Dr. Alysson Amaury
alysson.souza@upe.br
Sistema Reprodutor MasculinoSistema Reprodutor Masculino
Semiologia doSemiologia d...
IntroduçãoIntrodução
70% dos diagnósticos gastrenterológicos
são feitos com a história clínica.
90% associando-se ao exa...
História da Doença AtualHistória da Doença Atual
Buscar informações relacionadas ao
aparelho digestivo com interrogatório...
História da Doença AtualHistória da Doença Atual
Estabelecer relação de tempo e evolução.
Associação de sintomas com háb...
Antecedentes PatológicosAntecedentes Patológicos
Hábito intestinal.
Passado de úlcera gástrica, gastrite,
sangramento di...
Antecedentes PatológicosAntecedentes Patológicos
História de etilismo.
Tabagismo.
Uso crônico de medicação.
Passado de...
Antecedentes FamiliaresAntecedentes Familiares
História de neoplasia do aparelho digestivo.
Patologias digestivas benign...
8
REGRAS GERAIS DO EXAME
Deve estar despida e ambiente com
boa iluminação
Seguir seqüência de exame físico
Ter paciênci...
Exame físico abdominal
Sequência do exame:
1) Inspeção
2) Ausculta
3) Percussão
4) Palpação
Inspeção
 Estática
– Paciente posições ortostática e decúbito dorsal.
– Tipos de abdome
– Abaulamentos, retrações, cicatr...
Tipos de
Abdome
 Abdome Normal
– Plano ou levemente abaulado.
Tipos de
Abdome
 Abdome Globoso
– Aumentado globalmente de tamanho
– Diâmetro ântero-posterior maior que o transverso
– E...
Tipos de
Abdome
 Abdome de Batráquio
– Diâmetro transverso maior
– Exemplos: ascite em regressão
Tipos de
Abdome
 Abdome Avental
– A porção inferior cai sobre as coxas
– Exemplos: obeso e pacientes com hérnias incision...
Tipos de
Abdome
 Abdome Pendular
– Protusão da parte inferior pelas vísceras
– Exemplo: flacidez puerperal
Tipos de
Abdome
 Abdome Escavado
– Retração da parede abdominal
– Exemplo: pessoas muito magras
CICATRIZES
ABDOMES PROTUBERANTES
ABDOMES PROTUBERANTES
CIRCULAÇÃO COLATERAL
CIRCULAÇÃO COLATERAL
CIRCULAÇÃO COLATERAL
Ausculta
 Ambiente tranquilo
 Permanência por 2 minutos
 Antes da Palpação
 Auscultar os quatro quadrantes
 Identific...
Percussã
o
 Todo o abdome deve serTodo o abdome deve ser
percutido.percutido.
 Pode-se identificar ar,Pode-se identifica...
Percussã
o
 Som maciço: baço e fígadoSom maciço: baço e fígado
 Timpanismo : viscera oca ou ar livre na cavidade.Timpani...
Percussã
o
 Sinal JobertSinal Jobert
Percussã
o
Percussã
o
 Espaço de TraubeEspaço de Traube
Palpação
 Superficial
 Profunda (técnica deslizante de Haussman)
 Manobras especiais
 Órgãos que só são palpados em co...
Palpação
Superficial
 Características Analisadas
 Tensão
 Sensibilidade
 Presença de nodulações
 Presença de hérnias
...
SUPERFICIAL
PROFUNDA
FÍGADO
1)1) InspeçãoInspeção
 Mobilidade hepática é respiratóriaMobilidade hepática é respiratória
 Normal: Sem abaulame...
FÍGADO
2) Percussão2) Percussão
 Macicez Hepática :Macicez Hepática :
FÍGADO - PERCUSSÃOFÍGADO - PERCUSSÃO
Sinal Jobert Colon Transverso/Meteriorismo
FÍGADO
3) Ausculta3) Ausculta
 Método de pouca importânciaMétodo de pouca importância
 Atrito: Processo inflamatórios ag...
FÍGADO - PALPAÇÃOFÍGADO - PALPAÇÃO
MATHIEU LEMOS-TORRES
FÍGADO
4) Palpação:4) Palpação:
 Figado Normal:Figado Normal:
*Borda anterior fina, lisa e mole*Borda anterior fina, lisa...
FÍGADO
VESÍCULA BILIAR
 Situa-se na face inferior do fígadoSitua-se na face inferior do fígado
Métodos úteis: Inspeção e palpaç...
VESÍCULA BILIAR
1) Inspeção:
• Não é visível
• Raramente visível em condições patológicas
• Pode aparecer como um tumor mó...
VESÍCULA BILIAR
2) Palpação:
 Processos de palpação do fígado são úteis
Chiray e Pavel
VESÍCULA BILIAR
2) Palpação:
Murphy
Courvoisier
PÂNCREASPÂNCREAS
 Não é explorado por qualquer método da propedêutica
física
Grey- Turner Cullen
BAÇO
 Situado profundamente na loja esplênicaSituado profundamente na loja esplênica
Mobilidade respiratória: inspiração...
BAÇO
2) Ausculta: Atrito - periesplenites2) Ausculta: Atrito - periesplenites
3) Percussão:3) Percussão:
BAÇO
 Todo baço percutível está aumentado de volume, oTodo baço percutível está aumentado de volume, o
que nem sempre se ...
BAÇO
4 ) Palpação:4 ) Palpação:
Mathieu – Cardarelli
Mathieu - Cardarelli
Shuster
BAÇO
4 ) Palpação:4 ) Palpação:
Processo Bimanual
ImportânciaImportância
Baço infeccioso agudo (malária, endocardite)
Volume aumentado (até 3-4 cm), mole, borda cortante e
...
ASCITE
 Transudato ou ExsudatoTransudato ou Exsudato
 Causas: Hemodinâmicas, metabólicas, inflamatórias eCausas: Hemodin...
ASCITE
1)1) Inspeção:Inspeção:
-Formas :Globoso, Semi-esférico, Pendular ou Batráquio-Formas :Globoso, Semi-esférico, Pend...
Circulação ColateralCirculação Colateral
“tipo cava” x “tipo porta”
ASCITE
2)Palpação:2)Palpação:
*Tensão aumentada, elasticidade diminuída*Tensão aumentada, elasticidade diminuída
*Sinal do...
ASCITE
3) Percussão:3) Percussão:
Macicez Móvel de Decúbito
Semi-Círculo de Skoda
ASCITEASCITE
ObrigadoObrigado!!
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo

277 visualizações

Publicada em

Aula desenvolvida pelo Dr. Alysson Amaury Cirurgião do Aparelho Digestivo.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo

  1. 1. Dr. Alysson Amaury alysson.souza@upe.br Sistema Reprodutor MasculinoSistema Reprodutor Masculino Semiologia doSemiologia do Aparelho DigestivoAparelho Digestivo
  2. 2. IntroduçãoIntrodução 70% dos diagnósticos gastrenterológicos são feitos com a história clínica. 90% associando-se ao exame físico. Exames subsidiários podem se tornar desnecessários ou confundidores.
  3. 3. História da Doença AtualHistória da Doença Atual Buscar informações relacionadas ao aparelho digestivo com interrogatório sintomatológico. Exemplos: disfagia, odinofagia, soluços, hematêmese, pirose, náuseas, vômitos, melena, eructação, flatulência, esteatorréia, constipação, tenesmo, icterícia, distensão abdominal, hematoquezia, cólica abdominal, diarréia, azia etc.
  4. 4. História da Doença AtualHistória da Doença Atual Estabelecer relação de tempo e evolução. Associação de sintomas com hábitos alimentares, atividades do dia-a-dia, estresse, atividades profissionais. Investigar o hábito intestinal. Se faz uso de alguma medicação.
  5. 5. Antecedentes PatológicosAntecedentes Patológicos Hábito intestinal. Passado de úlcera gástrica, gastrite, sangramento digestivo. Cirurgias prévias. Exames realizados anteriormente. Banho de rio. História de hepatite Se conhece o barbeiro ou morou em casa de taipa.
  6. 6. Antecedentes PatológicosAntecedentes Patológicos História de etilismo. Tabagismo. Uso crônico de medicação. Passado de hemotransfusão.
  7. 7. Antecedentes FamiliaresAntecedentes Familiares História de neoplasia do aparelho digestivo. Patologias digestivas benignas. Tratamentos cirúrgicos ocorridos em familiares.
  8. 8. 8 REGRAS GERAIS DO EXAME Deve estar despida e ambiente com boa iluminação Seguir seqüência de exame físico Ter paciência e gastar tempo
  9. 9. Exame físico abdominal Sequência do exame: 1) Inspeção 2) Ausculta 3) Percussão 4) Palpação
  10. 10. Inspeção  Estática – Paciente posições ortostática e decúbito dorsal. – Tipos de abdome – Abaulamentos, retrações, cicatrizes – Pele e anexos – Turgência venosa  Dinâmica – Hérnias (importância da expiração e expiração forçada) – Respiração – Movimentos peristálticos – Pulsações (aortismo x dilatação aneurismática)
  11. 11. Tipos de Abdome  Abdome Normal – Plano ou levemente abaulado.
  12. 12. Tipos de Abdome  Abdome Globoso – Aumentado globalmente de tamanho – Diâmetro ântero-posterior maior que o transverso – Exemplos: gravidez, ascite, obesidade
  13. 13. Tipos de Abdome  Abdome de Batráquio – Diâmetro transverso maior – Exemplos: ascite em regressão
  14. 14. Tipos de Abdome  Abdome Avental – A porção inferior cai sobre as coxas – Exemplos: obeso e pacientes com hérnias incisionais
  15. 15. Tipos de Abdome  Abdome Pendular – Protusão da parte inferior pelas vísceras – Exemplo: flacidez puerperal
  16. 16. Tipos de Abdome  Abdome Escavado – Retração da parede abdominal – Exemplo: pessoas muito magras
  17. 17. CICATRIZES
  18. 18. ABDOMES PROTUBERANTES
  19. 19. ABDOMES PROTUBERANTES
  20. 20. CIRCULAÇÃO COLATERAL
  21. 21. CIRCULAÇÃO COLATERAL
  22. 22. CIRCULAÇÃO COLATERAL
  23. 23. Ausculta  Ambiente tranquilo  Permanência por 2 minutos  Antes da Palpação  Auscultar os quatro quadrantes  Identificar ruídos hidroaéreos  Avaliar existência de sopro aórtico
  24. 24. Percussã o  Todo o abdome deve serTodo o abdome deve ser percutido.percutido.  Pode-se identificar ar,Pode-se identificar ar, líquido e massas.líquido e massas.  Até 3 repetições.Até 3 repetições.  Deve ser iniciada fora daDeve ser iniciada fora da área de maior sensibilidade.área de maior sensibilidade.
  25. 25. Percussã o  Som maciço: baço e fígadoSom maciço: baço e fígado  Timpanismo : viscera oca ou ar livre na cavidade.Timpanismo : viscera oca ou ar livre na cavidade.  Submaciço: viscera com conteúdo alimentar.Submaciço: viscera com conteúdo alimentar.  Espaço de Traube: entre a sexta e décima costela.Espaço de Traube: entre a sexta e décima costela.  Piparote: macicez móvel , presente na ascite.Piparote: macicez móvel , presente na ascite.
  26. 26. Percussã o  Sinal JobertSinal Jobert
  27. 27. Percussã o
  28. 28. Percussã o  Espaço de TraubeEspaço de Traube
  29. 29. Palpação  Superficial  Profunda (técnica deslizante de Haussman)  Manobras especiais  Órgãos que só são palpados em condições patológicas: – Bexiga (desde que vazia) – Apêndice cecal – Vesícula biliar – Flexuras do cólon – Delgado – Baço
  30. 30. Palpação Superficial  Características Analisadas  Tensão  Sensibilidade  Presença de nodulações  Presença de hérnias  Espessura da parede  Temperatura
  31. 31. SUPERFICIAL
  32. 32. PROFUNDA
  33. 33. FÍGADO 1)1) InspeçãoInspeção  Mobilidade hepática é respiratóriaMobilidade hepática é respiratória  Normal: Sem abaulamentos na região hepáticaNormal: Sem abaulamentos na região hepática  Abaulamento em toda área de projeção: ICC,tumoresAbaulamento em toda área de projeção: ICC,tumores difusos,hepatopatias inflamatórias difusasdifusos,hepatopatias inflamatórias difusas  Abaulamento Localizado: Metástases e cistos noAbaulamento Localizado: Metástases e cistos no fígado.fígado.  Imobilidade respiratória: Grandes HepatomegaliasImobilidade respiratória: Grandes Hepatomegalias
  34. 34. FÍGADO 2) Percussão2) Percussão  Macicez Hepática :Macicez Hepática :
  35. 35. FÍGADO - PERCUSSÃOFÍGADO - PERCUSSÃO Sinal Jobert Colon Transverso/Meteriorismo
  36. 36. FÍGADO 3) Ausculta3) Ausculta  Método de pouca importânciaMétodo de pouca importância  Atrito: Processo inflamatórios agudos da cápsula deAtrito: Processo inflamatórios agudos da cápsula de Glisson ou na Peritonite GeneralizadaGlisson ou na Peritonite Generalizada
  37. 37. FÍGADO - PALPAÇÃOFÍGADO - PALPAÇÃO MATHIEU LEMOS-TORRES
  38. 38. FÍGADO 4) Palpação:4) Palpação:  Figado Normal:Figado Normal: *Borda anterior fina, lisa e mole*Borda anterior fina, lisa e mole *Não se palpa na projeção da vesícula biliar*Não se palpa na projeção da vesícula biliar *Indolor*Indolor *Descida Inspiratória*Descida Inspiratória
  39. 39. FÍGADO
  40. 40. VESÍCULA BILIAR  Situa-se na face inferior do fígadoSitua-se na face inferior do fígado Métodos úteis: Inspeção e palpaçãoMétodos úteis: Inspeção e palpação Ausculta inútilAusculta inútil Percussão: Pesquisa de dor nos processos inflamatóriosPercussão: Pesquisa de dor nos processos inflamatórios agudosagudos
  41. 41. VESÍCULA BILIAR 1) Inspeção: • Não é visível • Raramente visível em condições patológicas • Pode aparecer como um tumor móvel com os movimentos respiratórios : empiema, hidropsia. Colecistite aguda
  42. 42. VESÍCULA BILIAR 2) Palpação:  Processos de palpação do fígado são úteis Chiray e Pavel
  43. 43. VESÍCULA BILIAR 2) Palpação: Murphy Courvoisier
  44. 44. PÂNCREASPÂNCREAS  Não é explorado por qualquer método da propedêutica física Grey- Turner Cullen
  45. 45. BAÇO  Situado profundamente na loja esplênicaSituado profundamente na loja esplênica Mobilidade respiratória: inspiraçãoMobilidade respiratória: inspiração Mobilidade de Decúbito: decúbito lateral-direitoMobilidade de Decúbito: decúbito lateral-direito 1)1)Inspeção:Inspeção: Em condições normais: sem abaulamentosEm condições normais: sem abaulamentos Esplenomegalias acentuadas: Aumento no sentido doEsplenomegalias acentuadas: Aumento no sentido do maior eixomaior eixo
  46. 46. BAÇO 2) Ausculta: Atrito - periesplenites2) Ausculta: Atrito - periesplenites 3) Percussão:3) Percussão:
  47. 47. BAÇO  Todo baço percutível está aumentado de volume, oTodo baço percutível está aumentado de volume, o que nem sempre se identifica pela palpaçãoque nem sempre se identifica pela palpação  Nem todo baço percutível é palpado, mas todo baçoNem todo baço percutível é palpado, mas todo baço palpável é percutívelpalpável é percutível
  48. 48. BAÇO 4 ) Palpação:4 ) Palpação: Mathieu – Cardarelli Mathieu - Cardarelli Shuster
  49. 49. BAÇO 4 ) Palpação:4 ) Palpação: Processo Bimanual
  50. 50. ImportânciaImportância Baço infeccioso agudo (malária, endocardite) Volume aumentado (até 3-4 cm), mole, borda cortante e extremamente doloroso Baço “crônico” (esquistossomose, linfomas, malária) Volume aumentado, duro, borda romba e indolor Baço “crônico” (LMC, mielofibrose, leishmaniose) Volume muito aumentado (até FID), borda romba, duro, indolor Superfície: lisa hipertensivo, inflamatorio irregular linfomas
  51. 51. ASCITE  Transudato ou ExsudatoTransudato ou Exsudato  Causas: Hemodinâmicas, metabólicas, inflamatórias eCausas: Hemodinâmicas, metabólicas, inflamatórias e neoplásicasneoplásicas  300 a 1000ml : Toque Retal e/ou Vaginal - Fundo de300 a 1000ml : Toque Retal e/ou Vaginal - Fundo de Saco de DouglasSaco de Douglas  > 1000ml: Sinais da propedêutica física se torna> 1000ml: Sinais da propedêutica física se torna evidente, mais importante é a Submacicez móvelevidente, mais importante é a Submacicez móvel  > 5> 5 ll : Abaula o abdome: Abaula o abdome
  52. 52. ASCITE 1)1) Inspeção:Inspeção: -Formas :Globoso, Semi-esférico, Pendular ou Batráquio-Formas :Globoso, Semi-esférico, Pendular ou Batráquio -Circulação Colateral: Porta ou Porto-Cava inferior-Circulação Colateral: Porta ou Porto-Cava inferior -Cicatriz Umbilical: Abaulada ou Plana-Cicatriz Umbilical: Abaulada ou Plana
  53. 53. Circulação ColateralCirculação Colateral “tipo cava” x “tipo porta”
  54. 54. ASCITE 2)Palpação:2)Palpação: *Tensão aumentada, elasticidade diminuída*Tensão aumentada, elasticidade diminuída *Sinal do Piparote ou da Onda*Sinal do Piparote ou da Onda *Rechaço*Rechaço
  55. 55. ASCITE 3) Percussão:3) Percussão: Macicez Móvel de Decúbito Semi-Círculo de Skoda
  56. 56. ASCITEASCITE
  57. 57. ObrigadoObrigado!!

×