De rivail a kardec

702 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
702
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

De rivail a kardec

  1. 1. Nós, espíritas, devemos perguntar: Que Espírito é esse que foi capaz de fazer a integração, pela primeira vez na História da Humanidade, da Ciência com a filosofia e com a Religião? Que Espírito é esse que conseguiu fazer com que todas as questões da transcendência humana pudessem ser equacionadas, compreendidas, racionalizadas e, melhor ainda, trouxessem uma experiência para uma vida nova, para que a felicidade de fato pudesse vir a ser alcançada? Não mais aquelas histórias antigas que não falam à inteligência das pessoas; não mais as crendices, mas alguma coisa que fala à inteligência do ser, ao sentimento do ser, ao amor do ser, à luz do ser, e fala ao ser.
  2. 2. Que Espírito é esse capaz de traduzir com tanta clareza, com tanta objetividade esses conceitos, que são os mais profundos que o ser humano pode recolher, e colocando essa conceituação de maneira tão precisa? Que Espírito é esse que, afinal de contas, faz com que nós tenhamos um tempo novo, uma revelação nova, nos tempos novos que começam a aparecer? Às vezes, nós pensamos que, lá no Plano Espiritual, os Mentores preparam e enviam o missionário prontinho. Mas não é dessa maneira. Os grandes missionários da Humanidade se fizeram aqui na Terra, à custa de muito esforço e de muito trabalho. Eles se aprontam em meio à grandes dificuldades.
  3. 3. Hippolyte Léon Denizard Rivail não veio pronto, tanto isso é verdade que, ao questionar os Espíritos, temendo falhar na sua missão, estes responderam: “Se você falhar, nós incumbiremos outra pessoa para essa missão”. (Nessa metade de século, o homem fez várias descobertas. Para ele tudo era matéria. E por isso, a Espiritualidade resolveu aparecer, para dizer que não era bem assim). Então, para o professor Rivail, não houve uma fatalidade programada ao sair do Plano Espiritual. Livre-arbítrio e esforço contavam na carreira desse homem, que viria a ser o Codificador do Espiritismo. Isso o torna importante e a sua missão mais importante ainda.
  4. 4. Segundo Herculano Pires, Pestalozzi foi fundamental na formação intelectual e moral daquele que viria a ser Allan Kardec, para que a Codificação tomasse o rumo que tomou. De quatorze para quinze anos de idade, o jovem Rivail já era assistente de Pestalozzi. Dava aulas para os alunos mais atrasados. Dominava todas as trinta e quatro disciplinas com excepcional proveito. Falava seis idiomas. Podemos imaginar, então, que trabalho não houve do lado de lá para que Hippolyte pudesse do lado de cá manter acesa a paixão pelo estudo, quando, normalmente, os jovens nessa idade estavam se divertindo. Em 1822, com dezoito anos, ele se gradua no Instituto de Yverdun e volta para Paris.
  5. 5. Em 1824, com vinte anos, era diretor de uma escola. Escrevia o seu primeiro livro, uma gramática da língua francesa. Escrevia também um apêndice de Aritmética e Álgebra, para uso dos professores primários e mães de família. Durante trinta anos, o professor Rivail se dedica ao magistério. Nesse período escreve trinta e duas obras. Era respeitado em toda a Europa. Em 1848 a Espiritualidade começa a promover um verdadeiro escândalo em Hydesville, com as irmãs Fox, com o episódio das batidas, que todos nós já ouvimos falar, e que chamou a atenção para alguma coisa além da matéria. Aí, começou o intercâmbio entre os homens e o mundo espiritual, que vai gerar a Codificação.
  6. 6. Em 1854 Rivail contava cinquenta e um anos de idade quando ouviu, pela primeira vez, falar das mesas girantes. Eram mesas que se erguiam do solo, e davam pancadas no chão com uma ou mais pernas, fenômenos mediúnicos que serviam como passatempo. De início, ele foi cético, parecia-lhe absurdo atribuir inteligência a uma coisa puramente material. Homem criterioso, não se deixava levar por modismos. Só, que, a coisa toma vulto, e só se fala nisso. Em maio de 1855 encontrou-se com o Sr. Pâtier e a Sra. Plainemaison, que lhe falaram sobre as mesas girantes, mas, agora em outro tom, instrutivo e sério. Conheceu a família Baudin, ocasião em que o Sr. Baudin o convidou para assistir às sessões que aconteciam em sua casa.
  7. 7. Surgiu, então, uma oportunidade para estudar e observar mais atentamente as causas geradoras desses fenômenos. Somente ele, Rivail, para perceber a utilidade do novo “modismo”, substituindo a atração frívola e passageira, calcada nas respostas de espíritos brincalhões, por uma investigação séria, capaz de descortinar, para o homem, as verdades que ele próprio, por sua condição investigativa precária, ainda não podia conceber. E através de duas médiuns, filhas do Sr. Baudin, toma contato direto com esses fenômenos e desperta para a sua missão. Começa um estudo e desenvolve os primeiros trabalhos importantes sobre o assunto, que vai lhe tomar mais de vinte horas diárias.
  8. 8. Entregou-se à observações perseverantes sobre os fenômenos, e se empenhou principalmente em deduzir-lhes as consequências filosóficas. Se até então as sessões na casa do Sr. Baudin não tinham um objetivo determinado, Rivail, pelo seu jeito professoral e questionador, mudou naturalmente essa situação, pois, nessas entrevistas com os espíritos, antes frívolas, agora se procurava resolver problemas importantes e de grande interesse, sob o ponto de vista da Filosofia, da Psicologia e da natureza do mundo invisível. Ele ia a cada reunião com uma série de perguntas preparadas e metodicamente dispostas, às quais os espíritos lhe respondiam com precisão, profundidade e lógica.
  9. 9. A disposição adotada por Rivail em seus estudos espíritas foi sempre seguir a seguinte regra: observar, comparar e deduzir. Todas as informações foram obtidas pela escrita, por intermédio de diversos médiuns. Os primeiros médiuns que concorreram para a elaboração desse livro foram as Srtas. Baudin. Quase todo o livro foi escrito por intermédio delas, em presença de numeroso público que assistia às sessões, com o mais vivo interesse. As médiuns ficavam sentadas separadamente e faziam a mesma pergunta aos espíritos. É, aí, que entra o espírito científico de Rivail. Coteja as questões, recusa aquilo que parece dúbio (Pode se recusar dez aparentes verdades, em vez de se aceitar uma possível mentira).
  10. 10. E Rivail se dedica durante dezessete meses consecutivos à Codificação da Doutrina. Reúne as questões que os médiuns receberam dos Espíritos, examina a coerência de suas comunicações e o teor de sua linguagem. Em 25 de março de 1856, através da médium Srta. Baudin, Rivail teve pela primeira vez contato com seu guia espiritual. Como o trabalho estava quase terminado, pronto para a edição, ele resolveu revê-lo, entrevistando outros Espíritos, mediante outros médiuns. Nesse trabalho de revisão, mais de dez médiuns lhe prestaram assistência. Assim se formou a primeira edição de O Livro dos Espíritos, com 501 perguntas e respostas, assim colocadas: perguntas numa coluna, respostas em outra coluna ao lado, que apareceria para o público a 18 de abril de 1857.
  11. 11. Por ocasião do lançamento da primeira edição de O Livro dos Espíritos, Rivail viu-se às voltas com uma dúvida, diz ele: Essa obra que vem a público tem que falar por si mesma. O professor Rivail precisa desaparecer, ele não pode sustentar essa obra, porque as pessoas vão valorizá-la por aquilo que é o professor, e eu quero que ela se valorize por aquilo que ela é, pela riqueza que tem. Zéfiro, guia espiritual da família Baudin, sugere um nome gaulês, que Rivail teria usado numa de suas reencarnações, “Allan Kardec”, e ele acha de bom proveito utilizá-lo. E é com esse pseudônimo que passa a assinar todas as suas obras espíritas.
  12. 12. Que homem mais preparado do que esse para codificar a Doutrina Espírita? O homem é menos importante que a obra, mas é importante que se conheça o homem para que se valoriza a obra. O homem engrandece a obra quando é grande também. E o professor Rivail agigantou-se no mundo. Esse é Hippolyte Léon Denizard Rivail, um homem que viveu de 1804 a 1857, exatamente cinquenta e três anos; Allan Kardec viveu somente doze anos. São dois personagens que nós precisamos separar, e que o próprio professor Rivail fez questão de apartar. A primeira edição de O Livro dos Espíritos já sai com o nome desse homem que nasce exatamente em abril de 1857, Allan Kardec. Desaparece o professor Rivail e surge o codificador do Espiritismo.
  13. 13. Agora, como é que esse homem fez a codificação? Codificar significa organizar, colocar em uma disposição didática. Kardec sabia escrever muito bem, tinha prática de montar didaticamente um livro, para que oferecesse ao leitor uma maneira mais fácil de entendimento. Kardec organiza a Doutrina Espírita usando a Maiêutica, método inventado por Sócrates para tornar o conhecimento mais fácil, o sistema de perguntas e respostas, que quebra o conhecimento em porções menores e permite que o leitor, que o estudioso, absorva o conhecimento aos poucos, inclusive com interrupções, sem que signifique prejuízo para o conhecimento.
  14. 14. Allan Kardec, a partir do instante em que chega à luz O Livro dos Espíritos, vai começar a experimentar uma vida de calvário, de perseguições. Vai ser alvo de mentiras e calúnias pela imprensa, que era dominada, nessa época, pela Igreja Católica, feroz combatente do Espiritismo que nascia ali, em Paris, cidade luz, berço da cultura mundial. Nesses primeiros tempos, só ataques a Kardec. Tentam inclusive desvalorizar a obra dele como professor, acusando-o de loucura. Como não poderia deixar de ser, O Livro dos Espíritos encontra na França ferozes combatentes. A editora que o publica não recebe mais encomendas. Não se pense que a Espiritualidade colocou um anteparo a frente dele e facilitou tudo.
  15. 15. Kardec foi combatido até o final de sua vida. De 1857 a 1869 foi uma vida de sacrifícios inimagináveis, contra tudo e contra todos. Ataques de todos os tipos, não apenas à obra, mas a ele. A segunda edição de O Livro dos Espíritos foi inteiramente refundida e consideravelmente aumentada, com ampla revisão, mediante o contato com grupos espíritas de cerca de quinze países da Europa e das Américas, lançada em 16 de março de 1860, agora com 1018 perguntas e respostas. Essa obra chega-nos às mãos hoje trazendo para as criaturas notícias de que a vida não para no túmulo, que ela exatamente recomeça no túmulo.
  16. 16. Esses foram alguns episódios da vida de um homem chamado Hippolyte Léon Denizard Rivail. Por isto e tudo mais, nosso grande preito de gratidão em relação ao seu criterioso trabalho. E que esse livro seja para a Humanidade o Consolador prometido. Muita Paz! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Arquivo novo: O Sermão do Monte comentado em capítulos

×