Lições Adultos Reavivamento e Reforma
Lição 5 - Obediência: fruto do reavivamento 27 de julho a 3 de agosto
❉ Sábado à tar...
Antes de sua queda, Pedro estava sempre falando desavisadamente, levado pelo impulso do momento. Sempre pronto a
corrigir ...
Estêvão foi apedrejado, porque apresentou um testemunho eficaz do Salvador que foi crucificado e que ressurgiu. Todos os
q...
aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome”. Isso porque ele sabia
q...
Uma vida cheia do Espírito Santo terá como referência a vida de Cristo; uma vida de humildade, com disposição constante
de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013

275 visualizações

Publicada em

O Objetivo do resumo da lição não é substituí-la, pelo contrário e dar mais amplitude ao estudo do tema.

A ideia e colocar os textos bíblicos diretos que respondam as questões da lição, somados aos escritos de Ellen White que dão luz sobre o assunto, eu procuro comentar o mínimo possível, só detalhes referentes as questões e algumas definições todas neste tom de azul, pois se os textos forem realmente claros, que é intenção, não há necessidade de ficar comentando, e a aplicação, como e mais extensa, procuro fazer na nossa classe.

“Sempre darei a fonte, para que o conteúdo não seja anônimo, e todos tenham a oportunidade de achar, pesquisar e questionar”.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2. 

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
275
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013

  1. 1. Lições Adultos Reavivamento e Reforma Lição 5 - Obediência: fruto do reavivamento 27 de julho a 3 de agosto ❉ Sábado à tarde - “As armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo”. 2Co 10:4, 5. Ao lidar com homens desarrazoados e ímpios, os que crêem na verdade devem ter o cuidado de não se rebaixarem ao mesmo nível, onde usarão as mesmas armas satânicas usadas por seus inimigos, dando alas a fortes sentimentos pessoais e suscitando rancor e amarga hostilidade contra si mesmos e contra a obra que o Senhor lhes deu a fazer. Exaltai a Jesus. Somos cooperadores de Deus. Somos providos de armas espirituais, poderosas para demolir as fortalezas do inimigo. Em caso algum devemos representar mal a nossa fé entretecendo na obra atributos que não se assemelham aos de Cristo. Precisamos exaltar a lei de Deus como meio de vincular-nos com Jesus Cristo e com todos os que O amam e guardam os Seus mandamentos. Também devemos revelar amor pelas almas por quem Cristo morreu. Nossa fé deve demonstrar-se um poder do qual Cristo é o Autor. E a Bíblia, Sua Palavra, deve tornar-nos sábios para a salvação. … Em vez de vigiar para encontrar algo a ser acusado e condenado nos outros, dai graças ao Senhor por haver perdão com Ele. Cristo Se entristece quando criticamos e acusamos; pois isto constitui a obra de Satanás. Tiremos águas das fontes da salvação e louvemos ao Senhor. Não é o sermonar que evidencia que a pessoa nasceu de novo. O apreço pela ternura de Cristo para com as ovelhas do Seu pasto é que torna isso evidente. Manuscrito 46, 1898. ❉ Domingo - Vida transformada Ano Bíblico: Is 20–23 1. Analise as reações de Pedro antes da cruz, depois da ressurreição e depois do Pentecostes. Que diferença a cruz, a ressurreição e o Pentecostes fizeram nas atitudes de Pedro? Mt 26:69-74: Reação de Pedro antes da cruz; Jo 21:15-19: Reação de Pedro depois da ressurreição; At 5:28-32: Reação de Pedro depois do Pentecostes. “Ora, estava Pedro assentado fora no pátio; e, aproximando-se uma criada, lhe disse: Também tu estavas com Jesus, o galileu. Ele, porém, o negou diante de todos, dizendo: Não sei o que dizes. E, saindo para o alpendre, foi ele visto por outra criada, a qual disse aos que ali estavam: Este também estava com Jesus, o Nazareno. E ele negou outra vez, com juramento: Não conheço tal homem. Logo depois, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: Verdadeiramente, és também um deles, porque o teu modo de falar o denuncia. Então, começou ele a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem! E imediatamente cantou o galo.” (Mateus 26:69-74 RA) “Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes outros? Ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Ele lhe disse: Apascenta os meus cordeiros. Tornou a perguntar-lhe pela segunda vez: Simão, filho de João, tu me amas? Ele lhe respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Pastoreia as minhas ovelhas. Pela terceira vez Jesus lhe perguntou: Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu- se por ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Jesus lhe disse: Apascenta as minhas ovelhas. Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias; quando, porém, fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres. Disse isto para significar com que gênero de morte Pedro havia de glorificar a Deus. Depois de assim falar, acrescentou-lhe: Segue-me.” (João 21:15-19 RA) “dizendo: Expressamente vos ordenamos que não ensinásseis nesse nome; contudo, enchestes Jerusalém de vossa doutrina; e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem. Então, Pedro e os demais apóstolos afirmaram: Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens. O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, a quem vós matastes, pendurando-o num madeiro. Deus, porém, com a sua destra, o exaltou a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados. Ora, nós somos testemunhas destes fatos, e bem assim o Espírito Santo, que Deus outorgou aos que lhe obedecem.” (Atos 5:28-32 RA) Antes da cruz: Após a prisão de Jesus, a reação de Pedro foi de decepção e medo, e negou ao mestre. Mt 26:69-74. Depois da ressurreição: Pedro estava arrependido, amava verdadeiramente a Jesus e se “entristeceu-se por ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Jo 21:15- 19. Depois do Pentecostes: Recebeu o poder do alto e foi uma fiel testemunha At 1:8; 5:32, não teve mais medo de homem algum “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” e pregou à Jesus Cristo como o Salvador ressurreto predito pelas profecias com ousadia e eficiência. At 5:28-32. ramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. Antes de sua queda, Pedro estava sempre falando desavisadamente, levado pelo impulso do momento. Sempre pronto a corrigir os outros, exprimia os próprios pensamentos, antes de ter ideia clara a respeito de si mesmo ou do que ia dizer. O Pedro convertido, porém, era bem diverso. Conservava o antigo fervor, mas a graça de Cristo lhe regulava o zelo. Não mais era impetuoso, confiante em si mesmo, presumido, mas calmo, dominado e dócil. Podia então alimentar tanto os cordeiros como as ovelhas do rebanho de Cristo. A maneira de o Salvador proceder para com Pedro encerrava uma lição para ele e para seus irmãos. Ensinava-lhes a tratar o transgressor com paciência, simpatia e amor pleno de perdão. Embora Pedro houvesse negado a seu Senhor, o amor que Ele lhe tinha nunca esmoreceu. Amor assim deve o sub-pastor sentir pelas ovelhas e cordeiros confiados ao seu cuidado. Lembrando sua própria fraqueza e fracasso, Pedro devia tratar com o rebanho tão ternamente como o fizera Cristo com ele. O Desejado de Todas as Nações, 815. “A promessa do Espírito Santo não é limitada a algum século ou raça. Cristo declarou que a divina influência do Espírito deveria estar com Seus seguidores até o fim. Desde o dia do Pentecostes até ao presente, o Confortador tem sido enviado a todos os que se rendem inteiramente ao Senhor e a Seu serviço. A todos os que aceitam Cristo como Salvador pessoal, o Espírito Santo vem como consolador, santificador, guia e testemunha. Quanto mais intimamente os crentes andam com Deus, tanto mais clara e poderosamente testificam do amor do Redentor e da Sua graça salvadora. Os homens e mulheres que, através dos longos séculos de perseguição e prova desfrutaram, em larga escala, a presença do Espírito Santo em sua vida, permaneceram como sinais e maravilhas no mundo. Diante dos anjos e dos homens, revelaram o transformador poder do amor que redime”. Atos dos Apóstolos, p. 49. ❉ Segunda - O alto preço da obediência Ano Bíblico: Is 24–26 2. Como Estêvão é descrito? At 6:3-10; 7:55 “Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço; e, quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra. O parecer agradou a toda a comunidade; e elegeram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia. Apresentaram-nos perante os apóstolos, e estes, orando, lhes impuseram as mãos. Crescia a palavra de Deus, e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos; também muitíssimos sacerdotes obedeciam à fé. Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Levantaram-se, porém, alguns dos que eram da sinagoga chamada dos Libertos, dos cireneus, dos alexandrinos e dos da Cilícia e Ásia, e discutiam com Estêvão; e não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito, pelo qual ele falava.” (Atos 6:3-10 RA) “Mas Estêvão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus e Jesus, que estava à sua direita,” (Atos 7:55 RA) Estêvão é descrito como homem “de boa reputação, cheio do Espírito e de sabedoria” “cheio de fé”, “cheio de graça e poder, e fazia prodígios e grandes sinais entre o povo”. Atos 6:3-10; 7:55. É importante destacar que a pessoa se “enche” dos atributos divinos quando se “esvazia” do próprio eu, que é a natureza humana caída Gl 5:19-21, e decide se entregar sem reservas ao Senhor por intermédio de Seu Espírito; “Mas quando o Espírito Santo controlar as nossas vidas, Ele produzirá em nós esta espécie de fruto: amor, alegria, paz, paciência, bondade, retidão, fidelidade, mansidão e domínio próprio; E contra essas coisas não existe lei. Aqueles que pertencem a Cristo pregaram seus maus desejos naturais na sua cruz e os crucificaram ali Se agora, estamos vivendo pelo poder do Espírito Santo, sigamos a liderança do Espírito Santo em todos os aspectos da nossa vida.” Gl 5:22-25. Estêvão, o principal dos sete diáconos, era homem de profunda piedade e grande fé. Posto que judeu de nascimento, falava a língua grega e estava familiarizado com os usos e costumes dos gregos. Achou, portanto, oportunidade de pregar o evangelho na sinagoga dos judeus gregos. Era muito ativo na causa de Cristo e com ousadia proclamava a sua fé. Ilustrados rabinos e doutores da lei empenharam-se em discussão pública com ele, esperando confiantemente uma fácil vitória. Mas "não podiam resistir à sabedoria, e ao espírito com que falava". Não somente falava no poder do Espírito Santo, mas também era claro ser ele um estudioso das profecias, e instruído em todos os assuntos da lei. Habilmente defendia as verdades que advogava e derrotava completamente seus oponentes. Em relação a ele cumpriu-se a promessa: "Proponde pois em vossos corações não premeditar como haveis de responder; porque Eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir nem contradizer todos quantos se vos opuserem." Luc. 21:14 e 15. Atos dos Apóstolos, 97-98. 3. O que aconteceu com Estêvão por causa de seu testemunho por Jesus? Qual pode ser o preço da fidelidade? At 7:54-60 “Ouvindo eles isto, enfureciam-se no seu coração e rilhavam os dentes contra ele. Mas Estêvão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus e Jesus, que estava à sua direita, e disse: Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, em pé à destra de Deus. Eles, porém, clamando em alta voz, taparam os ouvidos e, unânimes, arremeteram contra ele. E, lançando-o fora da cidade, o apedrejaram. As testemunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo. E apedrejavam Estêvão, que invocava e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito! Então, ajoelhando-se, clamou em alta voz: Senhor, não lhes imputes este pecado! Com estas palavras, adormeceu.” (Atos 7:54-60 RA) ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. Estêvão foi apedrejado, porque apresentou um testemunho eficaz do Salvador que foi crucificado e que ressurgiu. Todos os que decidem ser fieis a Deus sem reservas, serão perseguidos, muitos ao ponto de pagar com a vida. At 7:54-60. Estêvão foi o primeiro mártir cristão. ... Os inimigos de Deus e da verdade se sentiam instigados pelo ódio e a oposição. Satanás os impelia a resistir à verdade. Estêvão teve de enfrentar com argumentos os mais astuciosos e ardilosos contendores, esperando confundir e derribar seus argumentos. Se Estêvão não tivesse esquadrinhado as Escrituras e se fortalecido com as provas da Palavra de Deus, não teria suportado a prova; mas ele conhecia o fundamento de sua fé e ficou firme, pronto para responder a seus oponentes. Estêvão saiu vitorioso. Falou com segurança, sabedoria e poder que assombraram e confundiram os inimigos da verdade. Quando se viram desconcertados e derrotados a cada tentativa, decidiram destruí-lo. Estivessem esses professamente honestos e sábios homens realmente em busca da verdade, teriam admitido as evidências que não podiam contestar. ... Mas não era esse o seu propósito ou caráter. Odiavam a Cristo, odiavam a todos os Seus seguidores, e executaram a Estêvão. Manuscrito 17, 1885. Todo o que nesse dia mau se dispuser a servir a Deus com destemor, segundo os ditames de sua consciência, necessitará de coragem, firmeza e do conhecimento de Deus e Sua Palavra; pois os que forem fiéis a Deus serão perseguidos, seus motivos impugnados, desvirtuados seus melhores esforços e seus nomes repudiados como um mal. Satanás trabalhará com todo o seu poder enganador para influenciar o coração e obscurecer o entendimento, a fim de que o mal pareça bem, e o bem mal. Quanto mais forte e mais pura a fé do povo de Deus, e mais firme sua determinação de obedecer-Lhe, tanto mais ferozmente procurará Satanás instigar contra eles a ira daqueles que, embora se declarando justos, tripudiam sobre a lei de Deus. Requererá a mais firme confiança, o mais heróico propósito reter firme a fé que uma vez foi entregue aos santos. Atos dos Apóstolos, pág. 431. ❉ Terça - Quando o Espírito surpreende Ano Bíblico: Is 27–29 4. Leia o relato da experiência de conversão de Paulo em Atos 9:1-19. Por que o Senhor o enviou imediatamente a Ananias após essa experiência? Que lição importante encontramos nesse episódio? “... Ananias, porém, respondeu: Senhor, de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; e para aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome. Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel; pois eu lhe mostrarei quanto lhe importa sofrer pelo meu nome. Então, Ananias foi e, entrando na casa, impôs sobre ele as mãos, dizendo: Saulo, irmão, o Senhor me enviou, a saber, o próprio Jesus que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista e fiques cheio do Espírito Santo. Imediatamente, lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e tornou a ver. A seguir, levantou-se e foi batizado. E, depois de ter-se alimentado, sentiu-se fortalecido. Então, permaneceu em Damasco alguns dias com os discípulos.” (Atos 9:1-19 RA) O Senhor conduziu Paulo a Ananias para que recebesse apoio, orientação e para que se unisse a igreja “A seguir, levantou- se e foi batizado” At 9:18. A Igreja é o meio constituído por Deus como instrumento para o esclarecimento e salvação dos homens. At 9:1-19. Muitos têm a idéia de que são responsáveis somente a Cristo pela luz e experiência que possuem, independente de Seus reconhecidos seguidores na Terra. Jesus é o Amigo dos pecadores, e Seu coração se confrange por seu infortúnio. Ele possui todo o poder, tanto no Céu como na Terra; mas respeita os meios por Ele ordenados para o esclarecimento e salvação dos homens; dirige os pecadores para a igreja por Ele feita instrumento de luz para o mundo. Quando, em meio ao seu erro cego e cego preconceito, Saulo recebeu uma revelação de Cristo, a quem estava perseguindo, foi ele colocado em comunicação direta com a igreja, a qual é a luz do mundo. Neste caso, Ananias representa Cristo, como representa também os ministros de Cristo sobre a Terra, os quais são indicados para agir em Seu lugar. No lugar de Cristo, Ananias toca os olhos de Saulo para que este possa receber a vista. Em lugar de Cristo, coloca suas mãos sobre ele, e enquanto ora em nome de Cristo, Saulo recebe o Espírito Santo. Tudo é feito no nome e pela autoridade de Cristo. Cristo é a fonte; a igreja, o canal de comunicação. Atos dos Apóstolos, p. 122. 5. Como Jesus surpreendeu Ananias? Qual deve ter sido a atitude de Ananias, a fim de seguir as instruções do Salvador? At 9:10-16 “Ora, havia em Damasco um discípulo chamado Ananias. Disse-lhe o Senhor numa visão: Ananias! Ao que respondeu: Eis-me aqui, Senhor! Então, o Senhor lhe ordenou: Dispõe-te, e vai à rua que se chama Direita, e, na casa de Judas, procura por Saulo, apelidado de Tarso; pois ele está orando e viu entrar um homem, chamado Ananias, e impor-lhe as mãos, para que recuperasse a vista. Ananias, porém, respondeu: Senhor, de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; e para aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome. Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel; pois eu lhe mostrarei quanto lhe importa sofrer pelo meu nome.” (Atos 9:10-16 RA) Ananias ficou surpreso pela orientação de procurar a Saulo e para que orasse por ele para que recuperasse a visão “Senhor, de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; e para ramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome”. Isso porque ele sabia que Saulo era perseguidor da igreja de Deus, mas não sabia de sua conversão “Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel; pois eu lhe mostrarei quanto lhe importa sofrer pelo meu nome.” Então Ananias atendeu prontamente à ordem do Senhor. At 9:10-16. Ananias mal podia crer nas palavras do anjo; pois a notícia da tenaz perseguição aos santos em Jerusalém tinha-se espalhado amplamente. Atreveu-se a argumentar: "Senhor, a muitos ouvi acerca deste homem, quantos males tem feito aos Teus santos em Jerusalém; e aqui tem poder dos principais dos sacerdotes para prender a todos os que invocam o Teu nome." Mas a ordem foi imperativa: "Vai, porque este é para Mim um vaso escolhido, para levar o Meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel." Atos 9:13-15. Obediente à orientação do anjo, Ananias saiu em busca do homem que ainda recentemente havia respirado ameaças contra todos os que criam no nome de Jesus; e colocando as mãos sobre a cabeça do penitente sofredor, disse: "Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, me enviou, para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo. "E logo lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e recuperou a vista; e, levantando-se, foi batizado." Atos 9:17 e 18. Desta maneira deu Jesus sanção à autoridade de Sua igreja organizada, e pôs Saulo em contato com Seus instrumentos apontados na Terra. Cristo tinha agora uma igreja como Sua representante na Terra, e a ela pertencia a obra de dirigir os pecadores arrependidos no caminho da vida. Atos dos Apóstolos, p. 121-122. ❉ Quarta - Sensibilidade ao chamado do Espírito Santo Ano Bíblico: Is 30–33 6. À luz da orientação do Espírito Santo, o que é significativo sobre a resposta do apóstolo Paulo à sua visão na estrada de Damasco? Qual foi a diferença entre a resposta de Paulo ao chamado do Espírito Santo e a resposta do rei Agripa? At 26:19-32 “Pelo que, ó rei Agripa, não fui desobediente à visão celestial, mas anunciei primeiramente aos de Damasco e em Jerusalém, por toda a região da Judéia, e aos gentios, que se arrependessem e se convertessem a Deus, praticando obras dignas de arrependimento. Por causa disto, alguns judeus me prenderam, estando eu no templo, e tentaram matar-me. Mas, alcançando socorro de Deus, permaneço até ao dia de hoje, dando testemunho, tanto a pequenos como a grandes, nada dizendo, senão o que os profetas e Moisés disseram haver de acontecer, isto é, que o Cristo devia padecer e, sendo o primeiro da ressurreição dos mortos, anunciaria a luz ao povo e aos gentios. Dizendo ele estas coisas em sua defesa, Festo o interrompeu em alta voz: Estás louco, Paulo! As muitas letras te fazem delirar! Paulo, porém, respondeu: Não estou louco, ó excelentíssimo Festo! Pelo contrário, digo palavras de verdade e de bom senso. Porque tudo isto é do conhecimento do rei, a quem me dirijo com franqueza, pois estou persuadido de que nenhuma destas coisas lhe é oculta; porquanto nada se passou em algum lugar escondido. Acreditas, ó rei Agripa, nos profetas? Bem sei que acreditas. Então, Agripa se dirigiu a Paulo e disse: Por pouco me persuades a me fazer cristão. Paulo respondeu: Assim Deus permitisse que, por pouco ou por muito, não apenas tu, ó rei, porém todos os que hoje me ouvem se tornassem tais qual eu sou, exceto estas cadeias. A essa altura, levantou-se o rei, e também o governador, e Berenice, bem como os que estavam assentados com eles; e, havendo-se retirado, falavam uns com os outros, dizendo: Este homem nada tem feito passível de morte ou de prisão. Então, Agripa se dirigiu a Festo e disse: Este homem bem podia ser solto, se não tivesse apelado para César.” (Atos 26:19-32 RA) A resposta de Paulo: Ele aceitou prontamente o chamado “não fui desobediente à visão celestial” e passou a servir a Jesus, a quem anteriormente perseguia ferozmente, tornado-se agora apóstolo e dedicando a vida a anunciar o evangelho de Cristo. At 26:19-32 A resposta do rei Agripa: Ele destacou que ficou profundamente impressionado com o chamado do Espírito Santo, feito por intermédio de Paulo para se tornar cristão, “Por pouco me persuades a me fazer cristão” mas recusou. “Profundamente impressionado, Agripa perdeu de vista por um momento o ambiente e a dignidade de sua posição. Tendo apenas consciência das verdades que tinha ouvido, vendo somente o humilde prisioneiro que estava diante dele como embaixador de Deus, respondeu involuntariamente: ‘Por pouco me queres persuadir a que me faça cristão!’. [...] Festo, Agripa e Berenice podiam, com justiça, trazer nos pulsos os grilhões que acorrentavam o apóstolo. Eram todos culpados de graves crimes. Esses transgressores tinham ouvido nesse dia a oferta de salvação mediante o nome de Cristo. Um, pelo menos, estivera quase persuadido a aceitar a graça e o perdão oferecidos. Mas Agripa afastou a misericórdia oferecida, recusando-se a aceitar a cruz de um Redentor crucificado. A curiosidade do rei foi satisfeita, e levantando-se deu a entender que a entrevista havia terminado” Atos dos Apóstolos, p. 438. ❉ Quinta - Obediência guiada pelo Espírito Ano Bíblico: Is 34–37 7. Leia Filipenses 2:5-8. Que aspectos de uma vida cheia do Espírito Santo aparecem nessa descrição sobre Jesus? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando- se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.” (Filipenses 2:5-8 RA) ramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. Uma vida cheia do Espírito Santo terá como referência a vida de Cristo; uma vida de humildade, com disposição constante de servir a Deus em obediência incondicional e voluntária, e ao próximo em sua necessidade, trazendo realização e felicidade aos três, e o quarto é assim convidado a participar; por isso Jesus escolheu dar a Sua própria vida na cruz, para salvar a humanidade caída. Fl 2:5-8. Paulo ansiava profundamente que a humilhação de Cristo fosse vista e compreendida. Estava convencido de que se os homens pudessem ser conduzidos a considerar o sacrifício estupendo feito pela Majestade do Céu, o egoísmo seria banido dos corações. O apóstolo se detém demoradamente sobre ponto após ponto, para que possamos compreender de alguma sorte a maravilhosa condescendência do Salvador a favor dos pecadores. Ele dirige primeiro a atenção para a posição que Jesus Cristo ocupava nos Céus, no seio do Pai; revela-O em seguida renunciando à Sua glória, sujeitando-Se voluntariamente às condições humildes da vida humana, assumindo as responsabilidades de servo, e tornando-Se obediente até à morte mais ignominiosa e revoltante e a mais penosa - a morte de cruz. Podemos nós contemplar esta maravilhosa manifestação do amor de Deus sem gratidão e amor e o profundo sentimento do fato de que nos não pertencemos a nós próprios? Tal Mestre não deveria ser servido por motivos interesseiros e egoístas. Ciência do Bom Viver, 502. ❉ Sexta - Conclusão: Ano Bíblico: Is 38–40 Em “Obediência: O fruto do reavivamento” aprendi que … ✰ Domingo - Vida transformada: Antes da cruz: Após a prisão de Jesus, a reação de Pedro foi de decepção e medo, e negou ao mestre. Mt 26:69-74. Depois da ressurreição: Pedro estava arrependido, amava verdadeiramente a Jesus e se “entristeceu-se por ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Jo 21:15- 19. Depois do Pentecostes: Recebeu o poder do alto e foi uma fiel testemunha At 1:8; 5:32, não teve mais medo de homem algum “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” e pregou à Jesus Cristo como o Salvador ressurreto predito pelas profecias com ousadia e eficiência. At 5:28-32. ✰ Segunda - O alto preço da obediência: Estêvão é descrito como homem “de boa reputação, cheio do Espírito e de sabedoria” “cheio de fé”, “cheio de graça e poder, e fazia prodígios e grandes sinais entre o povo”. Atos 6:3-10; 7:55. É importante destacar que a pessoa se “enche” dos atributos divinos quando se “esvazia” do próprio eu, que é a natureza humana caída Gl 5:19-21, e decide se entregar sem reservas ao Senhor por intermédio de Seu Espírito; “Mas quando o Espírito Santo controlar as nossas vidas, Ele produzirá em nós esta espécie de fruto: amor, alegria, paz, paciência, bondade, retidão, fidelidade, mansidão e domínio próprio; E contra essas coisas não existe lei. Aqueles que pertencem a Cristo pregaram seus maus desejos naturais na sua cruz e os crucificaram ali Se agora, estamos vivendo pelo poder do Espírito Santo, sigamos a liderança do Espírito Santo em todos os aspectos da nossa vida.” Gl 5:22-25. Estêvão foi apedrejado, porque apresentou um testemunho eficaz do Salvador que foi crucificado e que ressurgiu. Todos os que decidem ser fieis a Deus sem reservas, serão perseguidos, muitos ao ponto de pagar com a vida. At 7:54-60. ✰ Terça - Quando o Espírito surpreende: Ananias ficou surpreso pela orientação de procurar a Saulo e para que orasse por ele para que recuperasse a visão “Senhor, de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; e para aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome”. Isso porque ele sabia que Saulo era perseguidor da igreja de Deus, mas não sabia de sua conversão “Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel; pois eu lhe mostrarei quanto lhe importa sofrer pelo meu nome.” Então Ananias atendeu prontamente à ordem do Senhor. At 9:10-16. O Senhor conduziu Paulo a Ananias para que recebesse apoio, orientação e para que se unisse a igreja “A seguir, levantou- se e foi batizado” At 9:18. A Igreja é o meio constituído por Deus como instrumento para o esclarecimento e salvação dos homens. At 9:1-19. ✰ Quarta - Sensibilidade ao chamado do Espírito Santo: A resposta de Paulo: Ele aceitou prontamente o chamado divino “não fui desobediente à visão celestial” e passou a servir a Jesus, a quem anteriormente perseguia ferozmente, tornado-se agora apóstolo e dedicando a vida a anunciar o evangelho de Cristo. At 26:19-32 A resposta do rei Agripa: Ele destacou que ficou profundamente impressionado com o chamado do Espírito Santo, feito por intermédio de Paulo para se tornar cristão, “Por pouco me persuades a me fazer cristão” mas recusou o chamado. ✰ Quinta - Obediência guiada pelo Espírito: Uma vida cheia do Espírito Santo terá como referência a vida de Cristo; uma vida de humildade, com disposição constante de servir a Deus em obediência incondicional e voluntária, e ao próximo em sua necessidade, trazendo realização e felicidade aos três, e o quarto é assim convidado a participar; por isso Jesus escolheu dar a Sua própria vida na cruz, para salvar a humanidade caída. Fl 2:5-8. ramos@advir.comramos@advir.com

×