Lei de conservação e a ecologia

528 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
528
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lei de conservação e a ecologia

  1. 1. “Se a navegação aviventa o comércio e a lavoura, não pode haver navegação sem rios, não pode haver rios sem fontes, não há fontes sem chuvas, não há chuva sem umidade, não há umidade sem florestas”. (José Bonifácio de Andrada e Silva)
  2. 2. Na pergunta 705 de “O Livro dos Espíritos” (1857), no capítulo que versa sobre a Lei de Conservação, Allan Kardec indaga: “Por que nem sempre a terra produz bastante para fornecer ao homem o necessário?”, ao que a Espiritualidade responde: “É que, ingrato, o homem a despreza! Ela, no entanto, é excelente mãe. Muitas vezes, também, ele acusa a Natureza do que só é resultado da sua imperícia ou da sua imprevidência. A terra produziria sempre o necessário, se com o necessário soubesse o homem contentar-se (...)”
  3. 3. É evidente que em uma sociedade de consumo, nenhum de nós se contenta apenas com o necessário. Nesse sentido, a nossa invigilância poderá custar caro ao projeto que desejamos encetar. Uma prestigiada organização americana não governamental, divulga anualmente o relatório “Estado do Mundo”. São dados e estudos científicos que revelam os estragos causados pelo atual modelo de desenvolvimento: o uso insustentável dos mananciais de água doce, a desertificação do solo, o aquecimento global, a grande produção de lixo, entre outros efeitos colaterais desse modelo “ecologicamente predatório, socialmente perverso e politicamente injusto”.
  4. 4. Na última versão do relatório afirma-se que “o consumismo desenfreado é a maior ameaça à humanidade”. Os pesquisadores denunciam que o meio ambiente danificado é sinal de que o consumo excessivo está diminuindo a qualidade de vida de muitas pessoas. O mundo está se tornando perigoso. O naturalista alemão Ernest Heinrich cunhou a expressão Ecologia para designar uma nova ciência que procura investigar as relações entre todos os seres vivos existentes, e destes com o meio que os cercam.
  5. 5. Um ecossistema é o conjunto de todas as relações entre fauna, flora e o meio ambiente de determinada região. Ao contrário do que muita gente pensa, a ecologia não é uma ciência da moda ou uma preocupação moderna. Ainda que seja mais recente que outras ciências milenares, há mais de um século já havia gente preocupada em definir essa ciência que ganhava cada vez mais corpo e preocupava os habitantes das grandes cidades do planeta. Hoje os danos ambientais causados pelo aumento da população humana, pela escassez de recursos naturais e pela poluição ambiental fazem com que a Ecologia seja um dos mais importantes ramos da ciência atual.
  6. 6. Ecologia e Espiritismo são ciências sistêmicas que procuram investigar, cada qual com suas ferramentas de observação, as relações que sustentam e emprestam sentido à vida. É urgente que o movimento espírita absorva e contextualize, à luz da Doutrina, os sucessivos relatórios científicos que denunciam a destruição sem precedentes dos recursos naturais não-renováveis, no maior desastre ecológico de origem antrópica da história do planeta. Os atuais meios de produção e de consumo precipitaram a Humanidade na direção de um impasse civilizatório, onde a maximização dos lucros tem justificado o uso insustentáveis dos mananciais de água doce, a desertificação do solo...
  7. 7. ...O aquecimento global, a monumental produção de lixo, entre outros efeitos colaterais de um modelo de desenvolvimento ecologicamente predatório, socialmente perverso e politicamente injusto. Para o espírita, faz sentido acreditar que a verdadeira vida é a vida espiritual. Porém, temos que admitir, que muitos usam esta frase para legitimar o desinteresse, a desatenção, o completo desapego dos assuntos terrenos. Nossa existência é aqui e agora. Uma vez encarnados, é evidente que devemos ter alguma preocupação com a matéria, ou seja, nosso corpo, nosso planeta, enquanto aqui estivermos. “O mundo tornou-se perigoso, porque os homens aprenderam a dominar a natureza antes de se dominarem a si mesmos”. (Albert Schweitzer)
  8. 8. Nossa invigilância poderá custar caro ao projeto evolutivo que desejamos encetar. Essa questão é tão crucial para o Espiritismo, que na pergunta 799 de O Livro dos Espíritos, quando Kardec pergunta “de que maneira pode o Espiritismo contribuir para o progresso?”, a resposta é taxativa: “Destruindo o materialismo, que é uma das chagas da sociedade”. Aqueles que pensam que tudo se resolverá quando se completar a transição da Terra, é bom lembrar do que disse Santo Agostinho no capítulo III de O Evangelho segundo o Espiritismo.
  9. 9. Ao descrever o mundo de regeneração, Santo Agostinho diz que mesmo livre das paixões desordenadas, num clima de calma e repouso, a Humanidade ainda estará sujeita às vicissitudes de que não estão isentos senão os seres completamente desmaterializados. Não há mágica no processo evolutivo; nós já somos os construtores do mundo de regeneração, e, se não corrigirmos o rumo na direção do desenvolvimento sustentável, prorrogaremos situações de desconforto já amplamente diagnosticadas. Não é possível, portanto, esperar a chegada do mundo de regeneração de braços cruzados. Até porque, sem os devidos méritos evolutivos, boa parte de nós deverá retornar a esse mundo pelas portas da reencarnação.
  10. 10. Se ainda quisermos encontrar aqui estoques razoáveis de água doce, ar puro, terra fértil, menos lixo e um clima estável, deveremos agir agora, sem perda de tempo. E nós espíritas? O que fizemos, ou o que pretendemos fazer? Mahatma Gandhi afirmou certa vez que toda bela mensagem do Cristianismo poderia ser resumida no Sermão da Montanha, que nos serve de exemplo, quando diz: “Sejamos nós a mudança que nós queremos ver no mundo”.
  11. 11. Hoje , sabemos que estamos na iminência de catástrofes ecológicas de consequências imprevisíveis, caso o Homem não desperte rápido do seu sonho destrutivo, em nome do progresso e do desenvolvimento, de um condomínio que esta sob nossa responsabilidade e guarda ,mas que pertence a nosso Deus Criador apenas para quadro de nossa evolução e para ver se despertamos e nos religamos às realidades da Criação. (Com base no livro Espiritismo e Ecologia)
  12. 12. Muita Paz! Visitem meu Blog! Com estudos comentados de O Livro dos Espíritos e de O Evangelho Segundo o Espiritismo http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br

×