Lições Adultos O evangelho de Lucas
Lição 13 - Crucificado e ressurreto 20 a 27 de junho
Sábado à tarde Ano Bíblico: Sl 36...
e o alvo de Satanás de destruir a humanidade. No Éden o mundo foi mergulhado no desastre do pecado; no
Getsêmani foi asseg...
Quando Jesus alimentou cinco mil pessoas com cinco pães e dois peixes (Lc 9:10-17), Judas foi o primeiro a
perceber o valo...
solta-nos Barrabás. 19 O qual fora lançado na prisão por causa de uma sedição feita na cidade, e de um
homicídio. 20 Falou...
24 Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela; 25
Porque dele dis...
encarcerada numa tumba juntamente com a suprema e mais elevada autorrevelação de Deus em Cristo”
(George Eldon Ladd, A The...
firme alicerce bíblico para sua fé nEle.
Depois, quando apareceu aos discípulos, mostrou-lhes Seu corpo e comeu com eles. ...
podemos aprender é que é perigoso resistir à verdade, pois isso leva à insensibilidade espiritual. Os dois
ladrões: o fato...
vida de Jesus. O evangelho termina com a mensagem dada pelo próprio Ressuscitado: “Assim está escrito que
o Cristo havia d...
lição do Getsêmani. Qual é o segredo, então, da vitória de Cristo?
II. A cruz: vitória e nova vida (Recapitule com a class...
1. Como podemos conhecer a realidade do Jesus vivo e crer nela?
2. Qual é a relação entre a ressurreição e a renovação da ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015

175 visualizações

Publicada em

A lição original com os textos bíblicos tem como finalidade; facilitar a leitura ou mesmo o estudo, os versos estão na sequência correta, evitando a necessidade de procurá-los, o que agiliza, para os que tem o tempo limitado, vc pode levá-la no ipad, no pendrive, celular e etc, ler a qualquer momento e em qualquer lugar que desejar, até sem a necessidade de estar conectado na internet.

Também facilita se for imprimir por usar bem menos tinta que a lição convencional.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nós abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
175
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015

  1. 1. Lições Adultos O evangelho de Lucas Lição 13 - Crucificado e ressurreto 20 a 27 de junho Sábado à tarde Ano Bíblico: Sl 36–39 VERSO PARA MEMORIZAR: “Importa que o Filho do Homem seja entregue nas mãos de pecadores, e seja crucificado, e ressuscite no terceiro dia”. Lc 24:7. Leituras da Semana: Gn 3:1-6; Lc 22:39-46; 2Co 13:8; Lc 22:53; Mt 12:30; 1Co 5:14 Desde a infância, Jesus tinha consciência de que viera à Terra para cumprir a vontade de Seu Pai (Lc 2:41-50). Ele ensinou, curou e ministrou tendo o compromisso inabalável de obedecer ao Pai. Então, depois de celebrar a última Ceia, chegou o momento de andar sozinho, de confirmar a vontade de Deus, de ser traído e negado, de ser julgado e crucificado, e de ressuscitar vitorioso sobre a morte. Ao longo de toda a Sua vida, Jesus soube que a cruz era inevitável. Muitas vezes, nos evangelhos, é usada a expressão “importa que” ou “é necessário que” em conexão com os sofrimentos e a morte de Jesus (Lc 17:25; 22:37; 24:7; Mt 16:21; Mc 8:31; 9:12; Jo 3:14); ou seja: é necessário que Ele vá a Jerusalém; importa que Ele sofra; importa que seja rejeitado; importa que seja levantado; e assim por diante. Nada impediria o Filho de Deus de ir até o Gólgota. Ele classificava como vinda de Satanás (Mt 16:22, 23) qualquer sugestão para que rejeitasse a cruz. Estava convencido de que precisava “seguir […] sofrer […] ser morto e ressuscitado” (v. 21). Para Jesus, a jornada rumo à cruz não era uma opção; era uma necessidade (Lc 24:25, 26, 46), uma parte do divino “mistério que esteve oculto durante épocas e gerações, mas que agora foi manifestado a Seus santos” (Cl 1:26, NVI). Prepare seu coração para a Semana de Oração Jovem, a ser realizada no mês de julho. Ore pelas pessoas que participarão desse importante evento. Participe do projeto “Reavivados por Sua Palavra”: acesse o site http://reavivadosporsuapalavra.org/ Domingo - Getsêmani: a luta terrível Ano Bíblico: Sl 40–45 No princípio da História, Deus criou Adão e Eva e os colocou num belo jardim dotado de tudo o que eles precisavam para uma vida feliz. Logo, algo extraordinário aconteceu: Satanás apareceu (Gn 3). Ele tentou o primeiro casal e depois mergulhou o jovem planeta num grande conflito entre o bem e o mal, entre Deus e Satanás. Então, no tempo de Deus, outro jardim (Lc 22:39-46) se tornou um grande campo de batalha onde se travou a guerra entre a verdade e a mentira, entre a justiça e o pecado, e entre o plano de Deus para a salvação humana Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. e o alvo de Satanás de destruir a humanidade. No Éden o mundo foi mergulhado no desastre do pecado; no Getsêmani foi assegurada a vitória final do mundo. O Éden viu o trágico triunfo do eu colocando-se contra Deus; o Getsêmani mostrou o eu rendendo-se a Deus e revelando a vitória sobre o pecado. 1. Compare o que aconteceu no Éden (Gn 3:1-6) com o que aconteceu no Getsêmani (Lc 22:39-46). Qual é a grande diferença entre o que aconteceu nos dois jardins? Gn 3:1-6, (ACF); 1 Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? 2 E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, 3 Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais. 4 Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. 5 Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal. 6 E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela. Lc 22:39-46, (ACF); 39 E, saindo, foi, como costumava, para o Monte das Oliveiras; e também os seus discípulos o seguiram. 40 E quando chegou àquele lugar, disse-lhes: Orai, para que não entreis em tentação. 41 E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e, pondo-se de joelhos, orava, 42 Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua. 43 E apareceu-lhe um anjo do céu, que o fortalecia. 44 E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão. 45 E, levantando-se da oração, veio para os seus discípulos, e achou-os dormindo de tristeza. 46 E disse-lhes: Por que estais dormindo? Levantai-vos, e orai, para que não entreis em tentação. O Getsêmani representa dois fatos fundamentais: primeiro, uma tentativa violentíssima de Satanás de desviar Jesus de Sua missão e propósito; e, em segundo lugar, o mais nobre exemplo de confiança na força de Deus para que Sua vontade e propósito fossem realizados. O Getsêmani mostra que, por mais forte que a batalha seja e por mais fraco que alguém seja, a vitória é certa para aquele que experimentou a força da oração. Como diz a famosa oração de Jesus: “Contudo, não seja feita a Minha vontade, mas a Tua” (Lc 22:42). Todas as hostes de Satanás estavam arregimentadas contra Jesus; os discípulos, a quem Ele tanto amava, estavam insensíveis ao Seu sofrimento. O sangue pingava de Seus poros gota a gota; o beijo do traidor era iminente; e os sacerdotes e a guarda do templo estavam prontos para atacar. Contudo, Jesus nos mostrou que a oração e a submissão à vontade de Deus dão à alma a força necessária para suportar os grandes fardos da vida. Da próxima vez que você for severamente tentado, como poderá ter o tipo de experiência que Jesus teve no Getsêmani, em vez da que Adão e Eva tiveram no Éden? Qual é o fator crucial que faz toda a diferença entre esses dois tipos de experiência? Segunda - Judas Ano Bíblico: Sl 46–50 2. “Então Satanás entrou em Judas, chamado Iscariotes, um dos Doze” (Lc 22:3). Sem dúvida, Satanás trabalhou arduamente para conseguir o domínio de todos os discípulos. Porém, o que havia com Judas, em contraste com os outros, que fez com que o adversário tivesse tanto sucesso em relação a ele? Lucas conta como Jesus orou sozinho a noite toda nas montanhas antes de escolher Seus discípulos (Lc 6:12- 16). Jesus acreditava que os Doze eram um presente de Deus para Ele (Jo 17:6-9). Judas realmente foi uma resposta à oração? Como devemos entender o que se passou ali, senão concluir que, mesmo na traição e na apostasia de Judas o propósito de Deus devia se cumprir? (Ver 2Co 13:8). Judas, que tinha tanto potencial, que podia ter sido outro Paulo, tomou uma direção completamente errada. O que poderia ter sido como uma experiência do Getsêmani para ele foi, em vez disso, como a queda do Éden. “Havia alimentado o mau espírito da avareza até que se lhe tornou o motivo dominante na vida. O amor de Mamom sobrepujou o amor de Cristo” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 716). Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. Quando Jesus alimentou cinco mil pessoas com cinco pães e dois peixes (Lc 9:10-17), Judas foi o primeiro a perceber o valor político do milagre e “foi ele que arquitetou o plano de apoderar-se de Cristo à força e fazê- Lo rei” (Ibid., p. 718, 719). Mas Jesus censurou essa tentativa, e ali começou o desencanto de Judas: “Altas eram suas esperanças. Amarga foi sua decepção” (Ibid., p. 719). Obviamente Judas, como os outros, acreditava que Jesus usaria Seus extraordinários poderes para estabelecer um reino mundial, e Judas desejava claramente um lugar nesse reino. Que tragédia! Seu desejo de um lugar num reino temporal que nunca viria fez com que ele perdesse o lugar num reino eterno que certamente virá! Em outra ocasião, quando uma devota seguidora de Jesus resolveu ungir-Lhe os pés com um bálsamo muito caro, Judas condenou o ato dela como um desperdício econômico (Jo 12:1-8). Tudo o que Judas conseguia ver era dinheiro, e seu amor ao dinheiro ofuscou seu amor por Jesus. Essa fixação em dinheiro e no poder levou Judas a colocar uma “etiqueta de preço” no inestimável dom do Céu (Mt 26:15). Daí em diante, “Satanás entrou em Judas” (Lc 22:3). E Judas se perdeu. Não há nada de errado com status, poder ou dinheiro. O problema surge quando essas coisas ofuscam nossa fidelidade a Deus. Por que é sempre importante fazermos uma autoavaliação para que não nos enganemos a respeito de nós mesmos, como ocorreu com Judas? Terça - Com Ele ou contra Ele Ano Bíblico: Sl 51–55 Por tudo o mais que ela envolve, a cruz é também o grande divisor da História: o divisor entre fé e incredulidade, entre traição e aceitação, e entre vida eterna e morte. Não há meio-termo para nenhum ser humano no que diz respeito à cruz. No fim das contas, ou estamos de um lado ou do outro. “Quem não é por Mim é contra Mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12:30). Essas são palavras fortes, e podem nos deixar pouco à vontade, mas Jesus está simplesmente expressando a realidade e o que a verdade implica para aqueles que estão envolvidos no grande conflito. Ou estamos com Jesus ou com Satanás. É radical mesmo! 3. Como as seguintes pessoas estão relacionadas a Jesus, e que lições podemos aprender do exemplo delas que possam nos ajudar em nosso próprio relacionamento com Deus e em nossa maneira de nos relacionarmos com a cruz? Os membros do sinédrio (Lc 22:53). Que erros essas pessoas cometeram? Por que os cometeram? Com relação ao conceito que tinham de Jesus, como podemos nos precaver para não cometer o mesmo erro? Lc 22:53, (ACF); 53 Tenho estado todos os dias convosco no templo, e não estendestes as mãos contra mim, mas esta é a vossa hora e o poder das trevas. Pilatos (Lc 23:1-7, 13-25). O que levou Pilatos a dizer: “Não acho nEle crime algum” (Jo 19:4) e, ao mesmo tempo, sentenciá-Lo a ser crucificado? O que podemos aprender com seu erro quando deixou de fazer o que sabia ser o certo? Lc 23:1-7, (ACF); 1 E, levantando-se toda a multidão deles, o levaram a Pilatos. 2 E começaram a acusá-lo, dizendo: Havemos achado este pervertendo a nossa nação, proibindo dar o tributo a César, e dizendo que ele mesmo é Cristo, o rei. 3 E Pilatos perguntou-lhe, dizendo: Tu és o Rei dos Judeus? E ele, respondendo, disse- lhe: Tu o dizes. 4 E disse Pilatos aos principais dos sacerdotes, e à multidão: Não acho culpa alguma neste homem. 5 Mas eles insistiam cada vez mais, dizendo: Alvoroça o povo ensinando por toda a Judéia, começando desde a Galiléia até aqui. 6 Então Pilatos, ouvindo falar da Galiléia perguntou se aquele homem era galileu. 7 E, sabendo que era da jurisdição de Herodes, remeteu-o a Herodes, que também naqueles dias estava em Jerusalém. Lc 23:13-25, (ACF); 13 E, convocando Pilatos os principais dos sacerdotes, e os magistrados, e o povo, 14 Disse-lhes: Haveis-me apresentado este homem como pervertedor do povo; e eis que, examinando-o na vossa presença, nenhuma culpa, das de que o acusais, acho neste homem. 15 Nem mesmo Herodes, porque a ele vos remeti, e eis que não tem feito coisa alguma digna de morte. 16 Castiga-lo-ei, pois, e solta-lo-ei. 17 E era-lhe necessário soltar-lhes um pela festa. 18 Mas toda a multidão clamou a uma, dizendo: Fora daqui com este, e Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. solta-nos Barrabás. 19 O qual fora lançado na prisão por causa de uma sedição feita na cidade, e de um homicídio. 20 Falou, pois, outra vez Pilatos, querendo soltar a Jesus. 21 Mas eles clamavam em contrário, dizendo: Crucifica-o, crucifica-o. 22 Então ele, pela terceira vez, lhes disse: Mas que mal fez este? Não acho nele culpa alguma de morte. Castiga-lo-ei pois, e solta-lo-ei. 23 Mas eles instavam com grandes gritos, pedindo que fosse crucificado. E os seus gritos, e os dos principais dos sacerdotes, redobravam. 24 Então Pilatos julgou que devia fazer o que eles pediam. 25 E soltou-lhes o que fora lançado na prisão por uma sedição e homicídio, que era o que pediam; mas entregou Jesus à vontade deles. Herodes (Lc 23:6-12). Qual foi o grande erro de Herodes, e o que podemos aprender desse erro? Lc 23:6-12, (ACF); 6 Então Pilatos, ouvindo falar da Galiléia perguntou se aquele homem era galileu. 7 E, sabendo que era da jurisdição de Herodes, remeteu-o a Herodes, que também naqueles dias estava em Jerusalém. 8 E Herodes, quando viu a Jesus, alegrou-se muito; porque havia muito que desejava vê-lo, por ter ouvido dele muitas coisas; e esperava que lhe veria fazer algum sinal. 9 E interrogava-o com muitas palavras, mas ele nada lhe respondia. 10 E estavam os principais dos sacerdotes, e os escribas, acusando-o com grande veemência. 11 E Herodes, com os seus soldados, desprezou-o e, escarnecendo dele, vestiu-o de uma roupa resplandecente e tornou a enviá-lo a Pilatos. 12 E no mesmo dia, Pilatos e Herodes entre si se fizeram amigos; pois dantes andavam em inimizade um com o outro. Os dois ladrões (Lc 23:39-43). Dois pecadores olham para a mesma cruz e têm duas reações diferentes. Como essa cena revela o aspecto alternativo da salvação, isto é, ou estamos de um lado do grande conflito ou do outro? Lc 23:39-43, (ACF); 39 E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós. 40 Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? 41 E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez. 42 E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. 43 E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. Quarta - Ele ressuscitou Ano Bíblico: Sl 56–61 No domingo de manhã, bem cedo, as mulheres foram ao túmulo com um único propósito – completar o ritual do sepultamento. Apesar do tempo que elas haviam passado com Jesus, não haviam compreendido verdadeiramente o que iria acontecer. Certamente, não estavam esperando encontrar um túmulo vazio, nem que lhes fosse dito pelos mensageiros celestiais: “Ele não está aqui, mas ressuscitou” (Lc 24:6). 4. Só nos primeiros capítulos de Atos há pelo menos oito referências à ressurreição de Jesus: Atos 1:22; 2:14- 36; 3:14, 15; 4:1, 2, 10, 12, 33; 5:30-32. Por que a ressurreição era tão central na pregação apostólica e na fé da igreja primitiva? Por que ela ainda é tão crucial também para nós, hoje? At 1:22, (ACF); 22 Começando desde o batismo de João até ao dia em que de entre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição. At 2:14-36, (ACF); 14 Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz, e disse-lhes: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras. 15 Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo a terceira hora do dia. 16 Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: 17 E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos terão sonhos; 18 E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão; 19 E farei aparecer prodígios em cima, no céu; E sinais em baixo na terra, Sangue, fogo e vapor de fumo. 20 O sol se converterá em trevas, E a lua em sangue, Antes de chegar o grande e glorioso dia do Senhor; 21 E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. 22 Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; 23 A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos; Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. 24 Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela; 25 Porque dele disse Davi: Sempre via diante de mim o Senhor, Porque está à minha direita, para que eu não seja comovido; 26 Por isso se alegrou o meu coração, e a minha língua exultou; E ainda a minha carne há de repousar em esperança; 27 Pois não deixarás a minha alma no inferno, Nem permitirás que o teu Santo veja a corrupção; 28 Fizeste-me conhecidos os caminhos da vida; Com a tua face me encherás de júbilo. 29 Homens irmãos, seja-me lícito dizer-vos livremente acerca do patriarca Davi, que ele morreu e foi sepultado, e entre nós está até hoje a sua sepultura. 30 Sendo, pois, ele profeta, e sabendo que Deus lhe havia prometido com juramento que do fruto de seus lombos, segundo a carne, levantaria o Cristo, para o assentar sobre o seu trono, 31 Nesta previsão, disse da ressurreição de Cristo, que a sua alma não foi deixada no inferno, nem a sua carne viu a corrupção. 32 Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas. 33 De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis. 34 Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio diz: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, 35 Até que ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés. 36 Saiba, pois com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. At 3:14-15, (ACF); 14 Mas vós negastes o Santo e o Justo, e pedistes que se vos desse um homem homicida. 15 E matastes o Príncipe da vida, ao qual Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas. At 4:1-2, (ACF); 1 E, estando eles falando ao povo, sobrevieram os sacerdotes, e o capitão do templo, e os saduceus, 2 Doendo-se muito de que ensinassem o povo, e anunciassem em Jesus a ressurreição dentre os mortos. At 4:10-12, (ACF); 10 Seja conhecido de vós todos, e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, em nome desse é que este está são diante de vós. 11 Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina. 12 E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos. At 4:33, (ACF); 33 E os apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. At 5:30-32, (ACF); 30 O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, ao qual vós matastes, suspendendo-o no madeiro. 31 Deus com a sua destra o elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados. 32 E nós somos testemunhas acerca destas palavras, nós e também o Espírito Santo, que Deus deu àqueles que lhe obedecem. As mulheres foram testemunhas oculares em primeira mão da ressurreição de Jesus. Apressaram-se a compartilhar a boa notícia com outros, mas ninguém acreditou nelas (Lc 24:11). Ao contrário, os apóstolos consideraram esse grande fato da história da redenção como um “delírio” de mulheres exaustas e tristes (v. 10, 11). Logo eles descobririam o quanto estavam errados! Lc 24:10-11, (ACF); 10 E eram Maria Madalena, e Joana, e Maria, mãe de Tiago, e as outras que com elas estavam, as que diziam estas coisas aos apóstolos. 11 E as suas palavras lhes pareciam como desvario, e não as creram. A ressurreição de Cristo é fundamental para o ato redentor de Deus e para a totalidade da fé e da existência cristã. O apóstolo Paulo torna isso muito claro: “Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé” (1Co 15:14). Ela é vã, ou vazia, porque somente na ressurreição de Cristo podemos encontrar a esperança que temos. Sem essa esperança, nossa vida termina aqui, e termina eternamente. A vida de Cristo não terminou numa tumba, e a grande promessa que temos não terminará também. “Se Cristo não ressuscitou dos mortos, o longo curso dos atos redentores de Deus para salvar Seu povo termina numa rua sem saída, numa tumba. Se a ressurreição de Cristo não é uma realidade, então não temos nenhuma segurança de que Deus é o Deus vivo, pois a morte tem a última palavra. A fé é fútil porque o objeto dessa fé não vindicou a Si mesmo como o Senhor da vida. Se Cristo está, de fato, morto, a fé cristã, então, está Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  6. 6. encarcerada numa tumba juntamente com a suprema e mais elevada autorrevelação de Deus em Cristo” (George Eldon Ladd, A Theology of the New Testament. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans, 1974, p. 318). Quinta - “Importava que se cumprisse tudo” Ano Bíblico: Sl 62–67 5. Leia Lucas 24:13-49. Nos vários encontros que Jesus teve com as pessoas, o que Ele destacou a fim de ajudá-las a compreender o que aconteceu com Ele? Por que isso é tão importante hoje em nosso testemunho ao mundo? Lc 24:13-49, (ACF); 13 E eis que no mesmo dia iam dois deles para uma aldeia, que distava de Jerusalém sessenta estádios, cujo nome era Emaús. 14 E iam falando entre si de tudo aquilo que havia sucedido. 15 E aconteceu que, indo eles falando entre si, e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia com eles. 16 Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que o não conhecessem. 17 E ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes? 18 E, respondendo um, cujo nome era Cléopas, disse-lhe: És tu só peregrino em Jerusalém, e não sabes as coisas que nela têm sucedido nestes dias? 19 E ele lhes perguntou: Quais? E eles lhe disseram: As que dizem respeito a Jesus Nazareno, que foi homem profeta, poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo; 20 E como os principais dos sacerdotes e os nossos príncipes o entregaram à condenação de morte, e o crucificaram. 21 E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel; mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram. 22 É verdade que também algumas mulheres dentre nós nos maravilharam, as quais de madrugada foram ao sepulcro; 23 E, não achando o seu corpo, voltaram, dizendo que também tinham visto uma visão de anjos, que dizem que ele vive. 24 E alguns dos que estavam conosco foram ao sepulcro, e acharam ser assim como as mulheres haviam dito; porém, a ele não o viram. 25 E ele lhes disse: O néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! 26 Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? 27 E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras. 28 E chegaram à aldeia para onde iam, e ele fez como quem ia para mais longe. 29 E eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, porque já é tarde, e já declinou o dia. E entrou para ficar com eles. 30 E aconteceu que, estando com eles à mesa, tomando o pão, o abençoou e partiu-o, e lho deu. 31 Abriram-se-lhes então os olhos, e o conheceram, e ele desapareceu-lhes. 32 E disseram um para o outro: Porventura não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava, e quando nos abria as Escrituras? 33 E na mesma hora, levantando-se, tornaram para Jerusalém, e acharam congregados os onze, e os que estavam com eles, 34 Os quais diziam: Ressuscitou verdadeiramente o Senhor, e já apareceu a Simão. 35 E eles lhes contaram o que lhes acontecera no caminho, e como deles fora conhecido no partir do pão. 36 E falando eles destas coisas, o mesmo Jesus se apresentou no meio deles, e disse-lhes: Paz seja convosco. 37 E eles, espantados e atemorizados, pensavam que viam algum espírito. 38 E ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que sobem tais pensamentos aos vossos corações? 39 Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. 40 E, dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e os pés. 41 E, não o crendo eles ainda por causa da alegria, e estando maravilhados, disse-lhes: Tendes aqui alguma coisa que comer? 42 Então eles apresentaram-lhe parte de um peixe assado, e um favo de mel; 43 O que ele tomou, e comeu diante deles. 44 E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos. 45 Então abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras. 46 E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressuscitasse dentre os mortos, 47 E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém. 48 E destas coisas sois vós testemunhas. 49 E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder. A ressurreição de Jesus devia ter sido evidência suficiente para provar Sua messianidade. Surrado e brutalizado antes de ser crucificado e, finalmente, atravessado por uma lança, Jesus foi, então, envolvido em panos e colocado numa tumba. Mesmo que, como alguns têm ridiculamente sugerido, Ele tivesse sobrevivido à cruz e ao sepultamento, um Jesus ensanguentado, machucado e enfraquecido, que de alguma forma saísse cambaleando da tumba não teria representado para ninguém a ideia de um Messias vitorioso. Contudo, ali estava Jesus, vivo e suficientemente bem para andar pelo menos alguns quilômetros com dois homens na estrada de Emaús. E, mesmo então, antes de revelar quem era, Jesus lhes indicou as Escrituras, dando-lhes um Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  7. 7. firme alicerce bíblico para sua fé nEle. Depois, quando apareceu aos discípulos, mostrou-lhes Seu corpo e comeu com eles. E fez mais: apontou-lhes a Palavra de Deus: “Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia e que em Seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém. Vós sois testemunhas destas coisas” (Lc 24:46-48). Nesse caso, também, Jesus não só apontou para as Escrituras (além das evidências de que Ele estava realmente vivo e entre eles), mas usou as Escrituras para ajudá-los a entender exatamente o que Lhe havia acontecido. E mais: associou diretamente Sua ressurreição à missão de pregar o evangelho a todas as nações. Portanto, mesmo com todas as poderosas evidências que provavam quem era Jesus, Ele sempre dirigia Seus seguidores de volta à Palavra de Deus. Afinal de contas, sem a Palavra de Deus entre nós hoje, como saberíamos a respeito de nosso chamado e missão de pregar o evangelho ao mundo? Como saberíamos até mesmo o que é o evangelho? Portanto, a Bíblia é tão central para nós hoje quanto foi para Jesus e Seus discípulos. Quanto tempo você passa com a Bíblia? Como isso afeta sua maneira de viver, as escolhas que faz e sua maneira de tratar os outros? Sexta - Estudo adicional Ano Bíblico: Sl 68–71 “O significado da morte de Cristo será percebido por santos e anjos. Seres humanos caídos não teriam um lar no paraíso de Deus sem o Cordeiro morto desde a fundação do mundo. Não exaltaremos, então, a cruz de Cristo? Os anjos atribuem honra e glória a Cristo, pois nem mesmo eles se encontram seguros, a não ser olhando para os sofrimentos do Filho de Deus. É pela eficácia da cruz que os anjos do Céu são protegidos contra a apostasia. Sem a cruz, não mais estariam seguros contra o mal do que os anjos estavam antes da queda de Satanás. A perfeição angélica fracassou no Céu. A perfeição humana fracassou no Éden, o paraíso da bem-aventurança. Todos os que desejam segurança na Terra ou no Céu precisam olhar para o Cordeiro de Deus” (Comentários de Ellen G. White, Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 5, p. 1265). Perguntas para reflexão 1. No contexto da ciência, um autor escreveu: “Em resumo, temos evidências diretas para um número surpreendentemente pequeno de crenças que defendemos” (Richard DeWitt, Worldviews: An Introduction to the History and Philosophy of Science, segunda edição. Chichester, West Sussex, Reino Unido: John Wiley and Sons, Ltd., 2010, p. 15). Contudo, temos muitas razões muito boas para nossa fé. Olhe para o que Jesus disse aos discípulos: “E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” (Mt 24:14). Agora, pense no tempo em que Jesus disse essas palavras. Quantos seguidores Ele tinha nessa época? Quantas pessoas haviam acreditado nEle? Pense, também, em toda a oposição que a igreja primitiva iria enfrentar, durante séculos, no Império Romano. Essa predição nos ajuda a confiar na Palavra de Deus? 2. O texto de Ellen G. White mostra a universalidade das questões relativas ao pecado. Nem os anjos estão seguros se não olharem para Jesus. O que isso significa? Respostas sugestivas: 1. No Éden, o primeiro Adão renunciou à vontade de Deus para fazer a sua própria vontade; no Getsêmani o segundo Adão renunciou à Sua própria vontade para fazer a vontade de Deus. 2. Judas cultivou um pecado até que esse pecado tomou conta de toda a sua vida e o colocou inteiramente nas mãos de Satanás. 3. Os membros do Sinédrio: ouviram Cristo muitas vezes ensinando no templo, mas endureceram o coração contra Ele até que tramaram Sua morte e, por fim, conseguiram concretizá-la. Podemos nos precaver contra isso não endurecendo o coração contra Cristo. Pilatos: viu que não podia libertar Jesus e ao mesmo tempo conservar sua posição e honra. O que podemos aprender com seu erro é que todos os que transigem com o pecado conseguirão só tristeza e ruína. Herodes: rejeitou a verdade que lhe tinha sido anunciada por João Batista, endureceu o coração e se tornou tão insensível que rejeitou a Cristo. O que Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  8. 8. podemos aprender é que é perigoso resistir à verdade, pois isso leva à insensibilidade espiritual. Os dois ladrões: o fato de que os dois ladrões tiveram a mesma oportunidade de salvação, mas apresentaram reações diferentes, mostra que temos o livre-arbítrio para escolher o lado em que queremos ficar no grande conflito. 4. A ressurreição era fundamental para a pregação apostólica e o é igualmente para nós hoje porque não é possível haver um Salvador morto; se Cristo tivesse permanecido sob o poder da morte, como poderia nos livrar desse poder? 5. Jesus enfatiza que tudo o que aconteceu com Ele havia sido predito pelas Escrituras e, portanto, que o plano da salvação está fundamentado na Bíblia. Isso é importante para nós porque, sem a Bíblia, não saberíamos nada sobre o evangelho nem sobre nossa missão de levá-lo ao mundo. Auxiliar - Resumo Texto-chave: Lucas 24:7 O aluno deverá: Conhecer: Os sofrimentos e a vitória de Jesus. Sentir: A transformação gerada pela contemplação da angústia e dor do Getsêmani e da cruz, e pela vitória da tumba vazia. Fazer: Identificar-se com o Jesus crucificado e ressurreto. Esboço I. Conhecer: Os sofrimentos e a vitória de Jesus A. Qual era o cálice que Jesus desejava que fosse passado dEle? B. De que forma a cruz, instrumento de vergonha, tornou-se símbolo de salvação? C. Por que era necessária uma ressurreição corporal de Jesus? II. Sentir: A agonia e a vitória de Jesus A. Como você reage ao Getsêmani – à indiferença dos discípulos que dormiam, à agonia de Jesus? B. Imagine-se aos pés da cruz. Como isso poderia ter afetado sua atitude para com o pecado? C. Qual é o seu sentimento ao saber que a vitória de Jesus sobre a morte é a sua vitória? Que responsabilidade esse sentimento coloca sobre você? III. Fazer: Identificar-se com o Jesus crucificado e ressurreto A. O que você faria/daria em retribuição pelo grande sacrifício que Jesus fez pelos seus pecados? Como você expressaria sua gratidão pelo amor manifestado na cruz? B. Como você pode tomar a sua cruz e seguir a Jesus? Que mudanças tal passo envolveria em sua vida? C. Você já experimentou o poder do perdão e a alegria que o Jesus ressuscitado oferece? Ore por uma oportunidade de partilhar sua experiência com alguém. Resumo: A verdade mais sublime do mundo é que Jesus, santo e sem pecado, veio a este mundo, sofreu e morreu por nossos pecados e ressurgiu ao terceiro dia, vitorioso sobre Satanás, o pecado e a morte. A segunda verdade mais sublime é esta: Ele oferece essa vitória sobre o pecado e um lugar em Seu reino a todos os que O aceitarem pela fé. Ciclo do Aprendizado Motivação Focalizando as Escrituras: Lucas 22:39-46; 23:26-56; 24:1-12 Conceito-chave para o crescimento espiritual: Lucas apresentou seu evangelho como “um relato ordenado” (Lc 1:3, NVI), de forma que o leitor pudesse ter “a certeza das coisas” (v. 4, NVI) que haviam acontecido na Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  9. 9. vida de Jesus. O evangelho termina com a mensagem dada pelo próprio Ressuscitado: “Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia e que em Seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações [...] Vós sois testemunhas destas coisas” (Lc 24:46-48). Ser testemunha disso nunca foi fácil. No que diz respeito à cruz e à ressurreição, em geral as pessoas “custam a entender e [...] demoram a crer” em tudo o que as Escrituras dizem (v. 25, NVI). Para o professor: Nessas circunstâncias, como encontramos certeza em nossa fé e firmeza em nossa esperança? Nenhuma quantidade de raciocínio, lógica e argumentos pode nos ajudar a entender o mistério do amor e da graça de Deus, revelados no sofrimento, morte e ressurreição de Jesus. Leve sua classe a alcançar essa bendita fé. Para reflexão Oscar Cullmann, um grande teólogo do Novo Testamento, diz: “A esperança da ressurreição pressupõe a fé na Criação. Pelo fato de Deus ser o criador também do corpo, então, na Bíblia, ‘ressurreição’ [...] deve ser ressurreição do corpo” (Christ and Time [Cristo e o Tempo]. Londres: SCM Press Ltd, 1967; p. 234). Pergunta para discussão Como a fé na Criação e a fé na ressurreição se reforçam mutuamente? Compreensão Para o professor: Vamos examinar três cenas finais da vida terrestre de Cristo e meditar no grande preço que Deus pagou por nossa salvação: o Getsêmani, a cruz e a ressurreição. Comentário Bíblico I. Getsêmani: O cálice e a vontade (Recapitule com a classe Lc 22:42.) Cristo sofreu muito no Getsêmani para nos redimir no Calvário. A. “Pai, se queres” (Lc 22:42). Cristo viu no Getsêmani o ponto principal da história da redenção: beber o cálice e subir à cruz, ou recusar o cálice e voltar às cortes celestes. Nada poderia tê-Lo impedido de voltar para o Pai, pois Ele não havia pecado; mas, se Ele tivesse feito isso, o que teria acontecido à aliança, feita antes de serem postos os fundamentos da Terra, com a qual os membros da Divindade haviam Se comprometido a redimir o pecador e a derrotar o inimigo no grande conflito entre Deus e Satanás (Ef 1:3-7)? Jesus pesou as consequências e Se recusou a colocar os interesses do “eu” antes das prioridades do Pai. A submissão à vontade de Deus é o segredo da vitória. B. O cálice. Todos os três evangelhos sinóticos mencionam que Jesus orou com grande agonia para que esse cálice fosse removido dEle, sendo que Lucas, o médico-escritor, acrescenta o detalhe de que Seu suor caía sobre a terra “como gotas de sangue” (Lc 22:44). O que era esse cálice amargo? Certamente não era a morte física que estava sendo tramada por Seus inimigos, nem a angústia mental pela qual Ele teria que passar ao ser traído, negado e rejeitado. Não, o cálice amargo era o temor agonizante de que suportar os pecados do mundo e dar a vida como resgate na cruz pudesse trazer permanente separação do Pai. Como o Filho e o Pai são um em essência, um em pensamento, um em ação, Jesus não podia suportar o pensamento do amargo cálice da separação do Pai, mesmo que momentânea. Pense nisto: O cálice é amargo, insuportável e agonizante. “Passe de Mim este cálice!” (Mt 26:39) é a oração de Jesus. É uma oração legítima. Entretanto, o conceito bíblico da oração não é apenas de que ela seja legítima e razoável, mas de que seja também submissa. Acima e além de todas as expectativas e acontecimentos da vida, está a vontade soberana de Deus. Toda oração é respondida por um “sim”, “não” ou “espere”. Onde a vontade de Deus é reconhecida como suprema, “todas as coisas cooperam para o bem” (Rm 8:28). Essa é a Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  10. 10. lição do Getsêmani. Qual é o segredo, então, da vitória de Cristo? II. A cruz: vitória e nova vida (Recapitule com a classe Lc 9:23; 2Co 5:17-19.) A cruz significa vitória e um novo modo de vida para os seguidores de Cristo. A. A cruz: o momento da vitória. A cruz é o meio escolhido por Deus para obter uma vitória decisiva no grande conflito entre Cristo e Satanás. Somente dessa vitória depende a esperança dos pecadores se tornarem filhos de Deus. Essa cruz era o centro da proclamação de Paulo: “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação” (2Co 5:19). É verdade que Jesus, na cruz, lutou com a dúvida quanto a se as trevas da separação do Pai seriam eternas, mas o Filho tinha decidido quebrar as cadeias do pecado para sempre e derrotar o maligno de uma vez por todas. Ele bebeu o cálice da aliança eterna feita muito tempo antes e clamou: “Está consumado” (Jo 19:30). A tarefa que Ele viera cumprir estava feita. A redenção do pecado estava concluída. A reconciliação da raça humana estava completa. O maligno estava condenado à morte. B. A cruz: o caminho para uma nova vida. A vida cristã não começa com o nascimento. Começa com a morte. Até que o “eu” morra, até que o eu esteja crucificado, não há nenhum começo. É preciso haver uma remoção cirúrgica radical, deliberada, total do “eu”. “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2Co 5:17). Algo acontece com uma pessoa que deixa Cristo tomar o controle total de sua vida. Simão, o vacilante, torna- se Pedro, o corajoso. Saulo, o perseguidor, torna-se Paulo, o mártir. Tomé, o cético, torna-se o missionário da linha de frente. A covardia dá lugar à coragem; a incredulidade morre e a fé vive. O ciúme é tragado pelo amor. O interesse próprio se desvanece em preocupação beneficente. O “eu” é crucificado. Foi por isso que Jesus insistiu: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-Me” (Lc 9:23). No discipulado cristão, tomar a cruz não é opcional. Ou tomamos a cruz ou não somos discípulos. Pense nisto: Os evangelhos não dizem muito sobre o que Jesus realizou na cruz (leia João 12:31, 32). O restante do Novo Testamento examina o tema em profundidade. Leia e discuta os seguintes textos: Romanos 3:23-26; 5:8-10; 8:32; 1 Coríntios 5:7; 15:3; Gálatas 1:3, 4; 2:20; Efésios 1:7; 5:2; Hebreus 9:2-26. III. A ressurreição: o Ressuscitado e as testemunhas (Recapitule com a classe Lc 24:5-8; Lc 24:13-35.) A. Ressuscitou. Depois de ficarem chocadas e cheias de perguntas durante três dias, as mulheres foram as primeiras a chegar ao túmulo. Foram recebidas por dois anjos com uma mensagem de significado perene: “Ele não está aqui, mas ressuscitou” (Lc 24:6), e com uma pergunta significativa: “Por que buscais entre os mortos ao que vive?” (v. 5). Os seres humanos estão empenhados na constante busca pelo significado da vida e por respostas às desconcertantes perguntas que ela apresenta. Todavia, a resposta não pode ser encontrada se a busca ocorre na arena do pensamento e da ação humana. Os anjos que estavam na tumba vazia ordenaram às mulheres que, em sua busca, olhassem além e compreendessem aquelas palavras perenes: “Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11:25). Sem o Jesus ressurreto, uma tumba continua sendo uma tumba: um recinto selado que abriga o desespero e a morte. B. Testemunhas destas coisas. A cruz havia despedaçado seus sonhos. Os dois discípulos, desapontados, estavam retornando para Emaús, que ficava cerca de 11 km a noroeste de Jerusalém. De repente Jesus, sem ser reconhecido, une-Se a eles, trazendo-lhes conforto em meio ao desespero. Após ler a narrativa de Lucas 24:13- 35, discuta as seguintes perguntas: Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  11. 11. 1. Como podemos conhecer a realidade do Jesus vivo e crer nela? 2. Qual é a relação entre a ressurreição e a renovação da esperança? 3. “Começando por Moisés,” Jesus “expunha-lhes o que a Seu respeito constava em todas as Escrituras” (Lc 24:27). Começando por Gênesis, que passagens lhe vêm à mente com respeito à missão sacrifical de Cristo? Aplicação Para o professor: Quando o Jesus ressurreto apareceu aos discípulos, eles “ficaram assustados e com medo, pensando que estavam vendo um espírito” (Lc 24:37, NVI). Qual é a cura para os que estão assustados e com medo? Perguntas para discussão Peça a alguém que leia Lucas 24:36-49, e depois leve a classe a se concentrar nas seguintes perguntas: 1. Jesus usou frequentemente as palavras: “Paz seja convosco.” Por que, nessa ocasião, essas palavras causaram medo nos discípulos? 2. Jesus deu quatro sinais: o visual, o auditivo, o tátil e o ato de comer – para assegurar aos discípulos que, em Sua condição pós-ressurreição, Ele era uma pessoa real. Por que é importante a fé em uma ressurreição corporal? 3. Jesus disse aos discípulos: “Assim está escrito, e assim era necessário” (Lc 24:46, New King James Version). De que forma a revelação e a necessidade se encontram no plano da salvação? Atividades práticas Para o professor: Entre o Getsêmani e a ressurreição, a estrada foi pavimentada com traição, negação e conspiração. A agenda satânica de deslealdade incluiu Judas e Pedro. “Satanás entrou em Judas” (Lc 22:3), e ele saiu para dar aquele beijo traidor, e mais tarde se enforcou. Satanás pediu Pedro, mas Jesus assegurou-lhe: “Roguei por ti” (v. 31, 32). Qual foi a diferença entre os dois? Perguntas de aplicação 1. O que fez com que Judas passasse permanentemente para o campo de Satanás? 2. O que fez com que Pedro recapitulasse as palavras de Jesus (v. 34), se arrependesse e chorasse “amargamente” (v. 62)? Planejando atividades: O que sua classe pode fazer, na próxima semana, como resposta ao estudo da lição? É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização da Casa Publicadora Brasileira. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com

×