(03) apresentação aula 3 o mundo da bíblia

1.428 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.428
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

(03) apresentação aula 3 o mundo da bíblia

  1. 1. O Mundo da Bíblia
  2. 2. Civilizações do Antigo Oriente Próximo
  3. 3. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Suméria Berço da civilização. Localizada perto do ponto onde os rios Tigre e Eufrates desaguavam no Golfo Pérsico, no Iraque de hoje. Foi a primeira cultura a ter seus textos escritos descobertos. A contribuição mais importante foi a invenção da escrita, denominada de cuneiforme. Devemos também notar que Ur, a terra natal de Abraão de acordo com Gênesis 11.28, ficava na Suméria. Lista dos reis sumérios (2° milênio a.C.) Apresenta o registro cronológico anterior e posterior ao dilúvio.
  4. 4. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Babilônia Antiga Império que se desenvolveu diretamente do povo sumério. Adotaram a escrita cuneiforme e a modificaram para atender as necessidades da sua própria língua. Os importantes códigos de leis de dias anteriores evoluíram até chegar ao imponente Código de Hamurábi, o rei mais importante desse período. Essa coleção de leis apresenta algumas semelhanças com a lei bíblica. Produziram epopéias religiosas que tratavam da criação do mundo, Enuma Elish e do relato do dilúvio (a Epopéia de Gilgamés) e se tornaram proeminentes nos tempos da Babilônia antiga. Placa XI da Epopéia de Gilgamés, encontrada em Nínive, contendo a versão babilônica do grande dilúvio.
  5. 5. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Egito Antigo Localizado no extremo norte da África, o Egito passou a existir em conseqüência do grande Nilo, um rio com uma extensão de 5.600 Km, cultuado como divindade doadora de vida. O período mais importante na história do Egito foi o Reino Antigo (2700-2200 a.C.), conhecido também como a Era das Pirâmides. A sociedade egípcia é conhecida por suas contribuições gerais em várias áreas. Tinham profundo interesse em defender as qualidades de caráter dos indivíduos, principalmente os falecidos, nos textos funerários. Os egípcios admiravam a literatura de sabedoria, entre a qual a mais importante era a Sabedoria de Amenemope, semelhante ao texto de Provérbios 22—24.
  6. 6. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Assíria Culturas semíticas continuaram, embora de forma inexpressiva, da época da Babilônia antiga até o início do Império Assírio. Em 859 a.C., Salmaneser III começou uma política implacável de divisão e conquista que duraria cerca de dois séculos. Os registros da corte de reis como Tiglate- Pileser III (744-727 a.C.) e Salmaneser V (727-722 a.C.), que derrotou e exilou Israel, revelam como se vangloriavam da quantidade de cabeças empilhadas, do número de mulheres grávidas dilaceradas e de crianças “esmagadas contra as rochas”. Não surpreende que a mera menção da Assíria causasse temor em todos os povos da época. Estátua representando Salmaneser V
  7. 7. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Babilônia A Nova Babilônia prevaleceu de 626-539 a.C. Essa civilização semita foi construída sobre a estrutura de poder político deixada pelos assírios e se estendeu além dela com menor grau de violência. Os babilônios eram muito mais intelectuais que os assírios. Eles tinham profundo interesse pelo estudo de corpos celestes. Pesquisavam as ciências e a matemática, tendo desenvolvido um sistema numérico baseado no número seis, diferente de nosso sistema decimal, baseado no número dez. O rei babilônio Nabucodonosor é famoso por ter esmagado Jerusalém e imposto um exílio severo a todos os líderes de Judá. Ruínas da cidade da Babilônia
  8. 8. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Pérsia Os persas reinaram de 539 a.C., quando Ciro, o Grande, venceu os babilônios, até 330 a.C., quando os gregos os derrotaram. Esse povo não era semita e é mais lembrado por supervisionar um império completo com um mínimo de tratamento rude dispensado aos povos servilizados. Um bom exemplo disso é o decreto de Ciro, que permitiu aos exilados judeus voltar a Israel após o fim do cativeiro babilônico. Esse povo é também conhecido pelo desenvolvimento da astrologia. Pasárgadas – Estela de Ciro, O Grande
  9. 9. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Grécia Localizada numa península rochosa, desértica, no mar Egeu. Uma das contribuições dos gregos foi governamental: a cidade-estado. Duas das mais importantes cidades-estados da Grécia foram Atenas, notável por sua vida intelectual, e Esparta, conhecida por seu militarismo rigoroso. A perspectiva grega de vida foi a primeira a ser considerada lógica e empírica no sentido moderno. A literatura possuía padrões literários que são utilizados ainda hoje. Filipe da Macedônia (359-336 a.C.) e seu filho Alexandre Magno (336-323 a.C.) conquistaram e helenizaram o mundo conhecido. Partenon, dedicado à deusa Atena, desde o século V a.C.
  10. 10. Civilizações do Antigo Oriente Próximo Roma O Império Romano abrangeu o período do século VIII a.C. ao século v d.C., representando o que talvez seja a cultura mais influente da história. Sua história começou em torno de 500 a.C., quando os etruscos foram expulsos. Estabeleceu-se um sistema republicano, cujo governo cabia ao senado romano. Com o fim do século II, encerrou-se a república romana, que foi substituída por um sistema de governo ditatorial, baseado na liderança de vários césares. Durante esse período, Cristo nasceu. Alguns dos césares, tais como Nero (54-68 d.C.) e Domiciano (81-96 d.C.) foram conhecidos por seus reinos tumultuados e perseguição contra os cristãos. O líder mais importante na última parte do império foi Constantino (306-337 d.C.), convertido ao cristianismo. As ruínas do Coliseu romano
  11. 11. Religiões do Antigo Oriente Próximo Mesopotâmia As crenças religiosas na Mesopotâmia foram caracterizadas pelo politeísmo, a crença em múltiplos deuses e o culto a eles. Às vezes a religião beirava o henoteísmo, o culto de uma única divindade, sem a negação da existência de outras. A religião incluía um vasto número de “demônios”, divindades menores cuja responsabilidade principal parecia ser atormentar a humanidade. As antigas divindades da Mesopotâmia eram associadas quase exclusivamente ao reino físico. Ainda que descritos em termos antropológicos, esses deuses representavam aspectos importantes do mundo em que viviam os mesopotâmios. Zigurate, templo mesopotâmico em forma de torre, localizado na antiga cidade de Ur dos caldeus (atual Iraque).
  12. 12. Religiões do Antigo Oriente Próximo Egito Os egípcios cultuavam o reino físico como a incorporação da divindade. Dois elementos predominavam: o sol e o Nilo. Além disso havia outras divindades solares, Aten e Hórus. A terra e o céu eram divinizados com Geb e Nut. Havia duas outras divindades importantes, Ápis, o touro sagrado, e Hathor, a deusa-vaca, que juntos podem ter sido os precursores da preocupação israelita de confeccionar ídolos em forma de bezerros (Êx 32.4; 1Rs 12.28). Uma das divindades da história egípcia era o próprio faraó, visto como deus encarnado. O motivo da construção de pirâmides era proporcionar ao rei uma habitação para a vida além-túmulo. Máscara funerária usada para cobrir o rosto da múmia do faraó Tutankhamon
  13. 13. Religiões do Antigo Oriente Próximo As Religiões Idólatras palestinas Duas divindades representavam religiões de fertilidade, sendo Baal a divindade masculina e Aserá, a feminina. Baal (senhor) é mencionado em numerosas referências bíblicas, bem como em diversas informações encontradas em Ras Shamra (antiga Ugarite, cerca de 1400 a.C.). O título dado a Baal era “Cavaleiro das Nuvens”, revelando sua posição como deus da tempestade, também conhecido como aquele que enviava chuva à terra, fertilizando-a. Aserá era a consorte de Baal, parcialmente responsável pelo dom da fertilidade, um tipo de deusa-mãe. Todas as religiões do antigo Oriente Próximo manifestam forte oposição ao monoteísmo do Antigo Testamento. Estatueta representando o deus Baal

×