Direção e distânciasem Astronomia        Núcleo de Astronomia Galileu Galilei  Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus –...
A esfera celesteA astronomia é uma ciência essencialmente observacional, ao contrário deoutras ciências físicas que utiliz...
Na superfície da esfera celeste, para além de se assinalarem asposições dos objectos observados convém igualmente localiza...
Por outro lado, da intersecção de alguns planos de referência com aesfera celeste podem resultar:círculos máximos, se os ...
um    círculo horário é qualquer círculo máximo, cujo planocorrespondente contém a direcção do eixo de rotação da Terra, ...
círculo  de altura é qualquer círculo menor resultante da intersecçãoda esfera celeste com um plano paralelo ao horizonte...
A direção dos AstrosSistemas de coordenadasOs sistemas de referência podem ser classificados de acordo com alocalização da...
Para localizar pontos na superfície de uma esfera (a esfera celeste),duas coordenadas esféricas são necessárias e suficien...
O sistema equatorial celeste Para resolver o problema levantado no sistema de referência equatorial local, quanto à depend...
Este plano faz um ângulo e com o plano do equador, designado porobliquidade da eclíptica e cujo valor é 23,5º. A intersecç...
O equinócio da Primavera, também designado por ponto vernal (γ), éo ponto em que o Sol, no seu movimento aparente, atraves...
Considerando então um sistema de referência em que o planofundamental continua a ser o equador e em que a origem da segund...
Uma vez que no sistema equatorial celeste as coordenadas sãoindependentes da posição do observador, as coordenadas de umam...
Direcões e distâncias em Astronomia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Direcões e distâncias em Astronomia

533 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
533
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Direcões e distâncias em Astronomia

  1. 1. Direção e distânciasem Astronomia Núcleo de Astronomia Galileu Galilei Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus – Leiria
  2. 2. A esfera celesteA astronomia é uma ciência essencialmente observacional, ao contrário deoutras ciências físicas que utilizam o método experimental. Apesar de aastronomia actual não se limitar à observação e catalogação dos objectosobservados, esta ciência foi no seu início quase exclusivamente observacional,assim se mantendo durante séculos ou mesmo milénios. Na verdade desdecedo se tornou necessário o registo das direcções dos objectos que iam sendoobservados em número cada vez maior. Para isso, isto é, para efectuar oregisto dessas direcções, considerou-se vantajoso utilizar uma esfera de raioarbitrário, a esfera celeste, ocupando a Terra (o observador) o seu centro. Osobjectos astronómicos supõem-se projectados nesta esfera.
  3. 3. Na superfície da esfera celeste, para além de se assinalarem asposições dos objectos observados convém igualmente localizar algunspontos de referência importantes, de entre os quais se destacam:o pólo norte celeste (PNC) e pólo sul celeste (PSC) que resultamda intersecção do eixo de rotação da Terra com a superfície da esferaceleste;o zénite (Z) e o nadir (N) que resultam da intersecção da superfícieda esfera celeste com a vertical do observador - o zénite fica acima doobservador (e daí, visível), o nadir, por ficar abaixo do observador éinvisível.
  4. 4. Por outro lado, da intersecção de alguns planos de referência com aesfera celeste podem resultar:círculos máximos, se os planos passarem pelo centro da esfera;círculos menores, se os planos não passarem pelo centro daesfera.De entre os planos, ou círculos correspondentes, assumem maiorimportância os seguintes:o equador é o círculo máximo ortogonal ao eixo de rotação da Terra;
  5. 5. um círculo horário é qualquer círculo máximo, cujo planocorrespondente contém a direcção do eixo de rotação da Terra, isto éa direcção PNC - PSC;o meridiano de um lugar é o círculo horário cujo plano contém avertical do lugar, e que portanto intersecta o plano do horizontesegundo a direcção Norte - Sul;paralelo é qualquer círculo menor que resulta da intersecção daesfera celeste com um plano paralelo ao equador;o horizonte é o círculo máximo ortogonal à vertical do lugar;
  6. 6. círculo de altura é qualquer círculo menor resultante da intersecçãoda esfera celeste com um plano paralelo ao horizonte;um círculo vertical é qualquer círculo máximo cujo planocorrespondente contém a direcção da vertical;o primeiro vertical é o vertical ortogonal ao plano do meridiano eportanto intersecta o horizonte segundo a direcção Este - Oeste.Estes pontos e planos (ou círculos) de referência servem paracaracterizar alguns dos sistemas de coordenadas mais utilizados emastronomia.
  7. 7. A direção dos AstrosSistemas de coordenadasOs sistemas de referência podem ser classificados de acordo com alocalização da sua origem. De entre as diversas possibilidadesdestacam-se as seguintes:um referencial chama-se topocêntrico se a sua origem coincide coma posição do observador à superfície da Terra;um referencial é designado por referencial geocêntrico quando seescolhe para origem o centro da Terra;um referencial para o qual a origem adoptada é o centro do Sol édesignado por referencial heliocêntrico.
  8. 8. Para localizar pontos na superfície de uma esfera (a esfera celeste),duas coordenadas esféricas são necessárias e suficientes para definira posição desses pontos. Assim, os sistemas de referênciaastronómicos ficam completamente caracterizados quando é definido oseu plano fundamental, o qual determina univocamente a direçãofundamental, que é a direcção perpendicular ao plano fundamental.Na Terra, o sistema de coordenadas geográficas (esféricas) tem oplano do equador como plano fundamental, sendo a direcçãofundamental a direcção do eixo de rotação.
  9. 9. O sistema equatorial celeste Para resolver o problema levantado no sistema de referência equatorial local, quanto à dependência de uma das suas coordenadas com o observador, considera-se um outro plano que, tal como o equador, é também independente do local de observação. esse plano é o plano da órbita da Terra, isto é, o plano definido pelo centro do Sol e o pelo vector velocidade heliocêntrica do centro de massa do sistema Terra - Lua. É o chamado plano da eclíptica.
  10. 10. Este plano faz um ângulo e com o plano do equador, designado porobliquidade da eclíptica e cujo valor é 23,5º. A intersecção entre oplano do equador e o plano da eclíptica define uma direcção, que énaturalmente independente do observador, a linha dos equinócios,que por sua vez determina, na superfície da esfera celeste, a posiçãodo equinócio da Primavera e do equinócio do Outono.
  11. 11. O equinócio da Primavera, também designado por ponto vernal (γ), éo ponto em que o Sol, no seu movimento aparente, atravessa o planodo equador de Sul para Norte. O equinócio do Outono é, naturalmente,o ponto em que o Sol, ao efectuar aquele movimento, atravessa oplano do equador de Norte para Sul. Ficam assim igualmente definidossobre o plano da eclíptica os pontos dos solstícios que distam 90º dospontos dos equinócios.
  12. 12. Considerando então um sistema de referência em que o planofundamental continua a ser o equador e em que a origem da segundacoordenada, a que é medida sobre o equador, é o ponto vernal,obtemos um sistema de coordenadas independente do local deobservação. este sistema de referência a que se dá o nome de sistemaequatorial celeste, é semelhante ao sistema equatorial local, tendo emcomum uma das coordenadas, a declinação δ. No entanto, acoordenada medida sobre o equador é contada a partir de uma novaorigem, o ponto vernal γ, que é independente do observador. Estacoordenada tem o nome de ascensão reta, representa-se por a, e émedida em sentido oposto ao de H, isto é, em sentido directo. Aascensão recta α, tem valores no mesmo intervalo que o ângulo horário,isto é: 0h ≤ α ≤ 24h
  13. 13. Uma vez que no sistema equatorial celeste as coordenadas sãoindependentes da posição do observador, as coordenadas de umamesma estrela são constantes neste referencial. Este facto teminúmeras vantagens. Em particular permite:elaborar catálogos de estrelas e galáxias, por exemplo, utilizáveis porqualquer observador;comparar observações independentes, isto é, efectuadas pordiversos observadores em diferentes locais de observação.

×