SL Benfica

1.026 visualizações

Publicada em

O campeão nacional época 13/14, actual detentor do título, visto 'ao detalhe' na véspera do Clássico no Dragão que não sendo decisivo é muito importantes nas contas do título e no futuro encarnado mas também dos azuis-e-branco de Julen Lopetegui.
Tudo o que tem a saber sobre o 'jogar' do Benfica de Jesus aqui.

Publicada em: Esportes
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.026
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SL Benfica

  1. 1. JOGO SL BENFICA 3 x 0 BELENENESES MARCADORES LIMA, ENZO PÉREZ (g.p), SALVIO ESTÁDIO/DATA ESTÁDIO DA LUZ, LISBOA / 6 DEZ 2014 17h FASE PRIMEIRA LIGA – 12ª JORNADA RES. INTERVALO BEN 0 x 0 BEL. ALTERAÇÕES → Troca nas laterais: André Almeida como DLD e Loris Benito como DLE; → Jonas joga como SA enquanto que Lima joga mais central no ataque;
  2. 2. NOTAS EXTRA SL BENFICA ESTATÍSTICAS BELENENSES 74 % POSSE DE BOLA 26 % 21 REMATES 6 8 REMATES À BALIZA 4 7 CANTOS 2 15 FALTAS 12 1 FORAS-DE-JOGO 1 MELHORES MARCADORES (LIGA) NOME GOLOS TALISCA 9 SALVIO 8 JONAS 7 LIMA 3 ELISEU, GAITÁN E MAXI 2 CAMPEONATO -> 12J: 10V, 1E, 1D; +21 DG: 28 GM, 7 GS (31 PONTOS) CHAMPIONS -> 6J: 1V, 2E, 3D; -4 DG: 2 GM, 6GS (5 PONTOS) TAÇA DE PORTUGAL -> 2J: 2V; +4 DG: 7GM, 3GS SUPERTAÇA -> 1J: 1E; 0 DG: 0GM, 0GS TOTAL -> 21J: 13V, 4E, 4D; +21DG: 37GM, 16 GS *estatísticas de jogo: goalpoint
  3. 3. Organização Ofensiva
  4. 4. Organização Ofensiva:Equipa organizada em 4x1x3x2/4x4x2. Fortes quando conseguem imprimir velocidade no seu processo ofensivo. Agressivos, rápidos e com maior cultura de condução/verticalização do que de passe/circulação. Fazem ‘campo grande’ em todo o processo ofensivo. Enzo é o jogador mais perigoso e influente no processo de construção enquanto Gaitán é o mais perigoso entre os criativos. Na 1ª fase, os centrais abrem, os laterais sobem e Samaris pode baixar ou então Jardel assume papel central e André Almeida abre na esquerda para dar linha de passe e garantir saída curta desta forma (a vermelho na imagem!). Neste momento podem, Enzo é quase sempre a referência como destinatário do passe/receptor do mesmo mas também podem colocar nas laterais (só com Enzo muito pressionado – uma das melhores formas para travar o melhor Benfica é obrigar que a bola entre na 2ª fase pelos corredores laterais!). A saída é, por norma, curta mas raras vezes verticalizam (movimentos nas costas…) ou ainda podem, um dos centrais, assumir uma condução, mas só se verifica quando o adversário não pressiona e jogo muito encostado atrás. Destaque ainda para a movimentação de aproximação ao sector intermédio por parte de Talisca (entre linhas). Na 2ª fase, Enzo Pérez tem um bom número de opções para dar seguimento ao processo ofensivo: 1) pode abrir nos laterais (mais plausível em Maxi); 2) pode abrir nos médios- ala (qualquer um deles); 3) pode optar ele mesmo por assumir uma postura de condução podendo entrar, por este meio, directamente na fase de criação. Quando saem pelos laterais ‘buscam’ os médios-ala ou o apoio interior de Enzo (reforço, mais influente no processo de construção!). Neste momento já Talisca tem a companhia de Jonas na ocupação do espaço entre linhas usando esta movimentação para ‘chamar’ os centrais e depois atacarem, em 3ª fase, as costas do mesmo à profundidade (passe de Enzo ou Gaitán – essencialmente!). Laterais conferem largura e médios-alas tem maior liberdade para procurarem espaços interiores (ainda que André Almeida não confira muita profundidade na banda!). Na fase de criação Enzo é mais perigoso quando consegue romper à profundidade na meia-direita essencialmente(!) mas também conseguem ganhar profundidade no espaço central pela movimentação de Jonas, Gaitán e também Salvio nas costas da defensiva (dos médios-alas em diagonal!). Destaque para a boa relação de movimentação entre lateral e médio-ala (movimentos complementares). Quando Maxi procura espaços interiores em diagonal s/ bola é uma movimentação perigosa. Gaitán + Enzo procuram cruzamentos + no espaço interior enquanto Salvio confere maior largura (Gaitán faz bem os dois momentos!!!). Talisca é mais forte neste momento quando consegue encarar este momento de frente para a linha defensiva e pode procurar definir sozinho ou provocar jogo exterior. Evitar dar 1x1 nos médios-ala (Salvio e Gaitán!), obrigar a jogar por fora tapando o espaço entre linhas e obrigando Talisca a jogar de costas para a baliza impedindo também as penetrações de Enzo Pérez. Atenção: espaço nas cosas do central do lado da bola é o espaço para onde mais gostam de verticalizar. Na fase de finalização atenção ás zonas referidas: 1º poste, marca de penalty e o 2º poste mas também ás meias-distâncias de Enzo, Gaitán, Talisca e Salvio. A procura das costas pode originar um 1x1 com os guarda-redes (Jonas ou Gaitán ou Salvio!) finalizam colocado. Cruzamentos pelo o espaço entre laterais/centrais com a bola tensa ou ‘picada’ para as zonas pré-estabelecidas é a movimentação + perigosa no processo ofensivo do Benfica. Muito cuidado quando Damos espaço para Gaitán criar (em cima dele permanentemente!).
  5. 5. TRANSIÇÃO OFENSIVA: Procuram verticalizar após a recuperação. Quando não conseguem criar perigo colocando à profundidade (Atenção ao espaço nas costas!) optam por Enzo, Gaitán e Salvio ,quer no miolo defensivo quer no miolo ofensivo, para condução ou, especialmente no miolo ofensivo podem procurar Talisca que opta por resolução individual (Maxi também auxilia mas a partir mais de trás). Jogador-referência: Enzo Pérez (tapa-lo é retirar capacidade ao Benfica neste momento!). Ter sempre médio por perto e não dar espaço para receber.
  6. 6. Organização Defensiva
  7. 7. Organização Defensiva: *Com a entrada de Lima a equipa passou a estruturar-se em 4x4x2 ao longo de todo o processo defensivo. Organização estrutural em 4x1x4x1 mas não muito rígido. Defesa joga em linha bem trabalhada. O recuo de Talisca prende- se, essencialmente, com o ‘fechar’ do corredor central e garantir que dificilmente há uma quebra na batalha sectorial. Pouco intensos mas agressivos, mantém-se compactos e basculam com facilidade. Bloco médio-alto/médio mas a pressão é baixa. Na 1ª fase a organização estrutural mantém-se e existe grande preocupação dos médios-alas em fecharem o corredor enquanto que os laterais se posicionam mais no espaço central (muitas vezes ‘mordendo’ os calcanhares ao extremo que procura baixar!). Desde este momento se percebe o posicionamento em linha dos 4 homens mais defensivos (Luisão comanda a linha!). Também desde este momento que se percebe a ‘vontade’ em anular o jogo interior do adversário com o encurtamento do espaço entre linhas (muita proximidade). O avançado (Lima ou Jonas) são pouco pressionantes. Se o adversário voltar à 1ª fase para rodar, o bloco vai subir e o Benfica posiciona-se em 4x4x2 com a subida de Talisca para o lado do avançado e de Samaris para a 2ª linha de pressão (acontece, essencialmente, no miolo defensivo – ver nota em cima!). Na 2ª fase, o mais apropriado é procurar sair pela esquerda (do Benfica…) provocando a cobertura/marcação de Talisca, Gaitán e André Almeida. Talisca e Gaitán não são tão intensos, agressivos e competentes como Enzo Pérez ou Salvio no processo defensivo. O lateral aproxima do portador da bola, Samaris baixa para proteger espaço entre linhas e o central do lado da bola opta por uma postura de cobertura às costas do lateral. Vão ‘rodar’ para o lado da bola ‘protegendo’ mais o espaço central e o lado da bola (boa basculação permite rápida recuperação – mais dificuldade em bascular do lado direito para o lado esquerdo: Talisca e Gaitán não são tão agressivos tacticamente a fechar o espaço apesar de André Almeida fazer isto muito bem e de marcar muito em cima o extremo contrário, a faze-lo, variar para o lateral à profundidade + largura ou para as costas do lateral do Benfica!). Grande participação de todos menos do avançado (quando em 4x4x2 ambos encurtam mais o espaço e fecham melhor). Na 3ª fase grande qualidade no acompanhamento do extremo ao lateral contrário auxiliando assim o seu lateral (evitando muitas vezes situações de 2x1). Protegem, mais uma vez, bem o espaço central e do lado da bola, mas apesar da boa capacidade para bascular é possível criar perigo usando este método de variação de centro de jogo: provocar dentro e girar para o lado oposto. Atenção: André Almeida marca muito em cima, o ideal é procurar as suas costas que obriga Jardel a cobrir (sai da posição) e obriga Samaris a fechar dentro (1º poste). Evitar grande povoamento do espaço interior, vai ser muito difícil jogar nesse espaço. Na fase de finalização é difícil termos espaço além do 2º poste mas também no 1º é possível criar perigo explorando a postura de cobertura do central e a precipitação de Samaris em fechar os espaços (a ânsia é tão grande que acaba por ‘meter água’) mas também porque os centrais, mais Luisão que Jardel, são duros de rins (demoram muito a rodar e jogadores com baixo centro gravítico conseguem criar muito perigo!). Difícil finalizar por espaço interior pela forte ocupação mas se procurarmos colocar a bola atrasada para fora da grande área (lado contrário ao da bola) com movimento contrário ao da basculação do Benfica vai dar para gerar erros posicionais. Centrais dão algum espaço entre eles e Samaris é pouco astuto e assertivo a fechar os vários espaços.
  8. 8. TRANSIÇÃO DEFENSIVA: Reacção ativa dos defesas e Samaris (recuperam bem, não pressionam!) e de Enzo num papel + interventivo no ‘pressing’. A projecção dos laterais liberta espaço nas suas costas e as dobras dos centrais para fechar são cobertas por Samaris que fecha o 1º poste mas é pouco agressivo dando muito espaço (a explorar…). Avançados e alas reagem mal (o melhor é Salvio!) e são lentos a recuperar. Momento + frágil da equipa pela exposição na organização ofensiva. Momento em que podemos criar mais perigo no seu processo global: saindo rápido, por fora, mas sendo, essencialmente, agressivos na busca do espaço e nos duelos.
  9. 9. Bolas Paradas Ofensivas
  10. 10. Cantos Colocam 6 jogadores na área com destaque para o jogo aéreo de Luisão (2º poste) e Jardel (entre 1º e a marca de penalty) mas também para Talisca ao 2º poste porque é inteligente e felino a ataca-lo. Salvio (pode dar hipótese de canto curto) ocupa zona refererida) e um jogador na meia-lua para 2ª bola (Enzo/Gaitán). Enzo/Gaitán na marcação. A. Almeida pode auxiliar Maxi atrás ou pode dar hipótese de canto curto. *atenção aos bloqueios!
  11. 11. Livres laterais Do lado direito é Gaitán quem cobra, mas também pode ser Enzo (o mesmo se verifica do lado oposto). Colocam 5 jogadores na área (Jardel + Luisão os mais perigosos!). Talisca, Jonas e Samaris também ‘residem’ na área. Enzo Pérez procura zona da meia- lua (movimentação para jogada trabalhada). Dois na barreira a sairem (possível!) – Maxi e Salvio. Atenção às combinações (!). Livre a 4 passes com mov. Ruptura: fora -> dentro - > fora -> cruzamento para a área. *atenção aos bloqueios!
  12. 12. Livres directos A marcação difere do local para local. Talisca ou Samaris ou Gaitán (+ perigoso). Colocam 2 jogadores a ‘rondar’ a barreira – A. Almeida ao lado e Jonas nas costas. Enzo e Salvio ao 2º poste com Gaitán a garantir opção ao lado da barreira. Atenção também aos livres de Nico Gaitán, muito mais colocados e perigosos, retira na potência, aposta na colocação! Fatais…
  13. 13. Penalty: Apresenta-se muito tranquilo para marcar, parte a ritmo baixo e o remate é colocado mas pouco potente. Não rasteiro mas a muito baixa altura. Para o seu lado esquerdo (como é visível na imagem). Golo. OUTRAS NOTAS *Atenção aos lançamentos laterais no último terço: 1º poste é perigoso! 2 mov.: 1)Samaris desvia ao 1º; 2) Centrais atacam 1º poste c/ avançado a atacar as costas;
  14. 14. Bolas Paradas Defensivas
  15. 15. Cantos Marcação zonal com forte povoamento do 1º poste. Ao 2º André Almeida muito isolado e Gaitán na marca de penalty. A colocação de Maxi no 1º poste com cobertura de Samaris que tem na sua frente Salvio é algo a explorar bem como o 2º poste a toda a sua dimensão espacial existente no interior da grande área. Procurar cantos estudados (curtos, por exemplo…) *Talisca, Samaris e André Almeida pouco agressivos; *Jonas assumiu zona de marcação de Talisca e Lima assumiu a zona de marcação de Jonas; *Mantém distribuição na marcação zonal de ambos os lados;
  16. 16. Livres laterais Marcação zonal em linha: Maxi, Samaris, Luisão, Jardel, Talisca e André Almeida. Gaitán na meia-lua e Enzo entre o 1º poste (referência zonal) e a barreira que é composta por Jonas e Salvio. Explorar: 1º e 2º homens zonais bem como o 5º e o 6º. Algum espaço entre os centrais pode ser explorado mas não é muito aconselhável. Só Maxi e A. Almeida não trocam de lugar, ficando sempre do lado por onde jogam. *Talisca, Samaris e André Almeida pouco agressivos; *Jonas assumiu zona de marcação de Talisca e Lima assumiu a zona de marcação de Jonas; *Mantém distribuição na marcação zonal de ambos os lados;
  17. 17. Livres directos Colocam 4 jogadores na barreira (não muito altos – Samaris é o mais alto, Jonas o 2º). Enzo e Gaitán perto dessa zona e a marcação zonal na grande área a ser efectuada por Luisão, Jardel, Lima e A. Almeida (último homem zonal). *Talisca, Samaris e André Almeida pouco agressivos; *Jonas assumiu zona de marcação de Talisca e Lima assumiu a zona de marcação de Jonas; *Mantém distruibuição na marcação zonal de ambos os lados;
  18. 18. Penalty (compilação de vídeos – Júlio César) Procura dar um passo em frente saindo da linha de baliza onde tem que estar a quando da marcação. Escolhe o lado antes do remate e procura cair o mais perto do remate possível. Cai rápido e ocupa bem o espaço na queda. Vive muito de estímulos emocionais (não provocar!)

×