Elaine Soares R3 – Ginecologia eObstetrícia
UFRJ
Orientador: Gustavo Iglesias
 Neoplasia ginecológica mais letal
 75% dos casos apresentam-se em estágio avançado no
momento do diagnóstico
 Brasil: ...
 80% - pós-menopausa
 Idade superior a 50 anos
 Nuliparidade
 Infertilidade
 Uso de contraceptivos orais: fator prote...
 Sintomas inespecíficos: desconforto no baixo ventre,
constipação, sangramento menstrual irregular, sangramento
vaginal, ...
 CA-125 e USG da pelve:
 Não demonstram S e E aceitáveis.
 Não foram efetivos na redução da morbimortalidade para
mulhe...
 USG pélvica ou TV (principal método diagnóstico): lesões
císticas com áreas sólidas, vegetações ou septos; lesões
sólida...
 Aproximadamente 90% dos tumores ovarianos derivam do
epitélio celomático = tumores epiteliais: seroso (75%),
mucinoso (2...
 Grau I: bem diferenciado
 Grau II: moderadamente diferenciado
 Grau III: pouco diferenciado
 Tumores com baixo potenc...
O comprometimento da cápsula do
tumor propicia a disseminação
direta às tubas, útero, ovário
contralateral e peritôneo pél...
 Incisão mediana ampla
 Remoção intacta do tumor (congelação, se possível)
 Coleta de líquido ascítico (ausente líquido...
Surgical Staging:
HTA + SOB +
omentectomia +
linfadenectomia pélvica
e para-aórtica + Bx
peritoneais
O tratamento vai depender se a cirurgia anterior
estava completa ou não
 Taxanos (paclitaxel e docetaxel) : bloqueiam certas estruturas em células
de câncer para interromper o crescimento das c...
 Câncer de ovário avançado?
 Maioria dos casos de câncer de ovário é diagnosticada em estádios
avançados (III ou IV).
 ...
 Determinar se a cirurgia citorredutora secundária melhorou a sobrevida
livre de progressão e sobrevida global entre os p...
 A duração média de sobrevivência foi de 33,9 meses no grupo de cirurgia
secundário e 33,7 meses no grupo com apenas quim...
 Resultados: Para os pacientes com carcinoma de ovário avançado nos
quais a cirurgia citorredutora primária foi considera...
- Desfecho primário: Sobrevivência Geral
- Métodos: Pacientes (632) com Carcinoma Epitelial Estadio IIIC ou IV
Cirurgia In...
 Métodos:
 Doentes elegíveis: biópsia comprovada de carcinoma epitelial do ovário
invasivo primário, carcinoma peritonea...
A sobrevida global mediana foi de 29
meses no grupo de cirurgia primária e 30
meses no grupo de QT Neo, e a sobrevida
livr...
 Resultados:
- Tumor residual de 1 cm ou menos em 41,6% dos pacientes após a
citorredução inicial e 80,6% dos pacientes q...
 Resultados:
 Analisaram as parcelas de risco em relação a idade, ao estágio (FIGO),
WHO performance status, tipo histol...
 Resultados:
 Não há vantagens significativas de terapia neoadjuvante ou cirurgia
primária quanto à sobrevivência, efeit...
 Quimioterapia neoadjuvante seguida por cirurgia citorredutora de intervalo
não seria, do ponto de visto oncológico, infe...
 Maioria dos pacientes são diagnosticados em estágios avançados.
 Citorredução ótima em cerca de 50% dos casos.
 Sobrev...
 Secondary Surgical Cytoreduction for Advanced OvarianCarcinoma Peter
G. Rose, M.D., for the GynecologicOncologyGroup N E...
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário

449 visualizações

Publicada em

Seminário de residência médica

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário

  1. 1. Elaine Soares R3 – Ginecologia eObstetrícia UFRJ Orientador: Gustavo Iglesias
  2. 2.  Neoplasia ginecológica mais letal  75% dos casos apresentam-se em estágio avançado no momento do diagnóstico  Brasil: estimativa de 5680 casos novos 2014 (INCA)  90% dos casos são carcinoma epitelial. Os demais tumores derivam das células germinativas, estromais ou mistas.  Incidência máxima de câncer ovariano epitelial: 56-60 anos
  3. 3.  80% - pós-menopausa  Idade superior a 50 anos  Nuliparidade  Infertilidade  Uso de contraceptivos orais: fator protetor estabelecido  Padrões familiares representam 5-10% dos casos: Síndrome de Lynch II (Câncer colorretal hereditário não polipoide – HNPCC), Síndrome de câncer ovário-mama (associada com a mutação dos genes BRCA1 e BRCA2)
  4. 4.  Sintomas inespecíficos: desconforto no baixo ventre, constipação, sangramento menstrual irregular, sangramento vaginal, dorsalgia, fadiga, náusea, polaciúria, dispareunia.  Fase avançada: distensão abdominal, anorexia ou saciedade precoce por presença de ascite e metástases no intestino ou omento, sub-oclusão intestinal, derrame pleural.
  5. 5.  CA-125 e USG da pelve:  Não demonstram S e E aceitáveis.  Não foram efetivos na redução da morbimortalidade para mulheres de risco normal.
  6. 6.  USG pélvica ou TV (principal método diagnóstico): lesões císticas com áreas sólidas, vegetações ou septos; lesões sólidas. - Dopplerfluxometria: Apresenta baixo índice de resistência (IR menor que 0,4) e de pulsatilidade (IP menor que 1,0) - TC ou RNM: avalia comprometimento hepático e linfonodos retroperitoneais - RX Tórax: lesões pulmonares e derrame pleural
  7. 7.  Aproximadamente 90% dos tumores ovarianos derivam do epitélio celomático = tumores epiteliais: seroso (75%), mucinoso (25%), endometrióide (2%), células claras, Brenner e indiferenciados
  8. 8.  Grau I: bem diferenciado  Grau II: moderadamente diferenciado  Grau III: pouco diferenciado  Tumores com baixo potencial de malignidade (boderline): mais diferenciados, não-invasivos, semelhantes a seus correspondentes benignos e têm excelente prognóstico quando comparados aos invasivos
  9. 9. O comprometimento da cápsula do tumor propicia a disseminação direta às tubas, útero, ovário contralateral e peritôneo pélvico. A disseminação linfática compromete linfonodos ao redor da aorta e v.cava. A drenagem linfática também pode seguir canais parametriais e ligamento largo e atingir os linfáticos da pelve incluindo as cadeias ilíacas e obturadora. Menos frequente, pode ocorrer através do ligamento redondo e envolver linfonodos inguinais.
  10. 10.  Incisão mediana ampla  Remoção intacta do tumor (congelação, se possível)  Coleta de líquido ascítico (ausente líquido livre, realizar lavado peritoneal)  Realização de múltiplas biópsias peritoneais aleatórias (pelve, lojas parieto-cólicas e lojas subdiafragmáticas)  Avaliação de toda cavidade abdominal (implantes?)  Omentectomia infracólica se implantes macroscópicos ausentes.  Avaliação de linfonodos pélvicos e para-aórticos e ressecção daqueles suspeitos.
  11. 11. Surgical Staging: HTA + SOB + omentectomia + linfadenectomia pélvica e para-aórtica + Bx peritoneais
  12. 12. O tratamento vai depender se a cirurgia anterior estava completa ou não
  13. 13.  Taxanos (paclitaxel e docetaxel) : bloqueiam certas estruturas em células de câncer para interromper o crescimento das células.  Agentes de platina (cisplatina e carboplatina): danificam estruturas codificadas nas células cancerosas que controlam como as células se comportam para deter crescimento e divisão.  Bevacizumab (Avastin®): interrompe o crescimento de novos vasos sanguíneos que alimentam as células cancerígenas.
  14. 14.  Câncer de ovário avançado?  Maioria dos casos de câncer de ovário é diagnosticada em estádios avançados (III ou IV).  Citorredução ótima: Ausência de doença residual macroscópica (meta alcançada em aproximadamente 50%)  QT neodjuvante seguida pela cirurgia de intervalo: intenção de melhorar as condições operatórias dos pacientes, possibilitando assim a realização de procedimentos oncológicos mais apropriados.
  15. 15.  Determinar se a cirurgia citorredutora secundária melhorou a sobrevida livre de progressão e sobrevida global entre os pacientes que tinham câncer de ovário avançado e tumor residual superior a 1 cm e que receberam cisplatina e paclitaxel  Métodos: 06/1994 a 01/2001 - 424 pacientes 216: QT + cirurgia secundária 208: Quimioterapia apenas
  16. 16.  A duração média de sobrevivência foi de 33,9 meses no grupo de cirurgia secundário e 33,7 meses no grupo com apenas quimioterapia
  17. 17.  Resultados: Para os pacientes com carcinoma de ovário avançado nos quais a cirurgia citorredutora primária foi considerada como máxima, a adição de cirurgia citorredutora secundária comparada a quimioterapia pós-operatória com paclitaxel e cisplatina não melhora tempo de sobrevida livre de doença ou sobrevida global.
  18. 18. - Desfecho primário: Sobrevivência Geral - Métodos: Pacientes (632) com Carcinoma Epitelial Estadio IIIC ou IV Cirurgia Inicial (debulking) + QT a base de Platina (6) QT neoadjuvante inicial (3 ciclos) seguida de cirurgia citorredutora aliada (citorredução de intervalo) + QT (3) n engl j med 363;10 nejm.org september 2, 2010
  19. 19.  Métodos:  Doentes elegíveis: biópsia comprovada de carcinoma epitelial do ovário invasivo primário, carcinoma peritoneal, ou carcinoma tubário estágio III ou IV.  PAAF era aceitável sob as seguintes condições: - massa (ovário) pélvica (ovário); - metástases fora da pelve de pelo menos 2 cm de diâmetro (laparoscopia ou laparotomia ou calculado - TC); - metástase linfonodal ou prova de doença em estágio IV; - proporção de antigénio CA-125/CEA > 25 (essa relação tem sido útil para afastar Tu gastrointestinal primário que têm metástase para o peritônio, os ovários, ou ambos).  Se CA-125/CEA < 25 ou igual, os resultados de uma colonoscopia, EDA e a MMG (realizada dentro de 6 semanas antes da randomização) deveriam ser negativos para a presença de um tumor primário.
  20. 20. A sobrevida global mediana foi de 29 meses no grupo de cirurgia primária e 30 meses no grupo de QT Neo, e a sobrevida livre de progressão mediana em ambos grupos foi de 12 meses.
  21. 21.  Resultados: - Tumor residual de 1 cm ou menos em 41,6% dos pacientes após a citorredução inicial e 80,6% dos pacientes que realizaram citorredução de intervalo. - Morte no pós-operatório (<28 dias após a cirurgia) ocorreu em 2,5% dos pacientes no grupo de cirurgia primária e em 0,7% dos pacientes no grupo QT neo. n engl j med 363;10 nejm.org september 2, 2010
  22. 22.  Resultados:  Analisaram as parcelas de risco em relação a idade, ao estágio (FIGO), WHO performance status, tipo histológico, e a presença ou ausência de fluido pleural. Em nenhum dos subgrupos houve superioridade de um dos tratamentos.  Em ambos os grupos, o principal fator prognóstico foi a taxa de ressecção tumoral completa. n engl j med 363;10 nejm.org september 2, 2010
  23. 23.  Resultados:  Não há vantagens significativas de terapia neoadjuvante ou cirurgia primária quanto à sobrevivência, efeitos adversos, qualidade de vida, ou a morbidade pós-operatória ou mortalidade n engl j med 363;10 nejm.org september 2, 2010
  24. 24.  Quimioterapia neoadjuvante seguida por cirurgia citorredutora de intervalo não seria, do ponto de visto oncológico, inferior ao tratamento padrão.  Vantagens potenciais de aumentar as taxas de ressecção cirúrgica completa e diminuir morbidade e mortalidade operatórias, observações que abrem novas perspectivas de abordagem.
  25. 25.  Maioria dos pacientes são diagnosticados em estágios avançados.  Citorredução ótima em cerca de 50% dos casos.  Sobrevida global semelhante tanto na cirurgia inicial quanto na citorredução de intervalo até os presentes estudos.  Quimioterapia Neoadjuvante seguida de citorredução de intervalo possui vantagens potenciais de aumentar as taxas de ressecção cirúrgica completa e diminuir morbidade e mortalidade operatórias.
  26. 26.  Secondary Surgical Cytoreduction for Advanced OvarianCarcinoma Peter G. Rose, M.D., for the GynecologicOncologyGroup N Engl J Med 2004  NCCN.org – For Clinicians • NCCN.com – For Patients  GRIFFITHS CT, SILVERSTONE A, TOBIAS J, BENJAMIN E. Oncologia Ginecológica. Ed. Artes Médicas, Printed by Grafos S.A.. , Barcelona, Spain, 1997, p.217  NOVAK & BEREK. Berek & Novak’s Gynecology, Lippincott Williams & Wilkins, 14 th, Philadelphia, PA, 2007, p.2171-2330  REIS FJC, Rastreamento e diagnóstico das neoplasias de ovário -papel dos marcadores tumorais. RBGO, 2005 27 (4), 222-7

×