A revolução industrial

2.449 visualizações

Publicada em

A Revolução Industrial - 1º ANO - Ensino Médio

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A revolução industrial

  1. 1. Inglaterra, na 2ª metade do século XVIII, e posteriorexpansão para a Europa e América do Norte, a no século XIX. Prof. Gilmar Rodrigues
  2. 2.  Unidade de produção artesanal: produtor “independente” que controlava todas as etapas do processo de produção. O artesão exercia o controle de todos os meios de produção necessários para a fabricação de seus produtos. A produção era realizada em pequena quantidade, e o preço final do produto era alto. Corporações de Ofício: associações destinadas à regular a quantidade da produção, controlar a qualidade da mercadoria, evitar a concorrência entre os seus membros e regulamentar o regime de trabalho. Eram formadas pela hierarquia: mestres, oficiais e aprendizes.
  3. 3.  Com a expansão marítima e o surgimento de novos mercados, a produção das oficinas tornou-se insuficiente. Sistema manufatureiro: o trabalho passou a ser feito por produtores agrupados em um mesmo local de trabalho, promovendo o início da divisão social do trabalho. Os antigos produtores independentes não conseguiram concorrer com o novo sistema e acabaram se tornando mão de obra para os donos das manufaturas.
  4. 4.  Avanços tecnológicos e mecanização do processo produtivo. Desenvolvimento de máquinas a vapor Aumento da capacidade produtiva e estabelecimento de preços mais competitivos. Processo de alienação do trabalhador: distanciamento dos meios de produção e do controle das etapas do processo de produção.
  5. 5. Artesanato Manufaturas Maquinofaturas
  6. 6.  Acumulação de capitais promovida a partir das estratégias mercantilistas. Modernização das estruturas rurais que ampliaram o fornecimento de matérias-primas – sistema de cercamentos: terras comunais foram transformadas em áreas de pastagens destinadas à criação de ovelhas para a produção de lã (a partir do século XVI). Os cercamentos também possibilitaram o aumento na disponibilidade de mão-de-obra com a expropriação dos servos e o seu deslocamento para as áreas urbanas. Presença de ricas jazidas de carvão e minério de ferro, que garantiram o desenvolvimento industrial da Inglaterra.
  7. 7.  Situação de estabilidade inglesa, possibilitada pelo isolamento natural da ilha, afastada dos conflitos europeus. A ascensão da burguesia ao poder após a Revolução Gloriosa garantiu as condições políticas e recursos econômicos necessários ao desenvolvimento industrial. Utilização das áreas coloniais inglesas para o fornecimento de matérias-primas. Ex.: Treze Colônias: fornecimento de algodão. Ampliação do mercado consumidor inglês com a ampliação de seu domínio colonial e acordos com outras potências (Tratado de Methuen firmado com Portugal em 1702). Principais investimentos: indústrias metalúrgicas, têxteis e setor agrícola.
  8. 8. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura
  9. 9. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura
  10. 10. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura
  11. 11. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura
  12. 12. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura
  13. 13. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura
  14. 14.  Ludismo: movimento dos operários que invadiam fábricas e quebravam máquinas, por considerá-las responsáveis pelas suas péssimas condições de vida (desemprego e baixos salários). Cartismo: movimento dos trabalhadores, por melhores condições de vida e trabalho, simbolizado pela “Carta do Povo”, documento endereçado ao Parlamento inglês que continha uma série de reivindicações como: a criação do voto secreto, igualdade de direitos eleitorais, abolição do voto censitário e remuneração dos parlamentares.
  15. 15.  Concentrou-se nos limites do território inglês. Predomínio da energia a vapor com o carvão como combustível. O ferro como elemento básico da indústria metalúrgica. Emergência do capitalismo industrial e concorrencial. Exploração excessiva da classe operária.
  16. 16.  Expansão industrial pela Europa, Estados Unidos e Japão. Substituição da energia a vapor pela energia elétrica. Substituição do carvão pelo petróleo como combustível. Desenvolvimento da siderurgia e substituição do ferro pelo aço. Emergência do capitalismo financeiro e monopolista (trustes, cartéis e holdings).
  17. 17.  Divisão Internacional do Trabalho: entre os países fornecedores de matérias-primas e os fornecedores de produtos industrializados. Taylorismo: racionalização e controle dos movimentos do operário e da máquina, suprimindo ações desnecessárias, para a redução de custos e ampliação de lucros. Fordismo: sistema de linha de montagem com a especialização de tarefas e uma rígida disciplina sobre o operário.
  18. 18.  Fontes alternativas de energia: eólica, atômica e solar. Novos sistemas de produção: robótica e informática. Nova Divisão Internacional do Trabalho: instalação de empresas estrangeiras nos antigos países fornecedores apenas de matéria-prima em busca de mão-de-obra barata. Produto globalizado: caracterizado pela fabricação de seus componentes em diversas partes do mundo.
  19. 19. Fábrica Legião UrbanaNosso dia vai chegar, De onde vem a indiferençaTeremos nossa vez. Temperada a ferro e fogo?Não é pedir demais: Quem guarda os portões da fábrica?Quero justiça, O céu já foi azul, mas agora é cinzaQuero trabalhar em paz. O que era verde aqui já não existe mais.Não é muito o que lhe peço - Quem me dera acreditarEu quero um trabalho honesto Que não acontece nadaEm vez de escravidão. de tanto brincar com fogo,Deve haver algum lugar Que venha o fogo então.Onde o mais forte Esse ar deixou minha vista cansada,Não consegue escravizar Nada demais.Quem não tem chance.

×