Redes Sociais Corporativastransformando as OrganizaçõesFlávio Mendes09 de Mario de 2012
Marcas mais fortes
Uma nova geração
Quem é esta geração digital? Usam tecnologias digitais no seu dia a dia e esperam usá-las no trabalho.São early adopters ...
Uma nova família                   A NOVA CASA                   O NOVO PAI                   A NOVA MÃE                  ...
Un novo ambiente de trabalho                        A NOVA ORGANIZAÇÃO                        O NOVO CHEFE                ...
TUDO EM                            TEMPO REALTECNOLOGIAPERVASIVA ECOMPUTAÇÃOSOCIAL              A SOCIEDADE              C...
TEMPOAMBIENTE            COLABORAÇÃOLIDERANÇA                 VALORES
GLOBAL CEO STUDY – A EMPRESA DO FUTURO  A EMPRESA DO FUTURO ESTARÁ CENTRADA   NO SEU CAPITAL    INTELECTUAL   NA SUA CAPAC...
A GRANDE CAPACIDADE   INOVADORA DAS   EMPRESAS ESTÁ... EM QUALQUER LUGAR
A COMUNICAÇÃO   INTERNA NAS EMPRESAS HOJEPrezado  Colaborador... • INSTITUCIONAL • UNIDIRECIONAL • SEM INTERAÇÃO • IMPESSO...
NA ERA DIGITAL,TODOS NÓS SOMOS   PRODUTORES DE       CONTEÚDO
O CONHECIMENTO E A CAPACIDADE DE INOVAÇÃO   DENTRO DAS EMPRESASUM TESOURO ENTERRADO
A TRANSFORMAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO E         DO MUNDO DOS NEGÓCIOS                     O SER HUMANO 2.0              ...
A TRANSFORMAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO E          DO MUNDO DOS NEGÓCIOSO NOVO LÍDERINSPIRADOROBSTINADO POR RESULTADOSTRAB...
A TRANSFORMAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO E          DO MUNDO DOS NEGÓCIOSRELAÇÕES PESSOAISOUVIRCOMPARTILHARINFLUENCIARENGAJ...
MÍDIAS SOCIAIS NAS EMPRESAS       UMA JORNADA
A MAIOR BARREIRA PARA     INTRODUÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS     SÃO OS LÍDERES DAS EMPRESAS                                   ...
64% DOS CEOS DAS MAIORES EMPRESAS DO MUNDO NÃO ESTÃO PRESENTES NAS MÍDIAS SOCIAIS   APENAS 12% DOS CEOS           TÊM PERF...
MAIS DE 50% DAS EMPRESASBLOQUEIAM O ACESSO DESEUS FUNCIONÁRIOS ÀSMÍDIAS SOCIAIS
A MAIORIA DAS EMPRESAS                                                             AINDA TRATA AS MÍDIAS                  ...
OS FUNCIONÁRIOS QUE                                     USAM MÍDIAS SOCIAIS NO                                     TRABALH...
Futuro se torna passado rapidamente!
Obrigado!                                              fmendes@br.ibm.com                                              @fm...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ibm social business 2012 encerramento

1.263 visualizações

Publicada em

Apresentação que fiz no encerramento do evento Social Business Summit 2012 realizado no RIo de Janeiro, em 9 de maio de 2012, organizado pelo Dachis Group.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
377
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Um estudo global feito pela IBM em 2008, chamado Global CEO Study, mostrou 5 pilares que desenharão a empresa do futuro. Esse estudo global foi baseado em entrevistas presenciais com 1.130 CEOs e presidentes de 40 países e 32 setores da economia, e desenhado para capturar insights sobre como os desafios enfrentados atualmente pelos CEOs impactarão o futuro dos negócios. O estudo tem um nome sugestivo: “A Empresa do Futuro”. Acho que a conclusão mais intrigante é que os CEOs demonstram um nível surpreeendente de otimismo ao reportarem as mudanças como oportunidades para obter vantagem competitiva. No geral, 83% dos CEOs entrevistados esperam mudanças substanciais no futuro – 68% dos executivos brasileiros compartilham essa expectativa –, um crescimento de 28% em relação a 2006. Entretanto, os CEOs admitem que suas habilidades para a gestão efetiva das mudanças está crescendo a um passo mais devagar. Ou seja, a mudança é o maior desafio e a maior oportunidade para os líderes das empresas. As discussões com os CEOs sobre a empresa do futuro revelaram que estão: Ávidos de mudança - Um número maior de CEOs antevê mudanças significativas e planeja ações audaciosas para reagir a elas; Inovativos além da imaginação dos clientes - Estão aproveitando as demandas dos novos consumidores, que estão mais informados e mais colaborativos que antes; Integrados globalmente - Estão reconfigurando suas empresas para se tornarem integrados globalmente; Desbravadores por natureza - Estão implementando novos modelos de negócios que são colaborativos e desbravadores; Genuínos - não somente generosos. Estão mais atentos à responsabilidade social corporativa. Em última análise, empresas com melhor desempenho estão agindo com mais audácia, criando organizações mais globais, colaborativas e desbravadoras que seus pares na indústria. As 4 primeiras tendências apontam que as organizações cada vez mais dependerão da capacidade de se reinventarem e inovarem. E isso indica que o sucesso das organizações do futuro dependerão completamente do seu CAPITAL INTELECTUAL.
  • Um estudo global feito pela IBM em 2008, chamado Global CEO Study, mostrou 5 pilares que desenharão a empresa do futuro. Esse estudo global foi baseado em entrevistas presenciais com 1.130 CEOs e presidentes de 40 países e 32 setores da economia, e desenhado para capturar insights sobre como os desafios enfrentados atualmente pelos CEOs impactarão o futuro dos negócios. O estudo tem um nome sugestivo: “A Empresa do Futuro”. Acho que a conclusão mais intrigante é que os CEOs demonstram um nível surpreeendente de otimismo ao reportarem as mudanças como oportunidades para obter vantagem competitiva. No geral, 83% dos CEOs entrevistados esperam mudanças substanciais no futuro – 68% dos executivos brasileiros compartilham essa expectativa –, um crescimento de 28% em relação a 2006. Entretanto, os CEOs admitem que suas habilidades para a gestão efetiva das mudanças está crescendo a um passo mais devagar. Ou seja, a mudança é o maior desafio e a maior oportunidade para os líderes das empresas. As discussões com os CEOs sobre a empresa do futuro revelaram que estão: Ávidos de mudança - Um número maior de CEOs antevê mudanças significativas e planeja ações audaciosas para reagir a elas; Inovativos além da imaginação dos clientes - Estão aproveitando as demandas dos novos consumidores, que estão mais informados e mais colaborativos que antes; Integrados globalmente - Estão reconfigurando suas empresas para se tornarem integrados globalmente; Desbravadores por natureza - Estão implementando novos modelos de negócios que são colaborativos e desbravadores; Genuínos - não somente generosos. Estão mais atentos à responsabilidade social corporativa. Em última análise, empresas com melhor desempenho estão agindo com mais audácia, criando organizações mais globais, colaborativas e desbravadoras que seus pares na indústria. As 4 primeiras tendências apontam que as organizações cada vez mais dependerão da capacidade de se reinventarem e inovarem. E isso indica que o sucesso das organizações do futuro dependerão completamente do seu CAPITAL INTELECTUAL.
  • Um estudo global feito pela IBM em 2008, chamado Global CEO Study, mostrou 5 pilares que desenharão a empresa do futuro. Esse estudo global foi baseado em entrevistas presenciais com 1.130 CEOs e presidentes de 40 países e 32 setores da economia, e desenhado para capturar insights sobre como os desafios enfrentados atualmente pelos CEOs impactarão o futuro dos negócios. O estudo tem um nome sugestivo: “A Empresa do Futuro”. Acho que a conclusão mais intrigante é que os CEOs demonstram um nível surpreeendente de otimismo ao reportarem as mudanças como oportunidades para obter vantagem competitiva. No geral, 83% dos CEOs entrevistados esperam mudanças substanciais no futuro – 68% dos executivos brasileiros compartilham essa expectativa –, um crescimento de 28% em relação a 2006. Entretanto, os CEOs admitem que suas habilidades para a gestão efetiva das mudanças está crescendo a um passo mais devagar. Ou seja, a mudança é o maior desafio e a maior oportunidade para os líderes das empresas. As discussões com os CEOs sobre a empresa do futuro revelaram que estão: Ávidos de mudança - Um número maior de CEOs antevê mudanças significativas e planeja ações audaciosas para reagir a elas; Inovativos além da imaginação dos clientes - Estão aproveitando as demandas dos novos consumidores, que estão mais informados e mais colaborativos que antes; Integrados globalmente - Estão reconfigurando suas empresas para se tornarem integrados globalmente; Desbravadores por natureza - Estão implementando novos modelos de negócios que são colaborativos e desbravadores; Genuínos - não somente generosos. Estão mais atentos à responsabilidade social corporativa. Em última análise, empresas com melhor desempenho estão agindo com mais audácia, criando organizações mais globais, colaborativas e desbravadoras que seus pares na indústria. As 4 primeiras tendências apontam que as organizações cada vez mais dependerão da capacidade de se reinventarem e inovarem. E isso indica que o sucesso das organizações do futuro dependerão completamente do seu CAPITAL INTELECTUAL.
  • Um estudo global feito pela IBM em 2008, chamado Global CEO Study, mostrou 5 pilares que desenharão a empresa do futuro. Esse estudo global foi baseado em entrevistas presenciais com 1.130 CEOs e presidentes de 40 países e 32 setores da economia, e desenhado para capturar insights sobre como os desafios enfrentados atualmente pelos CEOs impactarão o futuro dos negócios. O estudo tem um nome sugestivo: “A Empresa do Futuro”. Acho que a conclusão mais intrigante é que os CEOs demonstram um nível surpreeendente de otimismo ao reportarem as mudanças como oportunidades para obter vantagem competitiva. No geral, 83% dos CEOs entrevistados esperam mudanças substanciais no futuro – 68% dos executivos brasileiros compartilham essa expectativa –, um crescimento de 28% em relação a 2006. Entretanto, os CEOs admitem que suas habilidades para a gestão efetiva das mudanças está crescendo a um passo mais devagar. Ou seja, a mudança é o maior desafio e a maior oportunidade para os líderes das empresas. As discussões com os CEOs sobre a empresa do futuro revelaram que estão: Ávidos de mudança - Um número maior de CEOs antevê mudanças significativas e planeja ações audaciosas para reagir a elas; Inovativos além da imaginação dos clientes - Estão aproveitando as demandas dos novos consumidores, que estão mais informados e mais colaborativos que antes; Integrados globalmente - Estão reconfigurando suas empresas para se tornarem integrados globalmente; Desbravadores por natureza - Estão implementando novos modelos de negócios que são colaborativos e desbravadores; Genuínos - não somente generosos. Estão mais atentos à responsabilidade social corporativa. Em última análise, empresas com melhor desempenho estão agindo com mais audácia, criando organizações mais globais, colaborativas e desbravadoras que seus pares na indústria. As 4 primeiras tendências apontam que as organizações cada vez mais dependerão da capacidade de se reinventarem e inovarem. E isso indica que o sucesso das organizações do futuro dependerão completamente do seu CAPITAL INTELECTUAL.
  • Um estudo global feito pela IBM em 2008, chamado Global CEO Study, mostrou 5 pilares que desenharão a empresa do futuro. Esse estudo global foi baseado em entrevistas presenciais com 1.130 CEOs e presidentes de 40 países e 32 setores da economia, e desenhado para capturar insights sobre como os desafios enfrentados atualmente pelos CEOs impactarão o futuro dos negócios. O estudo tem um nome sugestivo: “A Empresa do Futuro”. Acho que a conclusão mais intrigante é que os CEOs demonstram um nível surpreeendente de otimismo ao reportarem as mudanças como oportunidades para obter vantagem competitiva. No geral, 83% dos CEOs entrevistados esperam mudanças substanciais no futuro – 68% dos executivos brasileiros compartilham essa expectativa –, um crescimento de 28% em relação a 2006. Entretanto, os CEOs admitem que suas habilidades para a gestão efetiva das mudanças está crescendo a um passo mais devagar. Ou seja, a mudança é o maior desafio e a maior oportunidade para os líderes das empresas. As discussões com os CEOs sobre a empresa do futuro revelaram que estão: Ávidos de mudança - Um número maior de CEOs antevê mudanças significativas e planeja ações audaciosas para reagir a elas; Inovativos além da imaginação dos clientes - Estão aproveitando as demandas dos novos consumidores, que estão mais informados e mais colaborativos que antes; Integrados globalmente - Estão reconfigurando suas empresas para se tornarem integrados globalmente; Desbravadores por natureza - Estão implementando novos modelos de negócios que são colaborativos e desbravadores; Genuínos - não somente generosos. Estão mais atentos à responsabilidade social corporativa. Em última análise, empresas com melhor desempenho estão agindo com mais audácia, criando organizações mais globais, colaborativas e desbravadoras que seus pares na indústria. As 4 primeiras tendências apontam que as organizações cada vez mais dependerão da capacidade de se reinventarem e inovarem. E isso indica que o sucesso das organizações do futuro dependerão completamente do seu CAPITAL INTELECTUAL.
  • Um estudo global feito pela IBM em 2008, chamado Global CEO Study, mostrou 5 pilares que desenharão a empresa do futuro. Esse estudo global foi baseado em entrevistas presenciais com 1.130 CEOs e presidentes de 40 países e 32 setores da economia, e desenhado para capturar insights sobre como os desafios enfrentados atualmente pelos CEOs impactarão o futuro dos negócios. O estudo tem um nome sugestivo: “A Empresa do Futuro”. Acho que a conclusão mais intrigante é que os CEOs demonstram um nível surpreeendente de otimismo ao reportarem as mudanças como oportunidades para obter vantagem competitiva. No geral, 83% dos CEOs entrevistados esperam mudanças substanciais no futuro – 68% dos executivos brasileiros compartilham essa expectativa –, um crescimento de 28% em relação a 2006. Entretanto, os CEOs admitem que suas habilidades para a gestão efetiva das mudanças está crescendo a um passo mais devagar. Ou seja, a mudança é o maior desafio e a maior oportunidade para os líderes das empresas. As discussões com os CEOs sobre a empresa do futuro revelaram que estão: Ávidos de mudança - Um número maior de CEOs antevê mudanças significativas e planeja ações audaciosas para reagir a elas; Inovativos além da imaginação dos clientes - Estão aproveitando as demandas dos novos consumidores, que estão mais informados e mais colaborativos que antes; Integrados globalmente - Estão reconfigurando suas empresas para se tornarem integrados globalmente; Desbravadores por natureza - Estão implementando novos modelos de negócios que são colaborativos e desbravadores; Genuínos - não somente generosos. Estão mais atentos à responsabilidade social corporativa. Em última análise, empresas com melhor desempenho estão agindo com mais audácia, criando organizações mais globais, colaborativas e desbravadoras que seus pares na indústria. As 4 primeiras tendências apontam que as organizações cada vez mais dependerão da capacidade de se reinventarem e inovarem. E isso indica que o sucesso das organizações do futuro dependerão completamente do seu CAPITAL INTELECTUAL.
  • Um estudo global feito pela IBM em 2008, chamado Global CEO Study, mostrou 5 pilares que desenharão a empresa do futuro. Esse estudo global foi baseado em entrevistas presenciais com 1.130 CEOs e presidentes de 40 países e 32 setores da economia, e desenhado para capturar insights sobre como os desafios enfrentados atualmente pelos CEOs impactarão o futuro dos negócios. O estudo tem um nome sugestivo: “A Empresa do Futuro”. Acho que a conclusão mais intrigante é que os CEOs demonstram um nível surpreeendente de otimismo ao reportarem as mudanças como oportunidades para obter vantagem competitiva. No geral, 83% dos CEOs entrevistados esperam mudanças substanciais no futuro – 68% dos executivos brasileiros compartilham essa expectativa –, um crescimento de 28% em relação a 2006. Entretanto, os CEOs admitem que suas habilidades para a gestão efetiva das mudanças está crescendo a um passo mais devagar. Ou seja, a mudança é o maior desafio e a maior oportunidade para os líderes das empresas. As discussões com os CEOs sobre a empresa do futuro revelaram que estão: Ávidos de mudança - Um número maior de CEOs antevê mudanças significativas e planeja ações audaciosas para reagir a elas; Inovativos além da imaginação dos clientes - Estão aproveitando as demandas dos novos consumidores, que estão mais informados e mais colaborativos que antes; Integrados globalmente - Estão reconfigurando suas empresas para se tornarem integrados globalmente; Desbravadores por natureza - Estão implementando novos modelos de negócios que são colaborativos e desbravadores; Genuínos - não somente generosos. Estão mais atentos à responsabilidade social corporativa. Em última análise, empresas com melhor desempenho estão agindo com mais audácia, criando organizações mais globais, colaborativas e desbravadoras que seus pares na indústria. As 4 primeiras tendências apontam que as organizações cada vez mais dependerão da capacidade de se reinventarem e inovarem. E isso indica que o sucesso das organizações do futuro dependerão completamente do seu CAPITAL INTELECTUAL.
  • Apesar do fenômeno que ocorre dentro das empresas, a comunicação na maioria delas continua do mesmo jeito de décadas atrás. Só mudou o meio e a velocidade. Mas ela ainda funciona do mesmo modo que antigamente, quando só existia os murais e as revistinhas internas. A maioria das empresas tem suas intranets e suas newsletters eletrônicas. Tudo moderno, mas continua fazendo a mesma comunicação institucional de antigamente. Comunicação de uma única mão, com linguagem chata, impessoal e quase sempre sem emoção. Totalmente na contra-mão do que a pessoa faz quando chega em casa, que vai logo para o computador, entrar em sua rede social de preferência e falar com os amigos. Ou seja, o ambiente de casa é muito mais interativo e divertido do que no trabalho. As empresas transformaram a intranet e as newsletters nos murais e revistinhas de antigamente. Continua tudo igual.
  • Apesar do fenômeno que ocorre dentro das empresas, a comunicação na maioria delas continua do mesmo jeito de décadas atrás. Só mudou o meio e a velocidade. Mas ela ainda funciona do mesmo modo que antigamente, quando só existia os murais e as revistinhas internas. A maioria das empresas tem suas intranets e suas newsletters eletrônicas. Tudo moderno, mas continua fazendo a mesma comunicação institucional de antigamente. Comunicação de uma única mão, com linguagem chata, impessoal e quase sempre sem emoção. Totalmente na contra-mão do que a pessoa faz quando chega em casa, que vai logo para o computador, entrar em sua rede social de preferência e falar com os amigos. Ou seja, o ambiente de casa é muito mais interativo e divertido do que no trabalho. As empresas transformaram a intranet e as newsletters nos murais e revistinhas de antigamente. Continua tudo igual.
  • A capacidade inovadora dentro das empresas é incrível. Parece um tesouro enterrado . Ela está lá. Mas ninguém procura, e daí ninguém acha. Mas esta situação está mudando, porque as empresas estão em um profundo processo de transformação.
  • Um estudo da Universidade de Melbourne, Austrália, afirma que aqueles que usam Facebook, Twitter e Orkut no escritório são mais produtivos do aqueles que não usam. O estudo diz que, em média, os empregados que usam a internet para fins pessoais durante o expediente são 9% mais produtivos do que aqueles que não usam. E lista 8 excelentes razões que reforçam a conclusão do estudo da universidade australiana. Eu não vou entrar no estudo aqui, mas o estudo tem coisas interessantes que vale consultar. Uma das coisas é que o acesso à internet e as redes sociais aceleram aquelas tarefas que a pessoa faria de qualquer forma ao longo do dia. Transforma interações em tempo real em tarefas assíncronas. Em vez de pegar o telefone e ligar para bater papo, a pessoa entra no facebook e deixa uma mensagem e vai embora. Também ajuda às pessoas a tirar preocupações da cabeça. E por aí vai. Até agora, nesta apresentação, eu não havia falado a respeito do uso de redes sociais para fins particulares, mas sou muito a favor e concordo com essa questão do aumento de produtuvidade. Conheço muitas empresas que não permitem o uso do MSN dentro das empresas. Estas empresas não imaginam o quanto que um software de mensagem instântanea disponível aumenta a produtividade. Falar que isso dispersa o foco e a concentração do funcionário no trabalho é um mito. Um paradigma.
  • Um estudo da Universidade de Melbourne, Austrália, afirma que aqueles que usam Facebook, Twitter e Orkut no escritório são mais produtivos do aqueles que não usam. O estudo diz que, em média, os empregados que usam a internet para fins pessoais durante o expediente são 9% mais produtivos do que aqueles que não usam. E lista 8 excelentes razões que reforçam a conclusão do estudo da universidade australiana. Eu não vou entrar no estudo aqui, mas o estudo tem coisas interessantes que vale consultar. Uma das coisas é que o acesso à internet e as redes sociais aceleram aquelas tarefas que a pessoa faria de qualquer forma ao longo do dia. Transforma interações em tempo real em tarefas assíncronas. Em vez de pegar o telefone e ligar para bater papo, a pessoa entra no facebook e deixa uma mensagem e vai embora. Também ajuda às pessoas a tirar preocupações da cabeça. E por aí vai. Até agora, nesta apresentação, eu não havia falado a respeito do uso de redes sociais para fins particulares, mas sou muito a favor e concordo com essa questão do aumento de produtuvidade. Conheço muitas empresas que não permitem o uso do MSN dentro das empresas. Estas empresas não imaginam o quanto que um software de mensagem instântanea disponível aumenta a produtividade. Falar que isso dispersa o foco e a concentração do funcionário no trabalho é um mito. Um paradigma.
  • Um estudo da Universidade de Melbourne, Austrália, afirma que aqueles que usam Facebook, Twitter e Orkut no escritório são mais produtivos do aqueles que não usam. O estudo diz que, em média, os empregados que usam a internet para fins pessoais durante o expediente são 9% mais produtivos do que aqueles que não usam. E lista 8 excelentes razões que reforçam a conclusão do estudo da universidade australiana. Eu não vou entrar no estudo aqui, mas o estudo tem coisas interessantes que vale consultar. Uma das coisas é que o acesso à internet e as redes sociais aceleram aquelas tarefas que a pessoa faria de qualquer forma ao longo do dia. Transforma interações em tempo real em tarefas assíncronas. Em vez de pegar o telefone e ligar para bater papo, a pessoa entra no facebook e deixa uma mensagem e vai embora. Também ajuda às pessoas a tirar preocupações da cabeça. E por aí vai. Até agora, nesta apresentação, eu não havia falado a respeito do uso de redes sociais para fins particulares, mas sou muito a favor e concordo com essa questão do aumento de produtuvidade. Conheço muitas empresas que não permitem o uso do MSN dentro das empresas. Estas empresas não imaginam o quanto que um software de mensagem instântanea disponível aumenta a produtividade. Falar que isso dispersa o foco e a concentração do funcionário no trabalho é um mito. Um paradigma.
  • Um estudo da Universidade de Melbourne, Austrália, afirma que aqueles que usam Facebook, Twitter e Orkut no escritório são mais produtivos do aqueles que não usam. O estudo diz que, em média, os empregados que usam a internet para fins pessoais durante o expediente são 9% mais produtivos do que aqueles que não usam. E lista 8 excelentes razões que reforçam a conclusão do estudo da universidade australiana. Eu não vou entrar no estudo aqui, mas o estudo tem coisas interessantes que vale consultar. Uma das coisas é que o acesso à internet e as redes sociais aceleram aquelas tarefas que a pessoa faria de qualquer forma ao longo do dia. Transforma interações em tempo real em tarefas assíncronas. Em vez de pegar o telefone e ligar para bater papo, a pessoa entra no facebook e deixa uma mensagem e vai embora. Também ajuda às pessoas a tirar preocupações da cabeça. E por aí vai. Até agora, nesta apresentação, eu não havia falado a respeito do uso de redes sociais para fins particulares, mas sou muito a favor e concordo com essa questão do aumento de produtuvidade. Conheço muitas empresas que não permitem o uso do MSN dentro das empresas. Estas empresas não imaginam o quanto que um software de mensagem instântanea disponível aumenta a produtividade. Falar que isso dispersa o foco e a concentração do funcionário no trabalho é um mito. Um paradigma.
  • Um estudo da Universidade de Melbourne, Austrália, afirma que aqueles que usam Facebook, Twitter e Orkut no escritório são mais produtivos do aqueles que não usam. O estudo diz que, em média, os empregados que usam a internet para fins pessoais durante o expediente são 9% mais produtivos do que aqueles que não usam. E lista 8 excelentes razões que reforçam a conclusão do estudo da universidade australiana. Eu não vou entrar no estudo aqui, mas o estudo tem coisas interessantes que vale consultar. Uma das coisas é que o acesso à internet e as redes sociais aceleram aquelas tarefas que a pessoa faria de qualquer forma ao longo do dia. Transforma interações em tempo real em tarefas assíncronas. Em vez de pegar o telefone e ligar para bater papo, a pessoa entra no facebook e deixa uma mensagem e vai embora. Também ajuda às pessoas a tirar preocupações da cabeça. E por aí vai. Até agora, nesta apresentação, eu não havia falado a respeito do uso de redes sociais para fins particulares, mas sou muito a favor e concordo com essa questão do aumento de produtuvidade. Conheço muitas empresas que não permitem o uso do MSN dentro das empresas. Estas empresas não imaginam o quanto que um software de mensagem instântanea disponível aumenta a produtividade. Falar que isso dispersa o foco e a concentração do funcionário no trabalho é um mito. Um paradigma.
  • Ibm social business 2012 encerramento

    1. 1. Redes Sociais Corporativastransformando as OrganizaçõesFlávio Mendes09 de Mario de 2012
    2. 2. Marcas mais fortes
    3. 3. Uma nova geração
    4. 4. Quem é esta geração digital? Usam tecnologias digitais no seu dia a dia e esperam usá-las no trabalho.São early adopters por natureza. Entram no mundo online cada vez mais cedo... usam a Internet comolaboratório social, para testar limites do relacionamento.Vivem em ritmo cada vez mais acelerado e são multitarefas (usam celular,MP3, PC...tudo ao mesmo tempo!)
    5. 5. Uma nova família A NOVA CASA O NOVO PAI A NOVA MÃE O NOVO FILHO
    6. 6. Un novo ambiente de trabalho A NOVA ORGANIZAÇÃO O NOVO CHEFE O NOVO ESCRITÓRIO A GLOBALIZAÇÃO
    7. 7. TUDO EM TEMPO REALTECNOLOGIAPERVASIVA ECOMPUTAÇÃOSOCIAL A SOCIEDADE CONECTADAUMA NOVO UMA NOVAAMBIENTE DE GERAÇÃOTRABALHO
    8. 8. TEMPOAMBIENTE COLABORAÇÃOLIDERANÇA VALORES
    9. 9. GLOBAL CEO STUDY – A EMPRESA DO FUTURO A EMPRESA DO FUTURO ESTARÁ CENTRADA NO SEU CAPITAL INTELECTUAL NA SUA CAPACIDADE DE SE REINVENTAR E INOVAR
    10. 10. A GRANDE CAPACIDADE INOVADORA DAS EMPRESAS ESTÁ... EM QUALQUER LUGAR
    11. 11. A COMUNICAÇÃO INTERNA NAS EMPRESAS HOJEPrezado Colaborador... • INSTITUCIONAL • UNIDIRECIONAL • SEM INTERAÇÃO • IMPESSOAL AS EMPRESAS AINDA POUCO EXPLORAM • SEM EMOÇÃO A CAPACIDADE INTERATIVA, DE MOBILIZAÇÃO E CRIATIVIDADE COLETIVA DAS PESSOAS
    12. 12. NA ERA DIGITAL,TODOS NÓS SOMOS PRODUTORES DE CONTEÚDO
    13. 13. O CONHECIMENTO E A CAPACIDADE DE INOVAÇÃO DENTRO DAS EMPRESASUM TESOURO ENTERRADO
    14. 14. A TRANSFORMAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO E DO MUNDO DOS NEGÓCIOS O SER HUMANO 2.0 AUTÔNOMO REMOTO CONECTADO GLOBAL PRODUTOR DE CONTEÚDO
    15. 15. A TRANSFORMAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO E DO MUNDO DOS NEGÓCIOSO NOVO LÍDERINSPIRADOROBSTINADO POR RESULTADOSTRABALHAR EM EQUIPEPARCEIROGENEROSO
    16. 16. A TRANSFORMAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO E DO MUNDO DOS NEGÓCIOSRELAÇÕES PESSOAISOUVIRCOMPARTILHARINFLUENCIARENGAJARFLEXIBILIZARTOLERAR
    17. 17. MÍDIAS SOCIAIS NAS EMPRESAS UMA JORNADA
    18. 18. A MAIOR BARREIRA PARA INTRODUÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS SÃO OS LÍDERES DAS EMPRESAS • REPUTAÇÃO DA EMPRESA • SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES • PRODUTIVIDADE“Social Media: Embracing the Opportunities, Averting the Risks” – EUA - Russel Herder e Ethos Business Law - 438 entrevistasonline realizadas em julho/2009 com executivos de empresas dos EUA
    19. 19. 64% DOS CEOS DAS MAIORES EMPRESAS DO MUNDO NÃO ESTÃO PRESENTES NAS MÍDIAS SOCIAIS APENAS 12% DOS CEOS TÊM PERFIL NO TWITTER OU FACEBOOKSocializing your CEO: from (un)social to social - Weber Shandwick – pesquisas com os CEOs das 50 maiores empresas domundo
    20. 20. MAIS DE 50% DAS EMPRESASBLOQUEIAM O ACESSO DESEUS FUNCIONÁRIOS ÀSMÍDIAS SOCIAIS
    21. 21. A MAIORIA DAS EMPRESAS AINDA TRATA AS MÍDIAS SOCIAIS COMO UM PROBLEMA E RISCO•24% DAS EMPRESAS APLICARAM ALGUMA AÇÃO DISCIPLINAR EMFUNCIONÁRIOS QUE VIOLARAM AS POLÍTICAS DE USO DE BLOGS•11% REPORTARAM QUE DEMITIRAM FUNCIONÁRIOS POR TALVIOLAÇÃOProofpoint - Outbound Email and Data Loss Prevention in Today’s Enterprise 2010 - 261 empresas entrevistadas com mais de1 mil empregados.
    22. 22. OS FUNCIONÁRIOS QUE USAM MÍDIAS SOCIAIS NO TRABALHO SÃO 9% MAIS PRODUTIVOS QUE AQUELES QUE NÃO USAMFonte: Estudo da Universidade de Melbourne 2009
    23. 23. Futuro se torna passado rapidamente!
    24. 24. Obrigado! fmendes@br.ibm.com @fmendes fgfmendes.blogspot.com Flávio Mendes Rio de Janeiro - Brasil IBM Latin America Portal and Social Business Tel 55 21 9999-9559 Tiger Team Leader Email: fmendes@br.ibm.com Blog: fgfmendes.blogspot.com

    ×