Cooperação

258 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
258
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cooperação

  1. 1. “E ele respondeu: Como poderei entender se alguém não me ensinar?” (ATOS, 8:31) Desde a vinda de Jesus, o movimento de educação renovadora para o bem é dos mais impressionantes no seio da Humanidade. Em toda parte, ergueram-se templos, divulgaram-se livros portadores de princípios sagrados. Percebe-se em toda essa atividade a atuação sutil e magnânima do Mestre, que não perde ocasião de atrair as criaturas de Deus, para o infinito Amor. Desse quadro bendito de trabalho destaca-se, porém, a cooperação fraternal que o Cristo nos deixou, como norma imprescindível ao desdobramento da iluminação eterna do mundo. Ninguém guarde a presunção de elevar-se sem o auxílio dos outros, embora não deva buscar a condição parasitária para a ascensão.
  2. 2. Referindo-nos à solidariedade, ao amparo proveitoso, ao concurso edificante. Os que aprendem alguma coisa sempre se valem dos homens que já passaram, e não seguem além se lhes falta o interesse dos contemporâneos, ainda que esse interesse seja mínimo. Os apóstolos necessitaram do Cristo que, por sua vez, fez questão de prender os ensinamentos, que lhe era o divino emissário, às antigas leis. Paulo de Tarso precisou de Ananias para entender a própria situação. Observemos o versículo: “E ele respondeu: como poderei entender se alguém não me ensinar?”, de Atos dos Apóstolos. Felipe achava-se despreocupado, quando um anjo do Senhor o mandou para o caminho que descia de Jerusalém para Gaza.
  3. 3. O discípulo atende e aí encontra um homem que lia a lei sem compreendê- la. E entraram ambos em santificado esforço de cooperação. Ninguém permanece abandonado. Os mensageiros do Cristo socorrem sempre nas estradas mais desertas. É necessário, porém que a alma aceite a sua condição de necessidade e não despreze o ato de aprender com humildade, pois não devemos esquecer, através do texto evangélico, que o mendigo de entendimento era o mordomo-mor da rainha dos etíopes, superintendente de todos os seus tesouros. Além disso, ele ia de carro, e Felipe a pé. REFLEXÃO: Vejam que nesta página estão presentes a solidariedade, a cooperação e, acima de tudo, a humildade.
  4. 4. A lei de solidariedade não faz distinção de classes. Vejam bem! O homem que precisava de ajuda para entender a lei era muito importante, e ia de carro; Filipe, discípulo do Mestre Jesus, ia a pé. Porém, mesmo havendo uma grande diferença de classe social, Filipe, num ato de cooperação e solidariedade, não deixou de dar o esclarecimento necessário àquele companheiro do caminho. De acordo com a lei de solidariedade, poderia acontecer o contrário; alguém bem situado na vida, esclarecendo um outro alguém que pertencesse a uma classe de menor prestígio, que estivesse passando por dificuldade para se esclarecer. Para cooperar é preciso compreender. E, para conseguirmos a compreensão, é preciso que nos coloquemos no lugar do outro, para desenvolvermos em nós este sentido, para que possamos entender os nossos semelhantes.
  5. 5. Na medida em que nós nos autoanalisarmos e verificarmos que nós também temos erros, nós vamos compreendendo melhor os nossos irmão de caminhada. E isso vai refletir no nosso relacionamento social; vai mudar o nosso comportamento, e vamos cooperar mais. No início do texto, falamos em humildade. E esta virtude se destaca quando lemos: é necessário que a alma aceite a sua condição de necessidade e não despreze o ato de aprender humildemente; pois, no texto evangélico, aquele que precisava de esclarecimento era o mordomo-mor de uma rainha. Que lição podemos tirar desse versículo extraído dos Atos dos Apóstolos? O que é que isso significa?
  6. 6. No capítulo VIII da conclusão de O Livro dos Espíritos, Kardec pergunta para que serve o ensino do Cristo? E obteve como resposta que o ensino veio confirmar o ensino moral de Jesus, e, também, torná-lo de utilidade prática para a vida do homem, e Filipe mostrou a utilidade prática do ensino do Mestre. Todo o ensinamento de Jesus não é para ser decorado em todos os seus itens e versículos; é para ser estudado e praticado. As parábolas eram usadas, mas não eram bem compreendidas. Mas as verdades estavam ali, escondidas no seu bojo. Hoje a Doutrina Espírita tirou o véu da letra; revelou certas coisas com relação aos espíritos, que todos nós somos.
  7. 7. Então, é preciso entender tudo isso para darmos utilidade prática aos ensinos de Jesus, no nosso dia a dia. Agora, se nós tivermos esse conhecimento e não torná-lo de utilidade prática, nós iremos assumir uma imensa responsabilidade, daí, o Mestre dizer que mais se pedirá a quem mais se houver dado. Para adquirirmos conhecimentos e o necessário entendimento deles, temos que ter humildade para aprender. Só crescemos moralmente se tivermos essa humildade nas nossas relações com os nossos semelhantes, na busca do conhecimento. Aquele que acha que sabe tudo acaba não aprendendo mais nada. Nós, como reencarnacionistas, sabemos que o Espírito vai, através do processo evolutivo, acumulando mais e mais conhecimentos e sabedoria.
  8. 8. Fazendo uma comparação com tudo aquilo que sabemos hoje, não é nada perante aquilo que ignoramos. Daí a célebre frase de Sócrates: “Só sei que nada sei”. Ora, se não tivermos uma postura de humildade, como é que vamos progredir espiritualmente, tendo a necessidade de reconhecer os nossos defeitos e lutar contra as nossas imperfeições, para transcendermos e vencermos esse homem velho que está dentro de nós, transformando-o num homem novo, iluminado. É a luta entre a sombra e a luz, a verdade é esta. “Diante de nossas aspirações de luz, temos em nossa retaguarda séculos de sombras ao longo do nosso processo evolutivo, e por isso vamos ter que acender uma luz na escuridão do nosso íntimo, através da humildade, na busca do aperfeiçoamento constante”.
  9. 9. Todos nós somos necessitados de aperfeiçoamento moral. Jesus veio para nós. Somos doentes da alma ainda, e por isso ainda permanecemos num mundo de provas e expiações. Nos mundos mais adiantados, nos mundos felizes, não existem doentes da alma. Por isso, Jesus veio à Terra. Conforme Ele mesmo disse, Ele veio para os doentes e não para os sãos. O Cristo veio para nos trazer tudo aquilo que precisamos para atingirmos a perfeição, para a qual fomos criados. Quando é dito que ninguém guarde a presunção de elevar-se sem o auxílio dos outros, embora não deve buscar a condição parasitária para a ascensão, significa exatamente isso que acabei de expor, o esforço individual.
  10. 10. Aquilo que nós temos que fazer em termos de aperfeiçoamento moral, ninguém vai poder fazer por nós, só nós mesmos. Esse alguém pode até dar exemplo, nos ensinar o caminho; mas o esforço tem que ser nosso. Aliás, foi isso o que o Cristo quis dizer quando proferiu: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Quem quiser vir após mim, tome a sua cruz e siga- me”. Nós temos o livre-arbítrio para decidirmos se seguimos Jesus ou ficamos estacionados. Se ficarmos estacionados vamos sofrer, porque a lei não permite que fiquemos parados por muito tempo; ela nos tange para a frente, usando o mecanismo da dor e do sofrimento. Se não formos pelo amor, iremos pela dor, porque ninguém pode parar indefinidamente. É a lei de progresso do Espírito.
  11. 11. Muita Paz! Leia Kardec! Estude, pratique, divulgue! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Com estudos comentados de O Livro dos Espíritos e de O Evangelho Segundo o Espiritismo

×