O dia da caridade

253 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
253
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O dia da caridade

  1. 1. Toda moral do Cristo se resume na caridade e na humildade, isto é, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho. Em todos os seus ensinos, o Mestre aponta estas duas qualidades morais como sendo as que conduzem à eterna felicidade. Na questão 893 de O Livro dos Espíritos, Kardec indaga qual a mais meritória das virtudes, obtendo dos Espíritos superiores a resposta de que é a caridade desinteressada. Mas, o que é a caridade, segundo a Doutrina Espírita? Para facilitar a compreensão, podemos dividi-la em material e moral. A caridade material compreende aquilo que tem manifestação no mundo físico. Devendo ser exercida com desprendimento e amor, sem humilhar a quem recebe.
  2. 2. A caridade, segundo Jesus, não se restringe à esmola; abrange todas as relações com os nossos semelhantes, quer se trate de nossos inferiores, iguais ou superiores. O exercício da caridade passa por muitos estágios. A caridade é algo muito mais profundo e importante do que apenas darmos o que nos sobra, nem aquilo que se dá para nos livrarmos de quem nos pede ou aliviar a consciência, embora isto também seja um ato caritativo, mas não resume a grandiosidade desta virtude. A caridade moral, como entendia o Cristo, é elucidada na questão 886 de O Livro dos Espíritos, como sendo benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias e perdão das ofensas.
  3. 3. Esse conceito de caridade reúne todos os deveres do ser humano para com seu próximo, podendo ser exercitado através de três perguntas: 1) Ao pensar, julgando ou avaliando o próximo, como devo proceder? Com indulgência; 2) Como deve ser a minha ação para com o meu próximo? Com benevolência; 3) Como devo receber a ação do próximo? Com perdão. Assim, a caridade moral pode ser:
  4. 4. Verbal (palavras que consolam, esclarecem e edificam). Mental (ondas mentais sob a forma de perdão, prece emitida em favor de encarnados e desencarnados). Gestual (afago fraterno, abraço, aperto de mão, sorriso). Passiva (silêncio diante de uma ofensa, atenção perante um desabafo). Sempre há condições e oportunidades para o exercício da caridade, pois não há quem não possa doar algo, dedicar atenção a um irmão de caminhada, vibrar positivamente por alguém, condições que não requerem recurso financeira nem influência social. Todos nós podemos fazê-la. Cada indivíduo, porém, procura e encontra meios de realizar o bem de acordo com a sua evolução espiritual.
  5. 5. Mas, à medida que compreende que fora da caridade não há salvação, o homem esforça-se por praticá-la em suas diversas manifestações. A caridade nada mais é do que o amor em movimento. A grande dificuldade é a de se conquistá-la; ela não se compra nem se transfere de uns para os outros, adquire-se, construindo-a no imo. Chegará o dia em que faremos o bem naturalmente, agindo como o anônimo bom samaritano que, sem questionar ou emitir julgamento acerca do ferido caído à margem da estrada, arregaçou as mangas e o trouxe de volta à vida. Aí, sim, estaremos praticando a caridade verdadeira.
  6. 6. É um longo aprendizado, mas estamos no caminho, e, por enquanto é o que importa. Perceberemos, um dia, que sentenças como, por exemplo, “É dando que recebemos” não são apenas frases bonitas. Pois dar de si é amar, e o amor, estranhamente, quanto mais se dá, mais se tem. Dediquemo-nos, portanto, meus irmãos, à prática da caridade ensinada no Evangelho de Jesus, pois ela nos ajudará não só a evitar a prática do mal, mas também nos impulsionará em direção ao trabalho no bem. Se hoje ainda não somos capazes de sairmos de nós mesmos em direção ao nosso próximo, que isto não seja motivo de desespero ou preocupação.
  7. 7. A Natureza não dá saltos. Não desanimemos, continuemos a jornada e chegaremos, um dia, à evolução desejada. Muita Paz! Agora, vamos elevar o nosso pensamento a Jesus, rogando a luz e o amparo que precisamos, nós que aqui estamos, ligados ao pesado fardo da matéria. Refrigera-nos, Senhor, o nosso Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de todos nós. Que possa haver mais esperança em nossos corações; que possa haver mais fé em nossos espíritos; que possa haver mais entendimento e caridade em nossas ações, tudo conforme a vontade de Deus, nosso Pai.
  8. 8. E, que, nessa semana que hoje se inicia, possamos vivificar e aprender, levando a todos com quem vamos nos encontrar, a mensagem do trabalho contínuo, da melhoria, da paz, do amor e da caridade. Que assim seja! Graças a Deus! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Com estudo de O Livro dos Espíritos e estudo de O Evangelho Segundo o Espiritismo.

×