Jprv kienbaum

239 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Palestra 'BRASIL: NO MEIO DA CRISE – A ERA DAS GRANDES OPORTUNIDADES' ministrada no último dia 18/11 por João Paulo dos Reis Velloso, ex-Ministro do Planejamento e atual presidente do Fórum Nacional.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
239
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jprv kienbaum

  1. 1. KIENBAUM - KESEBERG BRASIL: NO MEIO DA CRISE – A ERA DAS GRANDES OPORTUNIDADES João Paulo dos Reis Velloso Novembro (18), 2011
  2. 2. A invencibilidade está na defesa. Apossibilidade de vitória, no ataque. Quem se defende, apenas, mostra que sua força é insuficiente; quem ataca mostra que ela é abundante. Sun Tzu** “A Arte da Guerra" (± 500 a.C.). 2
  3. 3. CENÁRIO:O MUNDO EM QUE VAMOS VIVER. RAÍZES DA “GRANDE RECESSÃO” – ECONÔMICA E POLÍTICA (“DÉCADA PERDIDA”, MUNDIALMENTE?) 3
  4. 4. I. Falta de Lideranças Políticas nos Desenvolvidos. E Fundamentalismo Político.II. Crise do Modelo Econômico-Social dos Desenvolvidos (Welfare State – “Estado de Bem Estar Social”): Crise, principalmente, do Sistema Financeiro. Deixou de gerar Crescimento (sem Crescimento, não há Desenvolvimento Social). Falta de Ajuste Fiscal de Longo Prazo.III. Outras Dimensões: Falta de percepção da importância das “Redes Sociais”. Falta de assimilação das minorias (principalmente na Europa).IV. Resultado: “Dias de Ira” (Dies Irae), “Pânico nas Bolsas”, perpetuação da Crise. A “INDIGNAÇÃO” – DAS RUAS (NO MUNDO E, TAMBÉM, NO BRASIL) 4
  5. 5. MUDANÇA DE MODELO – POR QUÊ? PORQUE O BRASIL JÁ FEZ:TRANSFORMAR CRISE EM OPORTUNIDADE (“GRANDE DEPRESSÃO” DOS ANOS 30; CRISE DO PETRÓLEO). 5
  6. 6. O BRASIL E A “GRANDE DEPRESSÃO”I. Crise de 1929 destruiu nosso Modelo Agroexportador (Café: 70% das Exportações).II. Reação do País e mudança de Modelo: Defesa da Economia do Café (para manter a Renda, inclusive queimando excedentes de Café) e Evolução para Novo Modelo – Industrialização como Motor do Crescimento.III. Resultado: Produto Industrial voltou a crescer em 1931, e PIB em 32. Crescimento do Produto Industrial, de 32 a 39 – 10% a.a. Enquanto isso, PIB dos EUA em 39 ainda menor que o de 29 (salvação foi “New Deal” e Hitler – Guerra). DEFESA E ATAQUE 6
  7. 7. O BRASIL E A CRISE DO PETRÓLEOI. Crise Do Petróleo (outubro/73) destruiu o Modelo de Desenvolvimento do “Milagre” (68/73).II. O que era o “Ovo da Serpente”?III. Estratégia do II PND: Desaceleração gradual da Economia (em lugar de Recessão). Programa de Investimentos, para criar Novo Modelo, transformando a Economia e transformando a Balança Comercial. DEFESA E ATAQUE IV. Resultados: Completado o II PND, emergência de grandes Superávits Comerciais. 7
  8. 8. O Brasil, de grande importador, havia passado a grande exportador de Insumos Industriais Básicos. Descoberta da Bacia de Campos e construção de grandes Hidroelétricas. Lançamento do Proálcool.V. Síntese: “Sopro de renovação: o Brasil saiu da Crise melhor do que quando nela entrou” (Antonio Barros de Castro). 8
  9. 9. UM SOPRO DE RENOVAÇÃOPROPOSTA DE NOVO MODELO: “NEW DEAL VERDE” (DEFESA E ATAQUE)NEW DEAL – IDEIA DE ALIANÇA, DE NOVO CONTRATO SOCIAL 9
  10. 10. COLOCAÇÃO FUNDAMENTAL: O BRASIL TEM TRÊS PROBLEMAS DE DIMENSÃO HISTÓRICAI. O País tem grave Questão Política. Talvez nosso maior problema. Há necessidade de ter um bom Sistema Político (pelo menos cinco a seis bons Partidos Políticos), inclusive para ter um Bom Congresso Nacional.II. Temos um Estado (Executivo, Legislativo e Judiciário) que gasta demais. E, por isso, cobra imposto demais, se endivida demais. E poupa de menos. O Governo Dilma entendeu isso. 10
  11. 11. III. O País tem pelo menos DOZE GRANDES OPORTUNIDADES ESTRATÉGICAS, mas não sabe aproveitá-las. Ninguém tem tantas Oportunidades. É preciso ter um MODELO e a determinação de aproveitá-las. Isso exige uma Sociedade Ativa e Moderna. Ativa, porque se manifesta. Moderna, porque defende o Interesse Público. 11
  12. 12. NOVO MODELOI. Ajuste Macro – e principalmente Ajuste Fiscal de Longo Prazo (e Reindustrialização).II. “PIB Verde”: Agricultura Verde, Mineração Verde, Indústria Verde, Serviços Verdes.III. “Economia do Conhecimento” (levar o Conhecimento a todos os Setores da Economia, e a todos os segmentos da Sociedade). Para quê? Para, gradualmente, gerar a “Era das Grandes Oportunidades”. 12
  13. 13. GRANDES OPORTUNIDADESI. Universalização da Inovação.II. Usar o Pré-sal para transformar a Economia Brasileira. E não apenas para produzir mais Petróleo e Gás.III. Construção de uma Nova Matriz Energética para o Brasil, aumentando a participação da Energia Elétrica e das Energias Renováveis.IV. Estratégia de Implantação do Carro Elétrico (em paralelo com os Biocombustíveis).V. Transformação da Biotecnologia, com base na Biodiversidade, em uma das Grandes Tecnologias do Século XXI.VI. Usar o “Modelo Escandinavo” para construir grandes Complexos Industriais em torno dos Setores Intensivos em Recursos Naturais (Agronegócio/Agroindústria, Mineração Moderna/Metalurgia, Petróleo/Petroquímica). 13
  14. 14. VII. Novas Tecnologias de Desenvolvimento de Biocombustíveis.VIII.Transformar o Brasil em Terceiro Centro Global de Tecnologias de Informação e Comunicações (TICs).IX. Estratégia de Desenvolvimento da Eletrônica Orgânica (inclusive para produzir o chip orgânico.X. Estratégia de Desenvolvimento das “Indústrias Criativas” (Cultura, Artes, Entertainment).XI. Novo Sistema de Transportes Coletivos nas Regiões Metropolitanas, à base de trilhos (metrô, trem de subúrbio, bonde moderno (VLT)).XII. Nova Era: transformar as Comunidades (favelas), nas Regiões Metropolitanas, em Oportunidade para desenvolver o País, usando setores como Artesanato, Economia Solidária, Cultura, Turismo. E qualificando Mão de Obra. 14
  15. 15. “SUMA DAS SUMAS”: CONCLUSÕES 15
  16. 16. I. O BRASIL DESENVOLVIDO É FUNÇÃO, BASICAMENTE, DE DUAS COISAS: EDUCAÇÃO DE QUALIDADE – BRASIL COMO PAÍS DE ALTO CONTEÚDO DE CAPITAL HUMANO (DESENVOLVIMENTO HUMANO). EDUCAÇÃO PERMANENTE. ECONOMIA DO CONHECIMENTO – O CONHECIMENTO (SOB TODAS AS FORMAS) LEVADO A TODOS OS SETORES, PARA O APROVEITAMENTO DE GRANDES OPORTUNIDADES ECONÔMICAS; E A TODOS OS SEGMENTOS DA SOCIEDADE, PARA EVITAR EXCLUSÕES (EXEMPLO: EXCLUSÃO DIGITAL).II. CRIAÇÃO DE OPORTUNIDADES PARA TODOS EXIGE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO COM GRANDE GERAÇÃO DE EMPREGOS (“SÓ O EMPREGO TIRA DA POBREZA”). 16
  17. 17. III. SÓ HAVERÁ O APROVEITAMENTO DE OPORTUNIDADES – ECONÔMICAS E SOCIAIS – SE FOR CRIADO CLIMA PROPÍCIO AO DESENVOLVIMENTO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL, NA GRANDE E NA PEQUENA EMPRESA. ESPÍRITO EMPRESARIAL COMO “ARMA SECRETA DO BRASIL”IV. ENQUANTO SE UNIVERSALIZA A EDUCAÇÃO DE QUALIDADE (ATÉ O NÍVEL MÉDIO, PELO MENOS) E A EXPANSÃO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO), E SE CONVERTE EM REALIDADE A GRANDE GERAÇÃO DE EMPREGOS, HÁ NECESSIDADE DE UMA ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (E INCLUSÃO SOCIAL), QUE INCLUA A REDUÇÃO DA POBREZA (NECESSIDADES BÁSICAS) E A ELIMINAÇÃO DA POBREZA EXTREMA (NECESSIDADES ALIMENTARES). E REALIZE A INCLUSÃO DIGITAL (BANDA LARGA). 17
  18. 18. OPORTUNIDADE GLOBAL:DE POTÊNCIA AMBIENTAL AECONOMIA SUSTENTÁVEL, ATRAVÉS DO “PIB VERDE” 18
  19. 19. INTEGRAÇÃO NACIONAL:OPORTUNIDADES PARA ONORDESTE E A AMAZÔNIA 19
  20. 20. CLIMA INDISPENSÁVEL À REALIZAÇÃO DAS REVOLUÇÕESSegurança Pública – atualmente “Crime semCastigo”: Segurança como Alta Prioridade, anível do Governo Federal.Ambiente Econômico-Institucional. 20
  21. 21. PALAVRA FINAL: POR ÚLTIMO, MAS NÃO O ÚLTIMO JUNTOS, COMO SOCIEDADE ATIVA E MODERNA.PODEMOS ESCREVER UM NOVO CAPITULO DAHISTÓRIA DO BRASIL – SE FIZERMOS A OPÇÃO PORNOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO. INICIANDO A“ERA DAS GRANDES OPORTUNIDADES”. CABE A NÓS DECIDIR SE QUEREMOS FAZÊ-LA. 21

×