A Analise do Di /                      lade                                                                  F. Gadet e T....
FOR UMA ANALISE AUTOMATICA       DO DISCURSO
FRANfOISE GADET                                                                       TONY HAK                            ...
FICHA CATALOGRAFICA ELABORADA PELA           BIBLIOTECA CENTRAL DA UNICAMP         Por uma analise automatica do discurso:...
PREFACIO                                                Franchise Gadet      Nao se trata, de forma alguma, de apresentar,...
da mesma forma. Na Franga, a Analise de Discurso 6, de ime-           zer"), s6 mais tarde € que, em favor de um vasto mov...
que permanecem sempre muito vivas para quern pensa que osentido deve ser apreendido, ao mesmo tempo, na Ifngua e na       ...
OS FUNDAMENTOS TEORICOS DA ANALISE AUTOMATICA DO DISCURSO"      DE MICHEL PECHEUX (1969)                                  ...
pletamente ausentes do livro de Pecheux sobre a analise auto-        Um instrumento cientfficomatica do discurso. Nao hd, ...
duas proposicdes fundamentals. A primeira concerne as condi-        a ciencia pode encontra-los — nas prdticas cientfficas...
Temos, agora, uma ideia suficientemente clara do que era       isto € em si uma posicao filos6fica (na linha de Bachelard,...
pago ideo!6gico concernido, localizada com precisab. E ele            f6rico e assim por diante, quase tudo que podia ser ...
ricamente. Dava-se o mesmo para as medidas de sangue, de uri-              deradas como desprovidas de fundamento. Nao pod...
2. Do lado das redoes sociais, a ideologia 6 um processo       volvidas em contato com a prdtica polftica, cujo instrument...
ral do discurso que estao apagadas as dissimetrias e as    Estruturalismo e linguagem        dissimilaridades entre os age...
posigao privilegiada, de eleigao — como princfpio explicative                                                             ...
Sujeito, discurso e ideologia                                       na epoca entre a releitura de Marx, por Althusser, e o...
ser 6 que a categoria de Spinoza de "efeito sem causa" (exter-       ciente para fazer de tudo aquilo que 6 humane objeto ...
dem do signo. Seu sujeito € o sujeito deste "jogo de ordem do         guagem (vista a partir da lingufstica, do conceito s...
trate"gia teve, como todas as estrate"gias, seus inconvenientes. Ele                                       NOTAS  deixou a...
^ Ver, por exemplo, Claude LeVi-Strauss: La pensee sauvage, Paris, Plon, 1962, eumacrftica sobre esta posigao em Cahierspo...
Se esses seis temas sao necessdrios, 6 porque parece, com      tern um lado redutor, tirando pouco proveito das Sources ma...
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)

2.916 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.916
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
315
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Por uma análise_automática_do_discurso_-_introdução_à_obra_de_michel_pêcheux_-_f._gadet_e_t._hak_(orgs.)

  1. 1. A Analise do Di / lade F. Gadet e T. Haksessenta num moi -ralismo, tanto no ~ LU •utu- lien- (orgs.)clas Humanas. A Analise de Discurso Francesa se particula-rtza por articular a materialidade HngiJistica, "o historico-social, o politico. Seu campo teori-co e ainda atravessado por uma teoria pclco-nalitica do sujeito. POR UM> Os textos aqui reunidos, organizados crono-logicamente, tracam um historico da Analisede Discurso Francesa, buscando compreender o ANALISlugar que nela ocupou e ocupa a obra de Mi-chel Pecheux, um de seus iniciadores, e cujo 8 AUTtrabalho, entre outroi, tern sido decisive paraseu desenvolvimento. Encontram-se aqui textos fundamentals dePecheux, como Analise Automatlea do Discur-so, de 1969, ao lado de outros textos seus e de t«5 Uma Introducao a ^outros autores, que incluem frabalhos sabredescricao textual, e trabalhos que analisom os J<2 Obra de Michel Pecheuxfundamentos da Analise do Discurso, mostran-do SIMS transformacdes. f 801 P832 3.ed. POR
  2. 2. FOR UMA ANALISE AUTOMATICA DO DISCURSO
  3. 3. FRANfOISE GADET TONY HAK (Orgs.) FOR UMA ANALISE AUTOMATICA DO DISCURSO Uma Introdueao a obra de Michel Ptcheux Tradutores: Bethania S. Mariani, Eni Pulcinelli Orlandi Jonas de A. Romualdo, Lourenco Chacon J. Filho Manoel Gon$alves, Maria Augusta B. de Matos Pericles Cunha, Silvana M. Serrani Suzy Lagazzi EDITORA DA UNIVERS1DADE ESTADUAL DE CAiMPIN AS UNICAMP Reitor: Jose Martins Filho Coordenador Geralda Universidade: Andr^ VillalobosConselha Editorial: Antonio Carlos Bannwart, AricioXavier Linhares, Cesar Francisco Ciacco (Presidente),Eduardo Guimaraes, Fernando Jorge da Paixao Filho,Hugo Horacio Torriani, Jayme Antunes Maciel Junior,Luiz Roberto Monzani, Paulo Sos6 Samenho Moran Direior Executivo: Eduardo Guimaraes
  4. 4. FICHA CATALOGRAFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNICAMP Por uma analise automatica do discurso: uma intro-P82 ducao a ohra de Michel Pecheux / organizadores3.ed. Francaise Gadet; Tony Hak; tradutores Bethania S. Mariani... [et al.) — 3. ed. — Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1997. (Colecao Repertories) Traducao de: Towards an automatic discurse analysis. SUMARIO 1. Discurso - Analise. 2. Lingiiistica. I. G^l^t Francoise. II. Hak, Tony. III. Titulo. 20. CDD - 418 PREFACIO - Frangoise Gadet 7ISBN 85-268-0160-0 - 410 I OS FUNDAMENTOS TEORICOS DA "ANALISE indices para catalogo sistematico: AUTOMATICA DO DISCURSO" DE1. Discurso 418 MICHEL PECHEUX (1969) - Paul Henry 132. Lingiiistica 410 Colecao Repertories II APRESENTACAO DA CONJUNTURA EM Projeto Grafico LINGUiSTICA, EM PSICANALISE E EM Cami/a Cesarino Costa INFORMATICA APLICADA AO ESTUDO Kestenhaum DOS TEXTOS NA FRANgA, EM 1969 - Frangoise Gadet, Jacqueline Le"on, Denise Maldidier Coordenacao Editorial e Michel Plon 39 Carmen Silvia P. Teixeira Producao Editorial in ANALISE AUTOMATICA DO DISCURSO Sandra Vieira Alves (AAD-69) - Michel Pecheux 61 Revisao tecnica Eni Pulcinelli Orlxndi IV A PROPOSITO DA ANALISE AUTOMATICA DO Preparacao DISCURSO: ATUALIZACAO E PERSPECTIVAS Adagoberto Ferreira Batista (1975) - Michel Pecheux e Catherine Fuchs 163 Revisao V APRESENTACAO DA ANALISE AUTOMATICA DO Niuza Maria Gon^alves DISCURSO (1982) - Michel Pecheux, Jacqueline L£on, Aizirn Dias Sterque Simone Bonnafous e Jean-Marie Marandin 253 Composicao Gilmar Nascimento Saraiva VI ANALISE DO DISCURSO: ESTRAT^GIAS DE Montagem DESCRICAO TEXTUAL (1984) - Alain Lecomte, Nelson Norte Pinto Jacqueline Leon e Jean-Marie Marandin 283 1997 VII A ANALISE DE DISCURSO: TRES E>OCAS (1983) Editora da Unicamp - Michel Pecheux 311 Caixa Postal 6074 Universitaria - Barao Geraldo CEP 13083-970 - Campinas - SP - Brasil Fone: (019) 788.2015 Fone/Fax; (019) 788.2170
  5. 5. PREFACIO Franchise Gadet Nao se trata, de forma alguma, de apresentar, nessas pou-cas linhas, um histdrico da Analise de Discurso. Os textos quepodemos ler aqui, organizados segundo sua cronologia, se en-carregam de tragar um histdrico, melhor do que o faria qualquercomentario. For outro lado, ha" trabalhos que comegam a apare-cer, reconstituindo esta histdria ainda recente;1 trabalhos estesque procuram compreender o lugar que, entre outros, af ocupouMichel Pecheux. Contentar-nos-emos em propor alguns elementos de refle-xao, nao perdendo de vista o fato de que o prdprio termo "dis-curso", que acabamos de submeter a andlise, longe de ser umprimitivo a se tomar em uma evidSncia ou em uma tradigao, &um conceito que a reflexao deve visar construir. Para compreender o interesse que suscitou a Analise deDiscurso em muitos pafses, entre os quais os da America Lati-na, nao deve ser indtil lembrar as condicoes nas quais essa dis-ciplina surgiu, enquanto tal, na paisagem disciplinar francesa. Temos sublinhado, frequentemente, as particularidades desua emergencla. Emergencia geogrdfica, de infclo: fenomeno li-mitado a Franga. Ou, para ser mais exata, o que pode levar essenome (por exemplo, existe uma discipline "discourse analysisna Gra-Bretanha e nos Estados Unidos) nao se ap6ia sobre amesma configuragao tedrica, e nao se reveste, de modo algum,
  6. 6. da mesma forma. Na Franga, a Analise de Discurso 6, de ime- zer"), s6 mais tarde € que, em favor de um vasto movimento de diato, concebida como um dispositive que coloca em relagao, reflexao crftica sobre os seus fundamentos, a suspeita vir3 a to- sob uma forma mais complexa do que o suporia uma simples co- na. Ilusao ainda € a concepgao da lingufstica como instrumento variagao, o campo da Ifngua (suscetfvel de ser estudada pela lin- objetivo de abordagem da lingua, sonho de uma hipot6tica neu- gufstica em sua forma plena) e o campo da sociedade apreendida tralidade da grama~tica. pela histdria (nos termos das relagoes de forga e de dominagaoideol<5gica). Emergencia temporal, tambem; a Analise de Discur- Finalmente, como esse feixe de diferengas nao pode se re-so aparece nos anos sessenta, sob uma conjuntura dominada solver em uma semelhanga as outras teorias, nao podemos senao destacar uma ultima caracterfstica da Andlise de Discurso Fran-pelo estruturalismo ainda pouco criticado na linguistica, e triun- cesa, cuja forma acabada 6 a de Michel P€cheux, com o apoiofante por ser "generalizado", isto 6, exportado para as outras sobre uma teoria do discurso. Para ele 6 impossivel a Analise deciencias humanas (por exemplo por LeVi-Strauss ou Barthes), ou Discurso sem sua ancoragem ern uma teoria do sujeito, tema queinspirador de reflexoes mesmo quando nao se declara explicita- tambem deve ser visto como um lugar problemdtico, que devemente (por exemplo por Lacan, Foucault, Althusser ou Derrida); ser constituido.a lingufstica pode ainda ser chamada de ciencia-piloto das cien-cias humanas. O conjunto dessas caracterfsticas mostra bem por que esta Esta relagao privilegiada que a Analise de Discurso entre- disciplina se revelou dificilmente exportaVel: tanto no tempote"m com o estruturalismo pesara", alia"s, de forma muito pronun- (ela nao conservou muito tempo sua forma inicial), quanto geo-ciada, sobre a escolha de uma teoria gramatical. Se, mais geral- graficamente. Quanto ao tempo, certos artigos que aqui figuram,mente, 6 adotado o distribucionalismo harrissiano e nao a gra- e outros que se interrogam sobre a primeira epoca,2 permitemmatica gerativa, 6 certamente porque ele permite que se perma- compreender por que, desde que a conjuntura te<5rica francesa seneca na superffcie discursiva (piano em que nao se tern duvida modrficou, a Analise de Discurso tambem se modificou pouco ade que tudo se passa quanto a forma enunciatlva e, logo, quanto pouco. Quanto a exportac.ao geogrdfica, nos deteremos (muitoao sentido). Mas & tambem porque esta teoria - pelas ligagoes brevemente pois nao sou, certamente, a mais indicada para falarque conserva com o estruturalismo — e" sentida e admitida como disso) no exemplo do Brasil. Uma reflexao que se reclama doum prolongamento natural daquilo que, em materia de aborda- marxismo nesse pafs nao pode seguir a mesma periodizac,ao dagem global dos textos, veio ocupar, nos anos cincoenta, o terre- Franga, se mais nao fosse jd pelos pap6is respectivos que a tra-no daquilo que tomou o relevo da tradicional "explicagao de digao intelectual d^ a histdria, a antropologia, a etnologia: se atexto": a lexicologia estrutural. Com efeito, tal como sera" re-in- hist<5ria 6 central na Franga, 6 a antropologia que aparece comoterpretado na Analise de Discurso, o metodo harrissiano permite dominante no Brasil; seria, entao, em relagao a ela que a Analiseuma analise a partir da palavra (e esta sera" a te"cnica da palavra- de Discurso tern de se situar?pivd), integrando, entretanto, a dimensao de um reconhecimentoda espessura sinta"tica da Ifngua. Tratar-se-ia aqui, nos textos que acabamos de trazer, de Ha" ainda um terceiro fator para particularizar esta Analise uma pagina definitivamente virada, que nao refletiria senao ode Discurso: 6 que ela se apdia sobre o polftico. Ela nasce na perfume do passado, e s<5 deveria ser conhecida como uma 6po-crenca em uma visao de intervengao polftica, porque aparece ca deixada para Iras? Vemos no entanto que se expandem nascomo portadora de uma crftica ideol<5gica apoiada em uma arma reflexoes atuais termos (como interdlscurso, formagao discursi-cientffica, que permitiria um modo de leitura cuja objetividade va...) que fazemos agir nao talvez enquanto dispositive te<5ncoseria insuspeitaVel. Que af haja ilusao, a de encontrar "o que global (seria, alias, isto verdadeiramente desejaVel?) mas pontoo texto disse verdadeiramente" (ou "quis verdadeiramente di- a ponto. E hd questoes que concernem a produgao do sentido
  7. 7. que permanecem sempre muito vivas para quern pensa que osentido deve ser apreendido, ao mesmo tempo, na Ifngua e na NOTASsociedade. Tradugao: Eni Pulcinelli Orlandi De forma recente, e em pane ainda em fase de elaborac.ao, Denise Maldidier cst3 efetuando tal trabalho, ao qual ela contribui especificamente com sua dupla especia- lizacao, ao mesmo tempo participante e historiadora dessa histdria. Ver, em particu- lar, "Elements pour une histoire de 1analyse de discours en France", de junho de 1989, nos Cahiers de linguistique sociale n2 14, IRED, BP 108, 76134 Mont Saint- Aignan, Franca; tamb6m (em curso de elaboracao) Edition critique d°extraits de foeu- vre de Michel Pecheux, com uma express!va introduc.ao de Denise Maldidier, a apare- cer nas Editions des Cendres. * Ver, por exemplo, Marandin, "Analyse de discours et linguistique g6n£rale", Langages n- 55; Guillaumou e Maldidier, "Courte critique pour une longue histoi- re", Dialectiques n? 26; Courtine, "Le discours politique", Langages n- 62, 10 11
  8. 8. OS FUNDAMENTOS TEORICOS DA ANALISE AUTOMATICA DO DISCURSO" DE MICHEL PECHEUX (1969) Paul Henry Em 1966, era publicado nos Cahiers pour ^analyse, a re-vista do Cercle dEpistemologie de 1Ecole Normale Supe"rieureem Paris, um texto que tinha como tftulo "Reflexions sur la si-tuation the"orique des sciences sociales, spe"cialement de la psy-chologie sociale".1 Este texto era assinado por Thomas Herbert,mas, na verdade, era a primeira publicagao de Michel Pecheux.Algum tempo depois, durante o ano de 1968, era publicado sobo mesmo pseudonimo um segundo texto: "Remarques pour unetheorie g6ne"rale des ideologies".2 No intervalo entre a publica-?ao destes textos assinados por Thomas Herbert, surgiram doisartigos sobre a analise do discurso, ambos assinados por MichelP£cheux: o primeiro no Bulletin du Centre d*Etudes et de Re~cherches Psychotechniques (C.E.R.E.P.) em 1967, e o segundona Psychologic frangaise no inicio de 1968.3 A primeira vista,nao hd nenhuma relagao clara e evidente entre os textos assina-dos por Thomas Herbert e os dois dltimos, relatives a analise dodiscurso. Do mesmo modo, se nds percorremos L*Analyse auto-matique du discours (publicado em 1969),4 poderfamos pensarque Michel Pecheux e Thomas Herbert eram duas pessoas real-mente distintas, tendo preocupa§6es e pressupostos bem dife-rentes. De fato, os conceitos e as nogoes-chaves dos textos assi-nados Thomas Herbert, que fazem explicitamente referenda ao"materialismo hist<5rico" e a psicanSlise, estao quase que com- 13
  9. 9. pletamente ausentes do livro de Pecheux sobre a analise auto- Um instrumento cientfficomatica do discurso. Nao hd, no livro, senao uma dnica referen-cia a uma "teoria das ideologias" e a uma "teoria do incons- Como vimos, a primeira publicac.ao de Pecheux diz res-ciente", em uma nota de rodape".5 Nesta nota, Michel Pecheux peito a "situagao tedrica" nas ciencias sociais. Nao tentarei dardiz somente que a teoria do discurso, tal como ele a concebe, conta aqui deste texto de modo complete. Ele e", entretanto, fun-nao pode ocupar o lugar destas teorias, mas pode intervir em seu damental para se compreender aquilo que Pecheux objetivava aocampo. Do mesmo modo, a crftica as ciencias sociais, em parti- desenvolver a analise automdtica do discurso: fornecer as cien-cular, a crftica & psicologia social, desenvolvida no primeiro dos cias sociais um instrumento cientffico de que elas tinham neces-artigos de Herbert, nao aparece claramente no livro. Que este li- sidade, um instrumento que seria a contrapartida de uma abertu-vro tenha sido publicado em uma colegao dirigida por dois psi- ra tedrica em seu campo. Isto quer dizer que para Pecheux:cologos de renome, e que seu conteudo tenha sido apresentado 1. O estado das ciencias sociais era um tanto pre"-cientifi-inicialmente como uma tese de doutorado em psicologia social, co;poderia levar a pensar que Pecheux utilizou-se de um codinomee que, nestas publicagoes acadSmicas, escondeu seu ponto de 2. O estabelecimento de uma ciencia necessita de instru-vista por puro oportunismo: evitar uma apresentagao explfcita e mentos.direta de suas orientac,6es tedricas efetivas que, nao estando na O primeiro ponto decorre da crftica sobre o estado daslinha academica da psicologia francesa, poderiam causar incon- ciencias sociais tal como ele se apresentava no momento em quevenientes a sua carreira. Ao contrario, longe de ser oportunista, Peucheux escrevia sua obra. Mas este primeiro ponto esta ligadoa atitude de Pecheux representava a tradugao de uma estrategia ao segundo. Nds reencontramos nele o interesse de Pecheuxcuidadosamente deliberada. pela epistemologia e pela hist<5ria das ciencias, e, tambem, seu investimento neste campo.7 Pecheux escreve que um duplo erro deve ser evitado: "considerar qualquer utilizac.ao de um instru- Pecheux sempre teve como ambigao abrir uma fissura ted- mento como cientffica, esquecer o papel dos instrumentos narica e cientffica no campo das ciencias sociais, e, em particular, prdtica cientffica".8 De fato, no primeiro texto, Herbert desen-da psicologia social. Ele afirmava, no momento da publicagao volve uma andlise precisa sobre o que 6 um instrumento cientffi-de A andlise automdtica do discurso, que ali se encontrava seu co, e 6 sobre esta base de analise que Pecheux concebeu seuobjetivo profissional principal. Nesta tentativa, ele queria se sistema de analise automatica do discurso.apoiar sobre o que Ihe parecia ja ter estimulado uma reviravoltana problematica dominante das ciencias sociais: o materialismo O que e", entao, para Pecheux um instrumento cientffico?histdrico tal como Louis Althusser o havia renovado a partir de Af o ponto de vista de Pecheux 6, antes de mais nada, aquele dasua releitura de Marx; a psicanalise, tal como a reformulou Jac- hist<5ria da ciSncia e das te"cnicas cientfficas. Ele segue de pertoques Lacan, atrave"s de seu "retorno a Freud",6 bem como certos Bachelard e Canguilhem.9 Mas ele acrescenta a estes tedricosaspectos do grande movimento chamado, nao sem ambiguidades, elementos oriundos de uma analise marxista sobre as conse-de estruturalismo. No fim da de"cada de sessenta, o estruturalis- qiidncias da divisao do trabalho (em particular, da separagaomo estava no seu apogeu. O denominador comum entre Althus- entre o trabalho manual e o trabalho intelectual), e sobre as con-ser e Lacan tem algo a ver com o estruturalismo, mesmo que seqiiencias do cardter contraditdrio da combinagao das forgasambos nao possam ser considerados estruturalistas. O que inte- produtivas e das relagoes sociais de produgao em uma sociedaderessava a Pecheux no estruturalismo eram aspectos que supu- dividida em classes.nham uma atitude nao-reducionista no que se refere & lingua- No imcio do segundo texto de Herbert encontramos um re-gem. Nos veremos o porque, em seguida. sumo dos resultados do primeiro. Neste resume sao enunciadas 14 15
  10. 10. duas proposicdes fundamentals. A primeira concerne as condi- a ciencia pode encontra-los — nas prdticas cientfficas ja" estabele-gdes nas quais uma ciencia estabelece seu objeto. A segunda, cidas, bem como nas "prdticas te"cnicas", isto 6, pn5ticas ligadaspor sua vez, refere-se ao processo de "reproducao metddica" ao processo de producao. Pecheux apresema inrimeros exemplosdeste objeto, isto 6, o processo atrave"s do qual uma ciencia ex- de ferramentas ou instrumentos que foram utilizados nas "prdti-plora, do interior, seu pr6prio discurso, testando sua consisten- cas te"cnicas" bem antes de serem transferidos para as "praticascia e necessidade. cientfficas", notadamente os alambiques, as balancas e as lune- 1. Toda ciencia, escreve Herbert-Pecheux, 6 produzida tas. Por exemplo, as balancas estiveram em uso nas transacdes por uma mutac.ao conceitual num campo ideoldgico em comerciais bem antes de se tornarem instrumentos cientfficos. rela^ao ao qual esta ciencia produz uma ruptura atrave"s Com Galileu, a teoria das balancas tornou-se parte integrante da de um movimento que tanto Ihe permite o conhecimento teoria ffsica. Os princCpios que explicam por que as balangas dos tramites anteriores quanto Ihe d£ garantia de sua dao resultados invariantes (e em que limites) faziam parte da prdpria cientificidade. Ele acrescenta que, num certo teoria de Galileu. Desta maneira tstava criada uma homogenei- sentido, toda ciencia 6, antes de tudo, a ciencia da dade entre o objeto da ffsica e seus me"todos, o que realmente ideologia com a qual rompe. Logo, o objeto de uma estabeleceu a ffsica enquanto ciencia fundamental. Se, utilizan- ciencia nao 6 um objeto empfrico, mas uma construcao. do-se as balancas, algum resultado incongruente tivesse sido Ale"m do mais, tal objeto nao pode se destacar, atrav6s obtido, este teria ganho uma significagao tedrica imediata, obri- do jogo de um questionamento aleatdrio, da natureza gando a revisao ou a transformacao de aspectos determinados da que progressivamente o delimitaria tornando visfveis teoria. Contrariamente, todo desenvolvimento das teorias da ff- suas caracteristicas. sica podia, gragas a esta homogeneidade, traduzir-se em seus me"todos e em seus instrumentos (inclusive os matemaiicos). Este 2. Em cada ciencia, dois momentos devem ser distingui- processo corresponde bem precisamente aquilo que Pecheux dos. Primeiramente, o momento da transformacao pro- chama de "reproducao metddica" do objeto de uma ciencia, ou dutora do seu objeto, que 6 dominado por um trabalho seja, o processo pelo qual uma cie"ncia cria seu prdprio Spiel- de elaboragao tedrico-conceitual que subverte o discur- raum ou espago de jogo, faz variar suas questoes, e, atravds de so ideoldgico com que esta ciencia rompe. Em segundo, tais variacoes, ajusta seu discurso tedrico a si mesma, nele de- o momento da "reproducao metddica" deste objeto, o qual 6 de natureza conceitual e experimental. sen volvendo sua consistencia e necessidade. Evidentemente, as ciSncias firmemente estabelecidas desenvolvem instrumentos no Em cada uma destas fases ou momentos da ciencia, os ins- interior de si prdprias, de modo que a "inveneao" de tais ins-trumentos e as ferramentas representam um papel diferente. Este trumentos produz-se no seu interior sob a forma de "teoria reali-ponto foi desenvolvido sobretudo no primeiro dos dois textos de zada". Entretanto, diz Pecheux, cada vez que um instrumento ouHerbert. O primeiro momento pode ser descrito como essencial- experimento e" transferido de um ramo de ciencia para outro, oumente tedrico e conceitual, o que nao quer dizer que as ferra- a fortiori de uma ciencia para outra, este instrumento ou estementas ou os instrumentos ("materials" e/ou "abstratos") af nao experimento 6 de algum modo reinventado, tornando-se um ins-exergam nenhum papel. Mas 6 no segundo momento, aquele da trumento ou experimento desta ciencia em particular, ou deste"reproducao metddica" do objeto, que os instrumentos parecem ramo particular de ciencia. E PScheux conclui sobre este pontoter uma funcao mais determinante. No entanto, esta funcao nao dizendo que as ciencias colocam suas questoes, atraves da inter-pode ser exercida senao na medida em que a transformacao pro- preta^ao de instrumentos, de tal maneira que o ajustamento dedutora do objeto ja" tenha ocorrido. E este momento fundador de um discurso cientffico a si mesmo consiste, em ultima instSncia,uma ciencia 6 tambe"m aquele da reinvencao dos instrumentos e na apropriacao dos instrumentos pela teoria. £ isto que faz dadas ferramentas que sao necessaries e que sao procurados onde atividade cientffica uma prdtica. 16 17
  11. 11. Temos, agora, uma ideia suficientemente clara do que era isto € em si uma posicao filos6fica (na linha de Bachelard, Can- para Pecheux um instrumento cientffico e do que ele queria que guilhem e Althusser), o que significa que, se Pecheux tinha uma fosse seu sistema de analise automatica do discurso. Isto quer posicao crftica em relacao a maneira tradicional de abordar as dizer, entre outras coisas, que esse instrumento nao podia ser, ciencias pela filosofia ("Deixemos Kant para seu Tribunal", es- do seu ponto de vista, concebido independentemente de uma creve), ele nao estava de modo algum pronto a considerar que as teoria que o inclufsse ou que pudesse conduzir a teoria deste praticas cientfficas pudessem ser exercidas fora de uma prdticamesmo instrumento. Isto quer dizer, tambe"m, que o que pudesse filosdfica. Ao contraYio, segundo ele, um outro tipo de pra"tica ser tornado de emprestimo para construir este instrumento preci- filosdfica era completamente indispensaVel no mfnimo porque, sava ser reinventado, devia poder ser "apropriado" pela teoria entre outras coisas, a pr£tica tradicional da filosofia desempe-que ele tivesse em vista. E, em particular, o caso para aquilo que nhou um papel crucial na elaborate do que ele considera comoele devia emprestar a lingiifstica. Este instrumento nao podia ser ideologias ou pseudociencias, entre as quais, as ciencias so-somente de analise lingiifstica "aplicada". E por esta razao que ciais. Por outro lado, Pecheux estava convencido, como vimos,Pecheux, no imcio de sua obra, criticou as aplicacoes de analise de que as praticas cientfficas necessitam de instrumentos ("ma-lingiifstica a "analise de textos". A mesma critica € vdlida para terials" ou "abstratos") mesmo que o uso de instrumentos naotodos os outros emprestimos feitos a Idgica, a informatica... Isto garanta que uma praiica que se de por cientffica o seja efetiva-quer dizer ainda que esse instrumento nao podia ser somente um mente. Definir um novo instrumento cientffico 6 para ele o me-instrumento a mais, acrescido a todo o conjunto existente dos Ihor meio de evitar a rotina da crftica filosdfica tradicional.instrumentos utilizados pelas ciencias sociais, completando este Al6m do mais, esta" af, pensa ele, a linica forma de ter uma chan-conjunto para efetuar as tarefas que os outros instrumentos nao ce de ser compreendida pelos especialistas das ciencias sociaispreenchiam. Pecheux visava a uma transformasao da pra"tica nas que sempre recusaram - nem sempre por fracos motives - asciencias sociais, uma transformacao que poderia fazer desta pra"- crfticas filosdficas tradicionais. Pecheux debate tanto com ostica uma prdtica verdadeiramente cientffica. fildsofos quanto com os especialistas das ciencias sociais. No Pecheux 6 um fildsofo de foraia^ao, mas um fildsofo fasci- entanto, estes dois tipos de interlocutores sao, para ele, tendonado pelas maquinas, pelas ferramentas, pelos instrumentos e em vista o estado de sua pesquisa (em particular por causa dapelas te"cnicas, por razoes profundamente enraizadas em sua divisao acadSmica do trabalho intelectual), completamente dife-histdria pessoal e antecedentes familiares. E ele nao 6 um fildso- rentes. Nao se pode debater com uns e outros da mesma manei-fo qualquer, mas sim um fildsofo convencido de que a pratica ra.tradicional da filosofia, em particular no que tange as ciencias, Deste modo, podemos compreender por que, quando se di-est5 desprovida de sentido ou 6, no mfnimo, um fracasso. Por rige aos especialistas de ciencias humanas, Pecheux enfatizaprdtica classica da filosofia em relacao as ciencias, deve-se o instrumento. Ele percebe que, se privilegiasse naquele mo-compreender essa pratica que pretende legislar em materia de mento os aspectos tedricos e filosdficos de sua tentativa, seu de-ciencia, de cientificidade, de legitimidade epistemoldgica e coi- bate com estes especialistas se centralizaria neste terreno, e osas semelhantes. Ele esta" convencido de que uma crftica unica- instrumento apareceria como uma simples ilustragao de seumente filosdfica das ciSncias sociais nao pode ir muito longe, ponto de vista. Isto entraria em total contradisao com sua con-mesmo estando convicto de que as ciencias sociais nao sao cien- cepgao de instrumento cientffico, ja" que este nao deve ser consi-cias e nao sao nada mais que ideologias. Para ele, a tinica crftica derado independente da teoria ou como uma "aplicagao" desta.valida a tais ideologias € a ciencia, ou as ciencias, do terreno ou Ao contrario, quando se dirige aos fildsofos, como € o caso dosdo domfnio que elas ocupam. E isto precisamente o que ele quer Cahiers pour Ianalyse, ele apenas menciona a necessidade, pa-dizer quando escreve que uma ciencia e", antes de tudo, a ciSncia ra provocar uma muta^ao conceitual em um campo ideoldgico,da ideologia (ou das ideologias) com as quais ela rompe. Mas de construir um dispositive instrumental em uma regiao, do es- 18 19
  12. 12. pago ideo!6gico concernido, localizada com precisab. E ele f6rico e assim por diante, quase tudo que podia ser pesado. Es-acrescenta que nao se pode travar um dialogo especulativo com sas pessoas fizeram comparagoes sistematicas e, eventualmente,qualquer interlocutor, nem produzir experimentos em quaisquer formularam teorias com base nestas observacoes empfricas. Mascondigoes e com qualquer um. Pecheux 6 consciente da divisao neste uso das balangas nao havia nenhuma "re-invengao" doe da especial izagao do trabalho intelectual (ao mesmo tempo em instrumento, nenhuma "apropriagao" do instrumento pela teoria.que a deplora); ele sabe que um filosofo nao € um psicologo ex- As balangas eram tidas como instrumentos que davam medidasperimentalista e que, inversamente, um psicologo experimenta- "objetivas" sobre reahdade; dados que permitiam o direito delista tambem nao € um fihSsofo. Daf sua estrat6gia. especular e de tirar conclusoes. De fato, a chamada "objetivida- A crftica feita por Pecheux sobre a utilizacao de instru- de" nao era nada senao a transposicao da adequagao do instru-mentos nas ciencias sociais 6 um ponto crucial. Se ele concebeu mento as "pr&icas tecnicas" no interior das quais o prdprio ins-sua analise autom£tica do discurso como um instrumento, este trumento havia sido desenvolvido e utilizado (as transagoes co-nao era de nenhum modo andlogo aos que ele via utilizados nas merciais).ciencias sociais- Mas ele nao se limitava a recusar esta utilizacao Em certo sentido, as balangas representam um subproduto,(empfrica) dos instrumentos; ele procurou depreender aquilo que entre outras coisas, das praticas comerciais e, ao mesmo tempo,tornou possivel esta utilizacao, e que fez com que ela se tornas- abriram a possibilidade de certas fonnas destas praticas. "Asse dominante no campo preencbido pelas ci^ncias sociais. Neste praticas tecnicas sao determinadas, escreve Pecheux, no sentidoponto, sua crftica ao modo de se servir dos instrumentos nas de receber da exterioridade uma demanda, e sao determinantesciencias sociais confunde-se com sua crftica as ci£ncias sociais na medida em que 6 o conjunto das possibilidades que elasem si mesmas, uma crftica que diz respeito a ligagao dessas abrem que tornam possfvel a existencia da demanda". S6 se exi-ciencias com o polftico. ge das balangas, no que diz respeito as transagoes comerciais, o fornecimento de resultados invariantes no caso de medidas re- petidas e certas propriedades, como por exemplo: se duas quan- tidades de um material qualquer sao pesadas separadamente eAs ciencias sociais e seus instrumentos depois conjuntamente, a soma dos dois primeiros pesos deve ser igual ao terceiro, e assim por diante, de modo reiterado. Deste modo, o prego, por exemplo, de duas vezes um certo peso de Com seu primeiro texto, Pecheux critica a concepcao da qualquer coisa poderia ser legitimamente declarado duas vezes opratica cientffica, que coloca esta na continuidade das "praticas prego deste mesmo peso desta coisa. Nestas condigoes, sendotecnicas". Essa percepgao tradicional da pratica cientffica,con- colocado um certo peso de ouro correspondente a uma unidadecordando com a epistemologia empirista, nao chega a fazer a di- de peso de um material qualquer, poderia ser estabelecida umavisao entre as praticas cientfficas e as outras praiicas, colocando correspondencia entre um peso qualquer deste material e um pe-em jogo a especulagao, a teorizagao e uma utilizacao de instru- so correspondente de ouro. Um sistema de medida dos pregosmentos. Por exemplo, nao consegue separar o que diferencia a das quantidades de materiais-objetos de transagoes comerciaisalquimia da qufmica (um ponto que Pecheux desenvolve a tftulo havia sido instaurado em referenda aos pesos. Em suma, todade ilustragao). Se retornamos as balangas (mas se aplicavam ob- uma tecnologia das balangas foi desenvolvida. Esta tecnologia,servagoes similares aos alambiques ou as lunetas, por exemplo) na epoca, buscou mesmo certos conhecimentos cientificos, massem considerar sua utilizagao tecnica (em particular, nas transa- nada que se comparasse a unm teoria das balangas, nem da ati-goes comerciais), sabemos que as pessoas pesaram, utilizando- vidade associativa das medidas de peso. Tais propriedades dasas, todos os tipos de coisas, tal como sangue, urina, la, ar atmos- balangas e dos pesos eram fatos estabelecidos, verificados empi- 20 21
  13. 13. ricamente. Dava-se o mesmo para as medidas de sangue, de uri- deradas como desprovidas de fundamento. Nao pode- na... que foram feitas. mos dizer que elas nao representam nenhum saber. Tais Pode-se dizer que, se estas medidas foram consideradas extensdes da utilizagao das ferramentas e dos instru- confiaVeis o bastante para que houvesse liberdade de especula- mentos foram racionalizadas pela epistemologia e pela gao sobre seus resultados, foi sobre as mesmas bases. E a teoria filosofia do conhecimento empirico. de Galileu que tornou ao mesmo tempo possfvel e necessaria a 2. X primeira vista, tal uso dos instrumentos aparece des- constituicao de uma verdadeira teoria dos pesos e das balances, ligado da demanda social comum, pr(5xima a esfera da exatamente como Galileu poderia constituir uma teoria da ob- produgao (do tipo daquela implicada nas transagoes servagao astronomica e de seus instrumentos (como ele fez, efe- comerciais, por exemplo). Mas, de um outro ponto de tivamente, em uma pequena obra inacabada, datando de 1637). vista, ele aparece ligado a uma outra forma de demanda Mas seguindo a ide"ia do ato de pesar sangue, urina... por que e de ordem social. Mesmo que este exemplo parec.a um nao se poderia pesar, por exemplo, cerebros, declarando que o pouco esquematico e simplista, isto 6 particularmente peso do ceYebro mede a inteligencia? Foi efetivamente o que se claro no caso do peso de c6rebro utilizado para legiti- produziu e fomos conduzidos a faze-lo na base de teorias que mar posic.oes evidentemente racistas. Sem duvida, €, fazem do ce"rebro o drgao do pensamento e da inteligencia. Al- possfvel estimar semelhantes utilizagoes de instrumen- guns antropdlogos se puseram a determinar o peso me"dio do ce"- tos em antropologia indo exatamente no sentido inver- rebro das diversas ragas humanas, relacionando este tanto ao su- se. O ponto importante € que esta utilizagao de instru-posto nfvel de aptidao intelectual destas ragas, quanto a sua mentos & diretamente utilizada para autorizar ou, aodistancia relativa com as espe"cies animais... Claro esta" que fo- contrano, contestar posi^oes ideoldgicas; 6 recrutadaram feitas experiencias bastante elaboradas, e bem menos, evi- para intervir no combate ideoldgico. Isto quer dizer: (a)dentemente, recusaVeis. Mas Binet estava longe disto quando que nao se pode descartar tal utilizac.ao de instrumentosdisse que 6 a inteligencia o que seus testes medem? Temos ai sd em vista do fato de que ele ir£ sempre no sentido dasexatamente aquilo que Canguilhem chamou de ideologias mesmas orientac.6es polfticas ou ideoldgicas; e (b) que a(pre"-)cientificas, caracterizando-as (no dommio das ciencias da demanda ou a ordem social que parece ter safdo pelavida, de que ele se ocupou particularmente) como discursos que porta entre pela janela.fundam sua credibilidade sobre o cdlculo de um maximo de Os dois textos de Herbert sugerem que este processo (suasanalogias com dados estabelecidos em outros campos, na aus£n- condigoes de possibilidade) tern alguma coisa a ver com a divi-cia de qualquer possibilidade atual de verificacao experimental sao entre trabalhadores e nao-trabalhadores em uma sociedadeem seu proprio campo.10 dividida em classes. Neste sentido, estes dois textos delineiam Duas observances devem ser feitas a propdsito desta ilus- uma andlise sobre as rafzes histdricas da epistemologia e da filo-tragao de uma utilizagao ideoldgica particular (mas nao obstante sofia do conhecimento empiricista.bastante frequente) de ferramentas e de instrumentos: 1. Tais utilizagoes de instrumentos sao claramente exten- No segundo texto de Herbert, PScheux analisa a ideologia soes de outras utilizagoes dos mesmos. Se tais praticas enquanto um processo com "dupla-face":11 sao concebidas como cientfficas, a pratica cientffica 1. Do lado do processo de produc,ao, a ideologia 6, escre- esta" colocada na continuidade de prdticas te"cnicas. E ve Pecheux, um processo gragas ao qua! conceitos t6c- claro que nem tudo € false nestas pr&icas: as medidas nicos operatdrios, tendo sua fungao primitiva no pro- nao sao falsas, sao, como se diz, "objetivas", e, por- cesso de trabalho, sao destacados de sua seqiiencia ope- tanto, as comparagdes efetuadas nao podem ser consi- ratdria e recombinados em um processo original. 22 23
  14. 14. 2. Do lado das redoes sociais, a ideologia 6 um processo volvidas em contato com a prdtica polftica, cujo instrumento € o que produz e mantem as diferencas necessaVias ao fun- discurso. Esta idem 6 retomada no segundo texto assinado por cionamento das relagoes sociais de producao em uma Herbert. Se o homem, escreve Pecheux, 6 considerado como um sociedade dividida em classes, e, acima de tudo, a divi- animal que se comunica com seus semelhantes, nao entendere- sao fundamental entre trabalhadores e nao-trabalhado- mos jamais por que 6 precisamente sob a forma geral do discur- res. Neste caso, a ideologia tem como func.ao fazer com so que estao amarradas as dissimetrias e as dissimilaridades en- que os agentes da producao reconhecam seu lugar nes- tre os agentes do sistema de producao. Nesta base, podemos tas relagoes sociais de producao. compreender por que Pecheux, tendo em vista provocar uma Do ponto de vista de Pecheux, os especialistas das ci£ncias ruptura no campo ideoldgico das "ciencias sociais", escolheu o sociais procederam exatamente como nossos medidores de ce"re- discurso e a analise do discurso como o lugar preciso onde €bro, mas eles tem a ver com uma demanda ou encomenda social possfvel intervir teoricamente (a teoria do discurso), e pratica-bem especifica, aquela que diz respeito a transformagao-repro- mente construir um dispositive experimental (a analise automa~ti-dugao das relagdes sociais de producao, isto 6, a pra"tica polftica. ca do discurso). As "ciencias sociais" desenvolveram-se principalmente, escreve Ha" duas razoes para isto:Pecheux, nas sociedades em que, de modo dominante, a pnStica 1. A relagao oculta entre a pratica polftica e as "cienciaspolftica teve como objetivo transformar as relagoes sociais no sociais" (a primeira vista, a psicologia social e a so-seio da pratica social de tal modo que a estrutura global desta ciologia, mas tambem a psicologia, mesmo que ela naoultima ficasse conservada. As "ciencias sociais", segundo P&~ seja considerada como uma "ciencia social" e sim,cheux, estao no prolongamento direto das ideologias que se de- eventualmente, como uma ciencia humana" ou, at6senvolveram em contato estreito com a praiica polftica. Elas mesmo, como uma "ciencia da vida").consistem, em seu estado atual, ele acrescenta, na aplicagao de 2. A ligagao entre a prdtica polftica e o discurso. Pecheuxuma tecnica a uma ideologia das relacoes sociais tendo em vista recusa completamente a concepgao da linguagem que aa adaptagao ou a "re-adaptagao" das relagoes sociais a pra"tica reduz a um instrumento de comunicacao de significa-social global, considerada como uma invariante do sisterna.12 goes que existiriam e poderiam ser definidas indepen-Mas Pecheux acrescenta ainda algo concemente a pratica polfti- dentemente da linguagem, isto 6, "informagoes". Estaca que, enfim, nos faz retornar a analise do discurso. Ele diz que teoria ou concepgao da linguagem 6, para ele, umao instrumento da pra"tica polftica 6 o discurso, ou mais precisa- ideologia cuja fungao nas "ciencias humanas e sociais"mente, que a pratica polftica tem como fungao, pelo discurso, (onde ela 6 dominante) € justamente mascarar sua liga-transformar as relagoes sociais reformulando a demanda so- gao com a pratica polftica, obscurecer esta ligagao e, aocial.13 mesmo tempo, colocar estas ciencias no prolongamento das ciencias naturais. Mesmo nao possuindo uma lin- guagem nos moldes das linguagens humanas, os ani- mais se comunicam. For este motive, a redutora con-Linguagem, discurso e ideologia cepgao de linguagem humana como instrumento de co- municagao (concebida, 6 verdade, de modo muito com- plexo, muito elaborada, e muito performante, mas, no Deste modo vemos que, do ponto de vista de Pecheux, as entanto, para isso) conduz a conceber o homem e as so-"ciencias sociais" sao essencialmente tecnicas que tern uma li- ciedades humanas com base nos mesmos princlpios dosgagao crucial com a pratica polftica e com as ideologias desen- animais e das sociedades animais. Se & sob a forma ge- 24 25
  15. 15. ral do discurso que estao apagadas as dissimetrias e as Estruturalismo e linguagem dissimilaridades entre os agentes do sistema de produ- gao, sem duvida isto nao se produz de modo explfcito, atrave"s de um tipo de ordem: "coloque-se aqui, este 6 Pecheux, nao mais que Lacan, Foucault ou Althusser, nao seu lugar no sistema de produgao", isto 6, pelo vie"s de pode ser considerado um "estruturalista". Contudo, houve no uma especie de "comunicagao", eventualmente acom- estruturalismo um foco colocado sobre a linguagem que pode ser panhada de alguma forma de coercao ffsica ou de encontrado tanto em Lacan ou Foucault quanto em Pecheux. O ameaga. E claro que a coerc.ao pode existir e existe estruturalismo frances fez da Hngufstica a ciencia-piloto; os es- senipre em um sentido. E claro, por exemplo, que qual- truturalistas tentaram definir seus me"todos tendo como referen- quer um pode se ver obrigado a tomar um lugar defini- cia a lingufstica, tendo tamb^m transferido todo um conjunto de do em um sistema de trabalho, mas esse lugar nao 6 um conceitos lingufsticos para quase todos os dominios das ciencias lugar no sistema de produc.ao.Nao e a isto que estamos humanas e "socials". Os estruturalistas identificaram cultura e nos referindo. linguagem de tal modo que toda a analise de qualquer fato cultu- ral devia- tomar uma forma de andlise Hngufstica, ou qualquer O que precisa ser compreendido e como os agentes deste coisa de similar (semiologia, semidtica). Nao e" este o caso de sistema reconhecem eles prdprios seu lugar sem terem recebido Lacan. Lacan nao tentou reduzir a psicanalise a uma espdcie deformalmente uma ordem, ou mesmo sem "saber" que tern um analise linguistica; mas sua concepgao de psicandlise centraliza-lugar definido no sistema de produgao. Quando alguem se ve se sobre o fato de que se trata de uma "cura de palavra", ope-obrigado a ocupar um lugar dentro de um sistema de trabalho, rando exclusivamente sobre a fala (isto vai de encontro a certaseste processo ja se deu anteriormente; tal pessoa sabe, por tendencias psicologizantes, biologizantes ou mesmo sociologi-exemplo, que 6 um trabalhador e sabe o que tudo isto implica. O zantes ou antropologizantes na psicandlise). Lacan se referiu amesmo acontece quando alguem 6, por exemplo, nomeado juiz. Saussure e Jakobson; interpretou a Verdichtung e a Verschie-O processo pelo qual os agentes sao colocados em seu lugar 6 bung fcondensagao e deslocamento) freudianas em termos deapagado; nao vemos senao as aparencias externas e as conse- metafbra e metonimia; e colocou primeiramente uma concepgaoquencias. Para compreender como este processo se situa em um do inconsciente como estruturado como uma linguagem, e domesmo movimento, ao mesmo tempo realizado e mascarado, e o sujeito como ser de linguagem ou ser falante. Mas podemos ob-papel que nele desempenha a linguagem, devemos renunciar a servar que tudo aquilo que Lacan tomou emprestado a lingiifsti-concepgao de linguagem como instrumento de comunicacao. Isto ca (como em relagao a qualquer outro campo cientffico) foi denao quer dizer que a linguagem nao serve para comunicar, mas fato reelaborado por ele tet5rica e operacionalmente.sim que este aspecto e" somente a parte emersa do iceberg. No estruturalismo, os conceitos e os metodos linguisticos foram simplesmente transferidos para outros campos sem ter so- E justamente para romper com a concepcao instrumental frido reelaboragoes fundamentals. Ao fazer isto, os estruturalis-tradicional da linguagem que Pecheux fez intervir o discurso tas se comportaram de modo semelhante aos nossos medidorese tentou elaborar teoricamente, conceitualmente e empiricamente de ce"rebro. Por este motivo, e este 6 um ponto fundamental, elesuma concep$ao original sobre este. Nesta tentativa de romper nao se encontraram em uma posigao que Ihes terJa permitido secom a concepcao instrumental da linguagem, Pecheux seguiu desfazer do ha"bito de fazer da natureza humana (ou do espfritouma orientacao que teve uma importancia considerate! na Fran- humano) um princfpio explicativo.14 Tal hdbito foi herdado daca, la" evocamos o estruturalismo e devemos acrescentar agora teologia crista (a qual colocava Deus atra"s da natureza ou do es-algumas observacoes a seu respeito. pfrito humano — assim como atra"s de cada coisa, mas em uma 26 27
  16. 16. posigao privilegiada, de eleigao — como princfpio explicative jogo e tenta ir al6m do homem e do humanismo, o nome do ho- ultimo de tudo que 6 concernente ao homem) e da filosofia clds- mem sendo o nome deste ser que, atravfis da histtfria da metaff- sica, que elaborou sobre esta base sua concepgao do sujeito hu- sica ou da onto-teologia, isto 6, do todo de sua histdria sonhou mano (sob diversas denominagoes como, por exemplo, a Kazao). com a presenc.a plena, o fundamento tranqiiilizado, a origem e o O estruturalismo nao renunciou a ide"ia de que hd uma especifi- flm do jogo. Esta segunda interpretagao da interpretagao, cujo cidade das "ciencias humanas" assentada sobre a especificidade caminho Nietzsche nos indicou, nao busca na etnografia, como a de seu objeto, o homem, o que resulta em uma petigao de prin- queria L6vi-Strauss (...), a ciencia "inspiradora de um novo hu- cfpio porque pressupoe que a referenda ao homem bastaria para manismo".18 Por trds destas posigoes, as quais foi colocada a colocar e especificar a priori um objeto de ciencia, quaiquer etiqueta de "anti-humanismo tedrico", corre um fio comum: o coisa cientiflcamente especifica e bem definida. Desta maneira, desfazer-se da sujeigao transcendental em quaiquer de suas for- o estruturalismo preservou a id&a de que as "ciencias do ho- mas, inclusive aquelas ligadas ao humanismo tedrico, mas tam- mem" ou as "ciencias humanas" podiam ser a base de um reno- bem as formas dissimuladas que pode tomar, como, por exem- var do humanismo. E por isso que, na Franga, a (principal) filo- plo, o caso de certos tipos de pseudomaterialismo da natureza sofia das "ciencias do homem" ou das "ciencias humanas", isto humana ou do espfrito humano - com o objetivo de abrir um €, aquela que enunciava a diferenca especifica entre estas cidn- campo de questoes e de prdticas tornadas impossfveis ou incon- cias e as outras foi o estruturalismo. Esta confusao chegou a tal cebfveis em func,ao desta sujeic.ao. Com este objetivo, Lacan, ponto que, como o estruturalismo, as ciencias humanas ou as Foucault ou Derrida fazem uma referencia comum a lingua- "ciencias do homem" foram, durante certo perfodo de tempo, gem, ao signo ou ao discurso. Derrida, na citagao acima men- entendidas por alguns como a prdpria filosofia, como a "filoso- cionada (mas encontram-se formulagoes relativamente equiva- fia do nosso tempo". De fato, o estruturalismo deixou, deste lentes em Lacan ou Foucault), fornece a chave quando critica modo, a porta aberta para todas as formas de reducionismo, en- a tentativa de se decifrar "uma verdade ou origem, escapando quanto tentativas para especificar, de todos os pontos de vista do jogo ou da ordem do signo". A linguagem (ou jogo, ou a or- possfveis, inclusive os biologicos, a natureza humana, para dela dem do signo, ou o discurso) nao e" entendida como uma origem, fazer um princfpio explicative. ou como algo que encobre uma verdade existente independen- temente dela pnSpria, mas sim como exterior a quaiquer falante, Mas na mesma ocasiao em que a filosofia estruturalista era o que define precisamente a posigao do sujeito, de todo sujeito elaborada, pessoas como Lacan, mas tambem Althusser, Derrida possivel. Mas isto define o sujeito como posigao, e nao como ou Foucault, estavam rejeitando — tendo como base posicoes di- uma coisa em si mesma, como uma substimcia. Nao se encontra versas — radicalmente esta concepcao de sujeito e aquela de em Lacan, em Foucault ou em Derrida uma definigao "positiva" "ci£ncias humanas", que afse enquadram.15 Quase que simulta- quaiquer de sujeito enquanto entidade; encontra-se somente sua neamente, Foucault escreve: "A cultura ocidental constituiu, sob posigao. Deste modo, torna-se possfvel dar conta da sujeigao o nome homem, um ser que, por um rfnico e mesmo jogo de ra- transcendental em si e de suas conseqii£ncias, como tendo rela- zoes, deve ser objeto positive de saber e nao pode ser objeto de gao com este "sempre-jd-Id" da linguagem (ou de signo) em tu- ciencia";16 Lacan escreve: "Nao hd ciencia do homem porque o do que se refere ao sujeito, e nao fazendo referencia a uma pos- homem da cidncia nao existe, existe somente seu sujeito",17 e sivel credibilidade que seria inerente a natureza humana. AssimDerrida escreve: "Hd, portanto, duas interpretac.6es da interpre- sendo, a linguagem deixa de ser fato substitute da "naturezatagao, da estrutura, do signo e do jogo. Uma procure decifrar, humana", ou do "espfrito humano" ou da "estrutura do espfritosonho de decifrar uma verdade ou uma origem que escapa ao jo- humano" enquanto princfpio de explicagao ou enquanto origem.go e a ordem do signo, e vive como um exflio a necessidade da E 6 por af mesmo que, no que diz respeito ao sujeito, toda velei-interpretagao. A outra, que nao se volta para a origem, afirma o dade reducionista tornara-se nao-pertinente. 28 29
  17. 17. Sujeito, discurso e ideologia na epoca entre a releitura de Marx, por Althusser, e o "retorno a Freud" de Lacan). Esta releitura de Marx foi conduzida de acordo com um metodo que Althusser definiu como sendo uma Mas, no momenta em que escreve A andlise automdtica do "leitura de sintomas"; isto e", uma leitura centralizada sobre as discurso e os dois textos assinados por Herbert, Pecheux segue descontinuidades, os saltos, os pontos de embaraco, as refor- mais Althusser que Lacan, Derrida ou Foucault. Vimos que a mulacoes que aparecem nos textos de Marx21. Este metodo im- preocupacao principal de Pecheux referia-se a ligac.ao entre o plica que os textos de Marx sejam confrontados entre si antes de discurso e a prdtica polftica, ligagao que, para ele, passa pela serem referidos a qualquer outra coisa exterior a eles mesmos. ideologia. E por este motivo que o segundo texto assinado por Por este motivo, tal metodo foi visto como um rnetodo "estratu- Herbert foi consagrado ao esboco de uma teoria geral das ideo- ralista", uma vez que se assemelha a certos procedimentos es- logias. Segundo Althusser, 6_tendg_.como_.referencia-a ideologia truturais (por exemplo, aqueles aplicados por Vladimir Propp que Pecheux introduz o sujeito enquanto efeito ideoldgico ele- aos contos populares ou por Le"vi-Strauss aos mitos, ou seja, o mentar. E enquanto sujeito que qualquer pessoa 6 "interpelada" confronto entre as diversas versoes de um conto ou de um mito). a ocupar urn lugar determinado no sistema de producao. Em um O objetivo de Althusser era abrir o marxismo para novas elabo- texto publicado mais tarde, ao qual Pecheux refere-se com fre- racoes te6ricas sem perder o que Marx havia produzido, no lu- quencia, Althusser escreve: "Como todas as eviddncias, incluin- gar de tomar as obras de Marx como uma especie de Bfblia ou do aquela segundo a qual uma palavra designa uma coisa ou de Vulgata. O m^todo de Althusser com certeza influenciou Pe- possufa uma significagao* , ou seja, incluindo a evidSncia da cheux. Podemos dizer que uma das coisas que Pecheux tinha em transparSncia da linguagem, esta evid£ncia de que eu e voce1 mente quando comecou a trabalhar com a analise e a teoria do somos sujeitos — e que este fato nao constitui nenhum problema discurso era constituir uma teoria e uma sistematizagao deste- 6 um efeito ideoldgico, o efeito ideoldgico elementar".19 Por m^todo.que "elementar"? O que este termo quer dizer? Quer dizer pre- Mas a releitura de Marx por Althusser nao se baseia ape-cisamente que tal "efeito" nao 6 a conseqiiencia de alguma coi- nas em um metodo. Ela envolve tambem "instrumentos filosdfi-sa. Nada se torna um sujeito, mas aquele que e" "chamado" € cos". Em Elementos de autocritica, Althusser explica que, sesempre ja-sujeito. Mais precisamente, Althusser escreve: "A pareceu ser um estruturalista, mesmo nao o sendo, foi porque foiideologia nao existe senao por e para os sujeitos"; e ele acres- culpado de uma paixao muito mais comprometedora, aquela decenta que nao existe pra"tica senao sob uma ideologia. Em ser spinozista. Considerando que toda filosofia deva fazer umoutras palavras, todo sujeito huniano, isto e", social, s6 pode ser desvio por outras filosofias para poder se definir a si mesma e seagente de uma praiica social enquanto sujeito, apoderar de sua especificidade, sua diferenca, Althusser expli- ca que, do mesmo modo que foi necess<Srio para Marx empreen- der um desvio por Hegel, ele, Althusser, devia fazer um desvio Tais proposicoes foram formuladas apds a publicacao de A por Spinoza para cercar com mais precisao o desvio de Marx por andlise do discurso e dos dois textos assinados por Herbert. Hegel. No curso deste desvio por Spinoza, Althusser encontrou Entretanto, elas representam uma sistematizacao de posicoes neste ultimo uma concepcao que Ihe permitiu depreender aquilotedricas subentendidas no trabalho de Althusser sobre O capital que restava em Hegel da concepcao do sujeito como origem (oude Marx20 que PScheux conhecia bem. Nao 6 surpreendente, fonte), isto 6, a raiz do idealismo hegeliano, e, deste modo com-portanto, perceber que os dois textos assinados por Herbert se- preender aquilo que Marx quis dizer quando afirmou ter recolo-jam coerentes com estas posigoes. Ale"m do mais, o trabalho de cado Hegel em pe22 Spinoza, segundo Althusser, permite com-Althusser sobre O capital 6 uma releitura que tenta romper com preender por que e como esta "subversao" era possfvel, e de-a leitura dogmfitica predominante de Marx (um paralelo foi feito preender a "diferenga" entre Marx e Hegel.23 A tese de Almus- 30 31
  18. 18. ser 6 que a categoria de Spinoza de "efeito sem causa" (exter- ciente para fazer de tudo aquilo que 6 humane objeto de ciencias no) ou finalidade 6 que subentende o famoso verum index sui et especfficas. A diferenca entre Althusser, de um lado, e Lacanfalsi (o verdadeiro indica a si mesmo, assim como o falso), e Derrida ou Foucault, de outro, e" que os tres dltimos refcrem oantecipou Marx sobre urn ponto especffico, mas crucial, que sujeito a umaunpossibilidade. ou seja, a impossibilidade de es-~concerne a categoria- central^do _idealismo:-o-sujeitO-como-ori- capaT—"JQgQ ou ordeni jb signo" (retomando a foirriulacao~flegem, essencia ou causa. Para Althusser, Spinoza € o primeiro Derrida), enquanto que_com- Althusser tgm-se a impossTbiridade"alePrompido com a questao da origem e a concepgao de sujeito deescapar da ideolggia^na qual ela se condensou. Deste modo, Althusser atacava a con- "A ideologia nao tern exterior (a ela)", escreve Althusser.cepgao de sujeito que Lacan, Derrida ou Foucault tambem ti- Ele nao diz "as ideologias nao tern exterior". Sem dtivida, paranham em mira. Mas ele a ataca em bases bastante diferentes e ele, ha" diferentes ideologias, diferentes posicoes ideologicas.com um objetivo preciso (discernir a ligagao e a diferenga entre Estas diferentes ideologias ou posigoes ideoldgicas sao antago-Marx e Hegel). Althusser, em sua "auto-crftica", explica tam- nicas (nao em contradigao). Assim, uma ideologia tern um "ex-be"m que um marxista nao podia fazer este desvio por Spinoza, terior", mas este exterior 6 de outras ideologias. Se ha" ciSncia,seja o que for que este desvio tenha trazido, sem, de uma manei- esta nao pode estar senao no "entremeio". Althusser diferenciara ou de outra, paga"-lo. Aquilo que Hegel deu a Marx, a contra- ciencias e teorias cientfficas. As teorias cientfficas sao enuncia-digao, falta completamente a Spinoza, diz Althusser, e isto o in- das, e como tal implicam ideologias, uma posigao de sujeito. Emduziu (a ele, Althusser) a ver a ideologia como sendo o ele- sjuma,..t_oda ,. teoria. eLideoldgica,_toda_teoria 6 provistSria. . . Umamento universal da existencia hist6rica. Assim ele foi, explica o teoria pode somente ser mais verdadeira do que uma outra, e naoprdprio Althusser, conduzido diretamente a uma teoria das pode ser simplesmente verdadeira. Em outras palavras, o sujeitoideologias em que estavam apagadas as diferengas entre as re- °MJf!JtO_jgioes da ideologia, as contradigdes de classe que passam atrave"s s,enao-este-da-ideologia._ Nao se tern af o sujeito de Lacan, ou dedelas, dividem-nas, agrupam-nas e as opoem umas as outras. Foucault, ou de Derrida. "Descrever uma formulagao como umEsta teoria geral das ideologias 6 precisamente aquela que esta- enunciado nao consiste, escreve Foucault, em analisar a relagaova esbogada no texto que citei mais acima.24 Em outras pala- entre o autor e aquilo que ele disse (ou quis dizer, ou disse semvras, Althusser considera que foi tirado da trilha do estrutura- o querer), mas sim em determinar qual € a posigao que pode elismo por Spinoza (e pela critica ao sujeito tradicional da filoso- deve ocupar todo indivfduo para ser seu sujeito.26 E nao hd ou-fia que ele ai encontrou), mas, pela pn5pria forga e poder desta tros modos de ser um sujeito. Em outros termos, s£r_um_sujejtpmesma critica, caiu na armadilha que o distanciou da contradi- para Foucaulj_€_ ocupjr jjma_p^^iciap_^nguanto_.enunciador. Oscao e da luta de classes na ideologia. discursos sap enunciados. A_unidade-eleme.n^_dp djscm^o_6_p_ E o que se encontra nos textos assinados Herbert? Uma re- enunciado. Aquilo que 6 ser um sujeito para Foucault & consis-ferSncia a Spinoza, no primeiro, e uma tentativa de esbocar uma tente_cpm sua concepgao de discursp._E podemos dizer que^euteoria geral das ideologias, no segundo. Tais textos estao clara- sujeito € gsujeito^do-discursjojal como ele o^oncebe. Devemosmente na linha de Althusser antes de sua autocrftica. Isto apare- ter em mente qual era o objetivo de Foucault: definir um cami-ce com muito mais forga quando se confronta a posicao de Al- nho novo no campo ocupado pela tradicional hlstdria das idelas;thusser com as de Lacan, Derrida ou Foucault. Como vimos, um caminho que poderia renovar a histdria das id^ias, contor-Althusser compartilha junto com estes Ires dltimos uma posigao nando o que a entrava: suas referfencias a uma subjetividade psi-comum sobre o estatuto dos sujeitos. E em referencia a esta po- coldgica considerada como principio explicativo. Q^Bjeito-desigao comum que Althusser, como Lacan, Foucault e Derrida, Foucault^e p suieito^.da.JlQnlenx.do,_discurso".27 O objetivo deexplicita sua diferenga com o estruturalismo25 e descarta de lado Derrida 6 renovar a filosofia desembaragando-a de suas tentati-a id^ia de que a especificidade da natureza humana seria sufi- vas de achar uma origem ou uma verdade fora do jogo ou da or- 32 33
  19. 19. dem do signo. Seu sujeito € o sujeito deste "jogo de ordem do guagem (vista a partir da lingufstica, do conceito saussuriano de signo". O objetivo de Lacan 6 renovar a psicanalise e seu su- langue) e a ideologia28. Isto porque Pecheux nao se ateve asjeito e" aquele do inconsciente estruturado como uma linguagem. formulacoes que havia colocado anteriormente nos dois textos A linguagem 6 a condigao do inconsciente, aquilo que introduz assinados Herbert e no A andlise automdtica do discurso. Comopara todo ser falante uma discordancia com sua prdpria realida- Althusser, e junto com ele, renunciou & possibilidade de desen-de. E o objetivo de Althusser 6, como vimos, renovar o marxis- volver uma teoria geral da ideologia (ou das ideologias).mo e o materialismo histdrico. Temos, deste modo, diversas Ele voltou sua atengao para outros problemas que havia encon-tentativas de renovagao, sendo que todas colocam em mira o trado pelo caminho: o das liga^oes entre o objeto de analise e dasujeito, seu estatuto, como sendo a questao-chave. Mas os re- teoria do discurso e o objeto da lingufstica.29 Esta questao naocortes entre os sujeitos de Lacan, Foucault ou Derrida sao mais era somente um problema tedrico, mas tambem um problema le-evidentes do que aqueles entre qualquer um destes sujeitos e o vantado pelo sistema de analise de discurso que ele tinha cons-de Althusser. Os sujeitos de Lacan, Foucault ou Derrida sao li- truido. Era, em especial, o problema do tipo de analise lingufsti-gados a linguagem ou ao signo. A referencia & ideologia nao ca requerido para tornar o sistema operacional e Ihe permitirtern as mesmas implicasoes que a referencia a linguagem. Al- efetuar aquilo que havia sido concebido. Era, ale"m disso, o pro-thusser nao estava particularmente interessado pela linguagem, e blema dos limites de analise e da teoria lingufstica face a ques-€ af que chegamos ao amago daquilo que tern de ver com Pe- tao do sentido, da signiflcagao e da semantica. A maneira comocheux: as relagoes entre a linguagem e a ideologia. Para fazer Pecheux tratou estas questoes e tambem como ele faz frente aisto, ele s<5 tinha a sua disposicao a indicacao formulada por escolha do sistema informatico adequado 6 exposta mais adiante.Althusser sobre o paraielo entre a evidencia da transparencia da Trata-se af exatamente daquilo que Pecheux chamou de o pro-linguagem e o "efeito ideoldgico elementar", a evid£ncia se- blema da "apropriagao" dos "instrumentos", no caso, os "ins-gundo a qual somos sujeitos. Althusser estabeleceu o paraielo trumentos" lingiifsticos e da informatica. Mas estes problemassem definir uma ligacao. E foi para expressar esta ligacao que nao representam apenas problemas tecnicos; sao tambem pro-Pecheux introduziu aquilo que ele chama discurso^ tentando de- blemas tedricos. Pecheux nao podia concebe-los de outro modo.senvolver uma teoria do discurso e um dispositive operacional No nfvel mais profundo, o problema era bem aquilo que disse-de analise do discurso. O discurso de Pecheux nao 6 o de Fou- mos, ou seja, o da liga^ao entre o "sujeito da linguagem" e o dacault. ideologia. Pecheux nunca abandonou este problema mesmo que o tenha reformulado profundamente. Em seu ultimo Hvro, escrito em conjunto com Franchise Gadet, ele ainda se ocupava da lin-A teoria e a analise do discurso de Pecheux gufstica e de suas ambiguidades frente a disjunqao entre aquilo que faz e o que nao faz sentido, enquanto problema ao mesmo tempo tedrico e politico: "a metaTora merece que se lute por Pecheux se colocou entre o que podemos chamar de "su- ela", escreve ele, citando Kundera.30jeito da linguagem" e "sujeito da ideologia". Isto teve um peso Antes de examinar com mais detalhe como PScheux arti-sobre toda sua obra e nao apenas naquilo que se pode encontrar culou concretamente a andlise e a teoria do discurso por um ladoem A andlise automdtica do discurso. Em um de seus livros e a lingufstica por outro, desejo fazer uma ultima observagaoposteriores, Les vgrites de La Police, ele trata, precisamente, de concernente a "estrat^gia" de Pecheux. Vimos as razoes por quediscernir mais claramente as relagoes entre estes dois sujeitos, ele separou a apresentagao de seu sistema de analise automdticaou seja, as relagoes entre a "evidencia subjetiva" e a "evidencia do discurso da apresentacao dos problemas tedricos, filosdficosdo sentido (ou da significac.ao)", e coloca o discurso entre a lin- (e polfticos) que o conduziram a construir este sistema. Esta es- 34 35
  20. 20. trate"gia teve, como todas as estrate"gias, seus inconvenientes. Ele NOTAS deixou aberta a possibilidade de se usar este sistema de a utilise do discurso como um instrumento ou uma ferramenta no sentido empfrico. E efetivamente o que se produziu, ainda que Pecheux tenha se preocupado e tentado impedir este desvio de seu ins- * Cahiers pour tanatyse, 2, marQO-abril 1966, reedigao, 1-2, pp. 141-167 (referi- trumento. De certo modo, ele concebeu seu sistema como uma do como Herbert 1 nas notas seguintes). 2 especie de "Cavalo de Trdia" destinado a ser introduzido nas Cahiers pour tanafyse, 9, verao 1968, pp. 74-92 (referido como Herbert 2 nas notas seguiotes). ciencias socials para provocar uma reviravolta (algo analogo ao 3 "Analyse decontenuetth£oriedudiscours"(BH/ferin^«C^J?J1., 1967,16, (3), que Foucault tentou com sua "arqueologia" em relagao a histd- pp. 211-227. "Vers une technique danalyse du discours", Psychologie frcmgaise, ria das idelas). Nao podemos dizer que isto nao se tenha produ- 1968,13,(1), pp. 113-117, zido, na medida em que numerosos pesquisadores, tendo utiliza- ^ Analyse automatique du discours, Paris, Dunod, colegao "Sciences du Compor- do a anaUise autom5tica do discurso de Pecheux, foram levados a tement", 1969, p. 142. formular questoes que provavelmente nao seriam formuladas ca- ^ PSgina 110 da edic.ao original em frances. 6 so nao tivessem reconido a este sistema, e isto mesmo se a Em 1964 era publicado em La nouveUe critique, a revista do partido comunista trances destinada aos intelectuais, um texto de Althusser tendo como tftulo "Freud et maior parte destas questoes continuam, ainda hoje, sem resposta. Lacan" (La nouveUe cririgue,dez. 1964-jan. 1965, n9 161-162, pp. 105-144, republi- Os instrumentos cientfficos nao sao feitos para dar respostas, cado em Louis Althusser, Positions, Paris, Editions Sociales, 1976). A publicagao mas para colocar questoes. E pelo menos isto que PScheux es- deste texto nesta revista marca o fim do ostracismo oficial do partido comunista francos com relagao a psicanalise. No Cercle d*Epistemo]ogie de IEcole Normale perava de seu dispositivo: que ele fosse verdadeiramente o meio Sup6rieure (onde Pecheux era membro sob o pseudfinimo de Thomas Herbert) se en- de uma experimenta§ao efetiva. Alem do mais, creio que sua re- contravam reunidos marxistas prtiximos do partido comunista frances (e mesmo flexao geral sobre aquilo que 6 verdadeiramente um instrumento membros efetivos), assim como filiSsofos muito influenciados por Lacan. cientffico merece ainda nossa reflexao. Este deveria ser o caso, Pecheux enfocou o desenvolvimento histdrico da teoria do magnetismo, Ver; "I- deologie et histoire des sciences", em M. Fichant e M. Pecheux (eds.), Surfhistoire se temos em mente aquilo que se coloca atualmente como forne- des sciences, Paris, Maspero, 1969, pp. 13-47. cendo as bases de uma "nova ciencia do espfrito", fazendo refe- 8 Herbert 1, p. 163.rdncia as maquinas de Turing, aos computadores e as redes neo- 9 Os Ifderes de uma abordagem nao-positivista e anti-empirista em epistemologia,conexionistas ou neuronais. Infelizmente, Pecheux nao esta" mais histdria e filosofla da ciencia na Franca (oposta, por exemplo, aquela de Duhem), queconosco para nos ajudar a fazer frente a este retorno do "velho insistiram sobre a necessidade de nao se dissociar epistemologia e histdria da cienciamonstro". e recusaram a concepc3o continufsta do progresso das ciSncias, chamando aatengao para as descontiiiuidades e as rupturas. Esta abordagem da epistemologia e da hist<5- ria das ciSncias teve uma continuagao, em uma perspectiva um pouco diferente, por Michel Foucault em especial (ver, por exemplo: Dominique Lecourt, Poor une criti- que de fepistemologie (Bachelard, Canguilhem, Foucault), Paris, Maspero, 1978. 10 Georges Canguilhem: Ideologic et rationoBtt de Fhistoire des sciences de la vie, Traducao: Bethania S. Mariani Paris, Vrin, 1977. 11 Herbert 2, p. 77. 12 Herbert 1, p. 157 e pp. 158-159. 13 Herbert 1, p. 152. Sem ddvida, Pecheux observa que isto nao quer dizer que o politico nao € nada senao o discurso. A tftulo de ilustrac.ao, ele toma o exemplo do direito e da pratica jurfdica que tentam ao mesmo tempo, escreve, racionahzar a lei "estabelecida" e realizar a "essencia racional do direito". A transfonnacao que a pratica jurfdica tenta efetuar consiste em fazer parecer que aquilo que, em mate"ria de direito, existe "por natureza" existe "por razao". Esta transformasab € uma refor- mulagao que fez intervir o discurso e, indo ainda mais al£m, que se realiza na instSn- cia do discurso. 36 37
  21. 21. ^ Ver, por exemplo, Claude LeVi-Strauss: La pensee sauvage, Paris, Plon, 1962, eumacrftica sobre esta posigao em Cahierspour f analyse, n34("L£vi-StraussdansleXVIIF siecle").^ Ver Francois Wahl, "La philosophic entre Iavant et lapr£s du stracturalisme",em Quest-ce que le structuralismel, Paris, Le Seuil, 1968, APRESENTA^AO DA CONJUNTURA EM *6 Michel Foucault, Les mots et leschases, Paris, Gallimard, 1966, p. 378. Existem LINGVlSTICA, EM PSICANALISE Etnuitos pontos de contato entre aquilo que Michel Foucault elaborou no que se refereao discurso e aquilo que fez Michel Pecheux, pelo menos no nfvel tedrico (por exem- EM INFORMATICA APLICADA AO ESTVDOplo, encontra-se em Foucault uma nogao de "formagao discursiva" que tern algunspontos em comum com aquela de Pecheux), e em particular no nfvel pra"tico (Fou- DOS TEXTOS NA FRANCA, EM 1969cault nunca tentou elaborar um dispositivo operacional de analise do discurso) (Ver:Michel Foucault, Larcheologie du savoir, Paris, Gallimard, 1969, e Lordre du dis-cours, Paris, Gallimard, 1971). Pecheux partilhava com Foucault um interesse co- Frangoise Gadetmum pela historia das ciencias e das ide*ias que pode explicar por que ambos, mais do Jacqueline Le"onque qualquer outro autor, focaiizaram o discurso. Denise MaldidierI "7 I Jacques Lacan, "La science et la verite", Cahiers pour f analyse, 1, 1966, Michel Plonpp. 9-30, republicadoem£cri&, Paris, Le Seuil, 1966, pp. 855-875, p. 859. 18 Jacques Derrida, "La structure, le signe et le jeu dans le discours des scienceshumanes", em Lecriture et la difference, Paris, Le Seuil, 1979, p. 427. PScheuxsempre considerou Nietzsche como uma figura crucial da hist<5ria da filosofia, capi-tal para se compreender o que esta" em jogo no debate atual em filosofia (pouco tem- Pareceu-nos necessdrio proper alguns elementos a umapo antes de nos deixar, ele tinha como projeto trabalhar mais particularmente sobre leitura histoYica desse livro de 1969, para esclarecer suas refe-Nietzsche). rencias tedricas, remetendo-as a sua conjuntura. O presente *" Louis Althusser, "Ideologic et appareils ide*ologiques detat",- La Pensee, 151,junho!970,p. 30. texto e as notas que se seguem permitirao compreender melhor a"}n relacao entre esse primeiro texto de analise do discurso e os re-*u Louis Althusser, Pour Marx, Paris, Maspero, 1965 e (em col. com J. Ranciere, P.Macherey, E. Balibar, R. Establet) Lire le Capital, 2 vols. Paris, Maspero, 1965. manejamentos que Michel Pecheux nunca deixou de proper.T1Z1 Observemos que, para defmir seu metodo, Althusser faz referSncia a Freud. Aquestao do sujeito e do inconsciente era, no entanto, evocada nos primeiros textosassinados por Herbert, sobretudo quando 6 abordada a crftica do sujeito tradicionalda filosofia. Pecheux at se ap<5ia sobre Freud (e Lacan) e nao somente em Althusser.99 Observamos a ligac.ao com o metodo se observarmos que uma filosofia nao pode 1. A Ifiigua e a lingufstica ter ligacao com outra filosofia senao atraves de textos, logo de uma "leitura". 23 Elements d"autocritique, Paris, Hachett, 1974, Cap. 3 e 4, pp. 55-83.24TC Vernotal9. s Vamos tentar circunscrever a concepgao que MP tern da E particularmente claro para o que 6 concemente a Foucault na conclusao deLarcheologie du savoir, p. 126. lingua atrave"s de algumas breves monografias, baseadas em seis26 Michel Foucault, Larcheologie du savoir, p. 126. nomes e temas da conjuntura lingufstica tal como ela se apre-2 Michel Foucault,Lordredu discours, Paris, Gallimard, 1971. sentava na Franca no infcio dos anos sessenta:^ Michel PScheux, Les verites de La Police (Linguistique, s&mantique, philosophic), — Saussure e o estruturalismoParis, Maspero, 1975. Traduzido para o portugues como Semandca e discurso, Edi-tora da Unicamp, 1988. - a recepcao de Chomsky e da GGT2" Observemos que, quase ao mesmo tempo, Foucault passou da problematica da — Harrisarticulagao entre discurso, saber e histoVia das idfiias aquela das rela$6es entre o sabere o poder. Ver: SurveUler et punir (Naissance de la prison), Paris, Gallimard, 1975, — Jakobsone Histoire de la sexuaUtt, 1, La volonti de savoir, Paris, Gallimard, 1976. — Benveniste e a enunciacao 3 " Francoise Gadet e Michel PScheux, La langue introuvable, Paris, Gallimard, - Culioli 1981. 38 39
  22. 22. Se esses seis temas sao necessdrios, 6 porque parece, com tern um lado redutor, tirando pouco proveito das Sources ma-efeito, que a concepgao de lingua de onde MP vai isolar seu nuscrites du CLG, estudadas por Robert Godel, entao aindaconceito de discurso 6 delineada por contribuigoes cuja hetero- muito pouco conhecidas, embora disponfveis desde 1957;geneidade ele rapidamente sentiu, e porposicdes filosdficas que - a dos sociolingiiistas: uma leitura essencialmente mili-adotou na paisagem tedrica dos anos sessenta. tante e crftica, visando sobretudo a demonstrar a inefi- Qualquer que seja a amplitude do horizonte lingufstico ca*cia da "hngua/fala" no tratamento de problemas deabrangido, sua pnJtica gramatical efetiva se cruza frequente- discurso e de utilizagao da lingua em contexto social;mente com a da grama*tica tradicional tal como se manifesta no - a dos "fildlogos" do texto saussuriano. Excegao feita aoensino fundamental frances: andlise gramatical e anaMise Idgica, artigo de Benveniste (1963, in 1966), ela tern pouca di-princfpios de retdrica. Eis o pano de fundo, corrigido superfi- fusao fora dos cfrculos de especialistas. As Sources...cialmente em certos pontos por contribuigdes mais recentes. de Godel foram publicadas em 1957, mas em um editor sufgo pouco difundido (Droz). Engler j5 tinba comegado Rapidamente, em escritos posteriores, MP passa a criticar seu monumental empreendimento (cujos cinco tomossua concepgao de lingua entao em vigor para, em seguida, tentarmodifica"-la. Entretanto, o formato do enunciado elementar per- apareceram entre 1967 e 1974); 6 certo que ele publicou artigos a esse respeito nos Cahiers Ferdinand de Saus-manece fixo ate" o abandono do programa AAD-69, no infcio dosanos 80, quando o uso de DEREDEC vai fazer com que as pos- sure, a partir de 1962, mas trata-se af de uma revista com tiragem restrita. E sd depois de 1970 que os primei-sibilidades de comparacao nao mais se limitem unicamente as ros artigos de Cl. Normand aparecerao em revistas desequencias de igual dimensao (ver Formalizagao). orientagao te<5rica nitidamente marxista (La Pens4e, Dialectiques), e na grande revista francesa de lingufsti- ca, Langages. Ve-se, pois, que as Sources... levamSaussure e o estruturalismo lingufstico muito tempo para suscitar o interesse dos linguistas; - a dos liter^rios. A partir de 1961, Starobinski comecou a publicar artigos — que posteriormente serao reunidos em Indubitavelmente, desde a epoca da AAD-69, MP 6 um As palavras sob as palavras (1971) — sobre um aspectoleitor de Saussure muito atento, o que permanecera" na seqiidncia na e"poca ainda muito pouco conhecido da obra de Saus-de sua obra (por exemplo: LANGAGES 24 e La langue introu- sure: os Anagramas. Sao pessoas como R.Jakobson,vable). J.Kristeva, T.Todorov, R.Barthes e, mais tarde, L.J.Cal- Isso € digno de nota em uma e"poca, no geral, caracterizada vet, que vao garantir sua difusao na Franca. Os ameri-por um interesse bastante vago por Saussure, mais referdncia do canos continuam essa difusao no ano de 1975, em parti-que materia de trabalho. As leituras dos anos sessenta se enqua- cular com os dois Saussures (niSmero especial da revistadram, na verdade, em va>ios tipos: Semiotexi)- - a dos estruturalistas, bastante marcada na Franca por Mesmo sem aplicar, na verdade, nenhuma dessas catego- Martinet (como Elementos de lingutstica geral de 1962) rias de leitura, MP revela, desde 1969, uma grande familiaridade e por Mounin (Saussure ou le structuralisme sans le sa- com o texto de Saussure: uma leitura informada, inteligente e voir sera" publicado em 1968). pessoal, que faz realmente operar as nogoes saussurianas. Essa leitura ainda nao leva, na e"poca, o nome de "vulga-ta" que Ihe sera" atribufdo a partir de Lepschy (1966, A lingufsti- Paul Henry se recorda de que MP tinha nessa ^poca estu-ca estrutural, traducao francesa pela Payot em 1968), mas ela dado o CLG, lido as Sources..., Starobinski e, inclusive, o tra- 40 41

×