Uma Estratégia para Publicação dos Dados da Base do CEB-INEP/MEC no Padrão Linked Open Data Fernando Maia da Mota
<ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Conceitos e Definições </li></ul><ul><li>A Estratégia </li></ul><ul><li>Conclusão </li...
<ul><ul><ul><li>Estudo do CEB, Web semântica, RDF, SPARQL. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pesquisa das ferramentas ST...
<ul><ul><li>PROJETO WEB-PIDE </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parceria entre UFMS e  UFSCar </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul>...
<ul><ul><li>WEB SEMÂNTICA </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Situação atual - “a Web atual pode ser definida como a Web Sintát...
<ul><ul><li>ONTOLOGIAS </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição - Uma ontologia define os termos utilizados para descrever...
<ul><ul><li>ONTOLOGIAS –> REUSO (INTEROPERABILIDADE) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O reuso de ontologias existentes é um ...
<ul><ul><li>WEB ONTOLOGY LANGUAGE (OWL) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição - OWL é uma linguagem semântica, que é ut...
<ul><ul><li>RESOURCE DESCRIPTION FRAMEWORK (RDF) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição - O RDF é um XML padrão para int...
CONCEITOS E DEFINIÇÕES
<ul><ul><li>DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição1 - São a publicação e disseminação das i...
<ul><ul><li>DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS –> TRÊS LEIS (EAVES,2009) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Lei1  - Se o dado não po...
<ul><ul><li>DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS –> OITO PRINCÍPIOS  (OPENGOVDATA.ORG, 2007) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>1. Com...
<ul><ul><li>LINKED OPEN DATA (LOD) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>LOD usa tecnologias da Web semântica para publicar dados...
<ul><ul><li>LINKED OPEN DATA (LOD) -> Situação Atual (Cyganiak,2010) </li></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>ETAPA 1 –> DISPONIBILIZAÇÃO DOS DADOS </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dados disponibilizados em microdados, no ...
<ul><ul><li>Etapa 1 –> Disponibilização dos dados –>Exemplo –> Leia-me.pdf </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 1 –> Disponibilização dos dados –>Exemplo –> ASCII (dados brutos) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 1 –> Disponibilização dos dados –>Exemplo –> Arquivo de Leitura </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 1 –> Carga dos dados –> DEAR(Siqueira,2009) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 1 –> Carga dos dados –> Dados Carregados no PostgreSQL </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>ETAPA 2 –> NORMALIZAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Triplification é o processo pelo qual um banco de dados...
<ul><ul><li>Etapa 2 –> Normalização </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 2 –> 1º Modelo </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>ETAPA 2 –> 1º MODELO –> RESULTADO </li></ul></ul><ul><ul><li>Ao aplicar a ferramenta STDTRIP a este modelo os ...
<ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes no pré-escolar com capacitação e 1º gr...
<ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise -> Identificação de Padrões </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes  no  pré-e...
<ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise –> Exemplo Normalização </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise –> Modelo Final </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 3 –> Carga dos Dados –> Data Extractor PostgreSQL to MySQL(DEPOM) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>ETAPA 4 –> STDTRIP </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A maioria das ferramentas de  triplifying  hoje dão apoio ao...
<ul><ul><li>Etapa 4 –> STDTRIP –> Arquitetura(Conversion, Alignment, Selection) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>Etapa 4 –> STDTRIP –> Resultados </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>ETAPA 5 –> TRIPLIFY </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A ferramenta TRIPLIFY tem como objetivo explorar a estrutur...
<ul><ul><li>Etapa 5 –> TRIPLIFY –> Aplicação e Resultados  </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Após a execução da ferramenta TR...
<ul><ul><li>Etapa 6 –> OPENLINK VIRTUOSO </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>OPENLINK VIRTUOSO é um middleware e sistema gerenc...
<ul><ul><li>Etapa 6 –> OPENLINK VIRTUOSO –> Utilização e Resultados  </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Para carga do arquivo ...
<ul><ul><li>Etapa 6 –> OPENLINK VIRTUOSO –> Lista das Classes Carregadas </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><ul><ul><li>e ae? e ae? </li></ul></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
<ul><ul><li>CONTRIBUIÇÕES </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desenvolvimento da ferramenta DEPOM de extração e carga de dados....
<ul><ul><li>Dificuldades Encontradas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tamanho da base de dados </li></ul></ul></ul><ul><ul><...
<ul><ul><li>Trabalhos Futuros </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estender este trabalho aos outros anos da base de dados do CE...
<ul><ul><li>(Baldus, 2011) Baldus, Luís Henrique Sirtoli. 2011. Estratégia para publicação de dados governamentais abertos...
<ul><ul><li>Orientadora Profa Ma. Karen kiomi Nakazato </li></ul></ul><ul><ul><li>Coorientador Prof. Dr. Marcelo Augusto d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Uma Estratégia para Publicação dos Dados da Base do CEB-INEP/MEC no Padrão Linked Open Data

1.077 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.077
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
137
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Citar que minha iniciação científica foi um projeto pertencete ao Web-PIDE
  • A Web Semântica é a capacidade dos computadores interpretarem o significado dos dados.
  • Uma ontologia é um vocabulário, usado para descrever coisas...
  • Uma Estratégia para Publicação dos Dados da Base do CEB-INEP/MEC no Padrão Linked Open Data

    1. 1. Uma Estratégia para Publicação dos Dados da Base do CEB-INEP/MEC no Padrão Linked Open Data Fernando Maia da Mota
    2. 2. <ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Conceitos e Definições </li></ul><ul><li>A Estratégia </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul>AGENDA
    3. 3. <ul><ul><ul><li>Estudo do CEB, Web semântica, RDF, SPARQL. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pesquisa das ferramentas STDTRIP, TRIPLIFY e OPEN LINK VIRTUOSO. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição e implementação da estratégia para a publicação dos dados da base de dados do Censo Escolar Brasileiro(CEB) no padrão Linked Open Data do ano de 1995 . </li></ul></ul></ul>OBJETIVOS
    4. 4. <ul><ul><li>PROJETO WEB-PIDE </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parceria entre UFMS e UFSCar </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Censo Educacional Brasileiro(CEB) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Magnitude e abrangência(Rigotti,2001) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Dados sobre os estabelecimentos de ensino, matrículas, funções dos docentes e rendimento escolar. </li></ul></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    5. 5. <ul><ul><li>WEB SEMÂNTICA </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Situação atual - “a Web atual pode ser definida como a Web Sintática, onde os computadores são responsáveis apenas por apresentar as informações, mas a interpretação fica a cargo do usuário, ocasionando dificuldades em encontrar informações de forma eficiente e eficaz na Web.”(Breitman,2005) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição - A Web Semântica é uma extensão da Web atual, na qual é dada a informação um significado bem definido, permitindo que computadores e pessoas trabalhem em cooperação.(Benners-Lee, Hendler e Lassila,2001) </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    6. 6. <ul><ul><li>ONTOLOGIAS </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição - Uma ontologia define os termos utilizados para descrever e representar uma área de conhecimento e são utilizadas por pessoas, bases de dados e aplicações que necessitam partilhar informação sobre um domínio (um domínio é apenas uma área temática ou área do conhecimento, como medicina, construção, fabricação de ferramenta, bens imobiliários, gestão financeira, etc.).(W3C,2011) </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    7. 7. <ul><ul><li>ONTOLOGIAS –> REUSO (INTEROPERABILIDADE) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O reuso de ontologias existentes é um ponto crítico na Web semântica pois cada vez mais ontologias estão surgindo e precisam ser adaptadas de um domínio para outro, ou estendidas na sua abrangência.(Cantele,2009) </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    8. 8. <ul><ul><li>WEB ONTOLOGY LANGUAGE (OWL) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição - OWL é uma linguagem semântica, que é utilizada para publicação e compartilhamento de recursos semânticos. (Baldus,2011) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Seu objetivo é ser uma linguagem disponível para aplicações que não irão apenas exibir as informações, mas que necessitem compreender o significado das informações, seus relacionamentos entre classes, disjunções e metadados mais complexos dos que os suportados pelo RDF.(Baldus,2011) </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    9. 9. <ul><ul><li>RESOURCE DESCRIPTION FRAMEWORK (RDF) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição - O RDF é um XML padrão para intercâmbio de metadados.(Baldus,2011) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Função do metadado – Descrever um documento através de atributos conferidos a um objeto, retratando as suas características como dimensão, formato, autoria, localização e outros com o objetivo de intercambiar dados.(Oliveira,2002) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Uso de metadados - Sobre um recurso Web, o uso de metadados permite o conhecimento de seu significado, características, uso, localização e relacionamento com outros recursos.(Vanni, 2009) </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    10. 10. CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    11. 11. <ul><ul><li>DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição1 - São a publicação e disseminação das informações do setor público na Web, compartilhadas em formato bruto e aberto, compreensíveis logicamente, de modo a permitir a sua reutilização em aplicações digitais desenvolvidas pela sociedade.(W3C,2011) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definição2 - Consistem na publicação de dados sobre informações públicas em formatos que permitem o seu compartilhamento, acesso, descoberta e fácil manipulação pelos consumidores desses dados.(Breitman,2010) </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    12. 12. <ul><ul><li>DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS –> TRÊS LEIS (EAVES,2009) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Lei1 - Se o dado não pode ser encontrado e indexado na Web, ele não existe. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Lei2 - Se não estiver aberto e disponível em formato compreensível por máquina, ele não pode ser reaproveitado. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Lei3 - Se algum dispositivo legal não permitir sua reaplicação, ele não é útil. </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    13. 13. <ul><ul><li>DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS –> OITO PRINCÍPIOS (OPENGOVDATA.ORG, 2007) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>1. Completos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>2. Primários </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>3. Atuais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>4. Acessíveis </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>5. Compreensíveis por máquinas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>6. Não discriminatórios </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>7. Não proprietários </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>8. Livres de licenças </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    14. 14. <ul><ul><li>LINKED OPEN DATA (LOD) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>LOD usa tecnologias da Web semântica para publicar dados estruturados na Web e criar ligações entre dados de diferentes fontes de dados, de acordo com os seguintes princípios.(Berners-Lee & Hendler, 2001): </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>1. Usar URIs como nomes para recursos. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>2. Usar URIs HTTP de forma que pessoas possam procurar por estes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>nomes. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>3. Quando alguém procura uma URI, fornecer informação RDF útil(SPARQL). </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>4. Incluir sentenças RDF que ligam a outras URIs para que possam </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>descobrir outros recursos. </li></ul></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    15. 15. <ul><ul><li>LINKED OPEN DATA (LOD) -> Situação Atual (Cyganiak,2010) </li></ul></ul>CONCEITOS E DEFINIÇÕES
    16. 16. A ESTRATÉGIA
    17. 17. <ul><ul><li>ETAPA 1 –> DISPONIBILIZAÇÃO DOS DADOS </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dados disponibilizados em microdados, no site do próprio INEP </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Os microdados são formados por arquivo ASCII(dados brutos), pelos arquivos de leitura e por um arquivo em Portable document format(PDF) chamado de &quot;Leia-me“. </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    18. 18. <ul><ul><li>Etapa 1 –> Disponibilização dos dados –>Exemplo –> Leia-me.pdf </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    19. 19. <ul><ul><li>Etapa 1 –> Disponibilização dos dados –>Exemplo –> ASCII (dados brutos) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    20. 20. <ul><ul><li>Etapa 1 –> Disponibilização dos dados –>Exemplo –> Arquivo de Leitura </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    21. 21. <ul><ul><li>Etapa 1 –> Carga dos dados –> DEAR(Siqueira,2009) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    22. 22. <ul><ul><li>Etapa 1 –> Carga dos dados –> Dados Carregados no PostgreSQL </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    23. 23. <ul><ul><li>ETAPA 2 –> NORMALIZAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Triplification é o processo pelo qual um banco de dados e sua estâncias são transformados em um conjunto de dados RDF. Isto é feito mapeando conceitos de bancos de dados para uma ontologia, para ser utilizado como base para se gerar as triplas RDF.(Salas et al,2010) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>É pré-requisito um banco de dados normalizado para utilização das ferramentas TRIPLIFY e STDTRIP. </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    24. 24. <ul><ul><li>Etapa 2 –> Normalização </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    25. 25. <ul><ul><li>Etapa 2 –> 1º Modelo </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    26. 26. <ul><ul><li>ETAPA 2 –> 1º MODELO –> RESULTADO </li></ul></ul><ul><ul><li>Ao aplicar a ferramenta STDTRIP a este modelo os resultados com relação a reutilização de termos das ontologias padrões da Web (ontologias em grande escala de uso) se mostrou ineficiente, isto evidenciou a superficialidade deste modelo, portanto seria necessário um modelo normalizado muito mais consistente para que o trabalho obtivesse o sucesso esperado. </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    27. 27. <ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes no pré-escolar com capacitação e 1º grau completo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes de 1º a 4º série com capacitação e magistério completo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes no 2º grau com magistério completo </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    28. 28. <ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise -> Identificação de Padrões </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes no pré-escolar com capacitação e 1º grau completo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes de 1º a 4º série com capacitação e magistério completo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Docentes no 2º grau com magistério completo </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    29. 29. <ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise –> Exemplo Normalização </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    30. 30. <ul><ul><li>Etapa 2 –> 2º Modelo –> Analise –> Modelo Final </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    31. 31. <ul><ul><li>Etapa 3 –> Carga dos Dados –> Data Extractor PostgreSQL to MySQL(DEPOM) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    32. 32. <ul><ul><li>ETAPA 4 –> STDTRIP </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A maioria das ferramentas de triplifying hoje dão apoio ao processo mecânico de transformação dos dados existentes. No entanto, nenhuma fornece suporte ao usuário durante a fase de modelagem conceitual.(Salas et al,2010) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A arquitetura do processo da STDTRIP se divide em 6 etapas seqüenciais: Conversion, Alignment, Selection, Inclusion, Completion e Output. Sendo que as etapas de Inclusion e Completion não são obrigatórias. </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    33. 33. <ul><ul><li>Etapa 4 –> STDTRIP –> Arquitetura(Conversion, Alignment, Selection) </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    34. 34. <ul><ul><li>Etapa 4 –> STDTRIP –> Resultados </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    35. 35. <ul><ul><li>ETAPA 5 –> TRIPLIFY </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A ferramenta TRIPLIFY tem como objetivo explorar a estrutura de dados em bancos de dados relacionais utilizados em aplicações Web, para criar representações semânticas na Web. A maioria das aplicações Web possuem banco de dados relacionais, porem estes dados não estão disponíveis para pesquisa nos motores de busca ou outras aplicações semânticas.(Baldus, 2011) </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    36. 36. <ul><ul><li>Etapa 5 –> TRIPLIFY –> Aplicação e Resultados </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Após a execução da ferramenta TRIPLIFY, a mesma gerou um arquivo RDF de 1.1 gigabytes. </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    37. 37. <ul><ul><li>Etapa 6 –> OPENLINK VIRTUOSO </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>OPENLINK VIRTUOSO é um middleware e sistema gerenciador de banco de dados que combina a funcionalidades de um banco de dados convencional com banco de dados RDF e pode ser utilizado como um servidor de aplicação para serviços Web e oferece um interface Web para consultas em SPARQL, normalmente chamado de SPARQLEndPoint. .(LinkedDataBR, 2011) </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    38. 38. <ul><ul><li>Etapa 6 –> OPENLINK VIRTUOSO –> Utilização e Resultados </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Para carga do arquivo RDF com as triplas geradas na etapa 5, foi </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>utilizado o modulo &quot;isql&quot; do OPENLINK VIRTUOSO, que oferece uma interface Web para execução de comandos. </li></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    39. 39. <ul><ul><li>Etapa 6 –> OPENLINK VIRTUOSO –> Lista das Classes Carregadas </li></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    40. 40. <ul><ul><ul><ul><li>e ae? e ae? </li></ul></ul></ul></ul>A ESTRATÉGIA
    41. 41. <ul><ul><li>CONTRIBUIÇÕES </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desenvolvimento da ferramenta DEPOM de extração e carga de dados. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Objetivo principal foi conceber, implementar e demonstrar a estratégia de publicação dos dados do CEB do ano de 1995 no padrão Linked Open Data. Através dos resultados positivos deste trabalho houve a oportunidade de apresentá-los a uma equipe de TI do INEP. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Oportunidades de cooperação entre o CPCX/UFMS com a PUC-Rio. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Oportunidade de amadurecimento acadêmico, pois neste trabalho foi possível pesquisar e enriquecer o conhecimento adquirido durante a graduação e no projeto de iniciação cientifica e gerar conhecimento. </li></ul></ul></ul>CONCLUSÃO
    42. 42. <ul><ul><li>Dificuldades Encontradas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tamanho da base de dados </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tradução dos nomes das entidades e atributos do modelo de banco de dados normalizado criado </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Trabalho a distância </li></ul></ul></ul>CONCLUSÃO
    43. 43. <ul><ul><li>Trabalhos Futuros </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estender este trabalho aos outros anos da base de dados do CEB. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estudar outras estratégias de publicação de dados no formato Linked Open Data. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Criação de Marshups, que são aplicações Web que produzem informações aos usuários utilizando dados de fontes distintas. </li></ul></ul></ul>CONCLUSÃO
    44. 44. <ul><ul><li>(Baldus, 2011) Baldus, Luís Henrique Sirtoli. 2011. Estratégia para publicação de dados governamentais abertos no padrão linked data. Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, Especialização em Banco de Dados da UFMT. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Berners-Lee & Hendler, 2001) Berners-Lee, T., & Hendler, J. 2001. Scientific publishing on the semantic seb. Nature 410, 1023 - 1024Abril, 2001. Disponível em: http://www.nature.com/nature/debates/e-access/Articles/bernerslee.htm. Acesso em: 21 dez. 2010. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Breitman, 2005) Breitman, K. K. 2005. Web semântica: a internet do futuro. Rio de Janeiro: LTC. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Breitman et al, 2010) Breitman, K. K., Filho, J. V., & Salas, P. E. R. 2010. Publicação e uso de dados governamentais abertos. Mini curso. Escola Regional de Informática. Cuiabá. UFMT. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Cantele, 2009) Cantele, R. C. 2009. Construindo ontologias a partir de recursos existentes: uma prova de conceito no domínio da educacão. São Paulo: USP, 2009. 226 p. Tese (Doutorado em Engenharia Elétrica) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais, São Paulo. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Eaves, 2009) Eaves, D. 2009. The three laws of open government data. Disponível em: http://eaves.ca/2009/09/30/three-law-of-open-government-data/. Acesso em 01 Junho 2011. </li></ul></ul><ul><ul><li>(INEP, 2011) INEP. 2011. Instituto nacional de estudos e pesquisas educacionais. Disponível em: www.inep.gov.br. Acesso em 01 junho 2011. </li></ul></ul><ul><ul><li>(LinkedDataBR, 2011) LinkedDataBR, G. T. 2011. Exposição, compartilhamento e conexão de recursos de dados abertos na web. Tech. rept. RNP. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Oliveira, 2002) Oliveira, R. M. V. B. 2002. Web semântica: Novo desafio para os profissionais da informação. Disponível em: www.sibi.ufrj.br/snbu/snbu2002/oralpdf/124.a.pdf. Acesso em 01 junho 2011. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Rigotti, 2001) Rigotti, C. A. C. I. R. 2001. As bases de dados do inep e os indicadores educacionais: conceitos e aplicações. In: Proceedings of the international union for scientific study of population. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Salas et al, 2010a) Salas, P. E., Breitman, K. K., Casanova, M. A., & Viterbo, J. 2010a. Stdtrip: An a priori design approach and process for publishing open government data. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Salas et al, 2010b) Salas, P. E. R., Breitman, K. K., Filho, J. V., & Casanova, M. A. 2010b. Interoperability by design using the stdtrip tool: An a priori approach. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Siqueira, 2009) Siqueira, T. 2009. Sb-index: Um Indice espacial baseado em bitmap para data warehouse geográfico. M.Phil. thesis, UFSCar. </li></ul></ul><ul><ul><li>(W3C, 2011) W3C. 2011. Consórcio world wide web. Disponível em: http://www.w3c.br/Home/WebHome. Acesso em 01 junho 2011. </li></ul></ul>REFERÊNCIAS
    45. 45. <ul><ul><li>Orientadora Profa Ma. Karen kiomi Nakazato </li></ul></ul><ul><ul><li>Coorientador Prof. Dr. Marcelo Augusto dos Santos Turine </li></ul></ul><ul><ul><li>Equipe de Web semântica da PUC-Rio </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Prof. Me. Percy Enrique Rivera Salas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Profa. Dra. Karin Breitman </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Prof. Dr. José Viterbo </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Prof. Dr. Gedson faria </li></ul></ul><ul><ul><li>Prof. Ma. Leila Lisiane Rossi </li></ul></ul>AGRADECIMENTOS

    ×