Capítulo XVII – Sede Perfeitos - Itens 8 e 9
Devemos ficar atentos ao que nos é informado, não simplesmente aos itens
que ...
Com estas palavras, o autor da mensagem quer dizer que nós, mesmo tendo
essas virtudes, ainda estamos sujeitos a pequenos ...
Nós, que estamos interessados em aprender o Evangelho de Jesus, já estamos
em um nível diferente, porque já demonstramos e...
Quando estamos trabalhando no sentido de melhorar as nossas virtudes, com
certeza estamos diminuindo as nossas más tendênc...
Jesus diz na parábola que o senhor veio um dia cobrar dos seus servos o que
eles haviam feito com os talentos. A maioria d...
Jesus nos disse que para combatermos o nosso egoísmo, o nosso orgulho, e a
nossa vaidade, a melhor maneira de fazê-lo seri...
A atitude básica de amar o nosso inimigo foi tomada. Agora, se o
investimento não deu certo, esse talento investido vai re...
Devemos utilizar as poucas virtudes que já adquirimos para trabalharmos,
cada vez mais, para a nossa evolução e para a evo...
O Espírito mensageiro nos alerta dizendo que a autoridade tanto quanto a
riqueza é um empréstimo que nos é concedido como ...
A autoridade, que é representada pelo poder temporário, é outra prova difícil
de ser suportada. Pois, às vezes, aqueles qu...
Nós já sabemos que a destinação do homem é o bem. Por isto, toda missão,
toda prova que ele recebe tem como objetivo a sua...
O superior verdadeiramente superior não teme ombrear-se com os humildes,
seus comandados, e auxilia-os nos trabalhos sempr...
Portanto, devemos ensinar aos nossos subordinados que a vida é um
condomínio que compartilhamos com os outros nossos semel...
A virtude e os superiores e os inferiores
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A virtude e os superiores e os inferiores

857 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
857
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
64
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A virtude e os superiores e os inferiores

  1. 1. Capítulo XVII – Sede Perfeitos - Itens 8 e 9 Devemos ficar atentos ao que nos é informado, não simplesmente aos itens que são objetos do estudo, mas, também, as ligações desses itens com outros capítulos e passagens de O Evangelho Segundo o Espiritismo. A VIRTUDE “A virtude, no mais alto grau, é o conjunto de todas as qualidades essenciais que constituem o homem de bem. Ser bom, caritativo, laborioso, sóbrio, modesto, são qualidades do homem virtuoso. Infelizmente, quase sempre as acompanham pequenas enfermidades morais que as desornam e atenuam”. ( François-Nicolas-Madeleine ) Isto é, tiram os adornos, desfiguram e enfraquecem as qualidades (grifo nosso).
  2. 2. Com estas palavras, o autor da mensagem quer dizer que nós, mesmo tendo essas virtudes, ainda estamos sujeitos a pequenos deslizes, que prejudicarão o brilho dessas mesmas virtudes. Fica bem claro que essa instrução se refere à pessoas que, supomos, já dispõem de algumas virtudes, e não àquelas que ainda estão engatinhando no processo evolutivo, e que não são possuidoras de uma grande quantidade de virtudes. Nós viemos a este mundo para deixarmos de lado as nossas imperfeições, os nossos erros, e adquirir a verdadeira riqueza, o verdadeiro bem, que todos nós precisamos para nossa evolução. E esse bem é a virtude moral. Riqueza que ninguém pode retirar de nós, porque nos pertence.
  3. 3. Nós, que estamos interessados em aprender o Evangelho de Jesus, já estamos em um nível diferente, porque já demonstramos estar com vontade de mudar nossa orientação de comportamento, já estamos nos preparando para sermos verdadeiros homens de bem. É claro que ainda falta muito, mas já começamos a caminhada. Quando não agimos discretamente, e ficamos alardeando o nosso feito, tecendo elogios a nós mesmos, que somos isso ou aquilo, que fizemos tal coisa, não estamos contribuindo para que tal virtude fique agregada a nós e sim acrescentando mais um defeito, a falta de modéstia, acentuando o nosso orgulho, comprometendo a nossa escalada evolutiva. Em casos especiais, no meio de uma conversa, quando não pudermos evitar de citar um fato de que tenhamos participado, isso deve ser feito da forma mais natural possível, e não com o sentido de nos engrandecer.
  4. 4. Quando estamos trabalhando no sentido de melhorar as nossas virtudes, com certeza estamos diminuindo as nossas más tendências. A Doutrina Espírita é uma via de acesso ao conhecimento das leis divinas. Ela nos dá explicações tão claras que podemos associar itens de diferentes capítulos, como por exemplo: vamos fazer uma relação desse assunto (virtude) com a Parábola dos Talentos. Embora a parábola faça referência a uma coisa monetária, porque TALENTO era uma moeda naquela época, hoje a palavra talento tem outra conotação, significa virtude. Então, quando nós recebemos virtudes, seja uma, duas, ou cinco como na parábola, nós temos que multiplicar essas virtudes. Agora, de que maneira vamos multiplicar essas virtudes? Colocando-as em prática, diariamente. Temos que investir nessas virtudes a todo momento.
  5. 5. Jesus diz na parábola que o senhor veio um dia cobrar dos seus servos o que eles haviam feito com os talentos. A maioria das outras religiões e filosofias interpreta essa cobrança que o senhor fez a seus servos como sendo um dia específico no futuro, como elas dizem, no juízo final. Mas nós espíritas sabemos que a cobrança em relação aos talentos que temos e o que estamos fazendo deles, no caso virtudes, é diária. Por isso não podemos esperar um dia específico para prestarmos contas. Temos que investir nesses talentos. Não podemos escondê-los. Muitos recebem virtudes e não sabem o que fazer com elas. E é nesse ponto que se dá a ligação da parábola dos talentos com o assunto virtude. Outro ensinamento relacionado com esse item é amar os nossos inimigos.
  6. 6. Jesus nos disse que para combatermos o nosso egoísmo, o nosso orgulho, e a nossa vaidade, a melhor maneira de fazê-lo seria amar os nossos inimigos. Quem ama o inimigo já está despojado de orgulho, de vaidade e de egoísmo. Então, nós já podemos avaliar as nossas virtudes pelo amor que dermos aos nossos inimigos. Jesus não disse que a aplicação desses talentos teria sempre que ser venturosa. Por isso, ao tentarmos por em prática a nossa virtude de amar os nossos inimigos poderemos correr o risco de o plano não dar certo de imediato. O nosso desafeto pode não querer, pode nos responder grosseiramente. Mas é o risco que temos que correr. Nós temos que fazer a nossa parte, que é investir. Se der certo, tudo bem. Se não der, tudo bem também, porque nós fizemos a nossa parte, nós escolhemos o caminho certo.
  7. 7. A atitude básica de amar o nosso inimigo foi tomada. Agora, se o investimento não deu certo, esse talento investido vai retornar de alguma forma. Com certeza não vamos perdê-lo, porque fizemos uso daquilo que aprendemos, e fizemos uso daquilo que estamos pregando. Aqueles que se interessam em cultivar a prática da Doutrina Espírita, tem que ter isso em mente. Nós sabemos que não é fácil, mas temos que fazer. Essa é a fundamental prática que nos leva às virtudes. Daí nós concluirmos que a virtude é o conjunto de todas as qualidades que caracterizam o homem de bem. Constitui a meta de perfeição que um dia todos atingiremos. Assim, quando verificarmos que já estamos crescendo em moralidade num determinado ponto, devemos colocar em prática a nossa humildade.
  8. 8. Devemos utilizar as poucas virtudes que já adquirimos para trabalharmos, cada vez mais, para a nossa evolução e para a evolução daqueles que estão à nossa volta, e nunca para nos gloficarmos e nos elevarmos, em relação aos nossos irmãos. Como nos ensinou Jesus, aquele que se eleva será rebaixado, e aquele que se abaixa será elevado. Os Superiores e os inferiores A autoridade, tanto quanto a riqueza, é uma delegação de que terá de prestar contas aquele que se ache dela investido. Não julgueis que lhe seja ela conferida para lhe proporcionar o vão prazer de mandar; nem, conforme o supõe a maioria dos potentados da Terra, como um direito, uma propriedade. (François-Nicolas-Madeleine)
  9. 9. O Espírito mensageiro nos alerta dizendo que a autoridade tanto quanto a riqueza é um empréstimo que nos é concedido como ferramenta para a nossa evolução espiritual. Deus delega ao homem essas condições para que ele as utilize em favor do próximo. Autoriza a agir, mas cobra atitude correta. Isto é, nos responsabiliza pelo resultado daquilo que fazemos. A cobrança é tanto maior, quanto maior for o conhecimento da verdade, que já estiver desenvolvido em cada um de nós. Por isso, quando estivermos numa situação de mando, de comando, tendo subordinados, não devemos esquecer que temos almas a nosso cargo, que somos parcialmente responsáveis pelo mal que eles venham a praticar, assim como, o bem que venham fazer, pois aprenderam conosco.
  10. 10. A autoridade, que é representada pelo poder temporário, é outra prova difícil de ser suportada. Pois, às vezes, aqueles que detêm o poder deixam que a ilusão do orgulho turve sua visão para a sua real destinação. E o uso indiscriminado do poder aprisiona o homem em grilhões de muito sofrimento. O poder é conferido por Deus como missão ou prova, para sermos testados em nossas aquisições de luz, a fim de podermos galgar patamares mais elevados. Esse poder é para ser usado com humildade, para a evolução do mundo, e pode ser retirado a qualquer momento. Para Deus não há superiores nem inferiores. As diferenças estão nas virtudes que possuímos.
  11. 11. Nós já sabemos que a destinação do homem é o bem. Por isto, toda missão, toda prova que ele recebe tem como objetivo a sua evolução. Se ele se deixar vencer pela vaidade, pelo orgulho, com certeza ele estará falindo na sua tarefa. Haverá um momento em que todos nós teremos que prestar contas daquilo que fizemos aqui na Terra. Seja na prova da riqueza, seja na prova do poder. E a criatura que se deixou iludir pela condição de mando, não cumprindo sua destinação aqui na Terra, terá que responder por que não empregou bem o seu dom, no sentido de proporcionar novas oportunidades de trabalho, distribuindo justiça, gerando a evolução e o progresso dos outros semelhantes.
  12. 12. O superior verdadeiramente superior não teme ombrear-se com os humildes, seus comandados, e auxilia-os nos trabalhos sempre que for necessário. Sabe que se algo é necessário fazer deve ser feito, e realiza sem se preocupar com posto ou conveniência. Este é o verdadeiro servidor de seu irmão, conforme asseverou Jesus: “O que quiser ser maior no reino dos céus, seja este o servidor de todos”. Por outro lado, os inferiores também têm um dever a cumprir, e a sua conduta, seu proceder, deve ser de um subordinado que ele gostaria de ter caso fosse o chefe. O nosso amanhã será preenchido com os valores de hoje. Ou seja, seremos tratados amanhã conforme tratamos hoje aqueles sobre os quais exercemos nossa autoridade. Hoje nós podemos estar dando ordens, amanhã teremos que obedecer e, normalmente, na mesma medida que foi exercida a autoridade.
  13. 13. Portanto, devemos ensinar aos nossos subordinados que a vida é um condomínio que compartilhamos com os outros nossos semelhantes, e estimulá-los com nosso exemplo. Daí nós concluirmos que cargos e funções de comando são talentos dados por Deus à criatura para seu próprio crescimento. Em qualquer posição que estejamos na vida, façamos o melhor. E Deus, que trata a todos com justiça e bondade, nos acrescentará tudo mais de que necessitamos. Muita Paz! Meu Blog http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br

×