Legibilidade de textos eletrônicos e Compreensibilidade de signos em IHC

1.000 visualizações

Publicada em

Ergonomia Informacional e IHC (Interação Humano-computador) -
Design - UFMA

Legibilidade de textos eletrônicos e Compreensibilidade de signos em IHC

Prof. Dr. Carlos de Salles Soares Neto

Estágio a docência
Professor Auxiliar: Rosendy Jess Fernandez Galabo

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.000
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Legibilidade de textos eletrônicos e Compreensibilidade de signos em IHC

  1. 1. ERGONOMIAINFORMACIONAL E IHCInteração Humano-ComputadorRosendy Jess Fernandez Galaborj@fgalabo.com@zndgalabo
  2. 2. RECOMENDAÇÕESERGONÔMICAS PARA IHCLegibilidade de textos eletrônicosPor Cybis, Betiol e Faust (2010)
  3. 3. Fontes• As recomendações sobre emprego de fontes sereferem ao uso da serifa e ao espaçamentoentre os caracteres.
  4. 4. Fontes• A serifa é caracterizada por uma terminação saliente noscaracteres.• As fontes sem serifa são de percepção leve, mas dedifícil leitura.• As fontes com serifa são de percepção leve, mas dedifícil leitura.
  5. 5. Fontes• Não utilizem serifa para vídeos de baixa resolução.• Não usar fontes menores que 12 pontos para telas.• Limite o uso de fontes diferentes para textos.
  6. 6. Textos• Os textos devem ser configurados para facilitar aleitura, de modo que entre as primeiras recomendaçõesestão as que se referem ao formato normal ou emcolunas.
  7. 7. Textos: Formato normal• Em formato normal o alinhamento deve ser definido pelamargem esquerda, e o comprimento das linhas nãopodem exceder 50 ou 60 caracteres.• Em consequência, as palavras devem ser espaçadasnaturalmente e não devem ser hifenizadas no final daslinhas
  8. 8. Textos: Formato em colunas• O texto pode ser tanto alinhado pela esquerda comojustificado, mas as linhas não devem exceder 35caracteres.• O espaçamento entre colunas pode ser de trêscaracteres se elas forem alinhadas pela direita.• Caso o texto seja justificado, recomenda-se distânciamaior entre as colunas, de oito caracteres.• Em todos os casos e formatos, os parágrafos devem serespaçados por aproximadamente uma linha em branco.Em hipótese alguma um texto pode aparecer piscandopara o usuário.
  9. 9. ABORDAGENS TEÓRICASDE IHCCompreensibilidade de signos
  10. 10. Introdução• Existem embasamentos teóricos por trás de todos osprocessos, métodos, técnicas, modelos erepresentações.• As primeiras abordagens teóricas utilizadas parainvestigar fenômenos da interação humano-computadornasceram da psicologia.• A mais recente, é com base na semiótica, a engenhariasemiótica firmou-se como uma teoria de IHC centradanos processos de significação e comunicação queenvolvem designers, usuários e sistemas interativos
  11. 11. Engenharia SemióticaA engenharia semiótica compreende:• Processos de significação, que envolvem signos esemiose• Processos de comunicação, que envolvemintenção, conteúdo e expressão nos níveis decomunicação• Os interlocutores envolvidos nos processos designificação e comunicação: designers, sistemas eusuários• O espaço de design de IHC, baseado no modelo deespaço de comunicação de Jakobson que caracteriza acomunicação em termos de emissoresreceptores, contextos, códigos, canais e mensagens.
  12. 12. Semiótica• A semiótica estuda signos, processos de significação eprocessos de comunicação.• Pierce define signo como “uma coisa que serve paraveicular conhecimento de uma outra coisa que elerepresenta.”• A ideia na mente que o signo motiva, e que é um signomental do mesmo objeto, é chamada de interpretante dosigno. Em outras palavras, o signo é algo querepresenta algo para alguém.• Nem toda representação é um signo. Para ser umsigno, uma representação deve possuir uma relaçãotriádica com seu objeto e com seu interpretante.
  13. 13. Semiótica
  14. 14. Semiótica• Existem convenções sociais ou culturais que nospermitem interpretar signos, temos um sistema designificação.• Em um processo de significação, conteúdos sãoassociados sistematicamente aexpressões, estabelecendo sistemas de signos com baseem convenções sociais e culturais adotadas pelaspessoas que interpretam e produzem signos.• Em um processo de comunicação, produtores designos utilizam sistemas de significação para escolherformas de representar (expressão) seus significadospretendidos (conteúdo) de modo a alcançar umavariedade de objetivos (intenção)
  15. 15. Semiótica• Um signo de interface é então codificado pelo designervisando comunicar sua intenção de design aos usuários.
  16. 16. Semiótica• O interpretante de um signo é, ele próprio, outro signo.Sendo assim, é passível de ser, elepróprio, interpretado, gerando outro interpretante.• Esse processo interpretativo que nos leva a associarcadeias de significados (interpretante) a um signo édenominado semiose.• Na prática, a semiose é interrompida quando o intérpretefica satisfeito com o interpretante gerado ou não tem maistempo ou outro recurso necessário para continuargerando novos significados.
  17. 17. Semiótica
  18. 18. SemióticaNa comunicação usuário-sistema.• Se cada signo significa alguma coisa para osdesigners, possivelmente alguma outra coisa para osusuários, e esses significados podem mudar a qualquermomento, como conseguimos nos comunicar (interagir)com sistemas computacionais interativos?• Todo processo de semiose é fortemente influenciado peloconhecimento prévio, hábitos e experiência pessoal dointérprete, pela cultura em que ele se insere e pelocontexto em que o signo é interpretado.
  19. 19. SemióticaNa comunicação usuário-sistema.• Se cada signo significa alguma coisa para osdesigners, possivelmente alguma outra coisa para osusuários, e esses significados podem mudar a qualquermomento, como conseguimos nos comunicar (interagir)com sistemas computacionais interativos?• Todo processo de semiose é fortemente influenciado peloconhecimento prévio, hábitos e experiência pessoal dointérprete, pela cultura em que ele se insere e pelocontexto em que o signo é interpretado.
  20. 20. Referências bibliográficas• BARBOSA, S.D.J.; SILVA, B.S. Interacao Humano-Computador. Editora Campus - Elsevier, 2010.• CYBIS, W. A.; BETIOL, A. H.; FAUST, R . Ergonomia eUsabilidade: conhecimentos, métodos e aplicações. 2. ed.São Paulo: Novatec Editora, 2010. 422p.

×