 3. Neste caso o governo começa a se financiar via emissão de moedas. 4. Como acabar com uma hiperinflação? 1. Fazer ajuste fiscal; 2. Regras que acabem com a monetização do déficit; 3. Reforma monetária; 4. Âncora cambial 5. Independência do BC (fim da monetização do déficit). Metas de Política Macroeconômica
    48. 48. Quem perde com os juros negativos No primeiro trimestre deste ano, o Brasil teve juro real negativo: a inflação superou o rendimento das principais aplicações financeiras. Longe de prejudicar apenas os rentistas, o juro baixo atrapalha o ritmo dos negócios.
    49. 49. InflaçãoMensal (%) -20,00 0,00 20,00 40,00 60,00 80,00 100,00 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 C Cruzado Bresser Verão Collor 1 Color 2 Real IGP-DI mensal de Jan/85à Abril/97 Metas de Política Macroeconômica
    50. 50. Inflação: Inflação x Desemprego (Curva de Phillips) π Taxa de desemprego Metas de Política Macroeconômica
    51. 51. • O crescimento deveria ser mensurado não pelo PIB dado da contabilidade social, mas pela riqueza do país. • O PIB pode crescer mas a riqueza pode estar diminuindo Crescimento Econômico  “Desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades”. Comissão Brundtland, 1987 Jornal Valor, 28 fev, 2005 Metas de Política Macroeconômica
    52. 52. O IDH – Índice de Desenvolvimento Humano mede o grau de desenvolvimento sócio-econômico dos países. Constitui-se de uma média aritmética de 3 índices, variando de 0 a 1 (quanto mais próximo de 1, maior o padrão de desenvolvimento humano): -Índice de Expectativa de Vida -Índice do PIB per capita (em dólares PPP) -Índice de Educação (média ponderada: 75% Índice de Alfabetização 25% Índice de Escolaridade de jovens entre 7 e 22 anos ) Crescimento Econômico
    53. 53.  Um país que consome toda sua produção pode a curto prazo aumentar o bem-estar de seus cidadãos pelo maior consumo, mas tende a diminuí-lo a longo prazo, pelo menor crescimento do produto potencial Desenvolvimento Sustentável Metas de Política Macroeconômica
    54. 54. 05/21/15 70 Instrumentos de PolíticaInstrumentos de Política MacroecômicasMacroecômicas • Política MonetáriaPolítica Monetária • Política FiscalPolítica Fiscal • Política CambialPolítica Cambial • Formação dos JurosFormação dos Juros
    55. 55. 05/21/15 71 Políticas EconômicasPolíticas Econômicas POLÍTICAPOLÍTICA MONETÁRIAMONETÁRIA POLÍTICAPOLÍTICA FISCALFISCAL POLÍTICAPOLÍTICA CAMBIALCAMBIAL POLÍTICAPOLÍTICA DEDE RENDASRENDAS •PLENO EMPREGOPLENO EMPREGO •DISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZADISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZA •ESTABILIDADE DE PREÇOSESTABILIDADE DE PREÇOS •CRESCIMENTO ECONÔMICOCRESCIMENTO ECONÔMICO
    56. 56. 05/21/15 72 Política MonetáriaPolítica Monetária ENFATIZA SUA ATUAÇÃO SOBRE OS MEIOS DE PAGAMENTO,ENFATIZA SUA ATUAÇÃO SOBRE OS MEIOS DE PAGAMENTO, TÍTULOS PÚBLICOS E TAXAS DE JUROS, MODIFICANDO OTÍTULOS PÚBLICOS E TAXAS DE JUROS, MODIFICANDO O CUSTO E O NÍVEL DE OFERTA DE CRÉDITO.CUSTO E O NÍVEL DE OFERTA DE CRÉDITO. ESTA POLÍTICA ÉESTA POLÍTICA É EXECUTADA PELO BACENEXECUTADA PELO BACEN, QUE POSSUI, QUE POSSUI PODERES E COMPETÊNCIA PRÔPRIOS PARA CONTROLARPODERES E COMPETÊNCIA PRÔPRIOS PARA CONTROLAR A QUANTIDADE DE MOEDA NA ECONOMIA.A QUANTIDADE DE MOEDA NA ECONOMIA. InstrumentosInstrumentos de controlede controle monetáriomonetário Recolhimentos compulsóriosRecolhimentos compulsórios Operações Mercado AbertoOperações Mercado Aberto Redesconto BancárioRedesconto Bancário Empréstimos de liquidezEmpréstimos de liquidez
    57. 57. 05/21/15 73 Recolhimentos CompulsóriosRecolhimentos Compulsórios • Percentual incidente sobre os depósitos captados pelos bancosPercentual incidente sobre os depósitos captados pelos bancos comerciais, que deve ser colocado a disposição do Bancocomerciais, que deve ser colocado a disposição do Banco Central.Central. • Instrumento de controle monetário que atua sobre os meios deInstrumento de controle monetário que atua sobre os meios de pagamento através do multiplicador bancário.pagamento através do multiplicador bancário. • A alteração das taxas de recolhimento compulsório determina aA alteração das taxas de recolhimento compulsório determina a expansão ou a retração da atividade econômica.expansão ou a retração da atividade econômica.
    58. 58. 05/21/15 74 Operações de Mercado AbertoOperações de Mercado Aberto • Estas operações funcionam como instrumento ágil de políticaEstas operações funcionam como instrumento ágil de política monetária para melhorar o fluxo monetário da economia emonetária para melhorar o fluxo monetário da economia e influenciar os níveis das taxas de juros a curto prazo.influenciar os níveis das taxas de juros a curto prazo. • Fundamentam-se na compra e venda de títulos da dívidaFundamentam-se na compra e venda de títulos da dívida pública no mercado, processadas pelo Bacen na qualidade depública no mercado, processadas pelo Bacen na qualidade de agente monetário do governo.agente monetário do governo. • Para aumentar os meios de pagamento o governo resgataPara aumentar os meios de pagamento o governo resgata títulos públicos, injetando dinheiro.títulos públicos, injetando dinheiro. • Para reduzir os meios de pagamento e aumentar a taxa dePara reduzir os meios de pagamento e aumentar a taxa de juros, o governo emite e coloca novos títulos da dívida emjuros, o governo emite e coloca novos títulos da dívida em circulação.circulação.
    59. 59. 05/21/15 75 Redesconto Bancário eRedesconto Bancário e Empréstimo de LiquidezEmpréstimo de Liquidez O BANCO CENTRAL COSTUMA REALIZAR EMPRÉSTIMOS DEO BANCO CENTRAL COSTUMA REALIZAR EMPRÉSTIMOS DE ASSISTÊNCIA DE LIQUIDEZ ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRASASSISTÊNCIA DE LIQUIDEZ ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS VISANDO EQUILIBRAR SUAS NECESSIDADES DE CAIXA NOVISANDO EQUILIBRAR SUAS NECESSIDADES DE CAIXA NO CASO DE AUMENTO ACENTUADO DA DEMANDA DE RECURSOSCASO DE AUMENTO ACENTUADO DA DEMANDA DE RECURSOS A TAXA DE JUROS COBRADA PELO BC NESSAS OPERAÇÕESA TAXA DE JUROS COBRADA PELO BC NESSAS OPERAÇÕES CHAMA-SE TAXA DE REDESCONTO. ESTA TAXA AGE SOBRECHAMA-SE TAXA DE REDESCONTO. ESTA TAXA AGE SOBRE O NÍVEL DE LIQUIDEZ MONETÁRIA DA ECONOMIA E SOBREO NÍVEL DE LIQUIDEZ MONETÁRIA DA ECONOMIA E SOBRE AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS.AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS.
    60. 60. 05/21/15 76 Redesconto Bancário eRedesconto Bancário e Empréstimo de LiquidezEmpréstimo de Liquidez SE A TAXA DESE A TAXA DE REDESCONTOREDESCONTO < TAXA MERCADO< TAXA MERCADO SE A TAXA DESE A TAXA DE REDESCONTOREDESCONTO > TAXA MERCADO> TAXA MERCADO As InstituiçõesAs Instituições Financeiras sãoFinanceiras são incentivadas aincentivadas a elevarelevar a ofertaa oferta de créditode crédito As InstituiçõesAs Instituições Financeiras sãoFinanceiras são incentivadas aincentivadas a reduzirreduzir a ofertaa oferta de créditode crédito
    61. 61. Instrumentos disponíveis Inibe Consumo e Investimento Anti-Anti- inflacionáriasinflacionárias Estimula consumo e Investimento MaiorMaior CrescimentoCrescimento Diminuir (Enxugar) Aumento da tx. Aumento do estoque Diminuição da tx. RESULTADO Melhor Dist.Melhor Dist. de Rendade Renda Solução mais complexa Estoque monetário Reservas compulsórias Open Market Venda de títulos Compra de títulos Política MonetáriaPolítica Monetária
    62. 62. 05/21/15 78 Política FiscalPolítica Fiscal • Centraliza suas preocupações nos gastos do setor público eCentraliza suas preocupações nos gastos do setor público e nos impostos cobrados da sociedade.nos impostos cobrados da sociedade. • Procura o equilíbrio entre a arrecadação tributária e asProcura o equilíbrio entre a arrecadação tributária e as despesas governamentais.despesas governamentais. • Objetiva atingir determinadas metas sociais e macro-Objetiva atingir determinadas metas sociais e macro- econômicas.econômicas. • Através da modificação da carga tributária, influencia a rendaAtravés da modificação da carga tributária, influencia a renda disponível e o consumo agregado. Assim, um aumento dedisponível e o consumo agregado. Assim, um aumento de impostos gera uma redução do consumo.impostos gera uma redução do consumo. • Haverá também uma redução dos investimentos dasHaverá também uma redução dos investimentos das empresas.empresas.
    63. 63. • Superávit Fiscal – gasto menores que Receita • Déficit nominal – déficit total do governo, incluindo juros e correções monetária e cambial da dívida passada. • Déficit operacional – diferença entre os gastos públicos e a arrecadação tributária no período, somados aos juros reais da dívida passada. Política FiscalPolítica Fiscal
    64. 64. Curva de Lafer - Relação entre o total de arrecadação tributária e a alíquota de impostos. Alíquota de Impostos Arrecadação Almax Valor Relação Direta Relação Inversa Ex. Sonegação Efeitos da Política Tributária sobre a Atividade Econômica
    65. 65. Instrumentos disponíveis Arrecadação de tributos (política tributária) Inibe Consumo e Investimento Anti-Anti- inflacionáriasinflacionárias Estimula consumo e Investimento MaiorMaior CrescimentoCrescimento Diminuição dos gastos Aumento da carga tributária Aumento dos gastos Diminuição da carga tributária RESULTADO Melhor Dist.Melhor Dist. de Rendade Renda Impostos progressivos Gastos em setores/ regiões mais atrasados Benefício a grupos menos favorecidos Controle de suas despesas (política de gastos) Política FiscalPolítica Fiscal
    66. 66. 05/21/15 82 Dívida PúblicaDívida Pública GovernoGoverno AumentoAumento dede ImpostosImpostos EmissõesEmissões MonetáriasMonetárias EmpréstimosEmpréstimos InternacionaisInternacionais ColocaçãoColocação de Títulosde Títulos no Mercadono Mercado Financia suas NecessidadesFinancia suas Necessidades
    67. 67. 05/21/15 83 Política CambialPolítica Cambial • Baseada na administração das taxas de câmbio,Baseada na administração das taxas de câmbio, promovendo alterações das cotações cambiais e no controlepromovendo alterações das cotações cambiais e no controle das transações internacionais de um país.das transações internacionais de um país. • Taxa de câmbio: estabelece a conversibilidade de umaTaxa de câmbio: estabelece a conversibilidade de uma moeda em outra. É a quantidade de moeda nacionalmoeda em outra. É a quantidade de moeda nacional necessária para adquirir outra moeda.necessária para adquirir outra moeda. • Taxas fixas: têm seu valor atrelado a um ativo padrão (ouro,Taxas fixas: têm seu valor atrelado a um ativo padrão (ouro, dólar ou similar). Para manter as taxas fixas, se altera adólar ou similar). Para manter as taxas fixas, se altera a quantidade de moeda negociada no mercado.quantidade de moeda negociada no mercado. • Taxas flutuantes: as taxas acompanham as oscilações daTaxas flutuantes: as taxas acompanham as oscilações da economia. Ajustam-se mediante alterações em seus valores.economia. Ajustam-se mediante alterações em seus valores.
    68. 68. Regimes CambiaisRegimes Cambiais • Câmbio Fixo E Q E Q S D • Câmbio Flexível / Flutuante » Flutuação Limpa » Flutuação suja • Faixas ou Bandas Fixas de Flutuação E Q
    69. 69. 05/21/15 85 Mercado livre de CâmbioMercado livre de Câmbio Oferta deOferta de DivisasDivisas QuantidadeQuantidade de Moedade Moeda DemandaDemanda de Divisasde Divisas Taxa deTaxa de CâmbioCâmbio EE E1E1 E2E2 E = equilíbrioE = equilíbrio E1 = oferta > demandaE1 = oferta > demanda E2 = oferta < demandaE2 = oferta < demanda
    70. 70. 05/21/15 86 Variação CambialVariação Cambial A DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL ESTIMULA AS EXPORTAÇÕESA DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL ESTIMULA AS EXPORTAÇÕES E ENCARECE AS IMPORTAÇÕES, DESESTIMULANDO ESTAE ENCARECE AS IMPORTAÇÕES, DESESTIMULANDO ESTA FORMA DE COMÉRCIO.FORMA DE COMÉRCIO. COM A DESVALORIZAÇÃO, OS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROSCOM A DESVALORIZAÇÃO, OS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO PAÍS GANHAM INCENTIVOS, DADO QUE COM O MESMONO PAÍS GANHAM INCENTIVOS, DADO QUE COM O MESMO VOLUME DE MOEDA ESTRANGEIRA É POSSÍVEL ADQUIRIRVOLUME DE MOEDA ESTRANGEIRA É POSSÍVEL ADQUIRIR MAIOR NÚMERO DE RECURSOS NACIONAIS.MAIOR NÚMERO DE RECURSOS NACIONAIS. COM A DESVALORIZAÇÃO, OS EMPRÉSTIMOS DO EXTERIORCOM A DESVALORIZAÇÃO, OS EMPRÉSTIMOS DO EXTERIOR SE ENCARECEM, DIFICULTANDO O PAGAMENTO DA DÍVIDA.SE ENCARECEM, DIFICULTANDO O PAGAMENTO DA DÍVIDA.
    71. 71. 05/21/15 87 Controle CambialControle Cambial DEFINE UNILATERALMENTE QUEM PODE OU NÃO TROCARDEFINE UNILATERALMENTE QUEM PODE OU NÃO TROCAR A MOEDA LOCAL POR MOEDA ESTRANGEIRA.A MOEDA LOCAL POR MOEDA ESTRANGEIRA. EM GERAL, SE ADOTA O CONTROLE DE CÂMBIOS EMEM GERAL, SE ADOTA O CONTROLE DE CÂMBIOS EM MOMENTOS DE CRISES ECONÔMICAS, PARA EVITAR AMOMENTOS DE CRISES ECONÔMICAS, PARA EVITAR A FUGA DE DIVISAS.FUGA DE DIVISAS. EMBORA JUSTIFICADO NO CURTO PRAZO, O CONTROLE DEEMBORA JUSTIFICADO NO CURTO PRAZO, O CONTROLE DE CAMBIOS PROMOVE DESCONFIANÇA DA COMUNIDADECAMBIOS PROMOVE DESCONFIANÇA DA COMUNIDADE INTERNACIONAL E INTERNAMENTE FACILITA A CORRUPÇÃO.INTERNACIONAL E INTERNAMENTE FACILITA A CORRUPÇÃO.
    72. 72. 05/21/15 88 Balanço de PagamentosBalanço de Pagamentos • A. Balança ComercialA. Balança Comercial – ExportaçõesExportações – ImportaçõesImportações • B. Balança de ServiçosB. Balança de Serviços – Viagens internacionais, fretes, seguros, lucros, juros eViagens internacionais, fretes, seguros, lucros, juros e dividendos, serviços governamentais e diversosdividendos, serviços governamentais e diversos • C. Transferencias UnilateraisC. Transferencias Unilaterais • D. Saldo em Conta Corrente (A+B+C)D. Saldo em Conta Corrente (A+B+C) • E. Movimento de CapitaisE. Movimento de Capitais – Investimentos, re-investimentos, empréstimos,Investimentos, re-investimentos, empréstimos, financiamentos, amortizações, outrosfinanciamentos, amortizações, outros • F. Erros e OmissõesF. Erros e Omissões • G. Saldo do Balanço de Pagamentos (D+E+F)G. Saldo do Balanço de Pagamentos (D+E+F)
    73. 73. MERCADO DE DIVISAS X = Exportações; M = Importações Balança Comercial = X-M 0 5 10 15 20 R$/U$ 4,0 2,5 2,1 Quantidade de divisas. X M Superávit Déficit
    74. 74. Situação inicial: Mercado de divisas equilibrado com taxa de câmbio fixa, nível de reservas compatível com o cenário e Juros domésticos estáveis. Suponha um segundo momento: Ataque especulativo a moeda doméstica. Qual a sua avaliação dessa mudança de cenário e o que você sugere? Caso
    75. 75. • A taxa de juros é uma das principais variáveis econômicas. Ela afeta as decisões de consumo dos indivíduos, as decisões de investimento, a magnitude do déficit público, o fluxo de recursos externos para a economia e o valor da taxa de cambio e com isso afetando a competitividade dos produtos do país. “O Movimento de Capitais para um país depende essencialmente do diferencial entre as taxas de juros interna e internacional”. “Juros reais muito mais altos do que em outros países tornarão a valorização do real superior à das outras moedas ”.
    76. 76.  Suponha que você seja um investidor em portfolio e que a relação entre juros doméstico e externo (juros próximo de zero) aumenta, o que você acha que vai acontecer no mercado de divisas (Fluxo de capitais, taxa de câmbio, câmbio, exportação, importação)? Caso
    77. 77. • O Emerging Markets Bond Index - Brasil é um índice que reflete o comportamento dos títulos da dívida externa brasileira. Corresponde à média ponderada dos prêmios pagos por esses títulos em relação a papéis de prazo equivalente do Tesouro dos Estados Unidos, tido como o país mais solvente do mundo, de risco praticamente nulo. • O indicador mensura o excedente que se paga em relação à rentabilidade garantida pelos bônus do governo norte- americano. Significa dizer que a cada 100 pontos expressos pelo risco-Brasil, os títulos do país pagam uma sobretaxa de 1% sobre os papéis dos EUA. Medida de Risco - EMBI+ Brasil
    78. 78. INDICADORES DA SITUAÇÃO EXTERNA • Índice ou coeficiente de vulnerabilidade: Relação dívida externa líquida/exportações, mostra quantos anos de exportação são necessários para pagar a dívida externa • Juros / exportações: Parcela das exportações comprometida com o pagamento de juros da dívida externa • Grau de Abertura = Exportações + Importações PIB • Reservas/importações: Quanto de importações está garantido pelas reservas do país caso não entre nenhuma divisa no país
    79. 79. EMBI+ Brasil • Basicamente, o mercado usa o EMBI+ para medir a capacidade de um país honrar os seus compromissos financeiros. A interpretação dos investidores é de que quanto maior a pontuação do indicador de risco, mais perigoso fica aplicar no país. Assim, para atrair capital estrangeiro, o governo tido como " arriscado " deve oferecer altas taxas de juros para convencer os investidores externos a financiar sua dívida - ao que se chama prêmio pelo risco.
    80. 80. Risco Brasil • Retorno do bônus do Brasil (C-bond) é igual: Retorno do bônus Americano de 10 anos + Risco Brasil. • 4,50%aa + 2,82%aa = 7,32%aa Risco Brasil TÍtulo dos EUA Retorno
    81. 81. • A taxa nominal de juros dos títulos é composta da taxa “livre de risco”, que é a dos Fed Funds, mais um prêmio de risco atribuído ao país. Com a recessão a taxa de juros americana caiu para o seu nível mais baixo. Assim, a taxa cobrada aos títulos do Brasil deveria cair de forma mais consistente. Comente. Caso 12
    82. 82. Questões • Defina PIB e quais são as maneiras de mensura-lo? • Diferencie PIB a preços de mercado e PIB a custos de fatores. • Quais são os componentes da Demanda Agregada? • O consumo é função de que? • O investimento é função do que? • As exportações são afetadas principalmente por quais variáveis? • E as importações? • Mostre graficamente o equilibrio no mercado de bens e serviços externo.
    83. 83. • Qual a diferenca entre cambio fixo e cambio flutuante? • Quais as metas de politica macroeconomicas? • Quais os instrumentos de politica macroeconomica? • Do que e composto a politica fiscal? • A politica monetaria? • A politica cambial? • Uma taxa de cambio elevada afeta de que maneira a inflacao? • Um aumento do risco sistemico pode causar que efeitos nas nossas va.riaveis macroeconomicas
    84. 84.  Suponha que você seja um investidor em portfolio e que a relação entre juros doméstico e externo (juros próximo de zero) aumenta, o que você acha que vai acontecer no mercado de divisas (Fluxo de capitais, taxa de câmbio, câmbio, exportação, importação)? Caso 11

    ×