Terapêutica em Neoplasias

1.029 visualizações

Publicada em

Slides sobre Terapêutica em Neoplasias

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.029
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Terapêutica em Neoplasias

  1. 1. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde Bacharelado Interdisciplinar em Saúde CCS388 Aspectos Fisiopatológicos e Farmacológicos do Processo Saúde Doença Santo Antônio de Jesus 2015 George Gonçalves
  2. 2. Neoplasia Formas de crescimento celular não controladas denominadas, na prática, “tumores”. (BRASIL, 2015) “.... proliferação anormal do tecido, que foge parcial ou totalmente ao controle do organismo e tende à autonomia e à perpetuação, com efeitos agressivos”. (PÉREZ-TAMAYO, 1987; ROBBINS, 1984) Introdução
  3. 3. (BRASIL, 2015) Introdução
  4. 4. • Classificar a evolução das neoplasias malignas União Internacional Contra o Câncer (UICC) TRATAMENTOS ESTADIAMENTO (BRASIL, 2015) Introdução
  5. 5. • T – Tumor primário; (T1 a T4) • N – Extensão de disseminação para os linfonodos regionais; (N0 a N3) • M – Presença, ou não, de metástase à distância. (M0 a M1) Sistema TNM de Classificação de Tumores Malignos Introdução (BRASIL, 2015) Estádios Clínicos variam de I a IV
  6. 6. • Obtenção de informações sobre o comportamento biológico do tumor; • Seleção da terapêutica; • Previsão das complicações; • Obtenção de informações para estimar o prognóstico do caso; • Avaliação dos resultados do tratamento; • Investigação em oncologia: pesquisa básica e clínica; • Publicação dos resultados e troca de informações. Importância do Estadiamento Introdução (BRASIL, 2015)
  7. 7. Tratamentos Cirúrgicos Radioterapia Quimioterapia
  8. 8. Cirurgia Oncológica DIAGNÓSTICO: • Biópsias. • Imagem; • Marcadores. ESTADIAMENTO: • Mediastinoscopia, laparoscopia, laparotomia. CIRURGIA CURATIVA: • Excisão local com margem adequada; • Extensão depende do comportamento da neoplasia, estadiamento clínico e cirúrgico e da disponibilidade e eficácia de outras modalidades de tratamento adjuvante. PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES
  9. 9. Cirurgia Oncológica DIAGNÓSTICO: • Biópsias. • Imagem; • Marcadores. ESTADIAMENTO: • Mediastinoscopia, laparoscopia, laparotomia. CIRURGIA CURATIVA: • Excisão local com margem adequada; • Extensão depende do comportamento da neoplasia, estadiamento clínico e cirúrgico e da disponibilidade e eficácia de outras modalidades de tratamento adjuvante. PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES
  10. 10. Cirurgia Oncológica DIAGNÓSTICO: • Biópsias. • Imagem; • Marcadores. ESTADIAMENTO: • Mediastinoscopia, laparoscopia, laparotomia. CIRURGIA CURATIVA: • Excisão local com margem adequada; • Extensão depende do comportamento da neoplasia, estadiamento clínico e cirúrgico e da disponibilidade e eficácia de outras modalidades de tratamento adjuvante. PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES
  11. 11. Cirurgia Oncológica DIAGNÓSTICO: • Biópsias. • Imagem; • Marcadores. ESTADIAMENTO: • Mediastinoscopia, laparoscopia, laparotomia. CIRURGIA CURATIVA: • Excisão local com margem adequada; • Extensão depende do comportamento da neoplasia. PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES
  12. 12. Cirurgia Oncológica História Natural do Câncer • Carcinoma in situ; • Carcinoma microinvasor; • Carcinoma invasor; • Metástase regional; • Metástase sistêmica. PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES
  13. 13. Cirurgia Oncológica PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES CURATIVA (Limite macroscópico de 2 cm) LINFADENECTOMIA
  14. 14. Cirurgia Oncológica ANTI-ÁLGICA PALIATIVA PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES
  15. 15. Cirurgia Oncológica PRINCÍPIOS DAS RESSECÇÕES PALIATIVA HIGIÊNICA
  16. 16. Radioterapia Método de tratamento local ou loco-regional, que utiliza equipamentos e técnicas variadas para irradiar áreas do organismo humano, prévia e cuidadosamente demarcadas. Objetivo Liberar uma dose correta de radiação a um volume tumoral, com o menor dano possível aos tecidos sadios vizinhos, resultando na erradicação do tumor. (BRASIL, 2015)
  17. 17. Radioterapia Externa Interna (Braquiterapia) Tipos (BRASIL, 2015)
  18. 18. Dose diária de radiação Centigray (cGy) Gray (Gy) 180 a 200 cGy/dia (4 a 5 semanas) Radioterapia Duração do Tratamento • Em geral, durante 5 dias, com pausa de 2 para recuperação dos tecidos normais. Radioterapia Externa (BRASIL, 2015)
  19. 19. Radioterapia Acelerador Linear
  20. 20. RadioterapiaRadioterapiaRadioterapia Mecanismo de Ação
  21. 21. Radioterapia Mecanismo de Ação
  22. 22. Radioterapia Braquiterapia
  23. 23. Radioterapia Braquiterapia
  24. 24. Radioterapia Braquiterapia
  25. 25. Radioterapia PRINCÍPIOS Paliativa • Tratamento local do tumor primário. Pré-operatória (Neoadjuvante) • Antecede a cirurgia. Pós-operatória • Esterilizar possíveis focos microscópicos. Curativa • Dose máxima. Anti-Álgica • Especifica; • Doses menores. Anti-Hemorrágica • Específica, em dose única
  26. 26. • Anovulação ou azoospermia; • Epitelites; • Mucosites; • Mielodepressão (leucopenia e plaquetopenia). Radioterapia Efeitos Adversos Imediatos (INCA, 2015)
  27. 27. • Atrofias; • Fibroses; • Alterações genéticas. Tardios Radioterapia Efeitos Adversos (INCA, 2015) Síndrome de Sjögren
  28. 28. Forma de tratamento sistêmico que usa medicamentos denominados “quimioterápicos” (sejam eles quimioterápicos propriamente ditos, hormonioterápicos, bioterápicos, imunoterápicos, alvoterápicos) administrados continuamente ou a intervalos regulares, de acordo com os esquemas terapêuticos. (BRASIL, 2015) Quimioterapia
  29. 29. Quimioterapia Duração do Tratamento • Diário, semanal, quinzenal, de 3/3 semanas, de 4/4 semanas, 5/5 semanas ou de 6/6 semanas. 1) Exemplos: Esquema CMF modificado – intervalo de 3/3 semanas: C = CTX = ciclofosfamida 600 mg/m2 IV dia 1 M = MTX = metotrexato 40 mg/m2 IV dia 1 F = 5FU = fluoro-uracila 600 mg/m2 IV dia 1 Esquema BEP – intervalo de 3/3 semanas: B = BLM = bleomicina 30 U IV dias 2, 9 e 16 E = VP16 = etoposido 120 mg/m2 IV dias 1, 2, 3 P = CDDP = cisplatina 20 mg/m2 IV dias 1, 2, 3, 4 e 5.
  30. 30. Hormonioterapia • Substâncias semelhantes ou inibidoras de hormônios. Quimioterapia
  31. 31. Interferons Interleucinas Quimioterapia Bioterapia • Substâncias identificadas como substâncias naturais do próprio corpo humano. Linfoma não Hodgkin
  32. 32. Quimioterapia Alvoterapia • Substâncias que atuam mais seletivamente em alvos moleculares ou enzimáticos específicos .
  33. 33. Quimioterapia Alvoterapia • Substâncias que atuam mais seletivamente em alvos moleculares ou enzimáticos específicos .
  34. 34. Mecanismo de Ação Quimioterapia
  35. 35. Mecanismo de Ação Quimioterapia
  36. 36. Mecanismo de Ação Quimioterapia
  37. 37. Paliativa • Paliação de sinais e sintomas. Controle Temporário de Doença • Características biológicas e terapêuticas das doenças correspondentes . Prévia, Neoadjuvante ou Citorredutora • Redução de tumores loco-regionalmente avançados (geralmente estádios II ou III). Adjuvante ou Profilática • Após tratamento cirúrgico curativo. • Curar definitivamente doentes com neoplasias malignas. Quimioterapia Curativa PRINCÍPIOS
  38. 38. Quimioterapia • Astenia; • Diarreia; • Perda ou ganho ponderal; • Feridas na boca; • Alopecia; • Enjoo; • Êmese; • Vertigem. Efeitos Adversos
  39. 39. Transplante de Medula
  40. 40. Perspectivas Futuras “Nascidas para matar (o câncer)” http://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2015/01/nascidas-para-matar-o-cancer.html
  41. 41. Perspectivas Futuras http://www.dailymail.co.uk/health/article-3005816/Is-miracle-cancer-vaccine-Scientists-hail-breakthrough-treatment-game-changer.html?ito=social-facebook
  42. 42. Referências BRASIL. Manual de Bases técnicas da Oncologia. Ministério da Saúde/ Secretaria de Atenção à Saúde/ Departamento de Regulação, Avaliação e Controle/Coordenação Geral de Sistemas de Informação – 19ª Edição. Janeiro de 2015. BRASIL. Manual para técnicos em radioterapia. Programa de Qualidade em Radioterapia. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA, 2000. 43 p.: il. INCA. Radioterapia. 2015. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=100> Acesso em: 16 de março de 2015. INCA. Perguntas e respostas sobre quimioterapia. 2015 Disponível em: <http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/8e973c004eb686f794f896f11fae00ee/perguntas_qt.pdf?M OD=AJPERES&CACHEID=8e973c004eb686f794f896f11fae00ee> Acesso em: 16 de março de 2015. MARINS, N. Programa de auto-avaliação em cirurgia Oncológica. Disponível em: <https://www.cbc.org.br/wp-content/uploads/2013/05/Ano1-IV.Cirurgia-oncologica.pdf> Acesso em: 16 de março de 2015.

×