Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012

543 visualizações

Publicada em

O Objetivo do resumo da lição não é substituí-la, pelo contrário e dar mais amplitude ao estudo do tema.

A ideia e colocar os textos bíblicos diretos que respondam as questões da lição, somados aos escritos de Ellen White que dão luz sobre o assunto, eu comento o minimo possível, só títulos referentes as questões e algumas definições em azul, pois se os textos forem realmente claros, que é intenção, não há necessidade de ficar comentando, e a aplicação, como e mais extensa, procuro fazer na nossa classe.

“Sempre darei a fonte, para que o conteúdo não seja anônimo, e todos tenham a oportunidade de achar, pesquisar e questionar”.

“Esse é o objetivo, que as pessoas estudem, debatam o assunto e entendam o que o Senhor tem revelado a nós como Seu povo escolhido”.

Que... Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe ; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação. Sal. 67:1-2. 

Bom Estudo!

Gerson Gomes Ramos.

Estou a sua disposição para pedidos, dúvidas, críticas e sugestões.

https://www.facebook.com/gerson.g.ramos

https://twitter.com/@ramosgerson7

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012

  1. 1. Preservando relacionamentosLição 2 7 a 14 de julho VERSO PARA MEMORIZAR:“Quem é a nossa esperança, alegria ou coroa em que nos gloriamos perante o Senhor Jesus na Sua vinda? Não são vocês? De fato, vocês são a nossa glória e a nossa alegria” (1Ts 2:19, 20, NVI).Sendo participantes do trabalho e da alegria de Cristo.Havia, contudo, uma alegria futura para a qual Paulo olhava como a recompensa de seus trabalhos - amesma alegria por causa da qual Cristo suportou a cruz e desdenhou a ignomínia - alegria esta de ver ofruto de Seu trabalho. "Qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória?" escreveu ele aos conversos deTessalônica. "Porventura, não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristo em Sua vinda? Naverdade, vós sois a nossa glória e gozo." I Tess. 2:19 e 20.Quem poderá calcular os resultados dos trabalhos de Paulo, para o mundo? De todas estas benéficas influências quealiviam o sofrimento, que confortam a tristeza, que restringem o mal, que erguem a vida de sua condiçãoegoísta e sensual, e a glorificam com a esperança da imortalidade, quanto se deve aos trabalhos de Paulo e deseus cooperadores, quando, com o evangelho do Filho de Deus, fizeram sua silenciosa viagem da Ásia às praias daEuropa?Qual o valor de uma vida que serviu de instrumento de Deus para colocar em ação tais influênciasabençoadoras? O que não valerá na eternidade testemunhar os resultados de um tal trabalho? Educação p. 70.Deus poderia haver realizado Seu desígnio de salvar pecadores sem o nosso auxílio; mas a fim dedesenvolvermos caráter semelhante ao de Cristo, é nos preciso partilhar de Sua obra. A fim de participar daalegria dEle - a alegria de ver almas redimidas por Seu sacrifício - devemos tomar parte em Seus laborespara redenção delas. O Desejado de Todas as Nações, págs. 142.Pensamento-chave: O verdadeiro evangelismo leva a relacionamentos profundos e permanentes, que começam aqui, eque se estendem por toda a eternidade. Domingo: Oposição em Tessalônica 1. Qual foi a principal motivação para a oposição à mensagem de Paulo? Que declarações seus oponentes fizerampara que as autoridades locais se interessassem no caso? Como essas autoridades responderam? At 17:5-9Atos 17:5Os judeus, porém, movidos de inveja, trazendo consigo alguns homens maus dentre a malandragem,ajuntando a turba, alvoroçaram a cidade e, assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para o meio do povo. 6Porém, não os encontrando, arrastaram Jasom e alguns irmãos perante as autoridades, clamando: Estes que têmtranstornado o mundo chegaram também aqui, 7 os quais Jasom hospedou. Todos estes procedem contra osdecretos de César, afirmando ser Jesus outro rei. 8 Tanto a multidão como as autoridades ficaram agitadas aoouvirem estas palavras; 9 contudo, soltaram Jasom e os mais, após terem recebido deles a fiança estipulada. (Atos 17:5-9)Movidos pela inveja.Ao serem as verdades do evangelho assim proclamadas em Tessalônica com forte poder, foi atraída a atenção degrandes congregações. "E alguns deles creram, e ajuntaram-se com Paulo e Silas; e também uma grande multidão degregos religiosos, e não poucas mulheres principais." Atos 17:4.Como aconteceu nos lugares anteriormente trabalhados, também aqui os apóstolos encontraram decidida oposição."Mas os judeus desobedientes" foram "movidos de inveja." Esses judeus não estavam então nas boas graçasdo poder romano, porque não fazia muito tempo, haviam levantado uma insurreição em Roma. Eramolhados com desconfiança, e sua liberdade estava até certo ponto restringida. Agora viram eles umaoportunidade para tirar vantagem das circunstâncias, para readquirirem o favor e ao mesmo tempolançando o opróbrio sobre os apóstolos e conversos do cristianismo.Isto procuraram executar, unindo-se com "alguns homens perversos, dentre os vadios", por cujo intermédio"alvoroçaram a cidade, assaltando a casa de Jasom", na esperança de encontrar os apóstolos; mas não encontraramPaulo nem Silas. "E, não os achando", a turba, desatinada pelo desapontamento, "trouxeram Jasom e alguns irmãos, àpresença dos magistrados da cidade, clamando: Estes que têm alvoroçado o mundo, chegaram também aqui; os quaisJasom recolheu; e todos estes procedem contra os decretos de César, dizendo que há outro rei, Jesus." Atos 17:5-7.Como Paulo e Silas não fossem encontrados, os magistrados prenderam os acusados crentes para manter apaz. Temendo mais violência, "logo os irmãos enviaram de noite Paulo e Silas a Beréia". Atos 17:10.Os que hoje ensinam verdades impopulares não se devem desanimar, se por vezes encontram, mesmo porparte dos que se dizem cristãos, recepção não mais favorável que a dispensada a Paulo e seuscompanheiros, por aqueles por quem trabalham. Os mensageiros da cruz devem armar-se de vigilância eoração, avançando com fé e ânimo, trabalhando sempre no nome de Jesus. Devem exaltar a Cristo como Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  2. 2. Mediador do homem no santuário celestial; como Aquele em quem se centralizam todos os sacrifícios da dispensação doAntigo Testamento, e por cujo sacrifício expiatório os transgressores da lei de Deus podem encontrar paz e perdão. Atosdos Apóstolos, pp. 229-230.Ciúme e ódio contra os apóstolos.Os judeus incrédulos de Tessalônica, cheios de ciúme e ódio contra os apóstolos, e não satisfeitos comhavê-los expulso de sua própria cidade, seguiram-nos até Beréia e levantaram contra eles as paixõesexcitáveis da classe mais baixa. Atos dos Apóstolos, p. 232. Segunda: O episódio em Bereia 2. Qual foi a diferença entre a experiência de Paulo em Bereia e em Tessalônica? O que aprendemos com essadiferença? At 17:10-15Os Bereanos estavam dispostos a pesquisar a veracidade das doutrinas pregadas pelos apóstolos.E logo, durante a noite, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia; ali chegados, dirigiram-se à sinagoga dos judeus.Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a avidez,examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim. Com isso, muitos delescreram, mulheres gregas de alta posição e não poucos homens. Mas, logo que os judeus de Tessalônica souberamque a palavra de Deus era anunciada por Paulo também em Beréia, foram lá excitar e perturbar o povo. Então, os irmãospromoveram, sem detença, a partida de Paulo para os lados do mar. Porém Silas e Timóteo continuaram ali. Osresponsáveis por Paulo levaram-no até Atenas e regressaram trazendo ordem a Silas e Timóteo para que, o maisdepressa possível, fossem ter com ele. (Atos 17:10-15)Em Beréia, Paulo encontrou judeus dispostos a pesquisar as verdades por ele ensinadas. A respeito delesdeclara o relatório de Lucas: "Estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom gradoreceberam a Palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim. De sorte que creram muitos deles,e também mulheres gregas da classe nobre, e não poucos varões." Atos 17:11 e 12.Os Bereanos examinavam diariamente os relatos inspirados.A mente dos bereanos não se achava limitada pelo preconceito. Estavam dispostos a pesquisar averacidade das doutrinas pregadas pelos apóstolos. Estudavam a Bíblia, não por curiosidade, mas para quepudessem aprender o que havia sido escrito a respeito do Messias prometido. Diariamente examinavam osrelatos inspirados; e ao compararem texto com texto, anjos celestiais se colocavam ao lado deles,iluminando-lhes a mente e impressionando-lhes o coração. Pág. 232Quando são apresentadas verdades bíblicas impopulares, muitos se recusam a pesquisá-las.Onde quer que as verdades do evangelho sejam proclamadas, os que honestamente desejam proceder comretidão serão levados a exame diligente das Escrituras. Se nas cenas finais da história da Terra, aqueles aquem são proclamadas verdades decisivas seguissem o exemplo dos bereanos, examinando diariamente asEscrituras, e comparando com a Palavra de Deus as mensagens a eles levadas, haveria hoje em dia grandenúmero de pessoas leais aos preceitos da lei de Deus, onde agora existem relativamente poucos. Masquando são apresentadas verdades bíblicas impopulares, muitos se recusam a pesquisá-las. Emboraincapazes de refutar os claros ensinos da Escritura, manifestam extrema relutância em estudar as evidências oferecidas.Alguns presumem que mesmo sendo essas doutrinas verdades incontestes, pouco importa aceitarem ou não a nova luz;e apegam-se a fábulas agradáveis usadas pelo inimigo para desviar as almas. Assim são suas mentes cegadas pelo erro,e eles ficam separados do Céu. Atos dos Apóstolos, pp. 231-232. Terça: Interlúdio em Atenas (Interlúdio: Lapso de tempo no meio de qualquer coisa). 3. Ao falar aos judeus em Atos 17:2, 3, Paulo começou com o tema do Messias no Antigo Testamento. Ao falar aosfilósofos pagãos de Atenas (At 17:16-34), em que ponto ele começou? O que podemos aprender com essas abordagensdiferentes?Em TessalônicaAtos 17:2 E Paulo, como tinha por costume, foi ter com eles e, por três sábados, disputou com eles sobre asEscrituras, 3 expondo e demonstrando que convinha que o Cristo padecesse e ressuscitasse dos mortos. Eeste Jesus, que vos anuncio, dizia ele, é o Cristo.Em Atenas… 22 E, estando Paulo no meio do Areópago, disse: Varões atenienses, em tudo vos vejo um tantosupersticiosos; 23 porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em queestava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais não o conhecendo é o que eu vosanuncio. ... (Atos. 17:16-34). Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  3. 3. "Disputava na sinagoga com os judeus e religiosos, e todos os dias na praça com os que se apresentavam." Atos 17:17.Mas a sua principal obra em Atenas era levar as boas novas de salvação aos que não tinham claraconcepção de Deus e de Seu propósito em favor da raça caída. O apóstolo logo havia de enfrentar opaganismo em sua forma mais sutil e sedutora. Atos dos Apóstolos, p. 235.Portanto conduziram-no ao Areópago. Este era um dos locais mais sagrados de toda a Atenas, e suas evocações ereminiscências eram tais que o faziam ser considerado com uma supersticiosa reverência que, na mente de alguns,chegava ao terror. Era neste local que os assuntos relacionados com a religião eram muitas vezes consideradoscuidadosamente por homens que funcionavam como juízes finais em todas as questões mais importantes, tanto moraiscomo civis.Ali, afastado do ruído e agitação das ruas apinhadas e do tumulto da discussão promíscua, o apóstolo podia ser ouvidosem interrupção. Ao seu redor reuniram-se poetas, artistas, e filósofos - intelectuais e sábios de Atenas, que a ele assimse dirigiram: "Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas? Pois coisas estranhas nos trazes aos ouvidos;queremos pois saber o que vem a ser isto." Atos 17:19 e 20. Pág. 237Nesta hora de solene responsabilidade o apóstolo estava calmo e confiante. Tinha o coração possuído de importantemensagem, e as palavras que lhe caíram dos lábios, convenceram seus ouvintes de que ele não era nenhum paroleiro."Varões atenienses", disse ele, "em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; porque, passando eu e vendo os vossossantuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse pois que vós honrais, não Oconhecendo, é o que eu vos anúncio." Atos 17:22 e 23. Com toda a sua inteligência e conhecimento generalizado,eram eles ignorantes do Deus que criara o Universo. Alguns todavia ali estavam, que almejavam maior luz.Estavam procurando alcançar o infinito.Com a mão estendida em direção ao templo apinhado de ídolos, Paulo esvaziou sua alma e expôs a falácia da religiãodos atenienses. Os mais sábios dentre seus ouvintes ficaram admirados ao atentarem para a suaargumentação. Mostrou estar familiarizado com suas obras de arte, literatura e religião. Apontando para oestatuário e ídolos deles, declarou que Deus não pode ser assemelhado a formas de imaginação humana. Aquelasimagens esculpidas não podiam, mesmo da maneira mais pálida, representar a glória de Jeová. Fê-los pensar no fato deque aquelas imagens não tinham vida, mas eram controladas pelo poder humano, movendo-se apenas quando as mãosdos homens as moviam; de maneira que os adoradores eram em tudo superiores ao objeto adorado.Paulo levou a mente de seus ouvintes idólatras para além dos limites de sua falsa religião, a uma visãocerta da Divindade a que eles denominaram "Deus desconhecido". Este Ser que ele agora lhes anunciava, eraindependente do homem, nada necessitando das mãos Pág. 238 humanas que Lhe viesse acrescentar poder e glória.O povo foi tomado de admiração pela fervente e lógica apresentação feita por Paulo dos atributos do verdadeiro Deus -Seu poder criador e a existência de Sua soberana providência. Com ardente e férvida eloqüência, o apóstolo declarou: "ODeus que fez o mundo e tudo o que nele há, sendo Senhor do Céu e da Terra, não habita em templos feitos por mãos dehomens; nem tão pouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois Ele mesmo équem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas." Atos 17:24 e 25. Os Céus não eram grandes bastante paraconter Deus, quanto mais os templos feitos por mãos humanas. … Atos dos Apóstolos, pp. 236-239. Quarta: Chegada a Corinto 4. Qual foi o assunto principal da pregação de Paulo nessa passagem? Qual foi a diferença entre a estratégiamissionária de Paulo em Atenas e em Corinto? 1Co 1:18–2:2Pregou a respeito do sacrifício de Cristo, como sendo a sabedoria e o poder de DeusI Cor. 1:18 Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é opoder de Deus . 19 Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dosinteligentes. 20 Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século?Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? 21 Visto como, na sabedoria de Deus, omundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura dapregação. 22 Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; 23 mas nós pregamos a Cristocrucificado, que é escândalo para os judeus e loucura para os gregos . 24 Mas, para os que sãochamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus . 25Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. 26Porque vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nemmuitos os nobres que são chamados. 27 Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir assábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes. 28 E Deus escolheu ascoisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são para aniquilar as que são; 29 para quenenhuma carne se glorie perante ele. 30 Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deussabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; 31 para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor.I Cor. 2:1E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade depalavras ou de sabedoria. 2 Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado .Paulo em sua maneira de trabalhar, adaptava sua mensagem às circunstâncias em que se achava. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  4. 4. O pastor não deve julgar que toda a verdade tem que ser apresentada aos incrédulos em toda e qualquer ocasião. Eledeve estudar com cuidado quando convém falar, o que dizer, e o que deixar de mencionar. Isso não é usarde engano; é trabalhar como Paulo fazia. "Porque, sendo livre para com todos," escreveu ele aos coríntios, "fiz-meservo de todos, para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estãodebaixo da lei, como se estivera debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, Pág.118 como se estivera sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os queestão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para, por todos os meios,chegar a salvar alguns." I Cor. 9:19-22.Paulo não se aproximava dos judeus de maneira a despertar-lhes os preconceitos. Não lhes dizia, aprincípio, que deviam crer em Jesus de Nazaré; mas insistia nas profecias que falavam de Cristo, Suamissão e obra. Levava seus ouvintes passo a passo, mostrando-lhes a importância de honrar a lei de Deus. Dava adevida honra à lei cerimonial, mostrando que fora Cristo que instituíra a ordem judaica e o serviço sacrifical. Levava-os,então, até ao primeiro advento do Redentor, e mostrava que, na vida e morte de Cristo, se havia cumprido tudo comoestava especificado nesse serviço sacrifical.Dos gentios, Paulo se aproximava exaltando a Cristo, e apresentando as exigências da lei. Mostrava comoa luz refletida pela cruz do Calvário dava significação e glória a toda a ordem judaica.Assim variava o apóstolo sua maneira de trabalhar, adaptando sua mensagem às circunstâncias em que seachava. Depois de paciente trabalho, tinha grande medida de êxito; entretanto, muitos havia que não seconvenciam. Alguns há, hoje, que não se convencerão seja qual for o método de apresentar a verdade; e o obreiro deDeus deve estudar cuidadosamente métodos melhores, a fim de não despertar preconceitos nemcombatividade. Eis onde alguns têm fracassado. Seguindo suas inclinações naturais, têm fechado portaspelas quais, com outra maneira de agir, Pág. 119 poderiam ter encontrado acesso a corações e, porintermédio desses, a outros ainda.Os obreiros de Deus devem examinar e ampliar diariamente suas estratégias e capacidadesOs obreiros de Deus devem ser homens de múltiplas facetas; isto é, devem possuir largueza de caráter. Nãodevem ser homens apegados a uma só idéia, estereotipados em sua maneira de agir, incapazes de ver quesua defesa da verdade deve variar segundo a espécie de pessoas entre as quais trabalham, e ascircunstâncias que se lhes deparam.Delicada é a obra que se apresenta ao pastor quando o enfrentam o afastamento, a inimizade encarniçada e a oposição.Ele necessita, mais que os outros, daquela sabedoria que é "primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável,cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia". Tia. 3:17. Como o orvalho e os chuveirossilenciosos caem suavemente sobre as ressequidas plantas, assim devem cair-lhe as palavras brandamenteao proclamar a verdade. Cumpre-lhe ganhar almas, não repeli-las. Deve estudar a fim de ser hábil, ondenão há regras para fazer face à situação.Muitas almas têm sido desviadas para uma direção errada, e assim perdidas para a causa de Deus,devido à falta de habilidade e sabedoria da parte do obreiro. O tato e o critério centuplicam a utilidadedo obreiro. Se profere as palavras convenientes no tempo oportuno, e manifesta o devido espírito, issoterá no coração daquele que ele está procurando ajudar, uma influência capaz de o comover. ObreirosEvangélicos, pp. 117-119. Quinta: Paulo revela sua afeição 5. Como era o relacionamento e a ligação emocional de Paulo com os crentes de Tessalônica? O que isso nos ensina arespeito de como devemos nos relacionar com aqueles a quem ministramos? 1Ts 2:17–3:10Paulo tem saudades dos tessalonicenses17Nós, porém, irmãos, sendo privados de vós por um momento de tempo, de vista, mas não do coração,tanto mais procuramos com grande desejo ver o vosso rosto . 18 Pelo que bem quisemos, uma e outravez, ir ter convosco, pelo menos eu, Paulo , mas Satanás no-lo impediu. 19 Porque qual é a nossa esperança,ou gozo, ou coroa de glória? Porventura, não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristoem sua vinda? 20 Na verdade, vós sois a nossa glória e gozo . (I Tess. 2:17-20).O apóstolo Paulo escreveu aos cristãos tessalonicenses: "Qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória?Porventura, não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristo em Sua vinda? Na verdade, vós sois a nossaglória e gozo." I Tess. 2:19 e 20. Este é o tesouro pelo qual Cristo nos pede trabalhar . O caráter é a grandecolheita da vida. E toda palavra ou ato que, mediante a graça de Cristo, suscita em uma alma umimpulso em direção ao Céu, todo esforço que tende à formação de um caráter cristão, é depositartesouro no Céu.Onde se acha o tesouro, aí estará também o coração. Em todo esforço para beneficiar a outros,beneficiamo-nos a nós mesmos. Aquele que dá dinheiro ou tempo para a disseminação do evangelho, empenha seupróprio interesse e suas orações em prol da obra e das almas a serem conquistadas por meio dele; suas afeições dilatam-se para outros, e ele é estimulado a maior devoção para com Deus, a fim de ser habilitado a fazer-lhes maior bem. O MaiorDiscurso de Cristo, p. 90. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  5. 5. 1 Pelo que, não podendo esperar mais, de boa mente quisemos deixar-nos ficar sós em Atenas; 2 eenviamos Timóteo, nosso irmão, e ministro de Deus, e nosso cooperador no evangelho de Cristo, paravos confortar e vos exortar acerca da vossa fé; 3 para que ninguém se comova por estas tribulações; porque vósmesmos sabeis que para isto fomos ordenados; 4 pois, estando ainda convosco, vos predizíamos que havíamos de serafligidos, como sucedeu, e vós o sabeis. 5 Portanto, não podendo eu também esperar mais, mandei-o saber davossa fé, temendo que o tentador vos tentasse, e o nosso trabalho viesse a ser inútil. (I Tess. 3:1-5).No que respeita à amizade humana, Paulo sentia-se inteiramente só.Nessa grande cidade (Atenas), onde Deus não era adorado, Paulo foi opresso por um sentimento de solidão, eanelou a simpatia e o auxílio de seus colaboradores . No que respeita à amizade humana, sentia-seinteiramente só. Em sua epístola aos tessalonicenses, ele exprimiu seus sentimentos nas palavras:"Deixar-nos ficar sós em Atenas." I Tess. 3:1. Obstáculos aparentemente intransponíveis se apresentaram diante dele,fazendo com que se lhe afigurasse quase, sem esperança a tentativa de alcançar o coração do povo.Enquanto esperava por Silas e Timóteo, Paulo não ficou ocioso. "Disputava na sinagoga com os judeus e religiosos, etodos os dias na praça com os que se apresentavam." Atos 17:17. Atos dos Apóstolos, pp. 234-235.O relato inspirador de Timóteo6Vindo, porém, agora, Timóteo de vós para nós e trazendo-nos boas novas da vossa fé e caridade e decomo sempre tendes boa lembrança de nós, desejando muito ver-nos, como nós também a vós, 7 poresta razão, irmãos, ficamos consolados acerca de vós, em toda a nossa aflição e necessidade, pelavossa fé, 8 porque, agora, vivemos, se estais firmes no Senhor . 9 Porque que ação de graças poderemos dar aDeus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus, 10 orandoabundantemente dia e noite, para que possamos ver o vosso rosto e supramos o que falta à vossa fé? (I Tess. 3:6-10).A chegada de Silas e Timóteo, vindos da Macedônia enquanto Paulo se encontrava em Corinto, alegrara muito ao apóstolo.Trouxera-lhe "boas notícias" da "fé e caridade" dos que haviam aceitado a verdade durante a primeira visita dosmensageiros evangélicos a Tessalônica. O coração de Paulo se comoveu com a mais terna simpatia para comesses crentes que, em meio às provações e adversidades, se haviam mantido fiéis a Deus . Desejoumuito visitá-los pessoalmente; como, porém, isto fosse impossível então, escreveu-lhes .Nesta carta à igreja de Tessalônica, o apóstolo expressa sua gratidão a Deus pelas alegres novas doprogresso por eles alcançado na fé. "Irmãos", escreveu, "ficamos consolados acerca de vós, em toda a nossa afliçãoe necessidade, pela vossa fé, porque agora vivemos, se estais firmes no Senhor. Porque, que ação de graças poderemosdar a Deus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus, orandoabundantemente dia e noite, para que possamos ver o vosso rosto, e supramos o que falta à vossa fé? Pág. 256"Sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menção de vós em nossas orações, lembrando-nos sem cessar daobra da vossa fé, do trabalho da caridade, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nossoDeus e Pai." I Tess. 1:2 e 3.Muitos dos crentes de Tessalônica haviam-se convertido dos ídolos a Deus, "para servir ao Deus vivo e verdadeiro". Eleshaviam recebido "a palavra em muita tribulação"; e seu coração estava cheio do "gozo do Espírito Santo". O apóstolodeclarou que em sua fidelidade em seguir ao Senhor, haviam eles sido "exemplo para todos os fiéis na Macedônia e Acaia".Essas palavras de louvor não eram imerecidas; "porque por vós", escreveu ele, "soou a Palavra do Senhor, não somente naMacedônia e Acaia, mas também em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou". I Tess. 1:6-8.Os crentes de Tessalônica eram verdadeiros missionários. Seu coração estava inf lamado de zelo peloseu Salvador, que os livrara do temor da "ira futura". I Tess. 1:10. Mediante a graça de Cristo, operara-se-lhes na vida uma transformação maravilhosa; e a Palavra do Senhor, pregada por eles, eraacompanhada de poder. Por intermédio das verdades apresentadas, corações foram ganhos e almasacrescentadas ao número dos crentes. Atos dos Apóstolos, pp. 255-156. Sexta: Estudo adicionalConclusão:Com “Preservando relacionamentos” aprendi que ... • Mesmo em meio a oposição dura e persistente não devemos desanimar, a muitas pessoas sinceras dispostas a conhecer e aceitar fielmente o plano da salvação através do estudo das escrituras. • E importante ter abordagens diferentes para determinados campos evangelísticos (Casa, parentes, amigos, vizinhos, colegas de serviço, contatos pessoais esporádicos ou casuais, etc) cada um apresenta uma característica e necessidade diferenciada, por isso os obreiros de Deus devem examinar a situação, e com o auxilio e direção divina, ampliar diariamente suas experiências, estratégias e capacidades. • Devemos nós relacionar com intensidade pelas pessoas as quais trabalhamos, sua salvação será a nossa alegria e motivação. O verdadeiro evangelismo leva a relacionamentos profundos e permanentes, que começam aqui, e que se estendem por toda a eternidade. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com

×