Alda R. Santos de Resende RA: 66213468-54
Gilvania F. Riberio dos Santos RA: 79307037-25
Marleide Dias Gonçalves
Sueli Vie...
INTRODUÇÃO
Este trabalho tem como objetivo, pontuar as principais diferenças entre linguagem verbal e escrita, a
fonética ...
AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A FALA E A ESCRITA
FALA ESCRITA
1.Interação face a face. 1.Interação à distância (espaço - ...
A FONÉTICA QUE É ALTERADA NO MOMENTO DA FALA
ESCRITA PRONUNCIA
Mendigo Mindingo
Basculante Vasculante
Cadarço Cardarço
Pne...
ESCRITA PRONUNCIA
pneu pineu
ESCRITA PRONUNCIA
alface alfassi
Envoltório de formável e
elástico que se aprende
á jante das...
ESCRITA PRONUNCIA
Basculante Vasculante
ESCRITA PRONUNCIA
Cadarço Cardarço
ESCRITA PRONUNCIA
Travesseiro Trabesseiro
ESCRI...
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS
Menino (São Paulo) Guri (Rio Grande do Sul)
Lagartixa (São Paulo) Taruíra (Espírito Santo)
Pão Fran...
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS
NORTE CENTRO SUL
Jerimum Abóbora
NORTE CENTRO SUL
Sapatilhas Tênis
NORTE CENTRO SUL
Farda Uniforme
...
NORTE CENTRO SUL
Cruzeta Cabide
NORTE CENTRO SUL
Pão Francês Pão de Sal
NORTE CENTRO SUL
Café Bica
NORTE CENTRO SUL
Galha ...
EXEMPLOS DE ERROS ORTOGRÁFICOS
Fonte:http://www.mesalvabatima.com.br
Fonte: http://www3.gazetaonline.com.br Fonte:https://...
PROBLEMAS DA LÍNGUA CONVENCIONAL
No desenvolvimento da linguagem, procedem duas fases, sendo elas:
- Pré linguística: Que ...
REFLEXÕES DO GRUPO
A linguagem difere de região em região, em sotaques tradicionais, em formação da fala, em questão de cu...
LINGUAGEM VERBAL E COMUNICAÇÃO ENTRE AS PESSOAS
Linguagem é o uso da língua como forma de expressão e comunicação entre as...
ANÁLISE INTERPRETATIVA DA PARÁBOLA: A MELHOR E A PIOR COISA DO
MUNDO
Na parábola descreve a língua como sendo a melhor e a...
DIFERENTES GÊNEROS LITERÁRIOS
Gêneros Líricos
Poesia: Harmonização das palavras
Sátira: Texto que escarnece de alguém ou d...
DIFERENTES GÊNEROS LITERÁRIOS
Crônica: Texto isento de qualquer formalidade; traduz acontecimentos do dia-a-dia com uma li...
GÊNERO TEXTUAL
A marca fundamental do texto narrativo é a existência de um enredo, do qual se desenvolvem as ações das per...
MENTIRAS VERÍSSIMAS, Palavras erradas faladas normalmente como se certas fossem. Disponível em
(http://www.mentirasverissi...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
Figura 1. Disponível em (https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR21ggB3J
VBTCtwG...
Figura 9. Disponível em (http://jbchost.com.br/ht/wp-content/uploads/2012/04/kabocha-abobora-japonesa-full.jpg) Acessado
e...
Figura 17. Disponível em (http://www.mesalvabatima.com.br/imagens ). Acessado em 18/03/2015 às 20:20hs.
Figura 18. Disponí...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de fundamentos e metod. lingua portuguesa

495 visualizações

Publicada em

apts português

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
495
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de fundamentos e metod. lingua portuguesa

  1. 1. Alda R. Santos de Resende RA: 66213468-54 Gilvania F. Riberio dos Santos RA: 79307037-25 Marleide Dias Gonçalves Sueli Vieira de Oliveira Thais Cristina Correia RA: 81417565-58 RA: 79837248-29 RA: 77586687-73 Docente: Profª Rosemeire Farias UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP Centro de Educação á Distancia PEDAGOGIA - CL EAD- Sexta-Feira e Sábado ATPS Fundamentos e Metodologia de Língua Portuguesa Tutora presencial: Nayara Pavani SÃO PAULO 2015
  2. 2. INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo, pontuar as principais diferenças entre linguagem verbal e escrita, a fonética e suas alterações, variações lingustícas, problemas da línguas convencional, linguagem e comunicação, a importância e o poder da língua e seus gêneros literários. Como também apresentar os preconceitos que envolvem a linguística.
  3. 3. AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A FALA E A ESCRITA FALA ESCRITA 1.Interação face a face. 1.Interação à distância (espaço - temporial). 2. Planejamento simultâneo ou quase simultâneo à produção. 2.Planejamento anterior à produção. 3. Criação coletiva: administrada paso a passo. 3.Criação individual, 4. Impossibilidade de apagamento. 4.Possibilidade de revisão. 5. Sem condições de consulta a outros textos. 5.Livre consulta. 6. A reforulação pose ser promovida tanto pelo falante como pelo interlocutor. 6.A reformulação é promovida apenas pelo escrito. 7. Acesso imediato às reações do interlocutor. 7.Sem possibilidade de acesso imediato. 8. O falante pode processar o texto, redirecionando- o a partir das relações como o interlocutor. 8.O escritor pode processar o texto a partir das possíveis reações do leitor. 9. O texto mostra todo o seu processo de criação. 9.O texto tende esconder o seu processo de criação, mostrando apenas o resultado.
  4. 4. A FONÉTICA QUE É ALTERADA NO MOMENTO DA FALA ESCRITA PRONUNCIA Mendigo Mindingo Basculante Vasculante Cadarço Cardarço Pneu Pineu Alface Afalssi Aerossol Aerosol Espinha de peixe Espinho de peixe Estupro Estrupo Círculo vicioso Ciclo vicioso Entertido Entretido Fazer Fazê Travesseiro Trabisseiro Umbigo Imbigo Colher Culher Quer Qué Geminadas Germinadas Problema Poblema Almoço Almoçu Subcídio Subzídio Juniores Júniors
  5. 5. ESCRITA PRONUNCIA pneu pineu ESCRITA PRONUNCIA alface alfassi Envoltório de formável e elástico que se aprende á jante das rodas de certos veículos e que protege envolvendo-se uma camâra de ar. Planta asterácea hortense, de que se faz salada. Fonte: https://encrypted- tbn0.gstatic.com Fonte: www.organomix.com.br ESCRITA PRONUNCIA mendigo mindingo ESCRITA PRONUNCIA umbigo imbigo Aquele que pede esmola para viver. Pedinte, indigente. Fonte: www.assiscity.com Fonte: galtiery.files.wordpress.com Cicatriz arredondada resultante do corte do cordão umbilical. Figura 2 - AlfaceFigura 1 - Pneu Figura 3 - Mendigo Figura 4 - Umbigo
  6. 6. ESCRITA PRONUNCIA Basculante Vasculante ESCRITA PRONUNCIA Cadarço Cardarço ESCRITA PRONUNCIA Travesseiro Trabesseiro ESCRITA PRONUNCIA Aerossol Aerosol Fonte: www.trishopping.com.br Fonte: http://mlb-s1-p.mlstatic.com Que gira sobre um eixo horizontal, baixando uma das extremidades para elevar a outra. Cordão com que se aperta o calçado. Fonte: https://images.etna.com.br Almofada comprida que se estende ao longo da cabeceira da cama. Suspensão de partículas finíssimas sólidas ou a maior parte das vezes líquidas num gás. Fonte: http://upload.wikimedia.org Figura 5 - Basculante Figura 6 - Cadarço Figura 7 - Travesseiro Figura 8 - Aerossol
  7. 7. VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS Menino (São Paulo) Guri (Rio Grande do Sul) Lagartixa (São Paulo) Taruíra (Espírito Santo) Pão Francês (São Paulo) Pão de Sal (Espírito Santo) Testos (Norte) Tampas das Panelas/ Tachos (Centro Sul) Café (Norte) Bica (Centro Sul) Pingo (Norte) Garoto (Centro Sul) Cruzeta (Norte) Cabide (Centro Sul) Sapatilhas (Norte) Tênis (Centro Sul) Fósforos (Norte) Palhitos (Centro Sul) Lanchar (Norte) Merendar (Centro Sul) Farda (Norte) Uniforme (Centro Sul) Balaio de Gato (Norte) Desorganização (Centro Sul) Quenga (Norte) Prostituta (Centro Sul/Sudeste) Jerimum (Norte) Abóbora (Centro Sul) Sem Dinheiro (Norte) Liso (Centro Sul) Vigiar (Norte) Pastorar (Centro Sul) Galha (Norte) Chifres (Centro Sul) Triscar (Norte) Encostar (Centro Sul) Bolacha (São Paulo) Biscoito (Rio de Janeiro) Geladinho (São Paulo) Sacolé (Rio de Janeiro)
  8. 8. VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS NORTE CENTRO SUL Jerimum Abóbora NORTE CENTRO SUL Sapatilhas Tênis NORTE CENTRO SUL Farda Uniforme NORTE CENTRO SUL Lagartixa Taruíra Fruto da aboboreira. Sapato esportivo, em lona ou material semelhante e com sola de borracha. Vestuário que é idêntico para uma corporação inteira de indivíduos. Pequeno lagarto insetívoro e trepador. Figura 9 - Abóbora Figura 12 - LagartixaFigura 11 - UniformeFigura 10 - Tênis Fonte: http://jbchost.com.br Fonte: www.oskate.com.bt Fonte: http://cdns2.freepik.com Fonte: www.biologia.seed.pr.gov.br
  9. 9. NORTE CENTRO SUL Cruzeta Cabide NORTE CENTRO SUL Pão Francês Pão de Sal NORTE CENTRO SUL Café Bica NORTE CENTRO SUL Galha Chifres Gancho ou haste de metal ou outro material, que geralmente se fixa a uma porta ou parede e onde se penduram peças de roupa, toalhas, chapéus, etc Bolo alimentício, de qualquer tamanho e feitio, feito de massa de farinha de cereais, ou de milho, cozida em forno. Semente do cafezeiro. Bebida preparada com essa semente, depois de torrada e moída. As pontas da bigorna. Corno, chavelho Figura 13 - Cabide Figura 14 – Pão Francês Figura 15 - Café Figura 16 - Chifres Fonte: www.mundojaya.com.br Fonte: www.esopave.com.br Fonte: www.bolsademulher.com Fonte: http://cienciahoje.uol.com.br
  10. 10. EXEMPLOS DE ERROS ORTOGRÁFICOS Fonte:http://www.mesalvabatima.com.br Fonte: http://www3.gazetaonline.com.br Fonte:https://encrypted-tbn1.gstatic.com Fonte: https://encrypted-tbn3.gstatic.com Figura 17 - Placa Figura 18 - Anúncio Figura 19 - Anúncio Figura 20 - Propaganda Erro ortográfico: IRMÕES Escrita convencional: IRMÃOS Erro ortográfico: RELÂNPAGO Escrita convencional: RELÂMPAGO Erro ortográfico: INFLAVIO Escrita convencional: INFLÁVEL Erro ortográfico: CEM AGROTOXIO Escrita convencional: SEM AGROTÓXICO
  11. 11. PROBLEMAS DA LÍNGUA CONVENCIONAL No desenvolvimento da linguagem, procedem duas fases, sendo elas: - Pré linguística: Que é a fase que são vocalizados apenas balbucias, sem formação de palavras a qual normalmente tem seu final aos 12 meses. - Fase linguística: a criança começa a pronunciar palavras com consistência e compreensão. O processo de aquisição da linguagem envolve o procedimento de evolução de quatro sistema interdependentes: - Pragmático: que se refere ao uso comunicativo da linguagem num contexto social . - Fonológico: O qual envolve a percepção e a produção de sons para formação de palavras. -Semântico: respeitando as palavras e seu significado e como também o gramatical, com a compreensão as regras sintáticas e morfológicas para combinar palavras, para compreensão das frases.
  12. 12. REFLEXÕES DO GRUPO A linguagem difere de região em região, em sotaques tradicionais, em formação da fala, em questão de cultura e escolaridade. São comuns visualizar erros grotescos em propagandas nas estradas e no interior. Isso acontece porque a escrita é o reflexo da fala, se a pessoa aprende a falar errado, ela irá escrever errado. A baixa escolaridade nos interiores de algumas regiões também ajudam nas escrita incorretas, como trocas de letras que tem a mesma sonorização, como exemplo “Ç=SS”, “S=C”, “X=CH”, “S=Z”, entre outros erros de colocação verbal e pontuações. Devemos compreender que todas as línguas variam, todas as variações linguísticas acontecem naturalmente, pois elas acompanham com as variações sociais. Logo não existe certo ou errado, afinal os erros são hipóteses significativas. Em todas as línguas, as pessoas falam de um jeito e escrevem de outro. A fala e a escrita são duas modalidades diferentes da língua. A língua escrita exige certos padrões, em comparação as regras da gramática normativa. Isso ocorre porque, ao falar, as pessoas podem recorrer a outros expedientes para que a comunicação ocorra. Pode-se por exemplo, pedir que repita o que foi dito. Ainda há os gestos, os trejeitos individuais etc. que nos auxiliam a entender nosso interlocutor. Já na linguagem escrita, a interação é mais complicada, o que torna necessário assegurar que o texto escrito dê conta da comunicação. Por essa razão, a fala e a escrita exigem conhecimentos diferentes. O português na variante padrão exige que se escreva corretamente. Essas diferenças geram muitos conflitos. .
  13. 13. LINGUAGEM VERBAL E COMUNICAÇÃO ENTRE AS PESSOAS Linguagem é o uso da língua como forma de expressão e comunicação entre as pessoas. Ela não é somente um grupo de palavras faladas ou escritas, mas também de gestos e imagens, afinal não nos comunicamos apenas pela fala ou escrita. A linguagem pode ser verbalizada, daí vem a analogia ao verbo, assim a linguagem verbal é a que se utiliza de palavras quando se fala ou se escreve, por exemplo, uma entrevista, uma carta, um diálogo, uma reportagem de jornal escrito ou televisionado. A linguagem não verbal, é quando não se utiliza o vocábulo das palavras para se comunicar, e sim imagens, figuras, desenhos, símbolos, dança, tom de voz, postura corporal, pintura, música, mímica, escultura e gestos como meio de comunicação, por exemplo: o semáforo, o apito do juiz numa partida de futebol, logotipos, aviso de “não fume”, “silencio” com desenhos, etc. Na linguagem oral, o ambiente é comum a ambos os falantes. Por isso, quando usam "eu", "aqui", "hoje", não precisam explicitar do que se trata. Além disso, os gestos, expressões faciais, altura do tom da voz, contribuem para a clareza da comunicação. Nesse sentido, a linguagem oral usa recursos diferentes daqueles usados na linguagem escrita. É interessante observarmos que para manter uma comunicação não é preciso usar a fala e sim utilizar uma linguagem, seja, verbal ou não-verbal. A comunicação é o intercâmbio de informação entre duas ou mais pessoas e constitui um aspecto fundamental na vida de todos. Não é uma característica exclusiva dos seres humanos, uma vez que podemos nos comunicar com os animais. É um processo onde um emissor envia uma mensagem a um receptor que pode compreende- la. Ela pode ser feita através de diversos canais: tato, olhar, expressões faciais e corporais, etc.
  14. 14. ANÁLISE INTERPRETATIVA DA PARÁBOLA: A MELHOR E A PIOR COISA DO MUNDO Na parábola descreve a língua como sendo a melhor e a pior coisa do mundo, pois com ela temos a capacidade de nos comunicarmos e relacionarmos com outras pessoas, mas é preciso ter cautela e sabedoria para usá-la, pois podemos dizer coisas que agradam, que fazem bem e deixam os que ouvem felizes, mas também podemos dizer coisas ruins, que causam tristezas, discussões, intrigas e até mesmo guerras. Por isso antes de falarmos precisamos medir muito bem as palavras, buscar formas de nos expressar sem causar mal algum aos que nos ouvem. Então, é sempre necessário buscarmos as palavras certas a serem usadas no momento da fala, pois através da língua dizemos coisas tanto para o bem quanto para o mal. .
  15. 15. DIFERENTES GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Líricos Poesia: Harmonização das palavras Sátira: Texto que escarnece de alguém ou de um determinado contexto. Soneto: Poema com 14 versos: dois quartetos e dois tercetos. Ode ou hino: Derivam do grego e significam “canto”. Ode é uma poesia que exalta algo e hino que glorifica a pátria Acróstico: Poesia na qual as primeiras letras de cada verso, ou em alguns casos as da posição central ou as do final, compõem, na vertical, um ou mais nomes, uma ideia, axiomas, entre outras concepções. Gêneros Narrativos Romance: As produções literárias que aqui se enquadram trazem um enredo integral, com marcas temporais, cenários e personagens determinados com precisão. Fábula: Criação no estilo fantástico, comprometida apenas com a esfera imaginária. Os personagens que desfilam por estas histórias são normalmente animais ou artefatos; a intenção é difundir, por meio da história, mensagens de cunho moral.
  16. 16. DIFERENTES GÊNEROS LITERÁRIOS Crônica: Texto isento de qualquer formalidade; traduz acontecimentos do dia-a-dia com uma linguagem informal, sucinta. Apresenta pitadas de humor e de crítica. Está na fronteira entre o jornalismo e a literatura. Novela: É um módulo mais compilado do romance e também mais dinâmico, é dividida em episódios, são contínuos e não têm interrupções. Conto: é uma narrativa curta que gira em torno de um só conflito, com poucos personagens. Gêneros dramáticos Farsa: Tende para o cômico; a ação é corriqueira e se baseia na rotina diária e no ambiente familiar. Tragédia: Reproduz um evento trágico e tem por fim suscitar piedade e horror. Comédia: representação de um fato cômico, que causa riso. Tragicomédia: é a mistura de elementos trágicos e cômicos
  17. 17. GÊNERO TEXTUAL A marca fundamental do texto narrativo é a existência de um enredo, do qual se desenvolvem as ações das personagens, marcadas pelo tempo e pelo espaço. Assim, a narração possui um narrador (quem apresenta a trama), as personagens (principais e secundárias), o tempo (cronológico ou psicológico) e o espaço (local que se desenvolve a história). Sua estrutura básica é: apresentação, desenvolvimento, clímax e desfecho. Dependendo da intenção do narrador, a narrativa pode ser elaborada nos discursos: direto, indireto e indireto-livre. Texto Narrativo – Discurso Direto O Cavalo e o burro, ilustração de Frances Barlow, metade do século XVII. Fonte: https://peregrinacultural.wordpress.com Figura 21 – Fábula o Cavalo e o Burro Figura 22 – O cavalo e o burro Fonte: http://www.todamateria.com.br/
  18. 18. MENTIRAS VERÍSSIMAS, Palavras erradas faladas normalmente como se certas fossem. Disponível em (http://www.mentirasverissimas.com/2011/08/palavras-erradas-faladas-normalmente.html) Acessado em 18/03/2015 às 18hs. ENSINANDO A ESCREVER, Principais diferenças entre fala e escrita. Disponível em (https://sites.google.com/site/ensinandoaescrever/escrita-e-fala) Acessado em 18/03/2015 às 18:05hs. PASSADORI, Reinaldo. Dez palavras que muita gente pronuncia errado. Disponível em (http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/10-palavras-que-muita-gente-pronuncia-errado) Acessado em 18/03/2015 às 18:20hs. DICIONARIO AURÉLIO ONLINE, Significado das palavras. Disponível em (http://www.dicionariodoaurelio.com) Acessado em 18/03/2015 às 18:30hs. DUARTE, Vânia Maria do Nascimento. Os diversos falares regionais – um olhar curioso. Disponível em (http://www.portugues.com.br/gramatica/os-diversos-falares-regionais-um-olhar-curioso.html) Acessado em 18/03/2015 às 18:40hs. FUNDAMENTOS E METODOLOGIA DA LINGUA PORTUGUESA. Disponível em (http://pt.slides share.net/mkbariotto/fundamentos-e-metodologiadelinguagemportuguesa-resolução baixa) Acessado em 18/03/2015 às 18:50hs. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
  19. 19. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS Figura 1. Disponível em (https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR21ggB3J VBTCtwGfNQLw9jqI6H_tda088NNI9l5HR5FWgqKZ40mw) . Acessado em 18/03/2015 às 19hs. Figura 2. Disponível em (http://www.organomix.com.br/arquivos/ids/8402_10/alface-mimosa.jpg) Acessado em 18/03/2015 às 19:05hs. Figura 3. Disponível em (http://www.assiscity.com/img/81/fileg_59743.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 19:10hs. Figura 4. Disponível em (https://galtiery.files.wordpress.com/2011/07/umbigo.jpg) . Acessado em 18/03/2015 às 19:15hs. Figura 5. Disponível em (http://www.trishopping.com.br/imagens/padronizacao/janela-basculantes-caribe-max-08.jpg) Acessado em 18/03/2015 às 19:20hs Figura 6. Disponível em (http://mlb-s1-p.mlstatic.com/cadarco-militar-redondo-p-coturnos-botas-borzeguimtenis-13794- MLB4075603951_042013-F.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 19:25hs. Figura 7. Disponível em (https://images.etna.com.br/produtos/93/326193/326193_ampliada.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 19:30hs. Figura 8. Disponível em (http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/af/Aerosol.png). Acessado em 18/03/2015 às 19:35hs.
  20. 20. Figura 9. Disponível em (http://jbchost.com.br/ht/wp-content/uploads/2012/04/kabocha-abobora-japonesa-full.jpg) Acessado em 18/03/2015 às 19:40hs. Figura 10. Disponível em (http://www.oskate.com.br/wp-content/uploads/2012/10/tenis-airwalk-2012-brasil28.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 19:45hs Figura 11. Disponível em (http://cdns2.freepik.com/fotos-gratis/uniforme-vetores-pessoal_638972.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 19:50hs Figura 12. Disponível em (http://www.biologia.seed.pr.gov.br/modules/galeria/uploads/4/normal_9lagartixa.jpg) Acessado em 18/03/2015 às 19:55hs Figura 13. Disponível em (http://www.mundojaya.com.br/547-thickbox/porta-toalha-cabide-preto.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 20hs. Figura 14. Disponível em (http://www.esopave.com.br/wp-content/uploads/2012/07/pao-frances.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 20:05hs Figura 15. Disponível em (http://www.bolsademulher.com/sites/www.bolsademulher.com/files/receita/Receita-de-cafe-cubano- 2.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 20:10hs. Figura 16. Disponível em (http://cienciahoje.uol.com.br/banco-de-imagens/lg/web/images/chdia/galer40c.jpg). Acessado em 18/03/2015 às 20:15hs REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
  21. 21. Figura 17. Disponível em (http://www.mesalvabatima.com.br/imagens ). Acessado em 18/03/2015 às 20:20hs. Figura 18. Disponível em (http://www3.gazetaonline.com.br/) . Acessado em 18/03/2015 às 20:25hs Figura 19. Disponível em (https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images ) . Acessado em 18/03/2015 às 20:30hs Figura 20. Disponível em (https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images) Acessado em 18/03/2015 às 20:35hs. Figura 21. Disponível em (http://www.todamateria.com.br/texto-narrativo/). Acessado em 19/03/2015 às 12:30hs. Figura 22. Disponível em (https://peregrinacultural.wordpress.com/2009/06/25/o-cavalo-e-o-burro-fabula-texto-de-monteiro- lobato/). Acessado em 19/03/2015 as 12:40hs. Gêneros Literários. Disponível em (http://www.infoescola.com/generos-literarios/).Acessado em 19/03/2015 às 12:01hs ESOPO. A melhor e a pior coisa do mundo. Disponível em: (http://dl.dropbox.com/u/59805542/ATPS- TEXTOS/Par%C3%A1bola.pdf).Acessado em: 19/03/2015 às 12:10hs. VILARINHO, Sabrina. Gêneros Literários. Disponível em (http://www.brasilescola.com/literatura/generos-literarios.htm). Acessado em 19/03/2015 às 12:05hs. Texto Narrativo. Disponível em (http://www.todamateria.com.br/texto-narrativo/) Acessado em 19/03/2015 às 12:20hs. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

×