Lançamento de o livro dos espíritos

248 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
248
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lançamento de o livro dos espíritos

  1. 1. Abril é o mês em que o movimento espírita comemora o lançamento de “O Livro dos Espíritos”, ocorrido em Paris, a 18 de abril de 1857. Além dos ensinamentos dos Espíritos superiores, surgiram também os vocábulos espiritismo, espírita e espiritista, como também Allan Kardec, pseudônimo usado por Hyppolyte Léon Denizard Rivail para assinar as obras espíritas. Nessa primeira edição, a obra continha 501 perguntas e respostas, sendo ampliada três anos mais tarde, quando passou a contar 1019, formato atual. Para elaborá-lo, Kardec se utilizou de jovens médiuns, que faziam a intermediação entre os Espíritos e o mundo terreno. Questionou muitos Espíritos sobre os mais variados temas que dizem respeito à nossa existência.
  2. 2. Recebeu das mais diversas partes do mundo informações vindas de Espíritos, analisando-as, selecionando-as e classificando-as sistematicamente por assunto. Abandonou muitas delas, por duvidosas e por não contarem com a concordância universal dos Espíritos. Não aceitava o que não estivesse conforme a razão, aproveitando o que era lógico e racional, sempre com bom senso e espírito crítico. Da seleção e sistematização das respostas recebidas o então professor Rivail elaborou a obra, adotando o nome com que ficou conhecido, para diferenciá-la de seus trabalhos pedagógicos anteriores. O Livro dos Espíritos constitui-se no mais completo tratado sobre a existência e a natureza dos espíritos e suas relações com o mundo corporal.
  3. 3. Nele estão contidos os princípios fundamentais do Espiritismo, em seus três aspectos: científico, filosófico e moral, tais como foram transmitidos pelos Espíritos, seus verdadeiros autores. Essa obra acena para a Humanidade, com novas perspectivas, ao demonstrar a realidade da nossa existência, num processo contínuo de crescimento através das vidas sucessivas rumo à nossa destinação final, que é a perfeição. Seus ensinamentos conduzem o homem a compreender, sem mistérios, quem é, de onde veio, para onde vai e o que faz na Terra. A obra kardequiana, a se iniciar por O Livro dos Espíritos, deve ser não somente lida, mas especialmente estudada pelos profitentes e simpatizantes do Espiritismo. Elas representam a base do conhecimento doutrinário.
  4. 4. Sem o estudo dessa base não se pode alcançar o conhecimento espírita, que nos proporciona as devidas reflexões para uma transformação moral que testemunhe o real aprendizado da Doutrina Espírita, que, se consola, é porque esclarece e orienta. O estudo das obras básicas não dá para ser feito somente de uma vez. A cada vez que nos ocupamos em refletir sobre o conteúdo dos livros que compõem essa base, aprendemos algo novo, que não nos foi possível perceber nas leituras e apreciações anteriores. É que, entre um estudo e outro de uma dessas obras, vivenciamos experiências que nos sensibilizaram e nos dinamizaram o raciocínio e o entendimento, e passamos, assim, a ver, nessa nova apreciação, aquilo que passou despercebido nas outras leituras.
  5. 5. É preciso que entendamos também que, além da Doutrina Espírita, precisamos conhecer o pensamento kardequiano e, para tanto, é necessário que, além das cinco obras da codificação, procuremos conhecer a Revista Espírita, O que é o Espiritismo, Obras Póstumas, Viagem Espírita em 1862, todas de Kardec. Aliás, o estudo da Revista Espírita foi recomendado por Kardec em O Livro dos Médiuns, Primeira Parte, Capítulo III, Do Método, item 35. Ainda são poucos aqueles que a conhecem. É pena! Nela encontramos Kardec praticando o Espiritismo e discutindo com inteira liberdade as ideias espíritas e os problemas humanos que pudessem ser vistos à luz dessa doutrina.
  6. 6. Que possamos festejar tão significativo acontecimento, estudando o Livro dos Espíritos e divulgando-o com amor e perseverança, melhor maneira de externarmos nosso agradecimento pelo surgimento dessa monumental obra. O mais importante, no entanto, é sabermos realmente o que estamos festejando e porque o estamos fazendo. E isso acontecerá quando compreendermos a importância das obras kardequianas, pelo aprendizado e uso de seus ensinamentos. Muita Paz! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br

×