Lições Adultos Busque ao Senhor e Viva!Lição 13 - Para que não nos esqueçamos (Malaquias) 22 a 29 de junhoSábado à tarde A...
oriente ao ocidente grande é o meu nome entre as nações. Em toda parte incenso e ofertas puras são trazidos ao meunome, po...
Leia Malaquias 2:17. Qual é a advertência do texto, especialmente no contexto da lição do dia? Qual é a advertência emoutr...
Deus e o que não o serve. Mal. 3:16-18. RC.6. A expressão “memorial escrito” (RA) ou “livro como memorial” (NVI) é encontr...
chuva; faz que a vegetação brote; concede saúde e habilidade para a aquisição de meios. Todas as bênçãos vêm de Suasgenero...
II. Sentir: Apreço pelas bênçãos de DeusA. Entregar o dízimo e as ofertas nos ajuda a apreciar as bênçãos de Deus.B. Qual ...
e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser Meu discípulo” (Lc 14:26). Esse ódio não te...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Para que não nos esqueçamos (Malaquias)_Lição original com textos_1322013

2.449 visualizações

Publicada em

A lição original com os textos bíblicos tem como finalidade facilitar a leitura ou mesmo o estudo, os versos estão na sequência correta, evitando a necessidade de procurá-los, o que agiliza, para os que tem o tempo limitado, vc pode levá-la no ipad, no pendrive, celular e etc, ler a qualquer momento e em qualquer lugar que desejar, até sem a necessidade de estar conectado na internet.

Também facilita se for imprimir por usar bem menos tinta que a lição convencional.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nós abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Para que não nos esqueçamos (Malaquias)_Lição original com textos_1322013

  1. 1. Lições Adultos Busque ao Senhor e Viva!Lição 13 - Para que não nos esqueçamos (Malaquias) 22 a 29 de junhoSábado à tarde Ano Bíblico: Sl 46–50VERSO PARA MEMORIZAR:“Desde o nascente do sol até ao poente, é grande entre as nações o Meu nome; e em todo lugar lhe é queimado incenso etrazidas ofertas puras, porque o Meu nome é grande entre as nações, diz o Senhor dos Exércitos” (Mal 1:11).Leituras da Semana: Ml 1; Lv 1:1-3; Ml 2; Ef 5:21-33; Ml 3; Êx 32:32; Ml 4Pensamento-chave: Malaquias nos ensina a extensão do comprometimento de Deus com Seu povo, mas também apontapara suas sagradas responsabilidades.O nome Malaquias significa “meu mensageiro”. Não sabemos nada sobre ele, exceto o que podemos encontrar em seupequeno livro, que termina a seção do Antigo Testamento chamada de Profetas Menores (ou O Livro dos Doze).É também o último livro do Antigo Testamento.A mensagem central de Malaquias é que, embora Deus tivesse revelado amor por Seu povo ao longo da sua história, esseamor também tornou Seu povo responsável diante dEle. O Senhor esperava que a nação escolhida e seus líderesobedecessem aos Seus mandamentos. Ainda que a idolatria aberta aparentemente houvesse desaparecido (o livro pareceter sido escrito para judeus que haviam retornado do cativeiro babilônico), o povo não estava vivendo à altura dasexpectativas da aliança. Embora eles estivessem cumprindo a rotina das cerimônias religiosas, tudo era formalismodestituído de vida e de sincera convicção. Que nossa igreja tome cuidado com esse perigo!Domingo - Grande é o Senhor Ano Bíblico: Sl 51–551. Leia Malaquias 1. De que problema o profeta estava tratando? Temos manifestado a mesma atitude que motivou essarepreensão?O amor de Deus pelo seu povo1 Uma advertência: a palavra do Senhor contra Israel, por meio de Malaquias. 2 "Eu sempre os amei", diz o Senhor. "Masvocês perguntam: ‘De que maneira nos amaste? ’ "Não era Esaú irmão de Jacó? ", declara o Senhor. "Todavia eu ameiJacó, 3 mas rejeitei Esaú. Transformei suas montanhas em terra devastada e as terras de sua herança em morada dechacais do deserto. " 4 Embora Edom afirme: "Fomos esmagados, mas reconstruiremos as ruínas", assim diz o Senhor dosExércitos: "Podem construir, mas eu demolirei. Eles serão chamados Terra Perversa, povo contra quem o Senhor está iradopara sempre. 5 Vocês verão isso com os próprios olhos e exclamarão: Grande é o Senhor, até mesmo além das fronteirasde Israel!Sacrifícios imundos6 "O filho honra seu pai, e o servo o seu senhor. Se eu sou pai, onde está a honra que me é devida? Se eu sou senhor,onde está o temor que me devem? ", pergunta o Senhor dos Exércitos a vocês, sacerdotes. "São vocês que desprezam omeu nome! " "Mas vocês perguntam: ‘De que maneira temos desprezado o teu nome? ’ 7 "Trazendo comida impura ao meualtar! "E mesmo assim ainda perguntam: ‘De que maneira te desonramos? ’ "Ao dizerem que a mesa do Senhor édesprezível. 8 "Na hora de trazerem animais cegos para sacrificar, vocês não vêem mal algum. Na hora de trazeremanimais aleijados e doentes como oferta, também não vêem mal algum. Tentem oferecê-los de presente ao governador!Será que ele se agradará de vocês? Será que os atenderá? ", pergunta o Senhor dos Exércitos. 9 "E agora, sacerdotes,tentem apaziguar a Deus para que tenha compaixão de nós! Será que com esse tipo de oferta ele os atenderá? ", perguntao Senhor dos Exércitos. 10 "Ah, se um de vocês fechasse as portas do templo. Assim ao menos não acenderiam o fogo domeu altar inutilmente. Não tenho prazer em vocês", diz o Senhor dos Exércitos, "e não aceitarei as suas ofertas. 11 Pois doramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. oriente ao ocidente grande é o meu nome entre as nações. Em toda parte incenso e ofertas puras são trazidos ao meunome, porque grande é o meu nome entre as nações", diz o Senhor dos Exércitos. 12 "Mas vocês o profanam ao dizeremque a mesa do Senhor é imunda e que a sua comida é desprezível. 13 E ainda dizem: ‘Que canseira! ’ e riem dela comdesprezo", diz o Senhor dos Exércitos. "Quando vocês trazem animais roubados, aleijados e doentes e os oferecem emsacrifício, deveria eu aceitá-los de suas mãos? ", pergunta o Senhor. 14 "Maldito seja o enganador que, tendo no rebanhoum macho sem defeito, promete oferecê-lo e depois sacrifica um animal defeituoso", diz o Senhor dos Exércitos; "pois eusou um grande rei, e o meu nome é temido entre as nações. " Malaquias 1. NVI.Malaquias contrastou o amor de Deus por Seu povo com a atitude dos sacerdotes, a quem ele acusou do pecado dedesprezo pelo santo nome de Deus. Ao realizar seus deveres no templo, esses descendentes de Arão aceitavam animaiscoxos, cegos e doentes para os sacrifícios ao Senhor. Dessa forma, o povo era levado a pensar que os sacrifícios não eramimportantes. No entanto, no deserto, Deus havia instruído Arão e seus filhos declarando que os animais sacrificados deviamser fisicamente perfeitos, sem defeito (Lv 1:1-3; 22:19).O profeta enumerou então três razões importantes pelas quais Deus merecia ser honrado e respeitado pelo povo de Israel.Primeira: Deus era seu Pai. Assim como os filhos devem honrar seus pais, as pessoas devem respeitar seu Pai do Céu.Segunda: Deus era seu Mestre e Senhor. Assim como os servos obedecem aos seus mestres, o povo de Deus deve tratá-Lo da mesma forma. Terceira: O Senhor era um grande Rei. Um rei terreno não aceitaria um animal com defeito ou doentecomo presente de um de seus súditos. Então, o profeta perguntou: Por que o povo apresentaria esse tipo de animal ao Reidos reis, que governa o mundo inteiro?O que tornava suas ações ainda mais detestáveis à vista de Deus era que todos esses sacrifícios apontavam para Jesus, oimaculado Filho de Deus (Jo 1:29; 1Pe 1:18, 19). Os animais deviam ser sem defeito porque, para ser nosso perfeitosacrifício, Jesus não podia ter defeito.“Para honra e glória de Deus, Seu Filho Amado – o Penhor, o Substituto – foi entregue e desceu para a prisão da sepultura.Ele ficou encerrado nas câmaras rochosas do túmulo novo. Se um único pecado tivesse manchado Seu caráter, a pedranunca teria sido removida da porta de Sua câmara rochosa, e o mundo, com seu fardo de culpa teria perecido” (Ellen G.White, Manuscript Releases, v. 10, p. 385).É de admirar que os sacrifícios que apontavam para Jesus tivessem que ser perfeitos?Segunda - Amor e respeito mútuos Ano Bíblico: Sl 56–61A voz de Deus, que aparece no livro de Malaquias, é a voz de um Pai amoroso que apela ao Seus filhos. Quando o povolevanta questões e faz reclamações, Ele está pronto para dialogar. A maioria das questões discutidas por Deus e Seu povotem a ver com algumas atitudes básicas.2. Leia Malaquias 2. Embora diversas questões sejam abordadas, que prática específica o Senhor estava condenando? Ml2:13-1613 Há outra coisa que vocês fazem: Enchem de lágrimas o altar do Senhor; choram e gemem porque ele já não dá atençãoàs suas ofertas nem as aceita com prazer. 14 E vocês ainda perguntam: "Por quê? " É porque o Senhor é testemunha entrevocê e a mulher da sua mocidade, pois você não cumpriu a sua promessa de fidelidade, embora ela fosse a suacompanheira, a mulher do seu acordo matrimonial. 15 Não foi o Senhor que os fez um só? Em corpo e em espírito eles lhepertencem. E por que um só? Porque ele desejava uma descendência consagrada. Portanto, tenham cuidado: Ninguémseja infiel à mulher da sua mocidade. 16 "Eu odeio o divórcio", diz o Senhor, o Deus de Israel, e "o homem que se cobre deviolência como se cobre de roupas", diz o Senhor dos Exércitos. Por isso tenham bom senso; não sejam infiéis. Mal. 2:13-16. NVI.Embora todos os judeus reconhecessem Deus como Pai e Criador em sua adoração, nem todos eles viviam como se Deusfosse o Senhor de sua vida. Malaquias usou o casamento como exemplo para ilustrar a falta de fidelidade ecomprometimento com os semelhantes. Segundo a Bíblia, o casamento é uma sagrada instituição estabelecida por Deus. Opovo de Israel foi advertido contra o casamento fora da comunidade da fé, porque esse tipo de casamento prejudicaria seucompromisso com o Senhor e eles cairiam na idolatria (Js 23:12, 13.)Deus havia planejado que o casamento fosse um compromisso para toda a vida. No entanto, no tempo de Malaquias,muitos homens estavam quebrando os votos feitos no início da vida com a “mulher da [sua] mocidade”, como disse oprofeta (Ml 2:14). Vendo suas esposas envelhecendo, os maridos se divorciavam e se casavam com mulheres mais jovense mais atraentes. Por essa razão, Deus disse que odeia o divórcio (Ml 2:16). Essa forte declaração revela a seriedade comque Deus trata o compromisso do casamento, que as pessoas muitas vezes não levam a sério. As regras rígidas da Bíbliasobre o divórcio mostram que o casamento é sagrado.Visto que o divórcio era legalizado em Israel (Dt 24:1-4), alguns homens não hesitavam em quebrar seus votosmatrimoniais. Perto do fim do período do Antigo Testamento, o divórcio parece ter se tornado comum, até certo ponto comoem muitos países hoje. No entanto, na Bíblia o casamento é constantemente apresentado como uma santa aliança diantede Deus (Gn 2:24; Ef 5:21-33).ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. Leia Malaquias 2:17. Qual é a advertência do texto, especialmente no contexto da lição do dia? Qual é a advertência emoutros aspectos? Estamos aprovando essa atitude, mesmo inconscientemente?Terça - Dízimo na casa do tesouro Ano Bíblico: Sl 62–673. O que Deus estava dizendo ao Seu povo em Malaquias 3:1-10? Que elementos específicos são encontrados nesse textoe por que todos eles estão interligados?1 Eis que eu envio o meu anjo, que preparará o caminho diante de mim; e, de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quemvós buscais, o anjo do concerto, a quem vós desejais; eis que vem, diz o SENHOR dos Exércitos. 2 Mas quem suportará odia da sua vinda? E quem subsistirá, quando ele aparecer? Porque ele será como o fogo do ourives e como o sabão doslavandeiros. 3 E assentar-se-á, afinando e purificando a prata; e purificará os filhos de Levi e os afinará como ouro e comoprata; então, ao SENHOR trarão ofertas em justiça. 4 E a oferta de Judá e de Jerusalém será suave ao SENHOR, como nosdias antigos e como nos primeiros anos. 5 E chegar-me-ei a vós para juízo, e serei uma testemunha veloz contra osfeiticeiros, e contra os adúlteros, e contra os que juram falsamente, e contra os que defraudam o jornaleiro, e pervertem odireito da viúva, e do órfão, e do estrangeiro, e não me temem, diz o SENHOR dos Exércitos.Roubando Deus6 Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos. 7 Desde os dias de vossos pais,vos desviastes dos meus estatutos e não os guardastes; tornai vós para mim, e eu tornarei para vós, diz o SENHOR dosExércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar? 8 Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Emque te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas. 9 Com maldição sois amaldiçoados, porque me roubais a mim, vós,toda a nação. 10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei provade mim, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, quedela vos advenha a maior abastança. Mal. 3:1-10. RC.Com esses versos, Deus reafirmou a mensagem básica dos Profetas Menores: Seu amor continua firme e inabalável. Noverso 7, o chamado de Deus é ouvido mais uma vez: “Tornai-vos para Mim, e Eu Me tornarei para vós outros.” O povoentão perguntou: “Em que havemos de tornar?” Essa pergunta é semelhante à de Miqueias 6:6, sobre os sacrifíciosapresentados a Deus. No caso de Malaquias, no entanto, foi dada uma resposta específica e, surpreendentemente, tinha aver com a questão da entrega ou não do dízimo.Na verdade, eles foram acusados de roubar o que pertence a Deus. Isso aconteceu porque eles não foram fiéis nadevolução de seus dízimos e ofertas.O costume de entregar o dízimo, devolvendo 10% da renda, é apresentado na Bíblia como lembrete de que Deus é dono detudo e tudo o que as pessoas têm provém dEle. O dízimo era usado em Israel para sustentar os levitas que ministravam notemplo. De acordo com Malaquias, negligenciar a devolução do dízimo é o mesmo que roubar a Deus.Malaquias 3:10 é um dos raros textos em que Deus desafia as pessoas a prová-Lo. Nas águas de Meribá, no deserto, osfilhos de Israel repetidamente “puseram à prova” a paciência de Deus, o que O deixou irado (Sl 95:8-11). Em Malaquias, noentanto, Deus estava convidando Israel a prová-Lo. Ele queria que eles vissem que podiam confiar nEle a respeito desseassunto, o que, de acordo com o texto, é algo de grande significado espiritual.Como o ato de entregar o dízimo (e também de dar ofertas) fortalece você espiritualmente? Em outras palavras, quandovocê é desonesto na entrega do dízimo, por que você está enganando a si mesmo, além de tentar enganar a Deus?Quarta - Um memorial escrito Ano Bíblico: Sl 68–71Em Malaquias 3:13-18, o povo se queixou de que o Senhor não Se importava com os pecados da nação. Aqueles quepraticavam o mal e a injustiça pareciam escapar despercebidos e assim, muitos se perguntavam por que deviam servir aoSenhor e viver de modo justo, quando o mal parecia ficar impune.4. Por que é fácil entender a queixa apresentada em Malaquias 3:14, 15?14 Vós dizeis: Inútil é servir a Deus; que nos aproveitou termos cuidado em guardar os seus preceitos e em andar de lutodiante do SENHOR dos Exércitos? 15 Ora, pois, nós reputamos por bem-aventurados os soberbos; também os quecometem impiedade se edificam; sim, eles tentam ao SENHOR e escapam. Mal. 3:14-15. RC.5. Como o Senhor respondeu? Ml 3:16-18Neste mundo, onde há tanta injustiça, é fácil questionar se um dia a justiça será feita. A mensagem de Malaquias, noentanto, é que Deus sabe de todas essas coisas, e recompensará os que são fiéis a Ele.16 Então, aqueles que temem ao SENHOR falam cada um com o seu companheiro; e o SENHOR atenta e ouve; e há ummemorial escrito diante dele, para os que temem ao SENHOR e para os que se lembram do seu nome. 17 E eles serãomeus, diz o SENHOR dos Exércitos, naquele dia que farei, serão para mim particular tesouro; poupá-los-ei como umhomem poupa a seu filho que o serve. 18 Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve aramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. Deus e o que não o serve. Mal. 3:16-18. RC.6. A expressão “memorial escrito” (RA) ou “livro como memorial” (NVI) é encontrada apenas nessa passagem dasEscrituras. O que as seguintes passagens ensinam sobre os livros de Deus nos quais são registrados os nomes e as açõesdas pessoas? Êx 32:32; Sl 139:16; Is 4:3; 65:6; Ap 20:11-15Agora, pois, perdoa-lhe o pecado; ou, se não, risca-me, peço-te, do livro que escreveste. Êxo. 32:32. RA.Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escritoe determinado, quando nem um deles havia ainda. Sal. 139:16. RA.Será que os restantes de Sião e os que ficarem em Jerusalém serão chamados santos; todos os que estão inscritos emJerusalém, para a vida Isa. 4:3. RA.Eis que está escrito diante de mim, e não me calarei; mas eu pagarei, vingar-me-ei, totalmente Isa. 65:6. RA.Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugarpara eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Aindaoutro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achavaescrito nos livros. Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foramjulgados, um por um, segundo as suas obras. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta éa segunda morte, o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro dolago de fogo. Apoc. 20:11-15. RA.A conclusão é de que o Senhor conhece todas as coisas. Ele conhece os que são Seus (2Tm 2:19) e os que não são.Como pecadores, tudo que podemos fazer é suplicar Sua justiça, clamar por Suas promessas de perdão e poder. Depois,confiando nos méritos de Cristo, morrer para o eu e viver para Ele e para os semelhantes, sabendo que, no fim, nossa únicaesperança está em Sua graça. Se colocarmos nossa esperança em nós mesmos, com certeza nos decepcionaremos.Quinta - O Sol da justiça Ano Bíblico: Sl 72–77Em uma ocasião anterior, as pessoas perguntaram: “Onde está o Deus do juízo?” (Ml 2:17). No início do capítulo 4, umasolene promessa é feita de que um dia Deus executará Seu juízo sobre o mundo. Como resultado, os orgulhosos serãodestruídos com os ímpios, assim como a palha é consumida pelo fogo. A palha é a parte inútil do grão, e dura apenasalguns segundos quando jogada no fogo. No Dia do Senhor, o fogo será o agente de destruição, assim como foi a água nosdias de Noé.7. Leia Malaquias 4. Que grande contraste é apresentado entre os salvos e os perdidos? Leia também Dt 30:19; Jo 3:16Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe,pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, Deut. 30:19. RA.Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mastenha a vida eterna.” Jo. 3:16. RA.)Enquanto o destino dos ímpios é descrito no verso 1, o verso 2 se concentra nas bênçãos futuras dos justos. A pergunta“Onde está o Deus do juízo?” é respondida novamente, mas dessa vez pela certeza de um dia no futuro, em que o Sol daJustiça Se levantará trazendo cura em suas asas (Ml 4:2, NVI). O nascimento do “Sol da Justiça” é uma metáfora pararepresentar o amanhecer de um novo dia, que marca uma nova era na história da salvação. Nesse tempo, de uma vez portodas o mal será destruído para sempre, os salvos desfrutarão do resultado final do que Cristo realizou por eles e oUniverso se tornará eternamente seguro.Malaquias encerra seu livro com duas admoestações que caracterizam a fé bíblica. A primeira é um chamado para que aspessoas se lembrem da revelação divina por intermédio de Moisés, os cinco primeiros livros da Bíblia e fundamento doAntigo Testamento.A segunda admoestação fala do papel profético de Elias. Cheio do Espírito Santo, esse profeta convidou o povo a searrepender e voltar para Deus. Embora o próprio Jesus tenha visto João Batista como um cumprimento dessa profecia (Mt11:13, 14), acreditamos também que ela se cumprirá no fim dos tempos, quando Deus terá um povo que anunciarádestemidamente Sua mensagem ao mundo. “Os que devem preparar o caminho para a segunda vinda de Cristo sãorepresentados pelo fiel Elias, assim como João veio no espírito de Elias para preparar o caminho para o primeiro adventode Cristo” (Ellen G. White, Conselhos Sobre Saúde, p. 73).Como devemos cumprir esse papel sagrado? Como estamos nos saindo nessa tarefa?Sexta - Estudo adicional Ano Bíblico: Sl 78–80“Deus abençoa a obra das mãos dos homens, para que eles possam devolver-Lhe Sua porção. Dá-lhes a luz do Sol e aramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. chuva; faz que a vegetação brote; concede saúde e habilidade para a aquisição de meios. Todas as bênçãos vêm de Suasgenerosas mãos, e Ele deseja que homens e mulheres mostrem gratidão devolvendo-Lhe uma parte em dízimos e ofertas –em ofertas de gratidão, ofertas voluntárias e ofertas pelo pecado. Eles devem devotar seus meios a Seu serviço, para queSua vinha não venha a ser um deserto estéril. Precisam estudar o que o Senhor faria em lugar deles. Devem levar a Ele emoração toda questão difícil. Devem revelar interesse altruísta na edificação de Sua obra em todas as partes do mundo”(Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 707, 708).Perguntas para reflexão1. O casamento seria sagrado e importante se pudesse ser facilmente terminado? Se você pudesse sair dele por razõestriviais, o casamento seria trivial. As regras contra o término do casamento provam que ele é especial. Você concorda?2. Leia atentamente Malaquias 2:17. O que o juízo pré-advento tem a dizer aos que expressam os mesmos sentimentosdesse verso?17 Enfadais ao SENHOR com vossas palavras; e ainda dizeis: Em que o enfadamos? Nisto, que dizeis: Qualquer que faz omal passa por bom aos olhos do SENHOR, e desses é que ele se agrada; ou onde está o Deus do juízo? Mal. 2:17. RC.3. Malaquias 4 fala sobre a destruição dos perdidos. Nada permanece. Como esse ensino se contrasta com a ideia de umfogo do inferno queimando eternamente? Por que o contraste entre essas duas visões é um bom exemplo de como umafalsa doutrina pode levar a uma falsa compreensão do caráter de Deus?4. Na obra “The Grand Inquisitor” [O Grande Inquisidor], o escritor russo Dostoiévski descreveu a Igreja em seu tempo comotendo tanto controle sobre as coisas que não precisava mais de Cristo. Estamos diante desse perigo hoje? Como esseperigo pode ser mais sutil do que percebemos?Respostas sugestivas: 1. Ingratidão, irreverência, desonra e profanação ao nome de Deus entre os israelitas. As ofertas eatos religiosos não correspondiam ao amor e proteção concedidos pelo Senhor. 2. O casamento entre judeus, adoradoresdo Deus verdadeiro e adoradoras de deuses estranhos. Muitos judeus estavam se divorciando de suas esposas, para seunirem às mulheres de outros povos, transgredindo a aliança do Senhor. 3. Profecia sobre a vinda de João Batista parapreparar o povo para a primeira vinda de Jesus, que julgará e purificará o coração de Seu povo; advertência contrafeiticeiros, adúlteros, falsas testemunhas e opressores. Um dos sintomas do afastamento de Deus foi a infidelidade nosdízimos e ofertas. Deus chama o povo de volta ao relacionamento de aliança com Ele, advertindo contra o pecado eprometendo bênçãos para a fidelidade. 4. Porque os justos muitas vezes sofrem e os ímpios prosperam. Se nãoconsiderarmos que, em longo prazo, o pecado traz desvantagem, ficaremos desanimados diante das injustiças do mundo.5. O Senhor mostrou que existe um livro memorial, no qual são registrados os atos dos que temem a Deus; um dia, os fiéisserão poupados da destruição, e serão considerados o tesouro especial de Deus; então aparecerá a diferença entre o justoe o perverso. 6. A pessoa pode ser incluída e excluída do livro da vida; a inclusão está fundamentada no perdão; no “livro”de Deus existe um plano de salvação, que depende da nossa aceitação para ser cumprido; nossas obras, registradas noslivros, determinam nossa recompensa; existem vários livros; o mais importante é o livro da vida. Quem não estiver inscritonesse livro, sofrerá a morte eterna. 7. No dia do juízo, os perdidos serão destruídos, enquanto os salvos verão o Sol dajustiça, trazendo cura e crescimento. Para os salvos haverá vida eterna e bênção. Para os perdidos haverá morte eterna emaldição.Auxiliar - ResumoTexto-chave: Malaquias 1:11Mas, desde o nascente do sol até ao poente, será grande entre as nações o meu nome; e, em todo lugar, se oferecerá aomeu nome incenso e uma oblação pura; porque o meu nome será grande entre as nações, diz o SENHOR dos Exércitos.Mal. 1:11. RC.O aluno deverá...Saber: Que o compromisso de Deus com Seu povo resultará na manifestação gloriosa de Sua presença e em certasatividades proféticas no clímax da história do mundo.Sentir: Apreço pelas grandes bênçãos do Senhor, reservadas aos Seus seguidores que valorizam Suas dádivas.Fazer: Ter uma vida responsável celebrando a grandeza do nome de Deus.EsboçoI. Saber: Compromisso de Deus com Seu povoA. Na prática, o que significa o amor de Deus por Seu povo?B. Por que Deus Se envolve em diferentes diálogos com Seu povo?ramos@advir.comramos@advir.com
  6. 6. II. Sentir: Apreço pelas bênçãos de DeusA. Entregar o dízimo e as ofertas nos ajuda a apreciar as bênçãos de Deus.B. Qual é a relação entre a fé e o estilo de vida?III. Fazer: Vida responsávelA. Por que a fidelidade ao cônjuge se reflete na fidelidade ao Senhor?B. O que podemos fazer para encorajar as pessoas a pensar nas necessidades dos outros e a não ser egoístas?C. Você seria rico se Deus lhe desse o dobro da quantidade de dinheiro que você deu aos pobres e necessitados? Por quedar é mais valioso do que guardar ou receber?Resumo: Deus dialoga com Seu povo a fim de que Seus filhos percebam quão profundamente Ele os ama e Se preocupacom seu bem-estar, chamando-os a ser fiéis em todos os aspectos da vida. Ele enfatiza a fidelidade conjugal, paternidade,liderança e o dízimo.Ciclo do AprendizadoMotivaçãoFocalizando a Palavra: Malaquias 1:2Conceito-chave para o crescimento espiritual: Deus declara que ama Seu povo. Seus filhos duvidam e, como resultado,vivem de modo egoísta e perverso. Isso significa que nossa vida espiritual e nosso crescimento dependem da imagem quetemos de Deus. Quando acreditamos plenamente que Ele quer o nosso melhor, entregamos nossa vida a Ele em completaconfiança, vivemos em total dependência dEle e, por gratidão, seguimos Sua vontade. Só então poderemos prosperar.Só para o professor: A lição desta semana se concentra no amor de Deus por Seu povo e na vinda de Jesus Cristo no Diado Senhor. Enfatize para a classe que, como Seus seguidores, somos aconselhados com veemência a fazer o que é corretoporque o dia do acerto de contas está próximo.Discussão de aberturaMuitas vezes desprezamos as bênçãos preciosas que experimentamos na vida. Considere atentamente a seguintepergunta: Como podemos aprender a apreciar e ser mais gratos pelas bênçãos que Deus nos dá?Perguntas para discussão1. De acordo com o livro de Malaquias, quantas perguntas o povo fez a Deus? Essas perguntas ajudam a descobrir osdiferentes temas com os quais o profeta lidou (veja as perguntas em Ml 1:2, 6, 7; 2:14, 17; 3:7, 8, 13). Preste muita atençãoàs respostas de Deus. Ele responde às nossas perguntas quando estamos confusos em nossa compreensão das questõesreais da vida. Em Seu amor, Ele dialoga com Seu povo, embora possa simplesmente ordenar nossa obediência.2. Como devemos entender o chamado de Deus ao povo: “Voltem para Mim e Eu voltarei para vocês”? (NVI). Quem estádando o primeiro passo? Quem está chamando? (Ml 3:7). Note que as pessoas deviam voltar para Deus porque Ele, comamor e paciência, as convidou a voltar.CompreensãoSó para o professor: No livro de Malaquias aparecem oito perguntas feitas pelo povo e respondidas por Deus. Também nósprecisamos pensar nessas questões para restabelecer de forma prática nosso relacionamento de aliança com Deus.Comentário BíblicoConsidere estas questões essenciais:I. Deus ama você. Você O ama? (Recapitule com a classe Ml 1:2, 3.)O livro de Malaquias começa com uma declaração divina difícil: “Amei a Jacó, porém aborreci a Esaú” (Ml 1:2, 3). Comodevemos entender essa declaração contrária à natureza de Deus? O que significa o fato de Deus ter odiado Esaú? Ele nãoama todas as pessoas?Deus reafirmou ao Seu povo Sua aliança de amor e o convidou a olhar para trás e ver a diferença na história entre eles e osdescendentes de Esaú. Esse contraste foi explicado com base na eleição para o serviço e não tem nada a ver com a ideiade salvação. Trata-se de uma diferença estabelecida sobre a presciência de Deus a respeito das decisões de Jacó e Esaú,sobre as perspectivas de vida e orientações espirituais.A palavra ódio em hebraico por vezes tem um significado diferente da nossa atual compreensão dessa palavra. Considereos dois exemplos a seguir: (1) Jacó amava mais a Raquel do que a Lia (Gn 29:30), mas o texto bíblico descreve essapreferência com a forte palavra ódio: “Quando o Senhor viu que Lia era desprezada [odiada, na versão English StandardBible, Bíblia Inglesa Padrão], concedeu-lhe filhos” (Gn 29:31, NVI). (2) Jesus declarou as condições em que Seusseguidores devem “odiar” mesmo os mais próximos a eles: “Se alguém vem a Mim e não aborrece [odeia] a seu pai, e mãe,ramos@advir.comramos@advir.com
  7. 7. e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser Meu discípulo” (Lc 14:26). Esse ódio não temabsolutamente nada a ver com a hostilidade emocional para com os entes queridos. Ao contrário, significa que o discípulode Cristo precisa amá-Lo mais do que a seus pais, cônjuge, filhos ou outros parentes próximos (Mt 10:37; Dt 6:5). Cristoprecisa ser nossa prioridade número um. Assim, a palavra ódio pode se referir a uma expressão idiomática que significa“não ser preferido”, “não ser objeto de escolha pessoal (para uma tarefa especial)”, como Lia não foi a esposa preferida deJacó, embora ele tivesse seis filhos e uma filha com ela.Pense nisto: Como devemos entender a afirmação de que Deus amou Jacó, mas odiou Esaú? Da mesma forma, o queJesus quis dizer ao afirmar que, se Seus seguidores viessem a Ele, mas não aborrecessem seus entes queridos, não eramdignos dEle?II. Deus é fiel. Você é fiel a Deus? (Recapitule com a classe 1Jo 4:7-12.)Nossa fidelidade a Deus é demonstrada de forma palpável, pelo nosso respeito por Sua lei e em nossa maneira de conduzirnossos relacionamentos (Jo 14:15; 1Jo 4:7-12, 19-21). João perguntou: Como as pessoas podem afirmar que amam aDeus, que não pode ser visto, quando não amam o irmão, que vive ao lado delas? Se não revelamos de forma práticanosso carinho, respeito e amor, mentimos para nós mesmos. Consequentemente, nosso relacionamento com Deus não égenuíno.Pense nisto: O que é fidelidade verdadeira? Como Deus demonstra Sua fidelidade a nós? Como devemos demonstrarnossa fidelidade a Ele?III. Você é fiel ao seu cônjuge? (Recapitule com a classe Ml 2:10-16.)Nossa fidelidade a Deus é mostrada acima de tudo em nossa fidelidade ao cônjuge.O centro literário e temático do livro de Malaquias é o capítulo 2:10-16. Esse tema é forte: “Pare de ser infiel!” Nessapassagem, a definição de pecado é ser infiel: “Tenham bom senso; não sejam infiéis” (Ml 2:16, NVI; leia também Rm 14:23).Em hebraico, bagad é a palavra para “ser [infiel]”, “ser [desleal]” ou agir “aleivosamente” (Tradução Brasileira). Ela ocorrenessa curta passagem de Malaquias (e somente nesse trecho do livro) cinco vezes (v. 10, 11, 14, 15, 16) e exerce um papelfundamental. Deus virá em juízo, e chamará as pessoas a prestar contas a Ele. Por isso, elas precisam ser fiéis e cultivarrelacionamentos corretos, que vêm da fé. No livro de Malaquias, ter fé significa ser fiel à aliança que fizemos com Deus etambém com nosso cônjuge.O relacionamento de fé deve ser vivido em nosso casamento. Aqui não podemos mentir. Ou somos fiéis ao nosso cônjugeou quebramos esse íntimo relacionamento de aliança. Uma relação conjugal amorosa terá uma influência duradoura epositiva sobre nossos filhos.Pergunta para discussãoPor que Deus odeia o divórcio? O que é tão prejudicial nessa situação? Como ela afeta a vida espiritual e o futuro do casalenvolvido e dos filhos? Quais são as causas legítimas para o divórcio? Quando ele pode ser justificado? Veja a resposta deJesus à questão apresentada por alguns fariseus: “É lícito ao marido repudiar a sua mulher por qualquer motivo?” (Mt 19:3-9).Discussão: Malaquias usou uma ilustração viva e forte no seu ensino sobre o que significa ter uma vida dedicada a Deus.Fale aos outros sobre a fidelidade de Deus no cumprimento de Suas promessas em relação ao dízimo. Como é que novedécimos tornam sua renda sempre maior do que dez décimos? Incentive os outros a ser fiéis ao Senhor na esfera financeirada vida, para que eles também experimentem a bênção especial de Deus (Ml 3:10-12).IV. Você é um pai amoroso, atencioso e responsável? (Recapitule com a classe Ml 4:5, 6.)A mensagem profética do Antigo Testamento termina com uma questão que é muito esperançosa e séria ao mesmo tempo.A missão do profeta Elias, o movimento profético para os últimos dias, consiste em converter o coração dos pais aos filhos etrazer os filhos para perto de seus pais (Ml 4:5, 6).Note que essa obra está ligada ao retorno do povo de Deus para o Sol da justiça (Ml 4:2) e à lei de Deus (Ml 4:4). Somentedessa forma as muitas bênçãos de Deus podem fluir.Pense nisto: O Senhor afirma que no fim haverá uma distinção entre os que seguem a Deus e os que vivem de acordo comsua própria vontade (Ml 3:18). Como Deus pode mostrar a diferença entre o justo e o perverso? Como podemos reconhecerque alguém está servindo a Deus de todo o coração?AplicaçãoSó para o professor: A fim de entender melhor as perguntas do povo e as respostas que Deus deu, convide os alunos aparticipar da atividade a seguir.ramos@advir.comramos@advir.com

×