Ser e fazer_442014_GGR

276 visualizações

Publicada em

O Objetivo deste material e colocar os textos bíblicos diretos em negrito e sublinhado, somados aos escritos de Ellen White que trazem mais luz sobre o assunto, para facilitar o entendimento, e capacitar a responder as questões da lição com maior amplitude.

“Sempre darei a fonte, para que o conteúdo não seja anônimo, e todos tenham a oportunidade de achar, pesquisar e questionar”.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
276
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ser e fazer_442014_GGR

  1. 1. Lições Adultos Carta de Tiago Lição 4 - Ser e fazer 18 a 25 de outubro Sábado - “Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Tg 1:22. A vontade de Deus é revelada em Sua Palavra, e os que crêem em Cristo porão em prática sua crença. Serão praticantes da Palavra. A prova da sinceridade não está nas palavras, mas nos atos. Cristo não diz para pessoa alguma: "Que dizeis mais que os outros?", e sim: "Que fazeis mais que os outros?" Repletas de profundo significado são as Suas palavras: "Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes." João 13:17. As palavras só têm valor se forem proferidas com sinceridade e em verdade. O talento das palavras torna-se eficaz e valioso quando elas são acompanhadas de ações apropriadas. É de vital importância para toda pessoa ouvir a Palavra e praticá-la. "Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela)." Mat. 7:13. Temos evidências de que há muitos enganadores no mundo, os quais dizem: "Eu vou, senhor", mas não vão. Podem proferir palavras suaves e fazer belos discursos; mas eles enganam; revelam em sua vida que suas palavras não são operadas em Deus. A vida prática é um genuíno indicador do caráter. Por nossas palavras e obras revelamos ao mundo, aos anjos e aos homens se cremos em Cristo como Salvador pessoal. Boas obras não compram o amor de Deus, mas revelam que possuímos esse amor. Se entregarmos nossa vontade e nosso caminho a Deus, não trabalharemos para ter o amor de Deus; obedeceremos aos mandamentos de Deus porque é correto fazê-lo. O discípulo João escreveu: "Nós amamos porque Ele nos amou primeiro." I João 4:19. A autêntica vida espiritual será revelada em toda pessoa que está prestando serviço a Cristo. Os que estão vivos para Cristo acham-se imbuídos de Seu espírito, e não podem deixar de trabalhar em Sua vinha. Praticam as palavras de Deus. Pense toda pessoa com espírito de oração, para que possa agir coerentemente. Manuscrito 120, 1899. Domingo - Conhecendo seu inimigo Ano Bíblico: Mc 15, 16 1. Leia Tiago 1:23, 24. Quem é descrito nessa passagem, e qual é o problema básico? 23 Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; 24 Porque se contempla a si mesmo, e vai-se, e logo se esquece de como era. Tg 1:23-24, ACF Muitos há que, ao olharem para o espelho moral de Deus, reconhecem ter defeitos de caráter; tanto, porém, ouviram dizer que "tudo que é preciso fazer é crer, ..." que, depois de terem ousado olhar ao espelho, a passos rápidos dele se afastam, continuando com todos os seus defeitos, e tendo nos lábios as palavras: "Jesus tudo fez." Esses são representados pela figura traçada por Tiago - o homem que se contempla ao espelho e se retira esquecido da espécie de pessoa que era. ... A fé e as obras são os dois remos que devem ser usados para impelir o, barco contra a corrente do mundanismo, orgulho e vaidade; e se não forem usados, o barco flutuará a esmo, corrente abaixo, para a perdição. Deus nos ajude a cuidar do adorno interior; a pormos em ordem o coração com o mesmo cuidado com que arranjamos as vestes exteriores. Review and Herald, 11 de outubro de 1887. 2. Leia Mateus 19:16-22 e 26:33-35, 69-75. Como a autoimagem de cada um desses dois homens se compara com a realidade? O que essas duas reações diferentes às palavras de Jesus dizem sobre eles? 16 E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna? 17 E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos. 18 Disse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho; 19 Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu rraammooss@@aaddvviirr..ccoomm
  2. 2. próximo como a ti mesmo. 20 Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda? 21 Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. 22 E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades. Mt 19:16-22, ACF 33 Mas Pedro, respondendo, disse-lhe: Ainda que todos se escandalizem em ti, eu nunca me escandalizarei. 34 Disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que, nesta mesma noite, antes que o galo cante, três vezes me negarás. 35 Disse-lhe Pedro: Ainda que me seja mister morrer contigo, não te negarei. E todos os discípulos disseram o mesmo. Mt 26:33-35, ACF 69 Ora, Pedro estava assentado fora, no pátio; e, aproximando-se dele uma criada, disse: Tu também estavas com Jesus, o galileu. 70 Mas ele negou diante de todos, dizendo: Não sei o que dizes. 71 E, saindo para o vestíbulo, outra criada o viu, e disse aos que ali estavam: Este também estava com Jesus, o Nazareno. 72 E ele negou outra vez com juramento: Não conheço tal homem. 73 E, daí a pouco, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: Verdadeiramente também tu és deles, pois a tua fala te denuncia. 74 Então começou ele a praguejar e a jurar, dizendo: Não conheço esse homem. E imediatamente o galo cantou. 75 E lembrou-se Pedro das palavras de Jesus, que lhe dissera: Antes que o galo cante, três vezes me negarás. E, saindo dali, chorou amargamente. Mt 26:69-75, ACF Às palavras: "Guarda os mandamentos", o jovem respondeu: "Quais?" Mat. 19:17 e 18. Supôs que fossem alguns preceitos cerimoniais; mas Cristo falava da lei dada no Sinai. Mencionou diversos mandamentos da segunda tábua do decálogo, e resumiu-os todos no preceito: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo." Mat. 19:19. O jovem respondeu sem hesitação: "Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda?" Mat. 19:20. Sua compreensão da lei era externa e superficial. Julgado segundo o padrão humano, preservara caráter irrepreensível. Em grande parte sua vida exterior fora isenta de culpa; acreditara realmente que sua obediência fora sem falha. Contudo tinha um receio íntimo de que nem tudo estava direito entre seu coração e Deus. Isso originou a pergunta: "Que me falta ainda?" "Se queres ser perfeito", disse Cristo, "vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no Céu; e vem e segue-Me. E o jovem, ouvindo essa palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades." Mat. 19:21 e 22. O amante de si mesmo é transgressor da lei. Isto quis Jesus revelar ao jovem, e submeteu-o a uma prova de modo tal, que manifestaria o egoísmo de seu coração. Mostrou-lhe a nódoa do caráter. O jovem não desejou mais esclarecimento. Nutrira na alma um ídolo - o mundo era o seu deus. Professava ter guardado os mandamentos, porém estava destituído do princípio que é o próprio espírito e vida de todos eles. Não possuía verdadeiro amor a Deus e ao homem. Esta falta era a carência de tudo quanto o qualificaria para entrar no reino do Céu. Em seu amor ao próprio eu e ao ganho terrestre, estava em desarmonia com os princípios do Céu. … Precisava, porém, aceitar primeiramente as condições do discipulado. Precisava entregar-se a Deus sem reservas. Ao convite do Salvador, João, Pedro, Mateus e seus companheiros, deixando tudo, levantaram-se e O seguiram. (Luc. 5:28.) Era requerida a mesma consagração do jovem príncipe. E nisto Cristo não pediu maior sacrifício do que Ele próprio fizera. "Sendo rico, por amor de vós Se fez pobre, para que, pela Sua pobreza, enriquecêsseis." II Cor. 8:9. O jovem tinha somente que seguir aonde Cristo o precedera. Parábolas de Jesus, 391-393. No cenáculo Jesus dissera que um dos doze O havia de trair, e que Pedro O negaria. Mas agora Suas palavras os incluíam a todos. Então se fez ouvir a voz de Pedro protestando veemente: "Ainda que todos se escandalizem, nunca porém, eu". No cenáculo, declarara: "Por Ti darei a minha vida." Jesus o advertira de que naquela mesma noite negaria seu Salvador. Agora Cristo repete a advertência: "Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes Me negarás." Mas Pedro apenas "disse com mais veemência: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de modo nenhum Te negarei. E da mesma maneira diziam todos também". Mar. 14:29, 30 e 31. Em sua confiança de si mesmos, negaram a repetida declaração dAquele que é Onisciente. Não estavam preparados para a prova; quando a tentação os assaltasse, compreenderiam a própria fraqueza. rraammooss@@aaddvviirr..ccoomm
  3. 3. Quando Pedro disse que seguiria seu Senhor à prisão e à morte, era sincero em cada palavra proferida; mas não se conhecia a si mesmo. Ocultos em seu coração havia elementos de mal que as circunstâncias fariam germinar. A menos que ele fosse levado à consciência de seu perigo, esses elementos se demonstrariam sua eterna ruína. O Salvador viu nele um amor-próprio e segurança que sobrepujariam mesmo o amor de Cristo. Em sua vida se revelara muito de enfermidade, pecado não mortificado, descuido de espírito, gênio não santificado e temeridade para entrar em tentação. A solene advertência de Cristo era um chamado a exame de coração. Pedro necessitava desconfiar de si mesmo, e ter maior fé em Cristo. Houvesse ele recebido com humildade a advertência, e teria recorrido ao Pastor do rebanho para que guardasse Sua ovelha. Quando, no mar da Galiléia, se achava prestes a submergir, clamara: "Senhor, salva-me!" Mat. 14:30. Então a mão de Cristo se estendera para segurar a sua. Assim agora, se clamasse a Jesus: Salva-me de mim mesmo teria sido guardado. Pedro sentiu, porém, que lhe faltavam com a confiança, e julgou isso cruel. Estava já ofendido, e mais persistente se tornou na confiança própria. Jesus contempla compassivamente os discípulos. Não os pode salvar da provação, mas não os deixa sem conforto. Assegura-lhes que há de quebrar as cadeias do sepulcro, e que Seu amor por eles não falhará. "Mas, depois de Eu ressuscitar", diz, "irei adiante de vós para a Galiléia." Mat. 26:32. Antes que O negassem, receberam a certeza do perdão. Depois de Sua morte e ressurreição, sabiam achar-se perdoados, e ser caros ao coração de Cristo. O Desejado de Todas as nações, 673-674. Segunda - Ser um praticante Ano Bíblico: Lc 1, 2 3. Leia Tiago 1:22. O grego apresenta a expressão “ser” praticantes da Palavra. A mensagem teria sido diferente se Tiago tivesse dito simplesmente: “Pratique a Palavra”? E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Tg 1:22, ARA Há dois erros contra os quais os filhos de Deus - particularmente os que só há pouco vieram a confiar em Sua graça - devem, especialmente, precaver-se. O primeiro ... é o de tomar em consideração as suas próprias obras, confiando em qualquer coisa que possam fazer, a fim de pôr-se em harmonia com Deus. Aquele que procura tornar-se santo por suas próprias obras, guardando a lei, tenta o impossível. … O erro oposto e não menos perigoso é o de que a crença em Cristo isente o homem da observância da lei de Deus; que, visto como só pela fé é que nos tornamos participantes da graça de Cristo, nossas obras nada têm que ver com nossa redenção. ... Se a lei está escrita no coração, não moldará ela a vida? ... É a fé, e ela só, que, em vez de dispensar-nos da obediência, nos torna participantes da graça de Cristo, a qual nos habilita a prestar obediência. … Onde existe não só a crença na Palavra de Deus, mas também uma submissão à Sua vontade; onde o coração se Lhe acha rendido e as afeições nele concentradas, aí existe fé - a fé que opera por amor e purifica a alma. Por esta fé o coração é renovado à imagem de Deus. E o coração que em seu estado irregenerado não era sujeito à lei de Deus, agora se deleita em Seus santos preceitos, exclamando com o salmista: "Oh! quanto amo a Tua lei! É a minha meditação em todo o dia!" Sal. 119:97. E cumpre-se a justiça da lei em nós, os que não andamos "segundo a carne, mas segundo o espírito". Rom. 8:1. Caminho a Cristo, págs. 59-61 e 63. 4. Leia Lucas 6:27-38. Quais são algumas das ações que devemos praticar? 27 Mas a vós, que isto ouvis, digo: Amai a vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam; 28 Bendizei os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam. 29 Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te houver tirado a capa, nem a túnica recuses; 30 E dá a qualquer que te pedir; e ao que tomar o que é teu, não lho tornes a pedir. 31 E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós, também. 32 E se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam. 33 E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que recompensa tereis? Também os pecadores fazem o mesmo. 34 E se emprestardes àqueles de quem esperais tornar a receber, que recompensa tereis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para tornarem a receber outro tanto. 35 Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus. 36 Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso. 37 Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; soltai, e soltar-vos-ão. 38 Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, rraammooss@@aaddvviirr..ccoomm
  4. 4. recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo. Lc 6:27-38, ACF Deus derrama Suas bênçãos sobre todos. "Faz que o Seu Sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos." É "benigno até para com os ingratos e maus". Luc. 6:35. Pede-nos que sejamos semelhantes a Ele. "Bendizei os que vos maldizem", disse Jesus: "Fazei bem aos que vos odeiam,... para que sejais filhos do vosso Pai que está nos Céus." Mat. 5:44. Eis os princípios da lei, e são as fontes da vida. O ideal de Deus para Seus filhos é mais alto do que pode alcançar o pensamento humano. "Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos Céus." Mat. 5:48. Este mandamento é uma promessa. O plano da redenção visa ao nosso completo libertamento do poder de Satanás. Cristo separa sempre do pecado a alma contrita. Veio para destruir as obras do diabo, e tomou providências para que o Espírito Santo fosse comunicado a toda alma arrependida, para guardá-la de pecar. A influência do tentador não deve ser considerada desculpa para qualquer má ação. Satanás rejubila quando ouve os professos seguidores de Cristo apresentarem desculpas quanto à sua deformidade de caráter. São essas escusas que levam ao pecado. Não há desculpas para pecar. Uma santa disposição, uma vida cristã, são acessíveis a todo filho de Deus, arrependido e crente. O ideal do caráter cristão, é a semelhança com Cristo. Como o Filho do homem foi perfeito em Sua vida, assim devem Seus seguidores ser perfeitos na sua. O desejado de Todas as nações, 311. Deus pretende que os Seus seguidores sejam o que Jesus foi quando revestido da natureza humana. Cumpre-nos, em Sua força, viver a vida pura e nobre que o Salvador viveu. O Cuidado de Deus [MM 1995], p. 66. Terça - A lei da liberdade Ano Bíblico: Lc 3–5 5. Leia Tiago 1:25. O que ele fala sobre a função da lei? Porém, a pessoa que observa atentamente a lei perfeita, a lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas praticante zeloso, será muito feliz em tudo o que empreender. Tg 1:25, KJA Jesus foi tentado em todos os pontos em que nós o somos, para que soubesse como socorrer os que são tentados. Sua vida é nosso exemplo. Ele mostra por Sua voluntária obediência que o homem pode guardar a lei de Deus, e que é a transgressão da lei, não a obediência a ela, que leva à escravidão. … O homem, que desfigurou a imagem de Deus em sua alma por uma vida corrupta, não pode, mediante simples esforço, efetuar radical mudança em si mesmo. Ele precisa aceitar as provisões do evangelho; tem de reconciliar-se com Deus mediante obediência a Sua lei e fé em Jesus Cristo. Sua vida daí em diante precisa ser governada por um novo princípio. ... Ele deve contemplar-se no espelho - a lei de Deus - identificar os defeitos em seu caráter moral, e abandonar os seus pecados, lavando as vestiduras do caráter no sangue do Cordeiro. … A influência de uma esperança evangélica não levará o pecador a considerar a salvação de Cristo como uma questão de livre graça, ao mesmo tempo em que continua a viver transgredindo a lei de Deus. Quando a luz da verdade nasce em seu espírito e ele compreende plenamente as reivindicações de Deus e percebe a extensão de suas transgressões, reformará os seus caminhos, tornar-se-á leal a Deus mediante o fortalecimento obtido em seu Salvador, e levará uma vida nova e pura. Testimonies, vol. 4, pág. 295. O evangelho do Novo Testamento não é a norma do Antigo Testamento rebaixada para favorecer o pecador e salvá-lo em seus pecados. Deus requer obediência de todos os Seus súditos, inteira obediência a todos os Seus mandamentos. SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 1.072. 6. Leia Romanos 8:2, 4 e 2 Coríntios 3:17, 18. O que faz a diferença entre a lei como instrumento de morte ou como algo que mostra o caminho para a liberdade e a vida? Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte. Rm 8:2, ARC rraammooss@@aaddvviirr..ccoomm
  5. 5. Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Rm 8:4, ACF 17 Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. 18 Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. 2Co 3:17-18, ACF O primeiro passo na reconciliação com Deus, é a convicção de pecado. "Pecado é o quebrantamento da lei." "Pela lei vem o conhecimento do pecado." I João 3:4; Rom. 3:20. A fim de ver sua culpa, o pecador deve provar o caráter próprio pela grande norma divina de justiça. É um espelho que mostra a perfeição de um viver justo, habilitando o pecador a discernir seus defeitos de caráter. A lei revela ao homem os seus pecados, mas não provê remédio. Ao mesmo tempo que promete vida ao obediente, declara que a morte é o quinhão do transgressor. Unicamente o evangelho de Cristo o pode livrar da condenação ou contaminação do pecado. Deve ele exercer o arrependimento em relação a Deus, cuja lei transgrediu, e fé em Cristo, seu sacrifício expiatório. Obtém assim "remissão dos pecados passados", e se torna participante da natureza divina. É filho de Deus, tendo recebido o espírito de adoção, pelo qual clama: "Aba, Pai!" Estaria agora na liberdade de transgredir a lei de Deus? Diz Paulo: "Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei." "Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?" E João declara: "Esta é a caridade de Deus: que guardemos os Seus mandamentos; e os Seus mandamentos não são pesados." Rom. 3:31; 6:2; I João 5:3. No novo nascimento o coração é posto em harmonia com Deus, ao colocar-se em conformidade com a Sua lei. Quando esta poderosa transformação se efetua no pecador, passou ele da morte para a vida, do pecado para a santidade, da transgressão e rebelião para a obediência e lealdade. Terminou a velha vida de afastamento de Deus, começando a nova vida de reconciliação, de fé e amor. Então, "a justiça da lei" se cumpre "em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito". Rom. 8:4. E a linguagem da alma será: "Oh! quanto amo a Tua lei! é a minha meditação em todo o dia." Sal. 119:97. "A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma." Sal. 19:7. Sem a lei os homens não têm uma concepção justa da pureza e santidade de Deus, ou da culpa e impureza deles mesmos. Não têm verdadeira convicção do pecado, e não sentem necessidade de arrependimento. Não vendo a sua condição perdida, como transgressores da lei de Deus, não se compenetram da necessidade do sangue expiatório de Cristo. A esperança de salvação é aceita sem a mudança radical do coração ou reforma da vida. São assim abundantes as conversões superficiais, e unem-se às igrejas multidões que nunca se uniram a Cristo. O Grande Conflito, págs. 467-469. Quarta - Útil ou inútil? Ano Bíblico: Lc 6–8 7. Compare Tiago 1:26, 27 com Mateus 25:35, 36, 40 e Romanos 12:9-18. À luz dessas passagens, como você definiria o verdadeiro cristianismo? 26 Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã. 27 A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo. Tg 1:26-27, ACF 35 Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; 36 Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me... 40 E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Mt 25:35-36 e 40, ACF 9 O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. 10 Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. 11 Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; 12 Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; 13 Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade; 14 Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis. 15 Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; 16 Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos; 17 A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. 18 Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Rm 12:9-18, ACF rraammooss@@aaddvviirr..ccoomm
  6. 6. O que é religião pura? Cristo nos disse que religião pura é o exercício da piedade, simpatia, e amor no lar, na igreja, e no mundo. Esse é o tipo de religião a ser ensinado às crianças, e é algo genuíno. Ensinai-Lhes que não devem centralizar os pensamentos em si mesmas, mas que onde quer que haja necessidade e sofrimento humanos, há ali campo para trabalho missionário. Review and Herald, 12 de novembro de 1895. As mãos e a mente devem estar ocupadas em trabalho útil, aliviando as cargas dos outros; e os que estiverem assim ocupados beneficiarão a si próprios também. … A mente deve ser desviada do eu; suas faculdades devem ser exercitadas a fim de divisar meios de fazer os outros melhores e mais felizes. "A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo." Tia. 1:27. A verdadeira religião enobrece a mente, refina o gosto, santifica o raciocínio, e torna o seu possuidor participante da pureza e santidade do Céu. Ela traz para perto os anjos, e nos separa mais e mais do espírito e influência do mundo. Ela faz parte de todas as ações e relações da vida, e nos dá um espírito sadio, produzindo como consequência felicidade e paz. Signs of the Times, 23 de outubro de 1884. "Sempre tendes os pobres convosco", disse Cristo, "e podeis fazer-lhes bem, quando quiserdes." Mar. 14:7. "A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do mundo." Tia. 1:27. Ao colocar entre eles os inválidos e os pobres, de modo a dependerem de seus cuidados, Cristo está provando Seus professos seguidores. Por nosso amor e serviço a Seus necessitados filhos, provamos a genuinidade de nosso amor por Ele. Negligenciá-los é declarar-nos falsos discípulos, estranhos a Cristo e Seu amor. Ciência do Bom Viver, 205. Quinta - Diferente do mundo Ano Bíblico: Lc 9–11 8. O que significa “guardar-se incontaminado do mundo”? (Tg 1:27). Como isso poderia ser possível? 1Jo 2:15, 16; 2Pe 1:4 15 Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. 16 Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. 1Jo 2:15-16, ACF Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo. 2Pe 1:4, ACF O mais poderoso baluarte do vício em nosso mundo, não é a vida iníqua do abandonado pecador ou do degradado; é a vida que, ao contrário, parece virtuosa, respeitável e nobre, mas na qual é nutrido um pecado; a vida em que há complacência com um vício. Para a alma que está lutando intimamente contra alguma gigantesca tentação, tremendo à beira de um abismo, tal exemplo é um dos mais poderosos estímulos a pecar. Aquele que, dotado de altas concepções da vida, da verdade e da honra, transgride ainda voluntariamente um preceito da santa lei de Deus, perverteu seus nobres dons, tornando-os um laço para o pecado. O temperamento, o talento, a simpatia, mesmo a generosidade e as boas ações, podem tornar-se um engodo de Satanás para seduzir almas para o precipício da ruína nesta vida e na futura. "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo." I João 2:15 e 16. O maior discurso de Cristo, 94-95. A conformidade com o mundo pode ser evitada pela verdade, pelo alimentar-se da Palavra de Deus, pelos seus princípios a circularem em toda a corrente vital e expressando essa palavra no caráter. Cristo, pelo apóstolo João, exorta-nos: "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele." I João 2:15. Isto é linguagem positiva, mas é a medida divina do caráter de todo homem. Manuscrito 37, 1896. rraammooss@@aaddvviirr..ccoomm

×