O cangaço

1.972 visualizações

Publicada em

O cangaço e seus conceitos.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.972
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
85
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O cangaço

  1. 1.  O Cangaço foi um fenômeno ocorrido no nordeste brasileiro em meados do século 19 ao início do século 20. O cangaço tem suas raízes em questões sociais do Nordeste brasileiro, caracterizando-se por ações violentas de grupos ou indivíduos isolados que assaltavam fazendas, sequestravam coronéis (grandes fazendeiros) e saqueavam comboios e armazéns. Não tinham moradia fixa pois eles viviam vagando pelo sertão brasileiro, como nômades, praticando crimes, fugindo e se escondendo.
  2. 2.  O primeiro bando de cangaceiros que se tem conhecimento foi o de Jesuíno Alves de Melo Calado, o "Jesuíno Brilhante", que agiu por volta de 1870, embora alguns historiadores atribuam a Lucas Evangelista o feito de ser o primeiro a agregar um grupo característico de cangaço, nos arredores de Feira de Santana (em 1828), sendo ele preso junto com a sua quadrilha em 28 de Janeiro de 1848 por provocar durante vinte anos assaltos contra a população da Feira. O último grupo cangaceiro foi o de "Corisco" (Cristino Gomes da Silva Cleto), que foi assassinado em 25 de maio de 1940.
  3. 3.  Após a morte de Corisco destacou-se o líder de uma quadrilha de cangaceiros que atuou por quase duas décadas no nordeste brasileiro, Virgulino Ferreira da Silva o Lampião.  Lampião fez um reinado de violências e ousadias o que levou ele e seu bando a fazerem ataques à grandes cidades do sertão, como em Limoeiro do Norte (CE) e em Queimadas (BA), onde o bando ficou por ali, matando, saqueando e impondo a sua vontade pelo tempo que ali permaneceu.
  4. 4.  Lampião tornou-se um personagem imaginário nacional, onde era caracterizado como uma espécie de Robin Hood, pois roubava dos ricos para dar aos pobres e era caracterizado como uma figura pré- revolucionária, que questionava e advertia a ordem social de sua época e região.  Por parte das autoridades, Lampião simbolizava a brutalidade, o mal e até mesmo uma doença que precisava ser cortada. Para uma parte da população do sertão, ele encarnou valores como a bravura, o heroísmo e o senso da honra.
  5. 5.  O agravamento do problema do cangaço levou as polícias estaduais a criarem forças especiais para combatê-lo, as chamadas "volantes", comandadas por policiais de carreira, mas formadas por "soldados" temporários e cujos métodos de atuação (em especial à população pobre) não era muito diferente daqueles dos próprios cangaceiros. Quanto ao governo federal, seu descaso pelo cangaço foi sempre o mesmo manifestado pelo semi-árido de um modo geral.
  6. 6.  Os cangaceiros conheciam bem a Caatinga, e por isso, era fácil fugir das autoridades, conheciam plantas medicinais, fontes de água, locais com alimento, rotas de fuga e lugares de difícil acesso. Mas em 1938, o governo de Alagoas se empenhou na captura de Lampião. Uma volante comandada por João Bezerra conseguiu cercá-lo na fazenda de Angicos, um refúgio no Estado de Sergipe. Depois de vinte minutos de tiroteio, cerca de 40 cangaceiros conseguiram escapar, mas onze foram mortos, entre eles o líder do bando e sua mulher, conhecida como Maria Bonita.
  7. 7.  Os cangaceiros foram degolados e suas cabeças colocadas em latas contendo aguardente e cal, para conservá-las. Foram expostas por todo o Nordeste e por onde eram levadas atraiam multidões, suas cabeças ficaram expostas no museu Nina Rodrigues até 1968, quando finalmente foram sepultadas.  Este acontecimento veio a marcar o final do cangaço, pois, a partir da repercussão da morte de Lampião, os chefes dos outros bandos existentes na Bahia vieram a se entregar às autoridades policiais para não serem mortos.
  8. 8.  Lampião e Maria bonita se tornaram mitos em todo o nordeste brasileiro ao misturar riqueza, extravagância e barbaridade, lançando no país o banditismo de ostentação, onde o enfeite e o ornamento eram destaques particulares aos crimes.  Lampião estava sempre vestido de maneira extravagante, com roupas de cores berrantes, chapéus grandes, cintos elaborados, lenços e etc... E ele sempre estava enfeitado de medalhas e anéis, colares e broches. Lampião e seu bando criaram sua própria moda de forma autentica.
  9. 9.  Naquele tempo as armas eram bacamartes e espingardas de ante cargas, como por exemplo:  Bacamarte Turco: Possuía 68 cm e era adaptada por um sistema de pederneira e percussão. Posteriormente foi adaptada pela introdução do cartucho metálico.  Carabina Winchester de 1873: Era conhecida como “Papo Amarelo” por ter o elevador de munição amarelo, foi por muitos anos a arma principal do cangaço. As mais usadas no Nordeste tinham 20 polegadas com um cano octogonal e suportavam até 12 tiros.
  10. 10.  Pistola Luguer 1908: Lampião usava uma quando foi abatido. Esta arma é famosa até hoje no nordeste, onde as história de sua potência entraram para o imaginário popular. Outras pistolas certamente de diversas origens, podiam ser encontradas, principalmente as belgas (muitas da marca FN ) e espanholas (sendo mais comuns as do tipo “Ruby” ). Eles carregavam armas de bolso como Bulldog de calibre 5,5mm, pois eram tremendamente populares e não há motivo para não se pensar que um ou outro as usasse como 3ª ou 4ª arma reserva.
  11. 11.  Adaga Paraibana: É um complemento das armas de fogo que era usada por todos cangaceiros. Era usada para “sangrar” como eles diziam os “cabra safado” e “macacos das volantes” (sangrar era enfiar a adaga no pé da garganta ou clavícula, atingindo coração e pulmões, como se faziam com os porcos).  Era a arma de combates corpo a corpo e resolvia as questões pessoais. E muitos dizem que no processo de fabricação, a lâmina em brasa era mergulhada em veneno não em água, recebendo uma têmpera mortal, que infeccionava os ferimentos.
  12. 12. Carabina Winchester de 1873

×