PESSOA<br />Nome ou adjetivo<br />Poeta ou pensador<br />Inspiração ou respiração<br />Sentido do sonho<br />Do sonho que ...
MORADIA SOLIDÃO<br />Sozinho num espaço<br />Cabeça cheia de sentença<br />Num corpo se faz presença<br />Na espera de um ...
SIMPLESMENTE MÃOS<br />O toque dá o sentido<br />Da beleza que dela existe<br /> Estética não vai suscitar<br />O prazer d...
Sentir a flor da pele<br />Vivendo cada momento<br />A paixão e o tormento<br />Do amor que se repele<br />Angústia que se...
Situações criam encruzilhadas<br />Caminhos têm que ser escolhidos<br />Pessoas envolvidas<br />Interesses divididos<br />...
ABSTRAÇÃO<br />Pensamento vazio<br />Em busca do nada ou do tudo<br />Pensamento vagando<br />Num mar de incertezas<br />P...
OS NOSSOS HERÓIS<br />Terroristas.<br />Não. Sobreviventes.<br />Assassinos.<br />Não. Torturados.<br />Turistas.<br />Não...
O choro e o riso <br />na memória se materializou<br />O toque das mãos e o cheiro <br />de vida se presenciou<br />Palavr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Poesia 2010[1]

453 visualizações

Publicada em

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
453
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poesia 2010[1]

  1. 1. PESSOA<br />Nome ou adjetivo<br />Poeta ou pensador<br />Inspiração ou respiração<br />Sentido do sonho<br />Do sonho que voa<br />Em busca da proa<br />Relação obscura<br />De dúvida intensa<br />Numa forte presença<br />No caminho se ver<br />Que um ruído ressoa<br />No envolver de tal pessoa.<br />Gilberto Simplício<br /> Maio de 2010<br />
  2. 2. MORADIA SOLIDÃO<br />Sozinho num espaço<br />Cabeça cheia de sentença<br />Num corpo se faz presença<br />Na espera de um abraço.<br />A noite é dura e fria<br />Insônia aumenta a hora<br />Pensamento aflora<br />Onde sentimento novo abria.<br />Parceiros dessa viagem<br /> Livro, computador<br />E o vinho diminui a dor<br />Na manhã ou na simples miragem.<br />Gilberto Simplício<br />Maio de 2010<br />
  3. 3. SIMPLESMENTE MÃOS<br />O toque dá o sentido<br />Da beleza que dela existe<br /> Estética não vai suscitar<br />O prazer da emoção<br />Que dela observar<br />Os poetas as usam<br />Para uma arte expressar<br />Os amantes se conhecem<br />No caminho que se faz<br />E que se satisfazem<br />Marcas são presentes<br />Muitas histórias a contar<br />Ao encontro com certeza<br />De uma dialética tão bela<br /> Da agonia e clareza<br />Gilberto Simplício<br />Junho de 2010<br />
  4. 4. Sentir a flor da pele<br />Vivendo cada momento<br />A paixão e o tormento<br />Do amor que se repele<br />Angústia que se levanta<br />Não muda o desejo<br />Na imagem, eu vejo<br />O que me encanta<br />Com você estar<br />Mesmo sem ter<br />Sinto o seu ser<br />Mesmo sem te tocar<br />Gilberto Simplício <br />Junho de 2010<br />EMOÇÕES<br />
  5. 5. Situações criam encruzilhadas<br />Caminhos têm que ser escolhidos<br />Pessoas envolvidas<br />Interesses divididos<br />Autoritário ou democrata<br />Impor ou dialogar<br />Usar ou ser usado<br />Dureza ou compaixão<br />Se houver um caminho correto?<br />Azar o seu<br />Pra uns a escolha foi errada.<br />Você escolheu o errado<br />Não escolheu os deles<br />No fim só um resultado.<br />Assume a culpa.<br />Gilberto Simplício<br />Junho de 2010<br />DECISÃO<br />
  6. 6. ABSTRAÇÃO<br />Pensamento vazio<br />Em busca do nada ou do tudo<br />Pensamento vagando<br />Num mar de incertezas<br />Pensamento preenchido<br />De idéias e de emoções<br />Não posso esperar<br />O outro viver o meu sonho<br />Não posso esperar<br />Que a vida satisfaça o meu pensar<br />Não posso esperar<br />Esperar<br />Esperar<br />Esperar <br />Gilberto Simplício <br />Julho de 2010<br />
  7. 7. OS NOSSOS HERÓIS<br />Terroristas.<br />Não. Sobreviventes.<br />Assassinos.<br />Não. Torturados.<br />Turistas.<br />Não. Exilados.<br />O que pensam de nós?<br />O que sobrou de cada um de nós?<br />Quem somos na história?<br />Somos simplesmente exilados da história.<br />Ou melhor, da falta de memória histórica.<br />Não fomos esquecidos. Fomos apagados.<br />Somos andarilhos na estrada sem paisagem.<br />Buscamos a nossa imagem.<br />Perigosa no passado.<br />Ignorada no presente.<br />Acreditando na liberdade.<br />Não na liberdade medíocre do capital.<br />Mas na liberdade que humaniza .<br />Na liberdade que se solidariza até na prisão.<br />Muitos nomes tivemos.<br />Identidade, só uma.<br />Sonhador.<br />Endereços diversos.<br />Pátria, só uma.<br />Brasil.<br />Gilberto Simplício<br />Novembro de 2010<br />
  8. 8. O choro e o riso <br />na memória se materializou<br />O toque das mãos e o cheiro <br />de vida se presenciou<br />Palavras surgem<br />Significados sem sentidos<br />Mas sentimentos interagem<br />Em expressões nada contidos<br />Hoje, outra é a beleza<br />Que ao crescer desenvolveu<br />Não é mais só a minha princesa<br />Menina, é verdade, você cresceu!<br />Gilberto Simplício.<br />Dezembro de 2010<br />

×